Não compre essas marcas de fones de ouvido!

Confira aqui as marcas de fones de ouvido que você não deve comprar. Evite dores de cabeça e saiba quais fabricantes evitar na hora da compra.

Headphone Beats. Fonte: The Verge
Headphone Beats. Fonte: The Verge

O objetivo deste artigo não é analisar modelo por modelo de determinada marca e sim tentar mostrar aos consumidores que infelizmente há fabricantes que só conseguem vender fones de ouvido devido ao marketing e ao design, não pela qualidade que entregam em seus produtos. Os motivos para isto são diversos, mas o tempo nos mostrou que mesmo após anos, estas mesmas empresas continuam a fabricar fones de ouvido medíocres que não merecem a sua atenção. Para evitar que você perca tempo e pesquise modelos de forma mais objetiva, listarei aqui as marcas de fones de ouvido que você deve evitar.

Antes de iniciar a lista, quero deixar claro que a elaboração da mesma foi feita com base em meus 10 anos de experiência como hobbysta de fones de ouvido e administrador de grupos de fones de ouvido dedicados ao assunto. Caso queira conferir outros artigos meus sobre a temática, acesse aqui.

É importante salientar que o texto contém resumidamente minha opinião sobre cada marca e que podem existir exceções, afinal sempre há o lançamento de cada vez mais modelos, ou seja, o usuário é livre para escolher o que quer. Meu objetivo aqui é fazer com que as pessoas abram a mente para outras fabricantes que existem no mercado e que conseguem ser melhores tanto em termos de qualidade quanto preço cobrado. Acesse os links acima para saber mais sobre a temática de fones de ouvido caso queira.

Por que as marcas citadas abaixo não valem a pena?

Levando em consideração o fator custo-benefício, que nada mais é do que comparar produtos de mesma faixa de preço e analisar o qual deles entrega mais do que os outros, vemos que mesmo ao buscar escolher fones de forma criteriosa, de acordo com as atividades exercidas pelos usuários e suas necessidades, é possível obter mais benefícios em outras marcas que não as citadas na lista abaixo. Mas porque isso acontece? Há diversos motivos para que produtos venham a apresentar um desempenho inferior comparado a concorrência.

Tudo começa com a prioridade que a marca quer dar ao seu fone de ouvido. Tecnologia? Beleza? Conforto? Qualidade de som? Modularidade para trocar peças como cabos, arco e pads? Cada um destes fatores pode elevar o custo final do produto e ao mesmo tempo, nem sempre há uma boa implementação de cada um deles, pois isso exige investimento em P&D (pesquisa e desenvolvimento). A Sennheiser, por exemplo, investiu no ano passado cerca de US$76 milhões de dólares em P&D, pois ela desenvolve o hardware e projeto de seus produtos ao invés de terceirizar o serviço.

Ao adicionar a capacidade do fone se comunicar sem fio com um dispositivo, por exemplo, você automaticamente terá de utilizar um receptor Bluetooth, uma bateria interna, um DAC, um amplificador e um processador, além do que geralmente há no fone que é o driver que deverá ser desenvolvido junto com o projeto acústico da estrutura do fone. Isso encarece o fone de ouvido e na grande maioria das vezes a qualidade de som é deixada de lado para se tentar ter competitividade.

Nem toda empresa desenvolve drivers para seus fones de ouvido e muito menos seu projeto acústico, pois isso gera muitos custos. Consequentemente, certas marcas acabam apelando para a terceirização. Claro que cada uma tem seu objetivo, podendo ser qualidade, tecnologia, beleza e conforto, como foi dito acima. Mas o que você acha que a maioria escolhe? Grande parte das vezes as companhias optam por focar em outros tipos de produtos, tendo como objetivo fazer com que os fones "harmonizem" com o "kit", assim como tambem temos fabricantes que querem que seus produtos virem acessório de moda.

O que vejo muito em todo o lançamento de certas empresas é um forte apelo ao visual e nas tecnologias empregadas que na grande maioria das vezes promete muito, mas não são de fato funcionais e acabam por entregar menos que um fone de ouvido com fio estéreo (2 canais). Além disto, neste caso, não há um projeto robusto por parte de hardware, apelando assim para formas de pré-equalização dos fones através de programas ou através de chips para "tirar um som mais correto" ou um som que "agrade mais" a massa, já que o projeto do fone em si não é capaz.

No final das contas, o que o consumidor acaba pagando é pela marca, pela beleza do produto e pela promessa de tecnologias que dizem melhorar o som. Foi esta a impressão que tive das marcas citadas abaixo.

Lista de marcas de fones de ouvido para se evitar

Para avaliar se determinada marca compensa ou não, além de levar em consideração os modelos que já escutei de cada fabricante, procurei analisar se os produtos de cada uma realmente entregam um bom custo-benefício em sua faixa de preço. Ao comparar com fones de ouvido que possuem valores próximos, eu analiso fatores como ergonomia (conforto), qualidade do material (durabilidade), qualidade do som (equilíbrio tonal, definição, extensão, posicionamento dos sons dentro do palco sonoro, etc.), usabilidade (funções que podem vir a ser realmente uteis para cada tipo de atividade exercida pelo usuário que está utilizando o produto). Confira abaixo as marcas que eu considero que se deve evitar devido aos critérios citados.

Apple

Todos nós sabemos que por mais que a Apple invista em design, marketing e funcionalidades de integração com seus produtos, há um grande valor cobrado pelo o que seus fones de ouvido entregam. Encontramos aqui fones de ouvido com materiais frágeis, principalmente seus cabos, no caso dos EarPods, além de um som sem muita definição.

Fones in-ear TWS Apple Airpods Pro. Fonte: aconcagua (Wikipedia)
Fones in-ear TWS Apple Airpods Pro. Fonte: aconcagua (Wikipedia)

A única vantagem que os fones de ouvido da Apple entregam, mesmo no caso dos AirPods Pro, é a sincronização com dispositivos Apple. Ao se analisar outros critérios, há diversas concorrentes que fazem melhor, com mais funcionalidades e cobram até menos pelo produto. Exemplo no caso dos fones do tipo TWS: Sony, Bose, Sennheiser.

Artigos indicados para leitura:

Astro

Aqui temos uma empresa que é focada na venda de periféricos que teoricamente possuem seu projeto voltado para jogos. Porém o que encontramos é somente fones de ouvido bonitos, com a ilusão do multicanal, som medíocre e preços abusivos.

Headset Astro A40 TR Generation 4. Fonte: gaming-headsets
Headset Astro A40 TR Generation 4. Fonte: gaming-headsets

Se você já possui um certo conhecimento sobre fones de ouvido, sabe a qualidade não vem da beleza ou tecnologias mirabolantes, embora hoje exista softwares de virtualização do som que conseguem melhorar em certo grau o som de um headset popular (barato). A falta de qualidade não é sem motivo, pois na grande maioria das vezes, os headsets gamer são feitos por uma empresa terceirizada e consequentemente não se tem um desenvolvimento preocupado com a qualidade e sim com a venda.

Artigos indicados para leitura:

Beats

A Beats no passado já foi muito criticada e embora o som de seus fones tenha melhorado, ainda se cobra um alto valor pelos seus fones. Neste caso, o preço vem em grande parte do marketing que é feito através de diversas celebridades de diversos meios de entretenimento, além da velha tática do design para chamar atenção.

Headphone Beats Studio3 Wireless. Fonte: beatsbydre
Headphone Beats Studio3 Wireless. Fonte: beatsbydre

Já foi provado que a Beats chega a colocar peso dentro de seus fones de ouvido para que o consumidor tenha a sensação de ter comprado algo com "solidez", bem construído, que não é o caso. Nos headphones da Beats há uma grande falta de qualidade nas pads e sua troca não é fácil, pois elas são grudadas por uma cola na estrutura do fone.

Artigos indicados para leitura:

Corsair

A Corsair é uma fabricante de peças para computador e como todos sabem, seu foco não é fones de ouvido. Devido a este fato, se paga a uma empresa terceirizada para desenvolver e fabricar seus headsets gamer. Evidentemente o objetivo aqui é vender, então o que se foca neste tipo de projeto é a beleza do fone de ouvido e um mínimo de conforto, já que o produto está sendo feito para um jogador que poderá utilizá-lo por horas.

Headset Corsair HS75 XB. Fonte: slashgear
Headset Corsair HS75 XB. Fonte: slashgear

Infelizmente, assim como outros, a Corsair apresenta fones de ouvido bonitos com multicanal que estão longe de ter uma qualidade de som condizente com o que se cobra comparado a outros headphones de mesmo valor no mercado.

Artigos indicados para leitura:

JBL

A JBL engana a muitos pela sua fama obtida pelas suas caixas de som. Infelizmente a fabricante só consegue fazer bons produtos quando se trata de caixas, pois quando se trata de fones de ouvido, há materiais de péssima qualidade, conforto ruim e um som sem qualidade alguma. O que se tem na maioria das vezes são fones com excesso de graves que não possuem definição alguma (são ocos, sem controle e extensão) que acabam por invadir os médios e agudos, deixando o som "abafado".

Headphone JBL CLUB 950NC. Fonte: JBL
Headphone JBL CLUB 950NC. Fonte: JBL

Estou cansado de ver pessoas reclamando que o arco quebrou, que o som é oco ou que os fones são desconfortáveis. Ano após ano são as mesmas reclamações e acredito que a marca irá continuar batendo na mesma tecla por um bom tempo com fones bonitos, sem qualidade de som e construção medíocre.

Artigos indicados para leitura:

Logitech

Pelo fato de a Logitech ter comprado a Ultimate Ears, a empresa se salvou um pouco, mas somente na linha Ultimate Ears de fones de ouvido e caixas. Ao observarmos os fones de ouvido com a marca Logitech, observamos que se trata de fones de ouvido com uma construção voltada somente para a beleza, sem levar em conta a durabilidade e a qualidade de som.

Headset logitech G933. Fonte: trustedreviews
Headset logitech G933. Fonte: trustedreviews

Já vi diversos headsets da Logitech serem elogiados no início, logo após a pessoa ter comprado, e após um certo tempo o usuário voltar reclamando que o fone estragou ou que encontrou um headphone consideravelmente melhor pelo mesmo preço ou por vezes até mais barato. Ou seja, cuidado ao cair no marketing desta marca, eles podem fazer sua cabeça com tecnologias e funcionalidades, mas não é isso que trará uma real qualidade para o fone de ouvido.

No início do ano de 2020 foi feito uma análise do headset Logitech G Pro pelo redator Augusto Schweickardt, e este modelo recebeu muitos elogios. Concordo que o fone de ouvido possui vários pontos positivos e foge do que a maioria das fabricantes de headphones gamer costuma praticar. Entretanto, a desenvolvedora de fones suíça realizou algumas escolhas ruins como praticamente obrigar o consumidor a utilizar seu "conversor P3 para USB" ao invés da alternativa analógica, que permite a utilização de outros equipamentos para melhorar a qualidade de som como DAC/amps USB. Além disto, ainda há a dificuldade na troca das earpads ("almofadas"), algo que é necessário já que se trata de uma das peças que mais se desgastam com o tempo e suor do jogador, que é intensificado pelo material das earpads escolhido (material que imita couro). O ideal seria utilizar pads que fossem de tecido e de preferência perfurado, como fabricantes como a Brainwavz desenvolvem. Ponto positivo para a construção sem leds e com ausência de sistema de som surround multicanal, além do conforto inicial e equalização do som via hardware, embora eu seja contra alteração do som desta forma e prefira fazer isso com um driver de melhor qualidade e um projeto acústico diferente.

Artigos indicados para leitura:

Multilaser

Não preciso dizer muito sobre esta marca. Provavelmente vocês já devem ter percebido que o foco aqui é o lema que diz que o bom é barato. Infelizmente não há milagres, e evidentemente a empresa não consegue fazer muito com um preço tão baixo (ainda mais no Brasil). Por vezes os fones de ouvido da Multilaser tentam passar a sensação de serem bons através do marketing e citação de funcionalidades inúteis ou características irrelevantes, quando na verdade não tem nada a oferecer.

Headset Gamer Multilaser PH073. Fonte: DavidTecNew (YouTube)
Headset Gamer Multilaser PH073. Fonte: DavidTecNew (YouTube)

Se você não quer algo descartável, aconselho você a não investir em fones desta marca. É melhor comprar algo durável e que seja realmente bom do que comprar vários fones de ouvido todos os anos.

Razer

Se você é do meio dos jogos onde a Razer investe pesado em periféricos gamer, provavelmente já deve conhecer os fones de ouvido desta fabricante. Infelizmente, apesar do marketing de seus headsets e outros tipos de fones de ouvido ser muito bom, o que acontece na realidade é a venda de produtos bonitos com durabilidade péssima e com um valor exorbitante cobrado.

Headset Razer Kraken Pro V2. Fonte: eteknix
Headset Razer Kraken Pro V2. Fonte: eteknix

Já pude ver inúmeros relatos de pessoas dizendo que seus fones da Razer quebraram. Como se não bastasse, a marca ainda força exageradamente a questão da imersão pelo multicanal, uma tecnologia que não traz benefício algum. Enfim, os fones desta fabricante não valem o que custam em termos de som e construção e não merecem a sua atenção.

Artigos indicados para leitura:

Skullcandy

Aqui temos o foco em beleza e designs diferenciados para realmente chamar a atenção quando alguém com os fones de ouvido passar pela rua. Infelizmente a Skullcandy na grande maioria das vezes entrega somente isto, beleza. Aqui raramente você irá encontrará fones de ouvido que apresentem uma boa qualidade de som e que valha realmente a pena.

Headphone Skullcandy Riff Wireless. Fonte: 9to5google
Headphone Skullcandy Riff Wireless. Fonte: 9to5google

O único fone de ouvido que ouvi muitos elogios foi o Skullcandy aviator. Caso você o encontre por um preço que julgue bom, indico comprá-lo. Quanto ao restante dos modelos de fones de ouvido, aconselho que você os evite.

Artigos indicados para leitura:

Turtle beach

Esta marca de fones de ouvido já foi muito comentada pelos jogadores. Porém os seus fones de ouvido voltados para jogos só focam em beleza e possuem um grande marketing para incentivar a sua compra. Infelizmente os headsets da Turtle Beach não possuem grande qualidade e representam um desperdício de dinheiro em seus modelos mais caros, mas dependendo do que você estiver procurando, talvez compense se for algo abaixo dos R$300 (atendendo as necessidades de funcionalidades e qualidade razoável), entretanto o que eu viso aqui é um investimento pensando a longo prazo, que entregue qualidade não só em uma característica, mas no conjunto (qualidade de som, construção, conforto e funcionalidades que atendem as atividades para as quais o usuário utiliza).

Artigo recomendado para leitura: Os melhores Fones de Ouvido / Headsets até R$ 1000 (Outubro 2020)

Headset Turtle Beach Stealth 700 Gen 2. Fonte: godisageek
Headset Turtle Beach Stealth 700 Gen 2. Fonte: godisageek

O que encontramos nos fones de ouvido da Turtle Beach, considerando uma conjunto de qualidades sólidas que farão com que o fone atenda o usuário por um bom tempo, é uma qualidade de som pobre, com uma construção mais ou menos e um preço que não condiz com a realidade. Simplesmente a Turtle Beach repete o que a grande maioria das empresas que vendem "fones de ouvido gamer" faz, vende um fone bonito, barato, com qualidade ruim e caro.

Artigos indicados para leitura:

Qual fone de ouvido comprar?

Esta é uma pergunta que muitos podem pensar que é algo simples, mas não é. O número de fabricantes é consideravelmente maior do que a grande maioria que não sabe a fundo sobre o assunto pensa. Além disto, ainda há de se saber qual é o melhor tipo de fone de acordo com as atividades que a pessoa irá exercer, pois cada um possui uma necessidade diferente.

Artigo recomendado para leitura: Qual o melhor fone para a sua atividade?

Porém, não para por aí, há de se pensar quais características que são importantes para você em um fone de ouvido, analisando fatores como formato (exemplo: formas da estrutura, material utilizado, etc.), funções (exemplo: Bluetooth, ANC, microfone, assistente de voz virtual, controle para músicas, etc.) e capacidades (exemplo: duração de bateria, isolamento passivo, codecs de áudio Bluetooth, etc.)

Dito isto, recomendo que antes de iniciar sua pesquisa sobre qual fone comprar, faça as perguntas certas para si mesmo ou para alguém que tenha mais experiência. Pensando nisto, elaborei um artigo que auxilia justamente neste início para saber como descobrir o que você quer em um fone de ouvido: "Como fazer as perguntas certas ao escolher fones de ouvido".

Esse artigo é feito em parceria com o Grupo Fones de Ouvido High-End:

Especial: Série de artigos sobre Fones de Ouvido

Confira a série especial de artigos, em parceria com a Fones High End (Facebook, Instagram, Twitter), onde é mostrada uma nova perspectiva descomplicando tudo sobre fones de ouvido!

Como funciona?

O Som

Tecnologias

Como escolher?

Dicas

Tutoriais

Artigos

Reviews

A História

Entrevistas

5 Fones Bluetooth, qual comprar?

Conteúdo relacionado

Porque você não deve comprar um headset gamer USB/Bluetooth com 5.1/7.1 canais
Fones de Ouvido

Porque você não deve comprar um headset gamer USB/Bluetooth com 5.1/7.1 canais

Saiba o porque você não deve comprar um headset gamer USB ou Bluetooth com 5.1 ou 7.1 canais. Na grande maioria das vezes, eles não trarão um benefício condizente com o custo, o famoso custo-benefício.

O que justifica o preço cobrado por fones de ouvido mais caros?
Fones de Ouvido

O que justifica o preço cobrado por fones de ouvido mais caros?

Essa é uma pergunta muito recorrente feita por pessoas inexperientes que, infelizmente, acabam julgando de maneira errônea fones mais caros do que estão acostumados a ver no seu dia a dia. Entenda!

Alta fidelidade e praticidade: É possível caminharem juntos?
Fones de Ouvido

Alta fidelidade e praticidade: É possível caminharem juntos?

Cada vez mais os fones de ouvido Bluetooth True Wireless (TWS) e os headsets sem fio estão dominando o mercado pelo fato de proporcionarem uma liberdade e praticidade para diversas atividades. É possível conseguir alta fidelidade com eles? Entenda!