O que é scanner de íris?

Tecnologia está empregada no novo smartphone top de linha da Samsung, o Galaxy Note 7.

Por | @oficinadanet Smartphones

A Samsung lançou no início deste mês o Galaxy Note 7, seu smartphone top de linha. Entre as novidades do aparelho está o scanner de íris, que promete uma experiência de uso mais segura aos consumidores. Com o recurso, o sistema de bloqueio e desbloqueio de tela ganha um reforço, sendo esta uma opção de segurança ainda mais avançada do que o sensor de impressões digitais já presente em alguns aparelhos da marca, como o Galaxy S6 e S7.

O que é scanner de íris?
Leitor de íris é novidade presente no Galaxy Note 7

O Galaxy Note 7 não é o primeiro smartphone a receber o recurso. Em 2015, a Fujitsu, em parceria com a operadora de telefonia japonesa NTT DoCoMo, apresentou o primeiro smartphone do mundo a contar com scanner de íris, o Arrows NX F-04G. Assim como no caso do top de linha da Samsung, o leitor de íris presente no Arrows NX F-04G pode ser usado para desbloquear a tela principal, além de ser utilizado para realizar pagamentos, como no Samsung Pay.

O telefone ficou restrito ao mercado asiático, contudo outras empresas também resolveram experimentar a funcionalidade, como a Microsoft, que lançou o Lumia 950 e o 950 Xl, que ainda não chegaram ao Brasil, mas já foram homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e devem desembarcar por aqui em breve, segundo o site oficial da companhia. Durante o Mobile Word Congress (MWC), uma das maiores feiras mundiais de celulares, que ocorreu em Barcelona, outro aparelho com o scanner de íris foi apresentado, o HP Elite X3.

Leia também:

Mas afinal, você sabe o que é um scanner de íris, como ele funciona e por que é considerado tão seguro?  O leitor de íris faz parte do leque de opções da modalidade biométrica, como o reconhecimento facial e a leitura de impressões digitais. Contudo ele é considerado ainda mais seguro que a biometria feita pelas impressões digitais, que possui falhas comprovadas cientificamente.

Isto porque o desenho da íris, a parte colorida do olho localizada ao entorno da pupila, não segue um código genético, o que faz com que cada pessoa tenha uma íris única – mesmo no caso de irmãos gêmeos. Além disto, ela não muda durante toda a vida do usuário. Sua estrutura, bastante complexa, traz um padrão formado aletoriamente durante o período da gestação.

O sensor biométrico registra uma cópia da imagem da íris do usuário, como se fosse uma fotografia. Esta imagem fica armazenada na memória do aparelho. Quando acionado, o leitor irá escanear os olhos da pessoa e comparar com o padrão salvo anteriormente.

Mas, é prático?

Como podemos perceber, o scanner de íris é considerado o mais confiável na hora de proteger o conteúdo armazenado em seu celular, devido a sua singularidade. Ele pode ser empregado no bloqueio de tela e de aplicativos. Além disto, em alguns casos, como no Galaxy Note 7, pode ser usado para realizar pagamentos por meio do Samsung Pay. O smartphone ainda possui uma pasta protegida pelo scanner de íris, para que o usuário possa armazenar todos os dados sigilosos que precisa, sem medo que que se o celular for roubado ou perdido, suas informações chegarão em mãos erradas.

Entretanto, você pode estar se perguntando: é prático? Não vai levar muito tempo para desbloquear a tela? É, para quem está acostumado a simplesmente levar o dedo a tela para desbloquear o aparelho, ter que aproximar o smartphone do rosto e esperar alguns segundos até que o reconhecimento seja feito, pode parecer uma tarefa um tanto desconfortável. Contudo, o scanner de íris da Samsung promete agilidade, levando menos de 1 segundo para realizar o desbloqueio.

O que é scanner de íris?
Samsung promete que a leitura leva menos de um segundo para ser concluída

Além disto, outra vantagem do scanner de íris é a possibilidade de desbloquear o smartphone, sem precisar encostar no dispositivo, o que em determinadas situações pode ser extremamente útil. Ambientes como praias ou piscinas, ou a própria oleosidade das mãos podem trazer dificuldades na hora de desbloquear a tela, mesmo no caso de leitores digitais mais avançados.

No caso de regiões mais frias, o uso de luvas convencionais impossibilita a leitura biométrica e o usuário precisa retirar o acessório para conseguir desbloquear o aparelho.

Pontos fracos

Como já vimos, o scanner de íris é realmente seguro, devido a sua singularidade e também promete agilidade na hora de usar. Mais alguns pontos ainda precisam ser melhorados nesta tecnologia empregada nos smartphones, como por exemplo a necessidade de claridade. A leitura da íris é comprometida no escuro completo.

Outro fator que deve dificultar a utilização da tecnologia é a dilatação da pupila, causada por alguma emoção.  Ela não chega a inviabilizar a leitura, mas pode gerar alguns erros na hora da detecção. Contudo, se houver alguma lesão mais grave no olho o escaneamento pode sim, ser inviabilizado.

E se você usa óculos, não precisa se preocupar em ter que tirar o acessório sempre que precisar desbloquear a tela do celular. Sensores mais recentes já conseguem realizar o escaneamento, mesmo se a pessoa estiver usando óculos escuros. Porém, a imagem padrão deve ser feita sem o uso do mesmo. Já as lentes coloridas podem prejudicar o scanner, pois elas mascaram a íris.

E aí, agora que você já sabe como funciona o scanner de íris, seus benefícios e pontos fracos, acha que vale a pena esta tecnologia empregada nos smartphones? Conte para gente nos comentários!

Mais sobre: Samsung scanner de íris biometria
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo