A Samsung é a maior fabricante de smartphones em atividade no Brasil, e ninguém pode discutir isso. A empresa conquistou o seu espaço nas vitrines do mercado brasileiro e assim esbanja os diversos modelos anunciados todos os anos para o mais diversificado tipo de público.

Com o fim do mês de abril, o Oficina da Net agora analisa o cenário do mercado de smartphones no Brasil e aponta as principais mudanças de acordo com o relatório da StatCounter. Apesar da pandemia que continua se esticando e impactando o mercado em geral há mais de um ano, as empresas continuam nos seus respectivos lugares, porém, com algumas variações no percentual de participação.

Apple e LG sofrem quedas e veem Xiaomi crescer

Como já se tem dito e repetido, a Samsung segue imbatível em sua liderança e não se sente nem um pouco ameaçada pela concorrência. De acordo com o relatório coletado durante o mês de abril, de todos os smartphones que são vendidos em solo brasileiro, 45,26% são da Samsung, praticamente o mesmo percentual do mês de março.

Logo atrás, em segundo lugar, temos a Motorola que conquistou o percentual de participação de 21,3% durante o mês de abril, resultado praticamente idêntico ao do mês passado. As principais alterações no mercado brasileiro durante os últimos 30 dias estão relacionadas a Apple, LG e Xiaomi.

Disputa entre Apple e Xiaomi começa a ficar mais acirrada. (Imagem: Reprodução / StatCounter)
Disputa entre Apple e Xiaomi começa a ficar mais acirrada. (Imagem: Reprodução / StatCounter)

Todas continuam ocupando os seus respectivos lugares no Top 5 do Brasil. No entanto, a Apple, terceira maior fabricante do mercado brasileiro, sofreu uma queda em seu rendimento, que passou de 13,46% em março para 13,19% em abril.

A diferença pode não ser grande aparentemente, mas deixa claro que muitas pessoas estão deixando de comprar os produtos da empresa durante a pandemia, talvez por conta dos elevados preços que vem em contramão da crise econômica no país. Para se ter uma ideia, em outubro de 2020 a Maçã tinha o percentual de participação de 15,7%. Mas de lá para cá, o resultado vem caindo cada vez mais.

Além da Apple, a LG é outra empresa que tem perdido espaço no mercado de smartphones no Brasil. Durante o mês de março, a LG assumia o percentual de 6,52% dos dispositivos vendidos. Em abril, esse resultado caiu para 6,39%.

Vale lembrar que no início do mês, a LG abandonou o mercado de smartphones em todo o mundo após uma sequência de 23 semestres de prejuízo. Dito isso, a empresa continuará vendendo os modelos que tem, mas não fabricará nenhum novo dispositivo, tornando a queda nos resultados da companhia uma consequência natural que deve ficar cada vez mais evidente daqui para frente.

Em contrapartida, a Xiaomi vem em ascensão. A gigante chinesa ocupa hoje o quarto lugar de maior fabricante de smartphones no mercado brasileiro, ficando na frente por enquanto apenas da LG. Em julho do ano passado a empresa detinha o percentual de 7,66%, o menor resultado durante os últimos doze meses. Em março deste ano, ela alcançou a meta de 9,6% e em abril chegou a 9,95%.

Comparação com mesmo período em 2020

Se levarmos em consideração o resultado de abril de 2020 e compararmos com o deste ano, o destaque fica novamente para a Xiaomi, a única que conseguiu conquistar mais território em um mercado de smartphones verdadeiramente consolidado no Brasil. Abaixo você pode comparar os percentuais dos dois períodos;

Abril/2020 % Abril/2021 %
1 Samsung 46,75 Samsung 45,26
2 Motorola 23,32 Motorola 21,3
3 Apple 10,84 Apple 13,19
4 Xiaomi 8,09 Xiaomi 9,96
5 LG 6,23 LG 6,39

Histórico de 2021

Com informações do StatCounter.