Smartphones gamers, o que são?

Será que existe diferença entre um smartphone convencional e um gamer? Qual foi o primeiro smartphone gamer? Hoje podemos comprar no Brasil algum?

Por Smartphones Pular para comentários
Smartphones gamers, o que são?

Smartphones gamers, aliás, tudo agora é gamer né? Mas eu me pergunto e provavelmente seja essa a sua dúvida também: O que difere um smartphone tradicional de um smartphone dito gamer? Principalmente por os dois produtos contarem com praticamente mesmo hardware, será que existe diferença? Qual foi o primeiro smartphone gamer? Hoje podemos comprar no Brasil algum? Essas perguntas e outras serão respondidas agora nessa matéria especial do Oficina da Net sobre Smartphones Gamers.

Antes de começarmos repare que essa matéria aqui fala de smartphones gamers e não celulares, então não vale o Nokia 5120 com o jogo da cobrinha, por mais gamer raíz que ele foi, vamos focar aqui em trazer o que de tecnológico tem nos smartphones para o mundo dos jogos.

Smartphones GamersSmartphones Gamers

Quando surgiu essa ideia de smartphone gamer?

Provavelmente um ou o primeiro smartphone gamer foi o iReadyGo Much, que tinha uma versão primária 3G e após surgiu o modelo Much W1.

iReadyGo Much. Foto: obscurehandhelds.comiReadyGo Much. Foto: obscurehandhelds.com

Eram dois aparelhos chineses, que continham botões físicos de comando, muito similar a um playstation vita. Eles surgiram em 2013, contavam com Android 2, tela de 800x480, processador de 1GHz da Samsung, o Hummingbird. Eram 512MB de memória RAM e 16GB de armazenamento com 3000 mAh de bateria. Vou dizer, que provavelmente tem aparelhos de entrada em 2019 que não tinham essas specs.

iReadyGo Much W1iReadyGo Much W1. Foto: Deen0X

Já o iReadyGo Much W1, também conhecido como clone do PS Vita, chegou com display de 5 polegadas HD, processador da MediaTEK MTK6592 com 1.7GHz, 2GB de memória RAM.

Acer Predator 6. Foto: CnetAcer Predator 6. Foto: Cnet

Em setembro de 2015 a Acer mostrou um smartphone gamer, chamado de Predator 6, durante a IFA do mesmo ano. Com processador Helio X20, deca-core, da MediaTek, e 4GB de memória RAM. Mas você sequer ouviu falar sobre ele, pois nas lojas ele não chegou. E esse provavelmente foi o mais perto de smartphone gamer atual que surgiu.

Os três modelos que apresentei foram o princípio de tudo e a partir de então os aparelhos que surgiram estão no mercado e listarei eles logo mais. Antes disto, vamos a outro tópico.

O que diferencia um smartphone gamer de outro convencional?

Por que um smartphone é considerado gamer? O que diferencia ele de outro celular convencional?

E aí entra as entrevistas que fizemos às principais fabricantes de smartphones gamers pelo mundo. Perguntei a elas como que elas classificam ou denominam um smartphone gamer.

A ASUS respondeu:

"Um smartphone gamer vai além de boas configurações, ele traz o que há de melhor em hardware e software disponíveis para ajudar o usuário a ter o melhor desempenho em jogos. A ASUS investe muito na linha gamer e vêm trazendo isso cada vez mais para o Brasil. O ASUS ROG Phone 2, é a experiência máxima que um smartphone pode proporcionar aos gamers com suas especificações técnicas e o conjunto de acessórios."

A Razer respondeu:

A principal característica do Razer Phone 2 foi empregar tela LCD com taxa de 120Hz, além de alto-falantes com tecnologia Dolby Atmos para melhorar o som e tornar a experiência de jogo mais imersiva. Razer Cortex é um app da fabricante que gerencia o desempenho do aparelho para melhorar ainda mais o jogo. Sem falar é claro em RGB, que pode ser customizado em 16,8 milhões de cores pelo app Razer Chroma.

A Xiaomi através de sua companhia Black Shark respondeu o seguinte:

"A Black Shark é uma companhia de soluções tecnológicas para gamers, nós criamos um ecossistema baseado em hardware, software e serviços para propiciar aos jogadores a melhor experiência em jogos no mundo. Portanto, não nos consideramos uma marca de smartphones."

Ainda segundo a Black Shark, eles foram os primeiros a trazerem um sistema de resfriamento líquido para o smartphone, foram os primeiros a trazer um botão exclusivo para o gaming mode, que transforma e foca o smartphone no jogo.

Então para você entender melhor, um smartphone gamer, ele não é apenas um aparelho criado com as melhores especificações técnicas atuais, ele é designado e pensado no jogador. Em como que o jogador que está atrás da tela vai se sentir utilizando o produto, como que será o resfriamento por longas horas de jogatina, a bateria vai durar, provavelmente não, e este é um dos motivos para o smartphone gamer ter resfriamento pensado, além das longas horas de estresse do jogo, o resfriamento de bateria se faz necessário.

Este tipo de uso, jogos prolongados, certamente que o aparelho ficará plugado ao carregador enquanto rola o jogo. E não há bateria no mundo que aguente o tranco de ficar descarregando e carregando muitas vezes ao dia. Sabemos que o uso constante, principalmente de gráficos pesados aquece e drena bateria rapidamente.

Aqui no Oficina da Net, em nossos testes de jogos, sempre carregamos o celular antes de fazer os testes e jogamos com ele desconectado, justamente para ver até quanto tempo a bateria aguenta o jogo. Mas isso não é uma forma boa de usar o aparelho, portanto as duas fabricantes que acima mencionei criaram formas de resfriar os aparelhos.

ASUS ROG PHONE II

ROG PHONE II - Câmara de vaporROG PHONE II - Câmara de vapor

No ROG PHONE II, smartphone gamer mais atual da ASUS, existe uma câmara de ar aliada a várias camadas de cobre que dissipam o calor e o jogam para fora do aparelho através de pequenos orifícios na traseira do smartphone.

Assista ao vídeo de apresentação do ROG PHONE II:

Ainda junto com o aparelho vem um cooler, isso, um dos acessórios que você pluga no ROG PHONE 2 é um cooler que você encaixa na lateral do aparelho para ele refrigerar a base do smartphone.

Nubia Red Magic 3

Red Magic 3 - sistema de resfriamento por coolerRed Magic 3 - sistema de resfriamento por cooler. Foto: JerryRigEverything

Já no Red Magic 3, smartphone gamer da fabricante Nubia, que não retornou a nossa entrevista, eles acoplaram um mini fan na carcaça traseira do aparelho que puxa o ar da lateral e assopra para fora na parte de trás.

Assista ao vídeo da apresentação do sistema de arrefecimento:

O ar mais gelado que o compartimento interno ajuda a refrigerar o processador que está logo abaixo do mini fan.

Xiaomi Black Shark 2

Black Shark 2 - visto por dentro. Mostra o processador e camada de cobre que resfria o aparelho. Foto: JerryRigEverythingBlack Shark 2 - visto por dentro. Mostra o processador e camada de cobre que resfria o aparelho. Foto: JerryRigEverything

No Black Shark 2, existe uma camada abaixo da tela que é praticamente toda coberta ou feita de cobre. Ela é responsável por grande parte da dissipação de calor do smartphone.

Assista ao vídeo do canal JerryRigEverything para ver ele sendo desmontado:

Ainda abaixo dessa camada, vemos o processador, diretamente exposto e pasme, no Black Shark 2 vemos a pasta térmica utilizada em computadores para também ajudar na dissipação de calor do CPU.

Razer Phone 2

Razer Phone 2 tem uma câmara vapor. Isso mesmo, vapor dentro de uma câmara revestida de cobre, que recebe todo o calor dissipado do processador e bateria, então ele dissolve esse calor deixando os principais componentes não tão quentes.

Razer Phone 2 visto por dentro. Câmara de vapor, envolta em cobre e processador também com pasta térmica. Foto: JerryRigEverythingRazer Phone 2 visto por dentro. Câmara de vapor, envolta em cobre e processador também com pasta térmica. Foto: JerryRigEverything

O Razer Phone 2 também utiliza pasta térmica para melhorar a liga superficial entre o processador e essa câmara que dissipa o valor. É similar, para não dizer igual a câmara de ar do ROG PHONE II. Ou seria o ROG PHONE II similar ao Razer Phone 2, visto que o Razer Phone 2 chegou primeiro?

Foi legal ver eles por dentro e entender o trabalho que as fabricantes têm em designar e construir smartphones do nicho de jogos. Veja que não é fácil pensar em como resfriar e montar todos equipamentos e componentes que um smartphone exige.

Quais são os atuais smartphones gamers?

Agora então vamos passar um pouco mais sobre as especificações desses 4 modelos mais conceituados de smartphones gamers e comparar as especificações de cada um deles. Lembrando que foi escolhido a melhor combinação de conjuntos de memórias. Seria o topo de linha dos modelos.

Spec Black Shark 2 Razer Phone 2 Red Magic 3 ROG Phone 2
CPU SDM 855 SDM 845 SDM 855 SDM 855+
Memória RAM 12GB 8GB 12GB 12GB
Armazenamento 256GB 64GB 256GB 512GB
Tela AMOLED
6.39
FULLHD+
IPS
5.72
QUADHD+
120Hz
AMOLED
6.65
FULLHD+
90Hz
AMOLED
6.59
FULLHD+
120Hz
Bateria 4000mAh 4000mAh 5000mAh 6000mAh
Som Dolby Atmos
Stereo
Stereo Stereo
3.5mm Jack Não Não Sim Sim
USB 2.0 Tipo C 1.0 Tipo C 2.0 Tipo C 3.1 Tipo C
IP6X Não tem IP67 Não tem Não tem

O Black Shark 2 não foi a versão PRO, foi o "normal", quando fizemos a entrevista com a fabricante, eles nos repassaram informações desse modelo. Entre esses 4 aparelhos o campeão das especificações foi o ROG PHONE 2, por possuir o melhor processador, contar com tela de 120Hz, apesar de FULLHD, onde o Razer Phone tem QUADHD, são 6000 mAh de bateria, e conta com o jack 3.5mm para fones de ouvido. Pensa num smartphone gamer sem entrada para fones, tudo bem, podemos usar fones USB-C, mas e o carregador?

Processadores voltados para o mundo dos games?

Agora que já passamos pelos smartphones, vamos entrar um pouco no mundo dos processadores. Entrevistamos a Qualcomm, e a primeira pergunta foi: Como que a Qualcomm está preparando seus processadores para suportar os jogos cada vez mais pesados?

A Qualcomm tem focado esforços para habilitar os principais e mais populares jogos para rodarem de forma otimizada nas plataformas móveis Snapdragon. Através da GPU Adreno com suporte ao Vulkan 1.1, que segundo a Qualcomm é 20% mais eficiente que o OpenGL. (A Vulkan é uma api gráfica criada pela empresa Khronos Group, ela funciona em diversas plataformas, como Linux, Tizen, Windows e no Android através da GPU Adreno da Qualcomm). Além de ações em áudio para tornar o som mais real, carregamento mais rápido com o Quick Charge para por energia de volta no celular após a jogatina, se você não usar o carregador (e aqui vai um alerta), para jogadores ditos normais como eu, use o celular para jogar sem carregador, a menos que você tenha um desses smartphones antes citados.

Além disso, a Qualcomm tem criado parcerias com desenvolvedoras, como a Tecent, criadora do PUBG Mobile entre outros jogos, com o programa Elite Gaming.

Outra pergunta que fizemos foi: No mercado brasileiro de smartphones, os intermediários dominam, o que a Qualcomm prevê de melhoria para processadores dessa linha em relação a jogos?

A resposta foi: Boa parte da família Snapdragon 600, como o 665, e toda a linha 700 possui suporte a api gráfica Vulkan, do som Aptx e Aqstic. Esses processadores além de possuir QuickCharge, também contam com sistemas habilitados para aceleração gráfica através de inteligência artificial, aí que entram as fabricantes e as modificações de software para conseguir com inteligência artificial, reservar recursos de processamento para os jogos desempenharem bem.

Em resumo a Qualcomm têm fortes recursos para jogos presentes nos processadores da linha 800, 700 e os melhores da linha 600, então, se você quiser comprar um smartphone intermediário que tenha desempenho razoável nos games, comece a pensar por esses processadores aí.

Como as fabricantes enxergam o cenário de games para celulares nos próximos anos?

Ainda continuando com a entrevista às fabricantes de smartphones, perguntamos como que elas enxergam o cenário de games para smartphones nos próximos anos?

A Razer respondeu que:

Vê tendências nos acessórios, como controles estilo console, modelo deles é Raiju Mobile. Além de transmissões de partidas e lives feitas por celular. Salientou a empresa que o Razer Phone 2 consegue transmitir em HD pela câmera frontal no mesmo tempo em que você joga.

A ASUS:

Afirma que é forte no setor de jogos com a marca ROG, que leva o nome do smartphone. E tende a investir bastante nesse setor aqui no Brasil nos próximos anos. Além disso, é a primeira vez que a fabricante participará da BGS, então dê uma passada no estande dela por lá. Faremos a cobertura in loco do evento pela primeira vez também.

Já a Black Shark:

Mostrou que o mercado de games em 2018 faturou 125B de dólares, sendo que o mercado de jogos para smartphones está em primeiro lugar com 36% da fatia desse faturamento. A fabricante afirma que trará aos jogadores, inclusive profissionais, os melhores aparelhos e acessórios para eles.

Outra pergunta foi se as fabricantes já patrocinaram alguma equipe focada em e-Sports para smartphones?

A Razer patrocinou a Team Queso, Tribe Gamin e Immortals que competem nos jogos Clash Royale e Arena of Valor.

A Black Shark patrocinou o evento Asphalt e-Sport em 9 diferentes países, com final na Gamescom de 2019. Além de dois times na Malásia.

A ASUS através da ROG, diz patrocinar bastante na área de PC, mas tem ido para o lado mobile do esporte com o time Aerowolf da Indonésia.

E a pergunta final foi qual maior desafio em ter construído o smartphone gamer da marca?

A ASUS:

Disse que o maior desafio foi construir o smartphone com as melhores especificações e manter sua construção elegante, como a de um smartphone premium, além de manter o preço competitivo para a faixa. Ele foi lançado em Taiwan, sede da empresa, custando 870 dólares, mais barato que um iPhone 11 PRO, por exemplo.

A Black Shark:

Disse que o maior desafio foi fazer as pessoas entenderem as funcionalidades adicionais empregadas e necessárias em um smartphone gamer. Muito disso, pois a categoria de smartphones gamers ainda é nova e colocar um produto desses no mercado é desafiador.

Para a Razer:

O desafio também foi construir um smartphone com características únicas que estabelecem novos padrões e funcionalidades sem elevar o preço. Nos Estados Unidos ele chegou custando 799 dólares.

Desses smartphones existe algum que eu possa comprar no Brasil?

Infelizmente de forma oficial, nenhum deles chegou às prateleiras. Somente por importação. Pelo menos até a gravação desse vídeo, né ASUS?

E aí, curtiu a ideia dos smartphones gamers e entendeu a dificuldade que as empresas tem em construir esses produtos que ainda são considerados novos?

Peço que você deixe um comentário abaixo do que achou dessa matéria sobre os smartphones gamers, e também se curte a ideia de trazermos vídeos assim com um conteúdo diferente, entrevistas com as fabricantes. Deixe também o like aí, ajudará bastante o vídeo.

Compartilhe com seus amigos:
Nicolas Muller
Nicolas Muller Fundador do Oficina da Net, trabalha com internet desde 2004. Entusiasta de tecnologia, hoje coordena a redação do site, responsável pela análises de smartphones. Foi programador por 10 anos e agora jornalista por profissão.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @nmuller99 // TWITTER: @nmuller99
Quer conversar com o(a) Nicolas, comente:
Carregar comentários
Últimas notícias