25 previsões tecnológicas que deram muito errado

Previsões não são coisas simples de serem feitas. Veja 25 pitacos que não chegaram nem perto de acontecer

Por | @Evilmaax Ciência

Quem aí não gosta de sair fazendo previsões e dando pitaco nas coisas? Todo mundo faz isso, inclusive os cientistas e entendidos da coisa toda. O problema é que todo mundo erra, inclusive eles.

E quando eles erram é ainda mais singular, afinal, eles são inteligentes e famosos e não deveriam ter esse direito, mas acontece. 

Confira 25 previsões e seus respectivos autores que ficaram marcadas por não se concretizarem. Ahh, e até o gênio da ficção científica Isaac Asimov acertou umas e errou outras. Confira clicando no box ao lado.

1 – "Lee DeForest disse a muitos jornais que seria possível transmitir a voz pelo Atlântico em pouco tempo. Baseado nesses absurdos e falsas declarações o povo tem sido enganado a comprar ações de sua companhia" – Advogado dos Estados Unidos processando o fundador da Radio Telephone Company em 1913.

Como você viu aqui nesse post a descoberta da transmissão de voz via ondas do rádio já havia sido feita há décadas e, inclusive, fora criada por um brasileiro. Porém, o advogado que proferiu a frase acima não sabia disso u era cético o bastante para achar que um dia as ondas do rádio seriam capazes de vencerem as distâncias de alguns poucos quilômetros e cruzar um oceano todinho.

Para a sorte do processado, era DeForest quem estava certo nessa história e suas mais de 180 patentes em vida lhe deram fama e fortuna. Seu invento mais famoso foi o Audion, um tubo de vácuo que amplificava eletronicamente o som e que, embora o próprio inventor tenha admitido mais tarde que não entendia totalmente o porquê de sua criação funcionar, ela foi crucial para um novo campo na ciência chamado “Eletrônica”.

O Audion foi ainda fundamental para as transmissões de rádio, linhas de telefone mais longas, filmes com pessoas conversando, entre outras coisas.

2 – “Não existem motivos para que alguém queira ter um computador em casa” – Ken Olson, presidente e fundador da DEC, um dos grandes nomes do negócio dos mainframes, em 1977.

Se você não sabe o que são mainframes, não se preocupe, você não é desinformado. O que acontece é que já faz algumas décadas que eles não são tão comuns quanto foram um dia. Mainframes são aqueles computadores enormes do início da era da computação. Um bom exemplo é o ENIAC, considerado um dos primeiros computadores da história e que data dos anos 40.

O Eniac pesava mais de 30 toneladasO Eniac pesava mais de 30 toneladas

A declaração de Olson data da época em que a Apple começou a vender seus computadores pessoais como o famoso Apple II. Segundo ele as pessoas não teriam motivos para ter um pc dentro de casa, já que computador era coisa de nerd naquele tempo e de nada serviriam para o dia a dia das pessoas "normais".

Segundo ele quem precisava ter uma máquina dessas eram empresas e grandes corporações que, nesse caso, estariam melhor servidas com seus mainframes. 

Hoje os mainframes ainda existem em alguns locais específicos, como grandes data centers, universidades, laboratórios de pesquisa, Nasa, etc. Conforme Olson pensou, os mainframes mantiveram sua importância, só que ele nunca imaginou o papel que os computadores pessoais assumiriam.

3 – “Praticamente não existem chances das comunicações via satélite serem usadas para proporcionar melhores telefones, telégrafos, televisão ou rádio nos Estados Unidos” – Thomas Craven, comissário da FCC (Comissão Federal de Comunicação, no original).

Proferida em 1961 a frase não parece assim tão maluca. Tá certo que os satélites já existiam naquela época e as pesquisas militares faziam desabrochar um novo local chamado de Vale do Silício onde descobertas eram feitas 24 horas por dia, porém, acreditar que eles poderiam ser usados para propósitos civis e não militares era meio difícil mesmo.

Mas para a nossa sorte ele estava errado e o primeiro satélite comercial de comunicação seria lançado em 1965. De lá para cá milhares deles já entraram em órbita proporcionando desde a compreensão do clima e uma melhor previsão do tempo até a expansão de internet a locais onde torres e cabos não conseguem chegar, além, é claro, de tudo aquilo que Craven disse que não seria possível.

4 – “Colocar um homem em um foguete multiestágio e lançá-lo ao campo gravitacional da lua onde os passageiros possam fazer observações, talvez pousar vivos e então retornar à Terra é um sonho tão distante que é digno de Júlio Verne. Eu sou firme em afirmar que uma viagem destas nunca vai ser feita pelo homem não importa os avanços futuros” – Lee DeForest, ele mesmo.

Se antes o inventor estava entre os desacreditados, agora ele está do lado dos céticos (e dos que erraram feio). A frase data de 1926 quando os livros de Júlio Verne (Viagem ao Centro da Terra, 20 Mil Léguas Submarinas, A Volta ao Mundo em 80 Dias, etc.) realmente era o mais próximo que se tinha de uma viagem para fora do planeta.

É difícil precisar quando que as coisas começaram a sair da ficção e entraram no campo das possibilidades vindo depois a serem realidade, porém dá para pontuar algumas datas importantes. Um dos primeiros grandes feitos na busca em sair do planeta data da 2ª Guerra Mundial quando os alemães fizeram pesquisas (e avanços) em busca de mísseis de longo alcance.

Assim eles chegaram a um sistema de propulsão que, pela primeira vez, mostrou ser possível desenvolver algo capaz de superar a velocidade de escape da Terra (40 mil km/h). Mas como você sabe eles perderam a guerra (ainda bem) e coube aos vencedores dar continuidade às pesquisas.

E os vencedores União Soviética e Estados Unidos deram conta do recado: Logo que a guerra teve fim eles entraram em um período de grandes avanços que resultaria no primeiro satélite e depois na tão sonhada ida à Lua.

5 – “Um foguete nunca vai ser capaz de deixar a atmosfera da Terra” – The New York Times.

E mais gente era cética quanto à ideia de sair do planeta, como o jornal The New York Times que, em 1936, publicou a frase acima.

6 – “Voar através de máquinas mais pesadas do que o ar não é prático, se não for totalmente impossível” – Simon Newcomb, início do século XX.

A frase foi dita pelo astrônomo e matemático americano apenas 18 meses antes dos irmãos Wrigth planarem com seu avião em 1900.

E antes que você escreva um comentário dizendo que os méritos pelo primeiro voo de avião sejam de Santos Dumont, adianto-me e explico: Também concordo que o primeiro voo seja do brasileiro. Por isso que na frase acima disse que os primeiros voos dos americanos consistiram em planar com o auxílio do vento. Pois é, a engenhoca deles não tinha motor, propulsão ou outras “coisas de avião” que o14-Bis tinha.

Mas como a previsão do astrônomo fala da impossibilidade de um voo em um objeto mais pesado que o ar, não dá para negar. O planador era mais pesado e voou. Tenho de ser justo.

Para ver mais sobre a discussão de quem teria feito o primeiro voo de AVIÃO mesmo, confira este lindo link

7 – “Máquinas voadoras mais pesadas do que o ar são impossíveis” – Lorde Kelvin.

E o assunto de algo mais pesado que o ar se manter vooando era mesmo polêmico naquela época. Tanto que o nobre e presidente da Academia Real de Ciências Britânicas resolveu dar o seu palpite.

Além de preidente de uma das mais antigas e respeitadas academias de ciências do mundo, em seu currículo Lorde Kelvin pode colocar que foi o criador da 1ª e 2ª lei da Termodinâmica, além de importantes contribuições para a análise matemática e a física. Ou seja, ele era alguém a ser ouvido quando o assunto era palpites sobre a ciência.

E mesmo com todo essas prerrogativas, ainda assim ele deu um vacilo daqueles. Ahhh, e sim, é por conta dele que a temperatura Kelvin se chama Kelvin mesmo.

8 – “Nunca vai existir um avião maior” – engenheiro da Boeing.

Embora o autor da frase seja um desconhecido engenheiro da Boeing a frase ficou marcada para  a posteridade. Ela foi dita após o primeiro voo de um 247, avião bimotor para 10 pessoas há mais de 80 anos.

Lançado em 1933 o avião que teve só 75 unidades produzidas não demorou muito a ser substituído pelas novas tecnologias com os anos 40, como as cabines pressurizadas, capacidade em voos de maiores altitudes e aeronaves com 4 motores.

Hoje o maior avião do mundo é o Airbus A380 que tem capacidade de transportar de 525 até 853 pessoas (modelo tradicional com 3 classes de passageiros e modelo com apenas classe econômica, respectivamente). É, parece que erramos um pouquinho nessa daí.

Hoje o A380 é o maior avião comercial do mundoHoje o A380 é o maior avião comercial do mundo

9 – “Aspiradores de pó movidos por energia nuclear serão realidade em 10 anos” – Alex Lewyt, presidente da companhia de aspiradores de pó Lewyt Corp. em 1955.

Não se sabe se ele estava alardeando os produtos da empresa ou se de fato acreditava que isso pudesse acontecer até 1965.

Oa 2 cenários são bem possíveis já que podemos imaginar a euforia tecnológica que vivia o mundo naquela época de corrida espacial com os satélites sendo lançados, microchips tornando os dispositivos cada vez mais inteligentes e menores, etc. porém, pensar que um dia manusearíamos energia nuclear assim como manuseamos uma bateria de celular é um tanto quanto impossível.

Se uma série de desastres nucleares já devastaram o mundo e evacuaram regiões inteiras mesmo com toda a precaução das usinas nucleares imagine uma reação nuclear acontecendo aí na sua casa dentro de um recipiente de plástico.

Entre as tragédias com energia nuclear, o caso mais conhecido até hoje é o de Chernobyl e o mais recente o de Fukushima.

10 – “Essa foi a coisa mais idiota que já fizemos. A bomba nunca vai sair do chão, e eu falo como um expert em explosivos” – Almirante Willam Leahy sobre a bomba atômica.

A frase foi dita em 1945 diretamente ao presidente americano Harry Truman, poucos meses antes dela devastar as cidades japonesas de Hiroshima e Nagaski. Infelizmente dessa vez a previsão não se concretizou.

Mas essa não seria a única frase a respeito da energia atômica e seu poder.

11 – “A energia produzida pela quebra dos átomos é uma coisa muito fraca. Qualquer que acha possível tirar energia dali está falando besteiras” – Ernest Rutherford pouco tempo após dividir um átomo pela primeira vez.

Nem mesmo um elemento químico em sua homenagem e um Nobel de química pelas “investigações sobre a desintegração dos elementos e a química das substâncias radioativas” impediu um dos maiores cientistas do século XX de dar uma bola fora dessas.

O físico neozelandês foi responsável pela divisão do até então indivisível átomo, isso lá em 1917. O que ele encontrou foi então batizado de próton. Além disso ele descobriu o conceito da meia-vida radioativa, provou que radioatividade envolve a transmutação de um elemento para outro, a radiação Alpha e Beta, entre muitas outras coisas, incluindo o modelo de Rutherford que a gente aprende na escola.

12 – “Não existe o menor sinal de que a energia nuclear vai ser obtida um dia. Para que isso acontecesse o átomo teria de ser quebrado diversas vezes” – Albert Einstein, em 1932.

E se até o maior cientista do último século errou feio, quem somos nós nas nossas mancadas do dia a dia.

Einstein proferiu a frase em 1932 anos depois de Bohr quebrar o átomo pela primeira vez e anos  antes de conseguirem quebrar os átomos o suficiente para produzir uma reação em cadeia que levaria à umas das fontes de energia mais potentes que se conhece.

O feito só seria alcançado mais de uma década depois quando o projeto Manhattan concluiu com sucesso a criação da bomba atômica.

13 – “O cinema é uma mania. É drama enlatado. O que o público quer mesmo é ver carne e osso em palco” – Charlie Chaplin.

Sim, você leu corretamente o nome do autor da frase: Charlie Chaplin.Charlie Chaplin enquanto jovemCharlie Chaplin enquanto jovem

A frase data de quando ele ainda era um jovem ator de teatro que amava o palco, antes de se tornar um diretor, ator e fundar um estúdio de cinema e se tornar um dos rostos mais conhecidos de Hollywood (junto com Marilyn Monroe).

Assim, em 1916, ele profetizou que sua arte nunca seria substituída por um filme sem expressão que repetia sempre a mesma emoção vazia e que não interagia com a audiência. Naquela época o cinema podia até estar engatinhando, mas hoje é uma indústria multibilionária.

Em 2016 foram cerca de 40 bilhões de dólares arrecadados no mundo apenas com bilheterias, sem contar venda de direitos para streamings e tv, dvd’s e blu-rays, merchandising, etc.

14 – “O cavalo está aí para ficar, mas os automóveis são só uma novidade, uma moda” – presidente do Banco de Poupanças de Michigan em um conselho a um correntista.

O nome do diretor do banco não ficou para a história, mas o correntista sim. Aconteceu da seguinte maneira: Horace Rackham foi um dos advogados contratados por Ford para fazer os documentos de criação da montadora e que gostou tanto da ideia que acabou entrando de cabeça na história.

Mesmo assim Rackham se esquivou de todos os conselhos negativos, pegou grana emprestada, vendeu o que podia vender e comprou 50 papéis da Ford Motor Company de um total de 890 que foram emitidos na primeira leva, ou seja, quase 6% da empresa passou a ser dele naquele momento. Paralelamente a isso ele ainda foi eleito o presidente do conselho de acionistas da Ford que lhe daria mais alguns rendimentos por sua função.

Pois bem, a Ford prosperou e quando Horace resolveu vender suas ações ele conseguiu um total de 12.5 milhões de dólares (176 milhões em valores corrigidos). Nada mal para quem resolveu não seguir os conselhos de investimento do cara que, supostamente, seria a pessoa mais indicada para dar conselhos sobre investimento.

Hoje os mesmos 6% da Ford que ele comprou há mais de 100 anos estão avaliados em 2.75 bilhões de dólares.

15 – “Os americanos precisam de telefone, mas nós não. Nós temos um monte de garotos de recado” – Sir William Preece, chefe de engenharia do correio britânico em 1878.

Pode parecer estranho, mas em 1878, os garotos de recado que iam correndo de um lado para o outro eram a melhor opção em transmissão de mensagens em pequenas distâncias onde não era viável a instalação do telégrafo ou não existia a possibilidade de implementação de tal recurso.

Assim, quando surgiu o telefone e sua praticidade de se comunicar rapidamente entre longas e curtas distâncias, todo mundo curtiu, exceto o cara que cuidava da engenharia dos correios. Talvez ele só estivesse com medo de perder o emprego. Vai saber. E ele não foi o único, veja o próximo.

16 – “O ‘telefone’ tem falhas demais para ser de fato considerado um meio de comunicação. O dispositivo não tem valor para nós.

Essa foi uma das frases de um memorando público da Western Union de 1876. A empresa, que existe até hoje, foi fundada nos anos de 1850 e operava uma extensa linha de telégrafos através dos Estados Unidos. Ela chegou a ser uma das empresas mais poderosas do mundo com uma capitalização de mais de 41 milhões de dólares em 1876 (cerca de 850 milhões em valores corrigidos).

A empresa, que também trabalhava com garotos de mensagem, é claro, também se opôs à modernidade e advento do telefone. Não deu muito certo, já que a invenção de Graham Bell triunfou sbre todas as críticas e previsões negativas.

Para a sorte da WU eles souberem se adaptar e ainda hoje estão no mercado trabalhando, principalmente, com remessa de valores.

17 – “O potencial de mercado para máquinas copiadoras é de, no máximo, 5000

Essa foi a resposta da IBM para a proposta dos fundadores da Xerox, a primeira empresa de fotocopiadoras do mundo, em 1959.

Mas acreditar que 5000 mil unidades era mais do que o mercado poderia absorver não foi o pior dos seus erros. O pior de todos ocorreu alguns anos atrás quando um dos criadores da tecnologia das “máquinas de xerox” tentou vender a ideia a IBM e eles categoricamente recusaram por não entender o conceito.

Embora a Xerox tenha se tornado uma das maiores empresas do mundo, com receita acima da casa dos 10 bilhões de dólares, a melhor parte da história da marca é que eles são os fundadores do Xerox Parc, o mais famoso e importante centro de pesquisas do Vale do Silício. Foi de lá que saiu a interface gráfica, o mouse, a conexão Ethernet e tantas outras coisas ainda nos anos 70. Mais dessa história você pode ver aqui.

Xerox Parc é até hoje um dos locais mais importantes para a história da computaçãoXerox Parc é até hoje um dos locais mais importantes para a história da computação

18 – “Eu confesso que minha imaginação se recusa a enxergar qualquer tipo de submarino que faça algo além de sufocar sua tripulação e afundar no mar” – H.G. Wells.

Talvez você não conheça o escritor britânico Herbert George Wells, um dos maiores escritores de ficção científica de todos os tempos, então, para começar eu vou lhe dar os nomes de algumas de suas obras: A Máquina do Tempo, O Homem Invisível, A Guerra dos Mundos e O Primeiro Homem na Lua.

Viu só os títulos? Se alguém que escreve uma história sobre guerra entre civilizações interplanetárias não consegue imaginar um submarino flutuando na água é porque o erro na previsão foi grande. H.G. Wells pode ser um célebre escritor, mas nas previsões ele era um desastre. O ano em que ele disse isso foi 1901, cerca de 15 anos antes deles passarem a ser usados em grande escala na 1ª Guerra Mundial.

19 – “Será provado que os raio-X são uma fraude

Sabe quem disse essa? Lord Kelvin, de novo. Sim, ele mesmo que duvidou do avião,também foi que duvidou dos raios-X uma das maiores revoluções da medicina dos últimos tempos.

A frase foi dita em 1883 quando os raios-X ainda eram apenas uma teoria não comprovada, mais de 10 anos antes de sua comprovação, que só aconteceu em 1895 pelo alemão Wilhelm Conrad Röntgen. Por esta descoberta, aliás, ele foi o 1º agraciado com o prêmio Nobel de física em 1901.

20 – “Ficar mexendo com corrente alternada é uma perda de tempo. Ninguém vai usá-la, nunca.” – Thomas Edison, ‘inventor’ da lâmpada e tantas outras coisas em 1899.

O motivo da palavra inventor na frase acima estar entre aspas é proposital: Edison era um baita de um esperto e a maioria das coisas que ele inventou ele não inventou. Deu para entender? Em outras palavras, ele roubou suas invenções.

Portanto ele falar mal da corrente alternada talvez não tenha sido por desconhecimento ou ingenuidade, mas sim por má-fé mesmo. Acontece que ele tinha criado o sistema de corrente contínua, padrão adotado pelo Estados Unidos e que gerava uma boooooa grana para ele em royalties. 

Portanto, quando Nikola Tesla surgiu com sua invenção da corrente alternada Edison ficou apavorado em pensar que ele poderia perder de uma hora para a outra aquela generosa contribuição que pingava todos os dias 5 do mês e que vinha das contas de luz de todos os Estados Unidos. Assim até dá pra entender o porquê dele não aceitar tudo de mãos beijadas.

21 – “Gravações caseiras estão matando a música” – propaganda da BPI (British Phonographic Industry) nos anos 80.

Sabe aquela história de que baixar e-books vai acabar com as editoras, de que baixar/gravar filmes vai acabar com os cinemas, que gravar cd’s caseiros ou baixar música vai acabar com as gravadoras e com os artistas, etc. etc.?

Pois é, essas campanhas depreciativas dos novos modos de consumir conteúdo não são nem um pouco recentes. A frase 21 dessa lista é, na verdade, um slogan de uma campanha que vinha impressa nas antigas fitas K-7 há mais de 20 anos e advertia que usá-las para gravar músicas que você escutava no rádio era PIRATARIA.

Talvez você nunca tenha notado, mas o navio que é o logo do Pirate Bay tem uma fita K7 com 2 ossos embaixo ao invés da tradicional caveira pirata. Pois bem, esse é a logo que fora criado para a campanha da BPI. Passei a gostar mais ainda do PB depois que descobri isso.

25 previsões tecnológicas que deram muito errado

22 – “Quando a exposição de Paris [de 1878] terminar as luzes serão apagadas e ninguém mais vai ouvir falar de eletricidade” – Erasmus Wilson

Quem desacreditou da eletricidade não foi um qualquer, foi um professor da universidade de Oxford, uma das mais prestigiadas do mundo. Na época da colocação já havia o motor elétrico (criado em 1821), e Tesla estava fazendo suas primeiras experiências que resultariam, em breve, na corrente alternada, que é o verdadeiro motivo de nós todos termos eletricidade em casa hoje.

Tá certo que ele era professor de Oxford, mas não dá pra entender muito bem porque ele resolveu dar um pitaco sobre a eletricidade, afinal ele era um excelente cirurgião, dermatologista e essas eram as áreas que ele lecionava. Por que ele resolveu falar de energia elétrica ainda não sabemos.

23 – “Caro Sr. Presidente: O sistema de canais deste país está sendo ameaçado por uma nova forma de transporte, conhecida como "ferrovias" ... Como você bem sabe, Sr. Presidente, as carruagens "ferroviárias" são puxadas na enorme velocidade de 15 milhas por hora por "motores" que, além de pôr em perigo a vida e os membros dos passageiros, rugem enquanto atravessam o campo incendiando as colheitas, assustando o gado, mulheres e crianças. O Todo-Poderoso certamente não pretendia que as pessoas viajassem a uma velocidade tão rápida” – Martin Van Buren, governador de Nova Iorque em 1830.

Não sei se você se lembra das aulas de história e revolução industrial, mas ela ocorreu em fins do século XVIII e início do século XIX. O motor a vapor de James Watt permitiu uma série de melhorias na vida das pessoas desde produtos mais baratos devido às novas máquinas de produção em série até o transporte facilitado com as moderníssimas Marias-Fumaça.

A primeira linha férrea comercial foi inaugurada em 1825, assim não é de se estranhar o espanto do governador nova-iorquino 5 anos depois quando aqueles monstros de metal cruzaram o atlântico para se estabelecer nas suas terras.

Em pouco tempo as ferrovias ligariam a costa leste americana à costa oeste e substituiria as viagens perigosas que duravam semanas em uma carroça por um percurso tranquilo de alguns dias. Sem os trens os Estados Unidos não seriam o que são hoje, sem dúvidas. Pena não termos tido a sacada dos americanos e investido nesse meio de locomoção.

24 – “Viagem ferroviária de alta velocidade não é possível por causa dos passageiros que, incapacitados de respirar, morreriam de asfixia” – Dr. Dionysys Larder, professor de filosofia natural e astronomia da universidade Colégio de Londres.

Dr. Larder nasceu em 1793 e morreu em 1859. Isso quer dizer que ele nasceu quando se acreditava em algumas coisas bizarras, como alquimia e geração espontânea. Não é de se admirar que ele acreditasse que menos de 25 km por hora fossem o suficiente para matar alguém asfixiados.

O que ele diria de um lançamento espacial que passa dos 40 mil km por hora?

25 – “A caixa de música sem fio não tem nenhum valor comercial imaginável. Quem pagaria por uma mensagem enviada para ninguém em particular?” – Conselheiros de David Sarnoff, um dos pioneiros do rádio e televisão nos EUA.

Quem investiria em uma mídia que fosse emitida para todo mundo sem direcionar para ninguém? Sem saber bem quem vai alcançar e como será o retorno desse investimento? Tem um pouco de lógica nesse apontamento, porém, os resultados mostram coisas diferentes.

Até hoje o rádio é considerado um dos melhores meios de propaganda sendo mais eficaz na conversão de clientes do que televisão e internet, por exemplo.

Você lembra de alguma previsão marcante que deu terrivelmente errada? Deixe nos comentários logo abaixo.

Mais sobre: ciencia historiasdigitais
Share Tweet
Comentários
Destaquesver tudo