Como foi inventado o satélite?

Há mais de 45 anos começava a era espacial, mas você sabe como essa revolução se deu?

Por | @Evilmaax Ciência

Você sabia que neste momento nosso planeta está sendo orbitado por 1071 satélites artificiais em operação e que cerca de 100 novos satélites são postos em órbita todo ano, na maioria das vezes para substituir os que precisam ser aposentados? E que a maioria deles, os mais tradicionais, estão na ativa desde os anos 60, exercendo funções de transmitir sinais de televisão e previsões meteorológicas? Talvez você também já saiba que o tipo de satélite que mais cresce em quantidade são os de telefonia, GPS e navegação de internet.

Bom, talvez você já soubesse de tudo isso, ainda mais se tivesse lido este post do Tecno Curioso, mas você sabe como ele foi inventado? Veremos isso logo abaixo. 

O primeiro satélite artificial (precisamos diferenciá-los do nosso único satélite natural, a lua), foi criado pela antiga União Soviética e lançado em 1957 durante a Guerra Fria, aquele período da história da humanidade em que o mundo se polarizou entre comunistas – defendidos pela União Soviética – e capitalismo – defendido pelos Estados Unidos da América.

 A Guerra Fria, conforme você lembra dos tempos escolares, iniciou-se logo após o final da 2ª Guerra Mundial e duraria por quase 50 anos. Estas décadas foram marcadas por pontos negativos, como a tensão e o medo de uma guerra nuclear que imperava frente à corrida armamentista disputada pelos 2 países, mas também houve pontos positivos, como a briga tecnológica, que entre outras coisas possibilitou a criação da internet, levou o homem à Lua e, como veremos hoje, lançou os satélites artificiais ao espaço.

Como foi inventado o satélite?

No entanto, as primeiras ideias sobre a criação de um corpo artificial que pudesse circundar o planeta são bem mais antigas. Elas começaram ainda no século XVIII com as teorias sobre gravitação de Isaac Newton, que em seus estudos já previa a possibilidade de isso dar certo. E não foi só ele, até que virasse realidade, vários escritores de ficção científica propuseram novos conceitos sobre satélites e, com isso, conseguiram ajudar na dilapidação de quesitos chave, como funções, aerodinâmica, etc.

Foi somente após muito estudo e testes fracassados que os soviéticos conseguiram pôr em órbita, com sucesso, o Sputnik 1 – palavra russa para “Viajante” –, em 1957, mais precisamente em 4 de outubro daquele ano. Tal feito iniciou a corrida espacial, que como dissemos antes, culminaria com o homem pisando na Lua em 1969, bem como alguns animais – macaco e cachorro, por exemplo – viajando no espaço sideral.

Como foi inventado o satélite?

O Sputinik I era muito diferente dos satélites lançados hoje em dia. Era uma esfera de cerca de 50 cm de diâmetro e 83 quilos, sem qualquer equipamento científico ou tecnológico, exceto por um aparelho de rádio 1 watt e um design estranho com 4 longas “pernas”, que eram na verdade as antenas para transmitir os sinais do rádio. Ele não tinha nenhuma função específica, como os de hoje em dia que podem ser militares, de geolocalização, retransmissores de sinal, etc.

O primeiro satélite feito pelo homem somente transmitia um sinal em formato de "beep", que podia ser sintonizado por qualquer radioamador. Além disso, sua velocidade era de 29 mil quilômetros por hora, o que resultava em pouco mais de 1 hora e meia para dar uma volta completa ao redor do planeta em uma de suas 1440 órbitas elípticas para as quais ele havia sido programado.

Mesmo com toda sua precariedade – se comparado aos tempos atuais – o Sputinik I foi um marco e um grande avanço na história da exploração espacial, ajudando, inclusive a alavancar o Programa Apollo dos EUA que levaria o homem à lua pouco mais de 10 anos depois.

A vida dele foi curta. O satélite orbitou a terra por apenas 90 dias e viajou cerca de 70 milhões de quilômetros antes de cair; pouco, mas a semente para o futuro estava plantada. Com medo de ficar para trás na corrida espacial, os Eua – que já haviam falhado em 2 tentativas de lançar um satélite espacial – criaram a Nasa e a ARPA (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa), que criaria a Arpanet, que, por sua vez, se tornaria na internet e possibilitaria que você lesse esse texto. A partir daí os satélites foram evoluindo, passaram a contar com painéis solares para geração de energia, por exemplo – a bateria do Sputinik I durou 21 dias até cessarem os “beeps”.

Atualmente, dependendo da função, os satélites são colocados em órbitas de diferentes altitudes. Os de comunicação, por exemplo, encontram-se principalmente na órbita geoestacionária, a uma altitude de cerca de trinta e seis mil quilômetros, enquanto satélites que fotografam a superfície do planeta ficam entre cem e duzentos quilômetros acima da superfície.

O lançamento de um primeiro satélite artificial também impressionou – e amedrontou – o mundo por um outro motivo: O seu lançador, chamado de R-7 Semyorka foi o primeiro míssil balístico intercontinental da história. Na prática isso significava que a URSS soviética poderia lançar ogivas nucleares nos Estados Unidos diretamente do seu território. A partir deste momento o mundo viveu sob a tenção de uma guerra nuclear.

Como foi inventado o satélite?
O foguete lançador do Sputinik I

Veja abaixo uma animação de como funciona o lançamento de um foguete e a “colocação” de um satélite artificial em órbita, hoje em dia, feita pela Nasa.

 

Agora veja no vídeo abaixo as rotas atuais de alguns satélites neste momento. A animação é de 2012 e também foi feita pela Nasa.

Interessante de notar que os satélites não circundam apenas a Terra, mas sim a Lua e vários outros planetas em missões de estudo. E por aqui, mais de 5 mil satélites já entraram em órbita nestes mais de 50 anos desde o primeiro lançamento; os que são aposentados tem 2 destinos: Podem ser programados para retornarem à Terra e então são destruídos ao entrarem na órbita terrestre ou então podem ficar vagando pelo espaço na órbita cemitério, uma rota destinada especialmente aos “entulhos” espaciais, onde não terão possibilidade de se chocar com satélites em operações, aeronaves ou estações espaciais.

No entanto, somente 1 terço consegue chegar até a Órbita Cemitério. Veja abaixo uma projeção do cenário atualmente.

Como foi inventado o satélite?

E o Brasil?

Hoje só existem 8 países que têm a tecnologia necessária para lançar um foguete e colocá-lo em órbita, são eles: Rússia, Estados Unidos, China, França, Índia, Japão, Israel e Irã, no entanto outros países como o próprio Brasil e a Coreia do Sul investem pesado para lançar sozinhos um satélite. Note, no entanto, que já produzimos satélites nacionais desde os anos 80, é o BraSilSat A1, um satélite de comunicação geoestacionário – ou seja, que fica parado em apenas 1 ponto.

Como foi inventado o satélite?

E por fim, se você quiser descobrir onde estão todos os satélites que nos rodeiam, dê o play abaixo e agradeça ao Google Earth.

Gostou? Quer saber como foi inventado mais alguma coisa? Conte-nos nos comentários, logo abaixo.

DESTAQUESRecomendado
Siga nas redes
Mais compartilhados
O QUE LER EM SEGUIDA
Comentários
  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    As melhores publicações no
    seu e-mail

  • Preencha para confirmar