Facebook, Netflix, Apple e outras empresas se unem na Justiça contra ordem de Trump

Empresas protocolaram documento que visa anular ordem executiva de Donald Trump, que bane a entrada de imigrantes de países de origem muçulmana nos Estados Unidos.

Por | @oficinadanet Tecnologia

No último domingo, dia 5 de fevereiro, empresas de tecnologia norte-americanas como Facebook, Apple, Netflix, Spotify, Linkedin, Uber, Twitter, Microsoft e Google entraram com um documento na corte norte-americana de apelação à ordem executiva de Donald Trump, que bane a entrada de imigrantes de países de origem muçulmana nos Estados Unidos. No total, 97 empresas do ramo participaram do ato.

De acordo com o site Bloomberg, as companhias assinaram e protocolaram um amicus brief. Ele é um tipo de documento que pode ser assinado por partes que têm interesse na decisão de determinado caso, mas não fazem parte dele. Este documento dá apoio ao recurso protocolado pelo estado de Washington, que pede a anulação da ordem de Trump.

Facebook, Netflix, Apple e outras empresas se unem na Justiça contra ordem de Trump
Empresas de tecnologia querem anular ordem de Trump que bane entrada de imigrantes no país (Imagem: Divulgação/Internet)

Conforme as empresas alegam no documento, a ordem executiva do presidente “afeta as operações” das empresas, já que elas contam com muitos funcionários imigrantes.

Veja também: 

“Os imigrantes fazem muitas das maiores descobertas da nação e criam algumas das empresas mais inovadoras e icônicas do país. A América reconheceu há muito tempo a importância de nos protegermos de quem nos prejudica, mas isso é feito enquanto mantemos nosso compromisso fundamental de receber imigrantes – através de fiscalizações mais intensas e outras formas de controle sobre as pessoas que pretendem entrar em nosso país”, diz o documento.

Desde a última sexta-feira, dia 3, a ordem executiva de Trump está suspensa em caráter temporário, conforme determinação do juiz federal James Robart, da cidade de Seattle. Neste período, o recurso enviado pelo procurador-geral, Bob Ferguson, de Washington, está sendo estudado.

Mais sobre: Facebook, Google, Netflix
Share Tweet
DESTAQUESRecomendado
Mais compartilhados
Comentários