O QUE HÁ DE NOVO

O que um bom mouse precisa ter?

Grasiel Felipe Grasel por Grasiel Felipe Grasel Periféricos

O mouse é um dos periféricos mais importantes para um jogador, afinal, ele é o responsável por boa parte de sua performance em games competitivos, principalmente os que exigem certa precisão, como Counter Strike. Não é difícil dizer se um mouse é bom, hoje temos várias ferramentas e softwares que nos ajudam a avalia-lo mostrando dados e características determinantes para um veredito, e você mesmo pode descobrir se o produto que possui é de qualidade ou não.

Por mais que você pense que o comentário de usuários que “tem o mouse e nunca tiveram problemas com ele” seja o suficiente, é preciso ter a certeza de que o produto em questão é bem feito e seus componentes oferecem um bom desempenho. Para te ajudar a escolher um bom mouse, aqui vão algumas características que você deve procurar antes de gastar o seu dinheiro:

Ergonomia e construção externa

Não adianta você ter um mouse com o melhor sensor do mundo se a construção externa e ergonomia dele são horríveis. Mouses com muitas curvas e cortes podem afetar a concentração em movimentos do jogador se suas fissuras “ralarem” em extremidades da mão, o que muitas vezes pode até machucar ou causar câimbras.

Um bom exemplo de mouse com design contestável é o Logitech G302, que embora tenha um bom desempenho, pode ser extremamente desconfortável para alguns jogadores com pegada palm, pois sua traseira estreita e tamanho reduzido fazem com que seus dedos sobrem e a palma da mão “raspe” nas extremidades encurtadas da sua traseira.

No entanto, vale destacar que o G302 é excelente para jogadores com pegada Claw, pois os dedos ficam bem posicionados sobre os botões e a palma da mão encaixa melhor nas extremidades reduzidas, como se ela “abraçasse” a traseira do mouse.

Depois de ver este exemplo, fica claro que a ergonomia dos mouses pode variar de acordo com a pegada do usuário, que pode ser Palm, Finger ou Claw, como nas imagens abaixo.

O material de construção externa do mouse é outro fator que pode influenciar em sua ergonomia e conforto, isso pode ir desde o plástico utilizado em seu casco a até os pads e borrachas que ele usa. Um exemplo de um bom mouse que tem materiais de construção externa de qualidade não tão veneráveis é o SteelSeries Rival, que possui uma borracha em sua lateral que acaba desgastando bastante com o tempo.

Créditos da imagem ao Gabriel de Mattos
Créditos da imagem ao Gabriel de Mattos

Peso

Outro aspecto bastante importante para boa parte dos jogadores é o peso do mouse, afinal, dependendo de sua pegada, você pode precisar arrastar todo o antebraço ou talvez apenas o pulso, e essa característica é determinante para saber quanto tempo você conseguiria jogar sem sentir desconfortos gerados por um mouse pesado.

Alguns modelos costumam trabalhar com um “extra”: a adição de pesos na carcaça para tornar este mais um recurso personalizável, que na verdade é razoavelmente inútil, afinal, na grande maioria das vezes, você vai procurar encontrar um produto que seja mais balanceado, nem muito leve e nem muito pesado.

Qualidade do sensor e seu rastreio (precisão)

Outro aspecto que deve ser levado com extrema importância é a qualidade do sensor do mouse e como ele é implementado, afinal, ele não funciona sozinho, depende de outros componentes e drivers de dispositivo que permitem o seu funcionamento, tanto que não são poucas as vezes que correções de erros no rastreio chegam a partir de atualizações de driver.

Existem vários fatores que devem ser levados em conta quando avaliamos um sensor, são eles:

  • O jitter, que é basicamente a incapacidade do sensor em rastrear altas DPI’s, o que faz com que linhas fiquem completamente tremidas pela tentativa do equipamento de registrar dados em uma velocidade rápida demais para sua capacidade.

  • O prediction, que é uma característica bastante indesejável principalmente em jogos que requerem precisão, pois o sensor tenta recriar linhas retas onde ele possa identificar que você está tentando fazer uma, e você certamente sabe que o movimento humano é praticamente incapaz de criar linhas perfeitamente retas e, portanto, o rastreio não estaria ocorrendo de acordo com seus movimentos reais.

  • A consistência é, basicamente, a “qualidade” do rastreio em relação as informações registradas pelo sensor, verificando se existe algum tipo de distorção ou inconsistência nestes registros. Quanto mais próximas das linhas as bolinhas azuis, melhores são os resultados, mas essa característica pode variar em alguns casos.

  • A aceleração, que se estiver presente na implementação do sensor, fará com que movimentos mais rápidos recebam uma adição ou uma diminuição no rastreio, reproduzindo distâncias maiores ou menores do que você realmente percorreu ao longo do seu mousepad, isso é horrível para jogadores que buscam precisão, afinal, você nunca terá total certeza de onde sua crosshair vai parar. No exemplo abaixo, em um movimento rápido, o mouse detectou apenas um pequeno movimento, quando, na verdade, deveria ter capturado todo o caminho da linha de cima.

  • O LOD ou lift off distance (distancia de altura do rastreio) é, basicamente, a altura em relação ao mousepad que mouse continua captando movimentos. Na grande maioria dos casos, quanto menor for o LOD, melhor para o usuário, afinal, você não quer ter que reposicionar o mouse no mousepad e o movimento de reposição ser reproduzido na tela, não é mesmo?

  • A frequência de comunicação com o computador, que automaticamente lhe dirá qual é o tempo que o mouse leva para trocar informações com o computador. Uma média mínima de frequência necessária para não causar problemas de input lag ou perda de informações é 500hz, que correspondem a 2 milissegundos demora nessa “conversa” entre sensor e máquina.
  • A velocidade máxima de rastreio, que representa o limite de velocidade que o sensor é capaz de registrar informações, caso esse limite seja ultrapassado, parte do movimento que você realizou será perdido. Este aspecto geralmente só será um problema em mouses de qualidade extremamente baixa, os principais mouses presentes no mercado têm uma média de 4 m/s de rastreio e a grande maioria dos jogadores profissionais sequer ultrapassa 3m/s em seus flicks.

Qualidade dos componentes

Se o sensor for bom e o mouse for confortável, o resto não importa, certo? Errado! É inútil você ter um mouse confortável, com um sensor incrível, mas que tem componentes de baixa qualidade, que param de funcionar ou quebram, portanto, procure sempre saber se eles são de igual qualidade.

Sempre busque verificar em reviews na internet se os switches do mouse que você está querendo comprar são de qualidade, eles são a peça responsável por captar os cliques, sejam dos botões esquerdo, direito, do scroll ou outros botões extra. Se eles forem de baixa qualidade, podem causar os característicos double clicks mais facilmente.

É importante também saber como funciona o scroll do mouse e a qualidade do componente que o faz funcionar, um dos sistemas mais comuns é o de codificador ótico, uma espécie de microcâmera que detecta os movimentos da “rodinha” do scroll.

Construção interna (durabilidade)

A maneira como as peças de um mouse é disposta em sua carcaça é igualmente importante para determinar quanto tempo ele poderá durar em seu desktop, portanto, verificar como é feita a soldagem de seus componentes, qualidade do material utilizado em suportes, organização e acabamento geral.

Produtos que são mal feitos internamente costumam apresentar defeitos com pouquíssimo tempo de uso, e o maior exemplo que podemos citar é o mouse do combo Devastator da CM Storm, que além de ser feito com materiais de baixa qualidade, possui algumas das soldagens mais horrendas de todo o mercado.

Leia também:

Um RMA eficiente e rápido

O RMA, ou Return Merchandise Authorization (Autorização de Devolução de Mercadoria) ,é um serviço no qual o usuário entra em contato com a marca para pedir um novo exemplar de um produto com defeito. Ele costuma ser uma das principais dúvidas de compradores justamente por ser um grande problema em algumas marcas.

Se você tiver algum problema com o seu mouse dentro do prazo de garantia dele, o que é absolutamente normal devido a problemas recorrentes na produção de peças tão pequenas e frágeis, é extremamente importante ter a certeza de que frustrações com um serviço de má qualidade não vão acontecer.

Valer o preço cobrado

Em tempos de crise, saber gastar o seu dinheiro é importantíssimo, no entanto, não interessa o quanto você tem sobrando ou pretende gastar, mais importante ainda é saber se o preço cobrado pelo mouse é equivalente à sua qualidade, afinal, sempre podem haver outras opções que valem mais a pena e que também possam te agradar.

Não é porque produzimos conteúdos que ajudam o consumidor a escolher os melhores produtos que vamos incentivá-lo a pesquisar mais antes de gastar o seu dinheiro, mas sim porque sabemos o quão importante é evitar frustrações com escolhas erradas, portanto, reserve um pouco do seu tempo para verificar a opinião de pessoas que já testaram o mouse que você quer comprar e sabem como ele funciona.

Recomendado
Assuntos mouses, perifericos, dicas e grasielfelipegrasel
Siga nas redes
Encontrou algum erro no texto?

Entre em contato com o autor e nos ajude a melhorar a qualidade dos posts cada vez mais!

AVISAR
O QUE LER EM SEGUIDA
Comentários
Últimas publicaçõesver tudo
ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.