A história de Elon Musk

Se você sempre quis ser Steve Jobs, prepare-se para querer ser Elon Fucking Musk

Comentários Maximiliano Meyer
Seguir
  -

Desde que Steve Jobs foi-se o Vale do Silício e o restante do mundo tenta encontrar uma nova mente que pense além, que seja inquisitiva, que dê às pessoas aquilo que elas nem sabiam que precisavam e que faça aquilo que todos diziam ser impossível. O que o pessoal não sabia era que esse alguém já existia, chamava-se Elon Musk, coabitava o Vale e trabalhava em suas loucuras - e passava por apertos - na mesma época em que o fundador da Apple despontava ao status de gênio com o lançamento do iPhone, iPad e outros gadgets.

Sejamos sinceros, Steve Jobs só virou Steve Jobs por causa do aparato midiático que envolvia os seus feitos e a legião de fãs que a Apple cativou, porém, nada mudou o mundo para melhor. Portanto, se colocarmos na ponta do lápis, faltou MUITO para Steve Jobs se tornar um Elon Musk, e olha que Elon ele está longe de parar.

A história de Elon começa bem antes de seu nascimento, quando seu avô, um americano que fora morar no Canadá, quiroprático de sucesso e um dos maiores especialistas em dor de coluna no mundo resolve juntar suas coisas do dia para a noite e partir para a África do Sul. Lá seu avô e sua avó levariam uma vida um pouco “incomum”. Eles tinham, por exemplo, um pequeno avião monomotor que pilotavam constantemente. Em uma das viagens chegaram a fazer mais de 35 mil quilômetros indo da África à Escócia e depois à Noruega e voltando, em outra fizeram mais de 48 mil quilômetros indo da África à Austrália. Acredita-se que eles tenham sido os únicos pilotos não comerciais a fazerem o trajeto num monomotor até hoje.

A mãe de Elon – chamada Maye – cresceu neste ambiente: incursões pelo deserto, aventuras em uma suposta cidade perdida, expedições que duravam mais de mês, entre outros feitos que as amigas de sua idade nem sonhavam. Com tal criação ela esperava que seus próprios filhos fossem seguir os instintos aventureiros da família, mas seria bem isso que aconteceria com o seu primogênito, pelo menos na infância.

Elon Musk nasceu em 28 de junho de 1971 na África do Sul, mais precisamente em Pretoria, sendo o primeiro de 3 irmãos. Embora inteligente e precoce nos aprendizados, segundo sua mãe, ele chegou a ser considerado surdo, pois tinha o costume de fixar um olhar em um ponto e ficar preso a ele por longos minutos mesmo que alguém o chamasse insistentemente. Após muitos exames e a suposta surdez os médicos removeram as suas glândulas adenoides, em um procedimento comum em crianças que possuem sua audição limitada.

Elon continuaria em seus transes até ser alfabetizado e arrumar um novo mundo onde podia se perder. Ele lia tudo que encontrava. Ler 10 horas por dia não era raro para ele. Começou pelos livros que o atraía e quando estes terminaram em casa, atacou a biblioteca da escola e depois a biblioteca do bairro. Quando estes também terminaram começou a ler a famosa Enciclopédia Britânica (ele ainda leria outra após terminar esta).

(..) talvez no segundo ou terceiro ano tentei convencer a bibliotecária a encomendar livros para mim. Então comecei a ler a Encyclopaedia Britannica. Isso ajudou muito. Você ignora o que não sabe. E acaba percebendo que há todo um mundo de coisas lá fora.

Uma das principiais brincadeiras era perguntar qualquer coisa para ele. Como Elon possuía uma espécie de memória fotográfica, raramente era pego por uma pergunta que não houvesse lido a respeito e não soubesse a resposta.

E aqui é importante uma observação: Segundo o próprio Elon, seu cérebro funciona de modo diferente das pessoas normais. Enquanto pessoas "normais" imagina algo como, por exemplo, um motor em sua cabeça, estático e muitas vezes em 2D apenas, ele consegue fazer não só uma imagem 3D, mas dividir o tal motor em seções e ver como ele trabalha, ver os pistões agindo com o impulso das explosões, aplicar diferentes cargas e simular cenários precisos. O que fazemos com um computador – e com sofrência – Musk faz com a mente - e com facilidade.

Elon e sua mãe, Maye Musk
Elon e sua mãe, Maye Musk

A infância de Elon não foi relativamente tranquila. Seu pai era um engenheiro bem sucedido e sua mãe era nutricionista e modelo - profissão que ainda exerce mesmo com seus quase 70 anos. Eles moravam em uma casa enorme e as crianças tinham acesso a tudo que queriam. Fizeram viagens internacionais desde pequenos e tiveram acesso quase imediato ao lançado computador pessoal.

O primeiro contato de Elon com uma máquina dessas foi no início dos anos 80, quando os primeiros computadores começarama a aparecer na Ádrica do Sul. Seu pai conta que comentou com os meninos sobre uma palestra co alguns ingleses que estavam indo ao país só para falar sobre o assunto. Elon não parou enquanto seu pai não o inscreveu para aquelas 3 horas de debate - não foi fácil, pois crianças não eram permitidas. Após a palestra, quando foi buscar o garoto ele já não estava mais no lugar em que havia o deixado, Elon, com seus 11 anos, estava entusiasmado conversando com um grupo de ingleses sobre o que havia ouvido. Quando seu pai foi buscá-lo e perguntar se ele não estava causando problemas, um dos professores disse que ele devia colocar um computador na mão de seus filhos.

E foi assim que em 1982 ele ganhou um Commodore VIC-20, um computador que vinha com 5 KB de memória, 32 KB de armazenamento e um manual de programação em BASIC. O manual que julgava-se necessário 6 meses para total assimilação foi atingido em cheio pelo TOC de Elon Musk que passou 3 dias acordado, sem ao menos um cochilo, até terminá-lo.

Nesta época os computadores usavam as Tv
Nesta época os computadores usavam as Tv's como monitores

Ele ficou completamente alucinado com a ideia de que podia instruir uma máquina a fazer qualquer coisa que desejasse e não demorou muito para que criasse seu primeiro código. Foi o jogo Blastar, codificado em 167 linhas. Sua invenção foi publicada em uma revista sobre computadores da África do Sul e ele ganhou 500 dólares como premiação (o que era MUITO dinheiro na época. Para comparar, o PC de Elon custava menos de 300 dólares no lançamento).

Embora o game não tenha feito muito sucesso – já que na época você precisaria reproduzir corretamente todas as 167 linhas para jogar o game – estava de bom tamanho para um garoto de 12 anos (pergunta: o que você estava fazendo com 12 anos? deixe nos comentários). E você aí achando legal o Steve Jobs que criara um game para a Atari quando já era maior de idade, Tsc Tsc.

E se você ficou curioso para ver o jogo em ação, saiba que alguém o codificou e você pode conferir nesse link.

Como sabemos crianças são maldosas umas com as outras, correto? E se você é o nerd da escola, aquele que prefere ficar lendo ao invés de jogar bola e socializar, é melhor que tenha grande resistência a dor. Elon parecia ser o alvo predileto dos valentões da escola. Perseguiram-no por anos, e, na verdade, não somente ele. Seu melhor amigo foi perseguido e apanhou diariamente até desistir de andar com ele. As surras eram constantes e em uma das vezes Musk apanhou tanto que desmaiou e foi levado ao hospital. Só conseguiu voltar à escola 1 semana depois. Como resultado ele ainda ganhou um nariz torto que precisou ser consertado com cirurgia alguns anos depois.

Para piorar, nesta época seus pais já haviam se divorciado e a vida em casa era tão difícil quanto na escola. Elon morou pouco tempo com a mãe e resolveu ir morar com o pai. Até hoje Elon, como seu irmão Kimbal, não gostam de falar sobre o período, sobre seu pai - Errol Musk - e sobre sua relação (a relação com Errol é tão complicada que futuramente Musk e sua esposa acordariam que seria melhor para seus filhos que eles nunca conhecessem seu avô paterno). O consenso entre a família Musk é que o patriarca é uma pessoa de convivência muito difícil, mas, pelo pouco que Elon deixou escapar até hoje sobre o assunto, foi uma época fundamental para que ele saísse da sua zona de conforto e superasse seus limites. 

Elon considera este período importantíssimo para ele ter se tornado o bilionário perseverante que se tornou hoje. Por conta disso hoje ele já disse que tenta impor algumas “dificuldades” aos seus 5 filhos. Segundo ele, eles não podem ter mais horas de videogame do que horas de leitura por semana, por exemplo. Mesmo sendo herdeiros das empresas mais promissoras do mundo – e do espaço – Musk quer que eles se superem nas adversidades impostas, assim como aconteceu com ele próprio, embora Elon trate seus filhos de uma forma muito mais branda a qual fora tratado.

A ideia de ir morar com o pai foi a primeira de muitas barreiras que ele se impusera e não seriam poucas ao longo da vida. Outras experiências notáveis seriam, por exemplo, a mudança drástica para o Canadá e o período que ele resolvera viver com 1 dólar por dia quando estava na faculdade, assim como faziam as pessoas mais pobres do mundo. Quanto a sua experiência de viver com 1 dólar, Elon teve de parar após alguns meses e complicações de saúde decorrentes da baixa ingestão de nutrientes. No período ele se alimentava basicamente de laranjas.

Já quanto à viagem, Elon decidira ainda na adolescência que deveria buscar seu futuro longe da África do Sul, em um lugar que suas ideias pudessem sair do papel. O lugar ideal era os Estados Unidos, obviamente, terra das oportunidades que ele havia visitado algumas vezes com seu pai quando era pequeno e que o havia encantado. Assim, tão logo foi possível, Elon vendeu as ações que havia comprado de uma farmacêutica e logo que completou 18 anos embarcou para o Canadá onde ainda havia parentes (note que ele não falou com NENHUM desses parentes). Chegando lá começou a ligar para os Musks que pode encontrar na lista telefônica. Como descobrira depois, seu tio-avô que ele pensava que lhe daria morada tinha se mudado para os EUA e ele teve de ir para um abrigo. O próximo passo foi comprar uma passagem de ônibus que atravessava o país e procurar por mais alguns membros da família espalhados.

Kimbal e Elon logo após o reencontro no Canadá
Kimbal e Elon logo após o reencontro no Canadá

Depois de 3 mil quilômetros ele se foi morar com um primo que recém conhecera e lá completou seus 18 anos. Foi agricultor, lenhador, descarregou silos e – o mais perigoso de todos – limpador de caldeiras em uma serraria. Neste trabalho ele tinha de colocar uma roupa de proteção, passar por um túnel minúsculo e, com uma pá, retirar toda a sorte de resíduos que ficava por lá. Tinha de sair a cada meia hora, senão aqueceria demais e morreria. Dos 30 trabalhadores que começaram no início da semana, restavam apenas Musk e mais dois na semana seguinte. Ele não desistiria tão cedo, pois era o que possuía o melhor salário.

Elon entraria na universidade de Queens em Kingston, Ontario na mesma época em que seu irmão, irmã e mãe também se mudavam para o Canadá. Assim como Steve Jobs conseguiu o primeiro trabalho de verão fazendo seus primeiros contatos apenas com um telefone e a coragem, Elon e Kimbal começavam a ligar para pessoas importantes que podiam achar na lista telefônica.  Logo conseguiram um almoço com Peter Nicholson, um alto executivo de um banco canadense, o que resultou em seu primeiro emprego. Logo ele seria conselheiro pessoal do executivo (e quase genro como a filha dele achava. Na verdade, Elon a chamava para sair e, ingenuamente, perguntava: “Você pensa em carros elétricos”? A coisa nunca avançou).

Ele acabaria namorando com Justine Wilson que conhecera na universidade e viria a ser mãe de seus 6 filhos alguns anos depois (o primeiro bebê morreu com 10 semanas de vida após um mal-súbito e os demais seriam provenientes de 1 gestação de gêmeos e outra de trigêmios). O namoro teria idas e vindas já que Musk logo iria estudar na Universidade da Pensilvânia onde conseguira uma bolsa de estudos. Seu primeiro diploma foi economia e logo depois viria o de física. Foi nessa universidade que seu interesse por energia solar desabrochou enquanto ele estudava o tema cada vez mais a fim de usá-lo para criar modelos de negócios para suas disciplinas.

Foi em 1994 que Musk – e seu irmão – foi para o Vale do Silício. Lá ele tinha 2 estágios. O dia começava na startup Pinnacle que pesquisava o uso dos ultracapacitores como modo de revolucionar os carros elétricos e híbridos, e, terminava na Rocket Science Games, empresa que queria criar os videogames mais potentes do mundo. Lá ele trabalhou como nomes como Tony Fadell que anos depois conduziria grande parte das pesquisas que levariam ao iPhone e iPod.

Musk e Vale do Silício foram amor à primeira vista. Ele ainda voltaria lá para mais 2 verões de estágios antes de ir para Stanford terminar seu doutorado em física e resistência dos materiais. O “problema” foi que o chamado da cultura do Vale foi mais forte e ele abandonou Stanford 2 dias depois do início das aulas. Musk e seu irmão estavam há anos pensando em um negócio que pudesse explorar uma novidade chamada internet e suas possibilidades de lucro.

O primeiro negócio concreto dos irmãos veio de uma ideia que surgiu meio que por acaso na época dos estágios de verão nas startups. Em 1995, época em que pesquisas por restaurantes, lojas, bancos e qualquer tipo de estabelecimento se dava através das páginas amarelas das listas telefônicas, surgiu um homem em um dos locais onde Musk estagiava dizendo que o futuro das buscas seria a internet e não mais os catálogos.

O negócio que o homem propunha não aconteceu, pois ele não sabia bem o que falava e não soube explicar sua ideia, porém, era inegável que fosse uma boa sacada. Elon ficou com aquilo martelando na cabeça até que a aperfeiçoasse e montasse um plano de negócios que misturava conceitos do Google Maps e os famosos apps de avaliação de negócios de hoje em dia. Assun surgiu a Zip2.

No local onde funcionaria a empresa seria também a casas dos irmãos Musk. Ali a empresa funcionaria praticamente 24 horas por dia, sempre com alguém trabalhando, fosse Elon, Kimbal ou algum estagiário. Logo investidores começariam a se interessar pela empresa e aportes financeiros começariam a entrar.

Zip2 em sua versão final
Zip2 em sua versão final

E então uma nova similaridade com Steve Jobs: Assim como o fundador da Apple foi afastado do comando da empresa que criara, o mesmo aconteceu – parcialmente – com Elon. Logo que acionistas passaram a ter interesse real no crescimento da Zip2 e multiplicação de seus investimentos, Elon, que para eles não passava de um garoto de 20 e poucos anos (ele tinha 24) e sem nenhuma experiência concreta no mundo dos negócios, foi substituído por alguém mais qualificado, e até mesmo seus códigos “amadores” foram totalmente refeitos por programadores profissionais.

Obviamente que Elon odiou, mas as coisas deram muito certo para a Zip2: Milhões de dólares em contratos com órgãos midiáticos do porte do The New York Times e a expansão dos negócios juntamente com a expansão da própria internet. Tudo ia muito bem até que o conselho da empresa resolveu fazer - contra a vontade de Musk - uma fusão de 300 milhões de com a CitySearch, sua principal concorrente. Por motivos nebulosos, 1 mês depois, a fusão foi desfeita, a imprensa começou a massacrar a Zip2, a empresa passou a perder dinheiro e a equipe ficou totalmente desmotivada.

A salvação para que o primeiro empreendimento dos irmãos Musk não fosse à falência de forma abrupta foi uma proposta salvadora de 307 milhões de dólares ofertada pela Compaq e prontamente aceita pelos investidores. Negócio fechado e Musk recebera 22 milhões de dólares e Kimbal, 15 milhões.

Com dinheiro em caixa Elon pensou no que poderia investir para multiplicar seu capital. A ideia escolhida já estava em sua mente desde os tempos em que trabalhara no banco e tivera a chance de comprovar como os “banqueiros são ricos e tolos". Musk iria criar um banco virtual.

Na verdade a movimentação em volta desse banco sediado na internet começara antes mesmo da venda da Zip2, quando ele começara a espalhar a ideia entre seus melhores engenheiros para cooptá-los a um novo empreendimento que estava pensando em formalizar. Assim, em fevereiro de 1999 a Zip2 foi finalmente vendida e em março Musk anunciava seu novo negócio, a X.com.

Diferentemente do início complicado da Zip2, sem dinheiro e com profissionais não tão qualificados, a nova empresa recebera um aporte milionário do próprio Musk e a ordem de contratar somente os melhores engenheiros do Vale. Assim, menos de 10 meses depois, no final de novembro, a empresa começa a operar as primeiras movimentações. Em menos de 2 meses de atividade, mais de 200 mil pessoas já usava o serviço como opção financeira.

Sediados em um prédio maior, logo a X.com alugou uma pequena sala para 2 rapazes que estavam criando sua primeira empresa, assim como os irmãos Musk pouco tempo atrás. A empresa chamava-se Confinity e seu produto era fornecer trocas monetárias com segurança para usuários de Palms através do infravermelho das máquinas. Musk e os 2 rapazes, Max Levchin e Peter Thiel, conviviam sem problema algum até o dia em que os 2 novatos resolveram mudar-se para o outro lado da rua e começar a atuar no mesmo seguimento da X.com, focando nos pagamentos por e-mail e internet. O novo negócio dos dois seria batizado de PayPal.

A partir de então foi uma “queima de dinheiro” onde cada um dos lados tentava atrair o maior número de associados através de bônus e presentes por assinatura. Por meses eles se digladiaram em uma luta sem fim até que resolveram fazer a coisa certa e unirem forças para dominar juntos o setor dos bancos online antes que alguém o fizesse. Cada um deu o seu melhor: o PayPal tinha o melhor serviço e a X.com o melhor software e uma quantia praticamente ilimitada de dinheiro a ser investido. Juntos e com uma carteira de mais de 1 milhão de clientes, Elon – que se tornara o maior acionista – e os outros 2 sócios começaram a se desentender por conta de questões técnicas como Linux ou Microsoft para seu sistema. Tais desentendimentos levaram Peter Thiel a renunciar ao cargo de CEO da empresa e Musk a assumir a bronca de improviso.

Peter Thiel e Elon Musk
Peter Thiel e Elon Musk

Para “piorar” a X.com crescia a uma taxa que não era possível de ser acompanhada por seus sistemas e ao menos 1 vez por semana o sistema caia. Com poucos profissionais trabalhando na empreitada, constantemente eles eram realocados para levantar o servidor o mais depressa possível e assim outra área acabava ficando deficitária e apresentando problemas. Junte a isso diversas startups que surgem para aproveitar o nicho que deu certo; a falta de um plano de negócios preparado para a inesperada demanda e cada vez mais um Elon questionado pelos investidores se era ele o melhor líder para a companhia.

Assim, em uma traição homérica – enquanto Elon estava voando à Austrália para ter sua Lua de Mel – o conselho resolveu que ele estava sendo afastado imediatamente do comando da X.com e em seu lugar voltava Peter Thiel. Diferentemente do que podia-se imaginar, Musk não reagiu com o ódio e acessos de fúria que lhe eram característicos em situações bem menos tensas, mas sim com uma calma constrangedora. Viu a empresa mudar de nome oficialmente para PayPal, aceitou ser seu conselheiro, e continuou investindo até tornar-se o maior acionista.

Em alguns meses o Ebay ofereceria 1.5 bilhão de dólares pelo PayPal – em 2014 ele foi avaliado em mais de 32 bilhões – e o negócio foi vendido. Com a oferta aceita, Musk levou dessa vez 250 milhões, porém, agora nem tudo eram flores. Se da primeira vez em que teve uma empresa sua vendida ele havia se tornado um dos queridinhos do Vale do Silício – com direito a câmeras filmando seu dia a dia de novo milionário para um documentário –, agora ele passara a ser um dos vilões, tanto por causa de sua personalidade egomaníaca e teimosa, que começava a se espalhar, como pelas decisões erradas no comando da X.com, agora PayPal.

Tantos ataques públicos à sua imagem – principalmente por um blog de fofocas especializado no Vale do Silício que faria dele o seu alvo preferido – levara até mesmo a dúvidas públicas se teria sido Musk um dos fundadores do PayPal ou apenas um aproveitador endinheirado.

Incomodado com as críticas, casado, agora com mais de 30 anos e mais milionário do que nunca, 2001 foi um ano de suma importância para Elon: foi quando ele deu início às suas maiores ambições. Curioso sobre o espaço e com dinheiro suficiente para custear suas extravagâncias o homem que na infância queria ter sido autor de ficção cientifica quando crescesse começou a frequentar círculos de amizade – bastante – específicos, entre eles a Mars Society.

Perguntando sobre tudo o que acontecia nos encontros, Elon demonstrava interesse e vontade em fazer dos EUA uma nação relevante novamente na história espacial da humanidade, e mais, ele queria que nós, como raça humana, realmente tivéssemos uma história espacial. Mais do que isso, Elon sabia que o negócio aeroespacial e a exploração só teriam chances reais de acontecerem quando uma empresa privada, livre de interesses políticos, nacionais e militares, entrasse em ação.

Até então somente governos podiam mandar coisas ao espaço ou então empresas inexpressivas que cobravam verdadeiras fortunas e faziam 1 ou 2 lançamentos por ano. Musk sabia que cada uma dessas "coisas" – um satélite, por exemplo – custaria, facilmente, mais de 1 bilhão de dólares em projeto e execução, além dos anos de planejamento.

Com a proposta de diminuir esses custos surgiu a SpaceX, sonhando alto e determinada a fazer lançamentos semanais custando menos de 10% do que era praticado até então. Uma empresa que poderia, também, dar voz a nações de terceiro mundo que gostariam de pôr algo em órbita, mas não poderiam pagar os bilhões pedidos pelos russos (líderes do mercado aeroespacial).

Então, assim como em seus outros negócios, Musk começou a trabalhar até 20 horas por dia para fazer as coisas darem certo. Sua primeira medida foi, como em um bom roteiro de filme de espionagem, tomar um avião e voar diretamente para Moscou onde se encontrou com homens suspeitos – e armados – que detinham as tecnologias necessárias (neste caso motores propulsores de foguetes). O negócio acabou não saindo, pois eles acharam que Musk blefava e não tinha dinheiro e porque Elon se negou a pagar a fortuna que era pedida pelos 3 motores nos quais estava interessado.

De volta aos Estados Unidos Musk começou a estudar engenharia aeroespacial feito louco, convicto de que lançamentos pudessem ser eficazes e baratos ao mesmo tempo. Na sua prospecção por talentos, Musk contratou aquele que fora fundamental, segundo ele próprio, para a vida da SpaceX: Tom Muller, um gênio da engenharia de foguetes.

Falcon 1 pronto para o seu primeiro lançamento

Com uma equipe talentosa, dinheiro em caixa e um gigantes armazém comprado para sediar a nova empresa, a SpaceX concluiu que poderia produzir cerca de 85% dos próprios foguetes ali mesmo em sua fábrica. Assim os custos de um lançamento poderiam ser os imaginados 10% daqueles cobrados pelas demais empresas e ainda assim haveria uma margem de lucro de 70%. Estava tudo pronto para começar o desenvolvimento e construção do Falcon 1, uma referência óbvia à nave Millenium Falcon, de Star Wars (na imagem ao lado, Falcon 1 pronto para o seu primeiro lançamento).

Como sempre os planos de Elon eram ambiciosos e o tempo planejado para concretizá-los incrivelmente subestimados. Quando a empresa fora fundada em março de 2002, Musk afirmara que o Falcon 1 entraria em órbita em novembro de 2003, ou seja, 15 meses após o pontapé inicial da SpaceX.

O problema é que criar uma máquina capaz de entrar em órbita a partir do 0 era mais difícil do que Musk podia imaginar, e 5 anos depois nada de foguete e mais de 100 milhões de dólares investidos na empreitada que parecia nunca ter dinheiro suficiente.

Após tanta expectativa, pesquisa e investimentos internos e externos, era chegada a hora dos primeiros lançamentos. O local escolhido foi o Atol de Kwajalein, localizado nas Ilhas Marshall. Foi ali que a partir de 2005 começariam a ser testados os Falconn 1. Se você acha que a tarefa de construir um foguete em um local, desmontá-lo e transportá-lo por milhares de Km, depois voltar a montá-los e fazer com que funcionem a ponto de ir ao espaço era uma empreitada no mínimo quase impossível, você está coberta de razão. Além disso adicione as temperaturas escaldantes e um local que não possui infraestrutura alguma para receber turistas, quem dirá um laçamento de foguete. A única estrutura disponível na ilha era aquela que fora construída pelos próprios funcionários da SpaceX (a equipe dormia em barracas, por exemplo).

Quem visse a empreitada acontecendo apostaria qualquer coisa como iria dar errado e a falha era iminente: funcionários que ficavam meses sem voltar para casa, transporte de partes do foguete como faziam os antigos escravos egípcios (coloca-se tábuas, move-se um pouco, pega as últimas tábuas e as coloca na frente, empurra mais um pouco, segue o processo), engenheiros que embora fossem excelentes na teoria e prática da construção, nunca haviam visto ou participado, sobretudo organizado, um lançamento, etc. Aliás, fracasso foi a regra da SpaceX no Atol de Kwajalein por muito tempo.

O primeiro lançamento propriamente dito ocorrera cerca de 1 ano após a instalação na ilha, em 24 de março de 2006. Nessa data o Falcon 1 levantou voou deixando todos atônitos, fosse na Ilha, fosse em Los Angeles, na sede da SpaceX. Musk, de camiseta, shorts e chinelos acompanhava tudo com apreensão. O lançamento corria como o esperado até que aos 25 segundos algo começou a dar errado: o foguete começou a se mover descontroladamente até passar a girar e despencar sem controle de volta à Terra. O motivo fora um incêndio causado pela corrosão gerada por meses de ar salgado do oceano Pacífico.

E aqui paramos um pouco com as desgraças da SpaceX para falar um pouquinho da outra empresa que Musk abrira após a venda do PayPal. Sim, Elon não só resolvera abrir uma empresa que encabeçaria a exploração espacial, como abrira uma empresa que revolucionaria nosso problema com os combustíveis fósseis: a Tesla Motors, mas claro, não sem muitos problemas antes.

Elon sonhava desde sua juventude com o dia em que a humanidade aposentadoria os carros movidos a derivados de petróleo e desse início a uma era de mobilidade verde (e sim, Tesla Motors é uma justa homenagem a Nikola Tesla e seus feitos com energia livre). Se você não os conhece, clique na imagem ao lado e confira). Quando vendeu o PayPal, Musk tinha a ideia e dinheiro suficiente para a empreitada. Só faltava encontrar a pessoa certa para ajudá-lo com a missão. E aí que entra Jeffrey Straubel.

Straubel desde cedo dedicara-se a estudar os carros elétricos e criar baterias cada vez mais autossuficientes que pudessem proporcionar viagens cada vez mais longas entre uma plugada na tomada e outra. Straubel era o cara que possuía o conhecimento suficiente para fazer a coisa dar certo e Musk possuía a visão de que aquilo seria o futuro, as condições e a vontade de financiar a empreitada. Quando se encontraram os 2 viram que poderiam ajudar-se mutuamente e fazer seus sonhos virarem realidade.

Fundada oficialmente em julho de 2003 por Martin Eberhard e Marc Tapperning, a empresa foi logo assumida por Elon após um financiamento generoso. Ele queria o controle da empresa para colocoar em prática seus planos de criar um carro elétrico viável. Com Musk no controle, logo eles estariam fazendo o seu primeiro protótipo na fábrica da Tesla com as mesmas prerrogativas do modelo de negócios da SpaceX: Quanto mais puder ser produzido em casa, melhor. O modelo inicial chamar-se-ia Tesla Roadster e, como de praxe, fora prometido por Elon em um tempo recorde e impraticável. O primeiro dos prazos que não seriam cumpridos fora no início de 2006.

Desde os primeiros anúncios entusiasmados de Elon o Roadster mostrou-se um sucesso e milionários ansiosos com a exclusividade e na onda do verde e ecologicamente correto encomendaram centenas deles a 100 mil dólares cada. O que parecia ser um bom sinal começou a complicar quando os prazos de lançamento eram sempre adiados e o gasto de dinheiro parecia não ter fim. Musk teve, inclusive, de mexer nos depósitos dos carros já vendidos para dar continuidade à pesquisa e produção do Roadster, ou seja, sem devoluções dali para a frente caso algum cliente quisesse seu dinheiro de volta.

E para termos uma noção dos gastos, no final de 2007, quando o Roadster preparava-se para ser lançado com quase 2 anos de atraso, o desenvolvimento somava até então mais de 140 milhões de dólares, mais de 5 vezes os 25 milhões previstos inicialmente em 2004. E como você deve se lembrar, a SpaceX também estava com sérios problemas por conta da falha no lançamento do Falcon 1. As empresas nesse momento só sobreviviam porque constantemente Elon fazia novas rodadas de financiamento e captava dinheiro externo dividindo sua parte no comando das mesmas.

Quando 2008 começou, o cenário era assustador para Elon: O recém-lançado Roadster já passava por recall por problemas no sistema de transmissão (sem contar que o valor de venda final fora maior do que aquele que tinha sido estipulado e os milionários que o compraram na pré-venda tiveram de colocar mais algum dinheiro para receber seu esportivo); a SpaceX estava com seus funcionários morando no meio do oceano; ambas empresas consumiam rios de dinheiro e não retornavam 1 centavo, sequer, em troca e, no lado pessoal, seu casamento chegava ao fim. Para piorar sua ex-esposa tornava-se famosa por criticá-lo publicamente e Musk entrava em uma grande depressão e à beira de um colapso nervoso.

Na SpaceX, desde o primeiro lançamento do Falcon1, novas tentativas vieram e.... falharam. Falhou o lançamento 2, falhou o lançamento 3 e, após mais de 100 milhões investidos e nenhum sucesso, havia o último voo a ser feito. A tentativa 4. Se desse errado também seria o fim da SpaceX por falta de recursos. Era tudo ou nada.

Então em 28 de setembro de 2008 a Falcon 1 foi impulsionada rumo à estratosfera novamente, dessa vez com 163 quilos de material fictício, já que após as perdas dos últimos 3 voos, nenhum governo ou empresa quis colocar algo de valor no veículo. Contrariando os pessimistas, tudo ocorreu como o esperado e após 6 anos de desenvolvimento (4 anos e meio a mais do que o esperado)  Elon Musk era oficialmente o criador da primeira empresa privada a criar uma máquina capaz de colocar coisas no espaço.

Mas mesmo assim nada havia sido resolvido, muito pelo contrário: Os primeiros voos comercias da SpaceX, ou seja, aqueles que fariam entrar dinheiro em caixa e ajudar pelo menos uma das empresas a sair do lamaçal que se encontravam só estavam marcados para o ano seguinte. Até lá o caixa continuaria vazio. A Tesla ia de mal a pior e Musk já cogitava ter de usar os seus últimos milhares de dólares para salvar uma das duas companhias enquanto deixaria a outra morrer. Na verdade, isso foi o que quase aconteceu com a Tesla. Sem dinheiro para pagar a folha dos funcionários a salvação veio em um acordo com investidores feito na noite de Natal. Se o dinheiro não tivesse entrado até a meia-noite, no outro dia pela manhã a companhia de carros elétricos estaria falida.

A maré começou a virar mais nos 45 minutos do segundo tempo para as 2 empresas. Para a SpaceX foi somente após os primeiros lançamentos para países pequenos que as coisas se ajeitaram. Os pagamentos foram suficientes para que a empresa continuasse a desenvolver projetos como o Falcon 9, um grande “cargueiro” espacial (que teve seu nome não por ser o 9º modelo de foguetes da empresa, mas sim por ser um foguete com 9 motores) e a Dragon (veículo capaz de levar astronautas para a Estação Espacial Internacional). Este último, em especial é bastante útil para empoderar e conseguir contratos para a SpceX, já que após a NASA ter aposentado os ônibus espaciais, sua única forma de colocar astronautas em órbita era sujeitar-se aos russos e seus valores de lançamento até então sem concorrentes.

E foi justamente aí que começou a virada da SpaceX. Com contratos bilionários com a Nasa, a empresa tem agora fôlego suficiente para continuar suas pesquisas e planos “impossíveis”. O último desses planos - que era impossível até ser realizado - concretizou-se em abril de 2016 com o retorno de um foguete à Terra e pouso controlado do mesmo em uma barca. Segundo as contas de Musk, mais de 95% do custo de um foguete é com peças, fuselagem, motor, ou seja, com a fabricação do mesmo e se ele puder ser reaproveitado a cada viagem, o valor de mandar algo ao espaço será reduzido a preços incrivelmente baixos.

Hoje a SpaceX já não passa mais pelos problemas de outrora, conta com mais de 5 mil empregados, contratos bilionários e aproxima-se do marco de aproximadamente 1 lançamento por mês em um campo de lançamento construído para acomodar diversos foguetes simultaneamente agilizar os lançamentos para períodos incrivelmente próximos. Aaah, claro que ainda tem o seu plano mais ambicioso de todos: colonizar Marte, mas essa história fica para outro post.

Já na Tesla as coisas demoraram um pouco mais a engrenar. O início das vendas do Roadster foi modesto, porém suficiente para manter a folha de pagamentos em dia e financiar novas pesquisas de carros mais eficientes, e o principal, mais baratos. Após anos de projetos surgiu em 2012 o Tesla Model S, um veículo de luxo, totalmente elétrico que podia percorrer quase 500 quilômetros com apenas 1 carga de bateria (o último modelo do Tesla S já ultrapassou a barreira dos 500km com 1 carga). Custando menos que seu antecessor, com espaço para até 7 pessoas e atingindo 100 km por hora em 4.2 segundos, o Model S fez a Tesla deslanchar nas vendas e obrigou a indústria automobilística inteira a se reorganizar e olhar para o futuro verde dos carros. Somente em 2014 foram vendidos mais de 31 mil Model S, nada mal para a única empresa de carros americana em quase 100 anos – a última a ser fundada havia sido a Chrysler nos anos 1920.

Tesla Model S
Tesla Model S

O diferencial da Tesla é que eles são mais computadores do que carros, propriamente ditos. Segundo Elon – e motoristas de Tesla – é incrível como o carro parece estar sempre se adaptando, e de fato está. Conectado na internet o mesmo baixa atualizações em momentos que a rede estiver ociosa, por exemplo, no meio da madrugada, e quando o usuário for dirigir para o trabalho na manhã seguinte, notará que o carro está cobrindo uma maior distância com as suas baterias ou então possui mais firmeza nas curvas. O motivo foi que no meio da noite o sistema do automóvel baixou e instalou uma atualização que deu mais autonomia e estabilidade ao veículo.

Comparação do preço de mercado ao longo do tempo entre as montadoras legitimamente americanas
Comparação do preço de mercado ao longo do tempo entre as montadoras legitimamente americanas em 2015

E com tantas baterias sendo usadas nos seus carros, Elon já encabeça mais um megaprojeto para que a alta procura pelas baterias de ion-lítio não acarrete a elevação nos preços (lembre-se que ele quer criar carros elétricos de massa), é a Gigafábrica, a maior construção em espaço físico já feito pelo homem, construída em parceria com a Panasonic. Inaugurada em 29 de julho de 2016, é lá que trabalham mais de 6.500 funcionários que fabricam baterias mais baratas devido à grande produção, e segundo o plano inicial, espera baixar o custo embarcado dos KWh em uma bateria em 30%. Observe abaixo o tamanho dos gigantescos aerogeradores que ficam quase imperceptíveis perto da gigafábrica.

Voltando à Tesla, outro trunfo da empresa é a rede Supercharger, uma rede de “postos de combustíveis” que já cobre as maiores rodovias americanas e europeias. Nela você estaciona o seu veículo, liga ele na tomada (literalmente) e recarrega as energias gratuitamente. Sim, com um Tesla você está livre de gastos de combustível para sempre, inclusive energia elétrica. E se você não gosta de esperar, a Tesla está desenvolvendo baterias removíveis com as quais você poderia chegar no local de abastecimento e em menos de 5 minutos tirar sua bateria quase vazia, colocar uma cheinha e deixar aquela para trás que seria reccaregada e em breve entregue para outro carro, reiniciando o ciclo.

Em 1 de outubro de 2016 havia 719 estações Supercharger espalhadas pelo mundo que somavam mais de 4.400 carregadores. Abaixo um dos postos supercharger e os locais onde você já pode recarregar seu Tesla de forma gratuita ;)

A energia destas estações é totalmente proveniente de energia solar, outra das paixões de Musk. Elon é presidente de uma companhia de energia solar, a SolarCity, que já conta com mais de 16 mil funcionários, é a maior instaladora de painéis solares da América do Norte e tem por objetivo financiar e instalar estes painéis nas residências. A chave do negócio é que você paga uma mensalidade por algum período, por exemplo, 20 anos, e depois, ao término do contrato, fica livre das mensalidades, mas continua usufruindo da energia solar gratuita para sempre.

E as ideias de Elon Musk não param por aí. Embora estas sejam as mais conhecidas, há muito o que se esperar para os próximos anos. Os assuntos mais promissores – e polêmicos – nos quais ele tem se envolvido vão desde a colonização de marte a um jato propulsor movido a energia elétrica, o Hyperloop, sua companhia de inteligência artificial, etc. Cada dia Musk apresenta uma novidade e somos privilegiados de vê-lo escrevendo a história em nossa época.

Destes empreendimentos futuros, merecem uma leve explicação, 2 deles:

Hyperloop – Imagine um túnel onde um trem locomove-se no vácuo. Sem atrito com o ar ele pode se mover a velocidades inacreditáveis – cerca de 1200 km por hora. Apenas para compararmos, o trem-bala mais rápido mundo atingiu 603 km por hora em uma viagem destinada a bater o recorde de velocidade. Já em condições normais de uso a velocidade de um TGV é de cerca de 250 a 300 km por hora. E nem mesmo os aviões são páreos,a aviação comercial com seus boeings voa a cerca de 850 km por hora.

O primeiro trecho cobaia (de 8 km de comprimento) já está em construção. Há modelos tanto para transportes de passageiros – como um trem convencional – como para transporte de carros e veículos em geral.

Já imaginou você entrando num trem em Porto Alegre e descendo em São Paulo em menos de 1 hora? Se depender de Musk isso acontecerá em breve.

OpenAI – Criada a partir de um questionamento de Musk, a companhia é sem fins lucrativos e tem por objetivo fomentar a inteligência artificial inofensiva, já que uma inteligência artificial que possa ser danosa aos humanos é um medo real, inclusive de Stephen Hawking, dos maiores cientistas do século XX. A missão da empresa é distribuir acesso a projetos seguros de IA a todos que pretendem desenvolver algo nesta área.

Este é Elon Musk, o homem que Robert Downey JR. Se inspirou para montar o personagem Tony Stark e que está tornando o(s) mundo(s) um lugar melhor (por isso que se você olhar atentamente aos carros de Tony Stark nos filmes, vai ver um Tesla na sua garagem). De quase falido a um dos homens mais ricos do mundo – com uma fortuna avaliada em mais de 11 bilhões de dólares (Steve Jobs chegou no máximo a 8.3 bilhões) e, provavelmente, o detentor dos negócios mais lucrativos do futuro – ele não esquece sua missão de nos proporcionar um lugar melhor para viver. Prova disso é o custo gratuito da energia solar a longo prazo, as patentes LIBERADAS para quem desejar da Tesla, HyperLoop, da companhia de IA, etc.

É muito provável que no momento em que você esteja lendo este texto, o mesmo já esteja desatualizado, tamanha dedicação incansável a seus projetos e mais de 15 horas de trabalho diárias. Sim, ainda ouviremos falar muito dele. Para fechar, confira a entrevista que ele deu em 2013 ao TedX (legendada em português) e acompanhe seus pensamentos sobre exploração espacial, carros elétricos e mais:

Mande para o Facebook

Tweet para os seus seguidores

 
COMENTÁRIOS
NOSSOS VÍDEOS NO YOUTUBE

carregando...
Últimas publicações
TOPO