Libra, a criptomoeda do Facebook

Facebook finalmente revelou maiores detalhes sobre a sua criptomoeda, a Libra, que permite comprar coisas ou enviar dinheiro para pessoas com taxas quase zero.

Por Tecnologia Pular para comentários
Libra, a criptomoeda do Facebook

Antes de mais nada, você pode se perguntar, afinal de contas, o que é uma criptomoeda?

Criptomoeda é um tipo de moeda digital. Chamamos a moeda digital de "criptomoeda" porque ela usa uma forma muito segura de criptografia para verificar as transações realizadas com ela.

As criptomoedas são criadas com base em tecnologia blockchain, e o valor de uma moeda desta natureza depende do tipo de blockchain adotado.

O que é blockchain?

É uma espécie de grande "livro contábil" nele são registradas as transações realizadas, com uma peculiaridade, ele não está em um único lugar, tornando-o muito mais seguro.

No caso das criptomoedas, como o Bitcoin, Etherium e agora o Libra, esse "livro" armazena os envios e recebimentos de valores.

O Libra 

Hoje, o Facebook lançou seu white paper explicando o Libra e sua rede de testes para resolver os problemas de seu sistema blockchain antes do lançamento público no primeiro semestre de 2020.

O Facebook não controlará totalmente o Libra, outros membros fundadores da Associação Libra, controlarão o dinheiro virtual, juntos à essa associação estão a Visa, Uber e Andreessen Horowitz, que investiram pelo menos US$10 milhões cada nas operações do projeto.

A associação promoverá o Libra Blockchain de código aberto e a plataforma de desenvolvedor com sua própria linguagem de programação Move, além de se inscreverem para aceitar o Libra para pagamento e até mesmo dar descontos ou recompensas aos clientes.

O Facebook está lançando uma empresa subsidiária, chamada Calibra, que irá lidar com suas transações de criptografia e proteger a privacidade dos usuários, nunca misturando seus pagamentos de Libra com seus dados do Facebook.

CalibraCalibra

Sua identidade real não estará vinculada às suas transações visíveis publicamente. Mas o Facebook/Calibra e outros membros fundadores da Associação Libra ganharão juros sobre o dinheiro que os usuários depositam em dinheiro que é mantido em reserva para manter o valor de Libra estável, assim como acontece hoje, nos bancos tradicionais. 

Com o Libra você comprará ou sacará seu dinheiro de maneira on-line ou em pontos de troca locais, no comércio, e o gastará usando aplicativos de carteira interoperáveis ​​de terceiros ou a própria carteira do Facebook, a Calibra, que será incorporada ao WhatsApp, Messenger e seu próprio aplicativo. 

 CaLibraNova moeda, Libra, pode criar uma unidade monetária única em todo o mundo

A audaciosa tentativa do Facebook de criar uma moeda digital global que promova a inclusão financeira para os "sem banco" na verdade tem mais privacidade e descentralização embutida do que muitos esperavam.

Em vez de tentar dominar o futuro do Libra ou retirar imediatamente milhares de milhões de dólares, o Facebook está, ao invés disso, fazendo um investimento de longo prazo, puxando os pagamentos para o seu domínio on-line.

O vice-presidente de blockchain do Facebook, David Marcus, explicou o motivo da empresa e a ligação com sua principal fonte de receita durante um briefing no histórico edifício Mint, em São Francisco. "Se mais transações acontecem, mais as empresas pequenas venderão nas plataformas, e vão querer anunciar mais, o que será bom para o nosso negócio de anúncios."

Se tratando de criptomoedas, o Facebook viu tanto uma ameaça quanto uma oportunidade. No White paper ficou claro que foi mantida a promessa de mudar a forma como as coisas são compradas e vendidas, eliminando as taxas de transação comuns com cartões de crédito e principalmente em transações internacionais, que atualmente sofrem alta taxação bancária.

As criptomoedas existentes, como Bitcoin e Ethereum, não foram projetadas adequadamente para serem escalonadas através de troca. Seu preço desequilibrado era suscetível a grandes e imprevisíveis oscilações, tornando difícil para os comerciantes aceitarem como pagamento.

Isso faz com que as criptomoedas percam muito do seu potencial além da especulação, a menos que existam lugares suficientes que os levem ao invés de dólares, a experiência de comprá-los e gastá-los é bastante fácil para um público mainstream.

Mas com o relacionamento do Facebook com 7 milhões de anunciantes e 90 milhões de pequenas empresas, além de sua experiência com a experiência do usuário, ele estava bem preparado para lidar com esse grande problema.

Agora Facebook quer fazer do Libra a evolução do PayPal. Espera-se que o Libra se torne mais simples de configurar, mais onipresente como método de pagamento, mais eficiente e com menos taxas, mais acessível aos "sem banco", mais flexível graças aos desenvolvedores e mais duradouro por meio da descentralização.

Associação LibraAssociação Libra

Em breve teremos além dos fundadores, mais 28 membros, que chegarão obviamente com novos aportes, acreditando e gerando maior credibilidade para a nova criptomoeda.  

  • Pagamentos: Mastercard, PayPal, PayU (braço fintech dos Naspers), Stripe, Visa
  • Tecnologia e mercados: Reservas, eBay, Facebook / Calibra, Farfetch, Lyft, Mercado Pago, Spotify AB, Uber Technologies, Inc.
  • Telecomunicações: Iliad, Grupo Vodafone
  • Blockchain: Ancoradouro, Bison Trails, Coinbase, Inc., Xapo Holdings Limited
  • Capital de Risco: Andreessen Horowitz, Iniciativas Avancadas, Ribbit Capital, Prosperar Capital, Union Square Ventures
  • ONGs e multilaterais e instituições acadêmicas: Laboratório de Destruição Criativa, Kiva, Mercy Corps, Banco Mundial de Mulheres

O Facebook diz que espera atingir 100 membros fundadores antes do lançamento oficial do Libra e está aberto a qualquer um que atenda aos requisitos, incluindo concorrentes diretos como o Google ou o Twitter. 

Para ingressar na associação, o membro deve ter um meio rack de espaço de servidor, uma conexão de Internet dedicada de 100 Mbps ou superior, um engenheiro de confiabilidade de site em tempo integral e segurança de nível corporativo.

As empresas devem atingir dois dos três limiares de um valor de mercado de US$1 bilhão ou US$500 milhões em saldos de clientes, atingir 20 milhões de pessoas por ano e ou ser reconhecidos como líderes do setor por um grupo como a Interbrand Global ou a S&P.

Se o Facebook será ou não bem-sucedido nessa nova empreitada é uma incógnita. Só poderemos opinar a partir do segundo semestre de 2020. Sou um ávido leitor de conteúdo sobre criptomoedas e transações on-line.

O que fico lembrando é, "Mark Zuckerberg", "2018", "senado", "vazamento de dados" e tudo que o Facebook já teve relacionado a segurança de dados de usuários. Então, vale ficar atento sobre como realmente a nova moeda digital funcionará, ler atentamente a política de uso e segurança de dados, antes de investir. Fica a dica! ;-)

Compartilhe com seus amigos:
Bernardo Silva
Bernardo Silva Louco por tecnologia, amo velocidade e sou apaixonado por comida.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @androidplaceblog // TWITTER: @bgssilva
Quer conversar com o(a) Bernardo, comente:
Minha foto
    Últimas notícias de Tecnologia