Retrospectiva 2018 da tecnologia

Confira os principais acontecimentos tecnológicos dos últimos 12 meses e relembre os principais momentos com a nossa retrospectiva 2018 da tecnologia, no Brasil e no Mundo.

Por Tecnologia Pular para comentários

O ano de 2018 está chegando ao seu fim, e tecnologicamente falando, foi um ano que nos trouxe muitas inovações e dispositivos para lá de interessantes. Confira esta retrospectiva 2018 da tecnologia e saiba tudo que chegou nos últimos 12 meses.

2018 marcou a história como o ano em que os governos tornaram as gigantes da tecnologia responsáveis ??pela interferência das eleições e pelo tumulto na democracia. Centralização e descentralização foram temas centrais no ciberespaço neste ano, enquanto a regulação e a liberdade também definiram a retórica de muitos atores. Entendemos como o ciberespaço e o espaço de trabalho afetam um ao outro, demonstrado por alguns eventos importantes em 2018.

Retrospectiva 2018 da tecnologia

A queda das gigantes

Quando o escândalo de dados da Agência Cambridge Analytica foi publicado, em 17 de março, as ações do Facebook tiveram um grande sucesso. Em abril, Zuckerberg compareceu ao Congresso dos EUA para testemunhar, deixando respostas que muitos achavam insatisfatórias. 

Alguns meses depois, como o relatório de resultados do segundo trimestre demonstrou, pouco ou nenhum crescimento, muitos investidores imediatamente venderam suas ações, levando a uma queda de 20% no preço (US$ 120 bilhões). Muitos pareciam perceber que o Facebook não está indo bem, nem como um negócio, nem como uma plataforma para o discurso humano.

Como resultado, os valores das ações do Facebook este ano voltaram como há 2 anos atrás, com preços semelhantes ao início de 2017. Os preços das ações da Google tiveram um desempenho similar, já que a Google também recebeu alguns comunicados negativos relacionados ao papel do YouTube na interferência eleitoral.

Vazamentos que revelaram uma deterioração da coesão da empresa, menor comprometimento com a ética e manipulação contestável de incidentes de assédio sexual. Outras empresas do Vale do Silício compartilharam problemas semelhantes. Em 2017, a Uber foi uma fonte de escândalos culturais da empresa, mas em 2018 seus negócios mostraram sinais de desaceleração .

O sentimento geral da população mudou: em uma pesquisa de opinião americana, mais pessoas acreditam que a mídia social fere mais a democracia do que ajuda. A percepção pública dos gigantes da tecnologia piorou. Em 2017, #DeleteUber era uma hashtag de tendências. Em 2018, foi a vez do #DeleteFacebook, fazendo com que mais de 40% dos jovens adultos nos EUA excluíssem o aplicativo de seus smartphones. Até mesmo o co-fundador da WhatsApp (uma subsidiária da FB) Brian Acton usou a mesma hashtag para expressar suas opiniões, depois de deixar sua posição no Facebook. 

Outros diretores, como os co-fundadores do Instagram (outra subsidiária do Facebook), tiveram uma saída mais graciosa do Facebook. Mas a mensagem consistente vinda de muitos ex-executivos, presidentes e investidores é que o Facebook cruzou a linha, tornando-se psicologicamente prejudicial e destruindo a forma como a sociedade funciona.

Os temas comuns para as gigantes da tecnologia em 2018 foram a evaporação da reputação e um declínio nos negócios. Sua reputação foi atacada interna e externamente, de múltiplos ângulos e histórias. Este ano, muitos descobriram que essas empresas são mais obscuras do que pensávamos. No início deste ano era impensável que que o Facebook iria contratar os Defenders Public Affairs para levantar histórias negativas sobre senadores críticos ao Facebook, mas isso aconteceu de fato.

Do lado dos negócios, parece que essas gigantes saturaram seus produtos. O crescimento do Facebook parou nos EUA, provavelmente porque mais de 70% dos americanos são usuários regulares da rede social. A Google se concentrou em manter sua receita atual de anúncios do YouTube e da Rede de Pesquisa, ao mesmo tempo em que tentava aumentar seus esforços de IA e negócios na nuvem, onde ainda não tem uma liderança garantida. 

Na verdade, o Google está ficando para trás quando se trata da nuvem, e seus produtos de IA são promissores, mas ainda não são fluxos confiáveis ??de receita. Em 2018, a Google também seguiu a descontinuação de muitos de seus produtos não essenciais, como o Google+, o que prejudica sua credibilidade como confiável provedor de serviços, importante como um negócio de nuvem.

Menos redes sociais

A desativação do Google+ para os consumidores é um marcador importante para a web em 2018, porque consolida o domínio do Facebook nas redes sociais. Não é a primeira vez que o Google descontinua uma grande rede social, o Orkut já foi uma rede social com dezenas de milhões de usuários ativos. Ironicamente, uma das razões pelas quais a Google interrompeu o Orkut foi a perspectiva do Google+ e seu potencial para substituir o Orkut.

O problema com a descontinuação de pequenas plataformas (ainda que tenha  vários milhões de usuários) é que isso remove a escolha do consumidor quando a maré muda. O Orkut era muito popular entre os brasileiros, mas começou a perder espaço para o Facebook em 2009. No entanto, agora que a credibilidade do Facebook está diminuindo, os usuários não têm escolha de voltar a uma rede social anterior. Esta falta de concorrência de plataformas é devida a tais plataformas serem proprietárias.

É fácil para uma empresa adquirir e assimilar outra rede social. As empresas fazem isso porque, ao unir as plataformas, elas adquirem mais poder e eficiência. Também é mais fácil para as empresas descontinuarem uma plataforma, e fazem isso quando os custos de operação da plataforma não justificam os pequenos ganhos. 

Censura no Tumblr 

Outra perda de 2018 nas redes sociais foi a censura que o Tumblr impôs ao conteúdo adulto, incluindo comunidades artísticas, que forçou muitos usuários a se afastarem de sua plataforma. Para muitos usuários, isso significava o fim dessa rede social. 

Como plataforma proprietária, o Tumblr foi adquirido primeiramente pelo Yahoo, que por sua vez foi adquirido pela Verizon em 2017. Isso significa que o Tumblr está sujeito à mesma instabilidade e incerteza que é inerente a uma plataforma baseada nas decisões de alguns executivos, legalmente autorizados para dirigir a plataforma.

Artigos 11 e 13 da União Européia

Na União Europeia, 2018 foi o ano em que o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados - GDPR - foi aprovado, exigindo mudanças profundas em uma grande proporção de sites e serviços de Internet, administrados por organizações em todo o mundo. 

Para muitos sites que visam audiências nacionais, a conformidade com o GDPR não vale a pena, então esses sites ficaram indisponíveis para os leitores europeus. Embora o GDPR possa ter ajudado esparsamente em sua meta original de aumentar o controle do usuário sobre os dados pessoais, ele teve um papel no avanço da balcanização da Internet, que já ocorre na China.

A UE está visando muitas novas regulamentações em gigantes da tecnologia e na internet em geral. O GDPR não foi o único problema, pois os europeus já estão familiarizados com a infame política de cookies há anos. 

Embora a maior parte da regulamentação vise limitar a exploração corporativa e proteger a liberdade do usuário, algumas novas propostas, como o Link Tax e o Upload Filters, podem prejudicar significativamente a abertura e a liberdade na Internet. Em setembro de 2018, infelizmente, o Parlamento da UE decidiu prosseguir com a proposta.

Como o GDPR disparou repentinamente para muitas organizações despreparadas, a nova legislação pode continuar a adicionar obstáculos ao tráfego da Internet e ao intercâmbio de informações globalmente. Muitas dessas organizações podem não achar mais vantajoso em termos de custo, servir os usuários europeus.

Guerra digital

Em 2018, a imprensa e o Facebook se tornaram inimigos. Nos últimos anos, a imprensa online tornou-se mais dependente do Facebook  e do Google para a grande maioria do seu tráfego, colocando o jornalismo profissional à mercê destas plataformas gigantes.

Além disso, os grandes sites de notícias freqüentemente competiam com artigos  sensacionalistas de nível inferior, que se espalhavam rapidamente em plataformas como o Facebook. Naturalmente, a imprensa ficou chateada.

O New York Times deste ano teve uma tempestade de artigos publicados especificamente sobre escândalos do Facebook. Em Menlo Park, Califórnia, Zuckerberg começou o ano prometendo "consertar o Facebook". Meses depois, após a turbulência causada pelos artigos do The Guardian e do NYT sobre a Cambridge Analytica, Zuckerberg adotou uma atitude de guerra internamente no Facebook.

A tensão entre o Facebook e a imprensa de NY é lógica, eles estão competindo no mesmo mercado: atenção e propaganda. E enquanto o Facebook nega que seja um editor, o que importa é que tanto o Facebook quanto a imprensa monetizem o mercado da informação, e sua competição por atenção é um jogo de soma zero.

Crescimento da Amazon, Microsoft e Apple

Enquanto isso, os outras gigantes da tecnologia tiveram um ano melhor, não ocupando os holofotes negativos da imprensa, não tendo que responder a senadores frustrados no Congresso e aumentando sua capitalização de mercado. Enquanto o Facebook e a Google terminaram o ano com -26% e -2% (respectivamente) do valor das ações em comparação com o início do ano, os preços das ações da Amazon e Microsoft Corporation subiram 24% e 18% (respectivamente). 

Jeff Bezos, CEO da Amazon, se tornou a pessoa mais rica da Terra em julho. A Apple se tornou a empresa mais valiosa do mundo, valendo US$ 1 trilhão em Agosto. Logo depois, porém, o valor da Apple declinou, e a Microsoft conseguiu ultrapassá-la.

Como essas gigantes da tecnologia não estão competindo em publicidade, e não são empresas de capitalismo de vigilância, tiveram um ano muito mais fácil em termos de publicidade. Embora nenhuma dessas empresas seja um exemplo de liberdade e privacidade do usuário, as pessoas tendem a colocar a culpa principalmente no Facebook e no Google por danos psicológicos no vício em mídias sociais, desinformação e engenharia social política.

Queda do Bitcoin e outras criptomoedas

As criptomoedas atingiram o ápice do seu valor algumas semanas antes do início de 2018 e, após 12 meses, todas as criptomoedas principais tiveram uma queda de 70%. Você poderia facilmente dizer que finalmente aconteceu o estouro da bolha Bitcoin, como muitos já estavam esperando em 2017.

As criptomoedas em 2018 arrecadaram 3 vezes mais dinheiro do que em 2017, mas 2018 não foi um bom ano para esse mercado. Muitas pessoas notaram uma grande quantidade de  criptomoedas fraudulentas e, nos EUA, o governo iniciou o processo de regularizar as criptomoedas, e classificá-las como títulos. 

O número de criptomoedas vem declinando desde meados de 2018. No geral, 2018 foi um ano difícil para criptomoedas, mas há muitos projetos ativos respeitáveis ??para compensar os golpes e, embora as criptomoedas tenham entrado no discurso tradicional e informal, ainda estamos falando sobre uma indústria em sua infância.

As moedas digitais voltarão a ser o centro das atenções quando o mercado acionário global entrar em recessão, e as pessoas procurarem por alternativas de valor. No final de 2018, já podemos ver essa tendência, já que os estoques nos Estados Unidos entraram em um mercado de baixa de preços por volta de 21 de dezembro e, simultaneamente, as principais moedas criptográficas, como Bitcoin e Ethereum, aumentaram notavelmente.

Web descentralizada

Quando o tópico é tecnologias descentralizadas, as criptomoedas geralmente são o centro das atenções, mas uma ramificação da descentralização são os projetos descentralizados não-blockchain (P2P), também conhecidos como "Web Descentralizada" (DWeb), como IPFS, Dat, SSB, ZeroNet, Holochain, WebTorrent, Matrix , Althea, etc.

Essas tecnologias tiveram um ótimo ano, embora em pequena escala. Pode-se dizer que esses projetos P2P estavam se comportando em 2018 como as criptomoedas em 2015-2016: não dominavam as atenções, mas ainda promissoras, em uso ativo, diversificadas e prósperas.

O destaque deste movimento foi o Decentralized Web Summit, que aconteceu em São Francisco, em agosto. Jovens pioneiros e veteranos da indústria estavam igualmente empolgados com a inovação tangível e as oportunidades futuras. Vint Cerf, inventor do protocolo TCP / IP, chamou-o de cúpula histórica . Tim-Berners Lee, criador da WWW, também esteve presente.

Em 5 de janeiro deste ano, enquanto o colaborador André Garzia estava trabalhando na extensão do Firefox para SSB chamada Patchfox, ele queria adicionar suporte ao ssb://protocolo em endereços, e enviou um commit para o Firefox para permitir mais alguns protocolos descentralizados.Isso trouxe esses protocolos para a atenção do público, já que o commit acabou no changelog do Firefox Update, também levando a artigos relatando sobre a mudança .

Meses depois, o blog do Mozilla exibiu uma série de artigos sobre protocolos DWeb, Mozilla deu uma concessão de código aberto para o projeto Dat, e começou o experimento libdweb como um conjunto de novos recursos do navegador úteis para protocolos DWeb, permitindo que servidores TCP no navegador e até mesmo nós completos do IPFS no navegador. 

Outros navegadores começaram a se atualizar com o Firefox: o Chromium começou a discussão para permitir novos protocolos descentralizados, seguindo o exemplo do Firefox. Existe agora um site onde você pode verificar quão bem os principais navegadores suportam o DWeb: arewedistributedyet.com. Eu tenho que dizer, em janeiro, eu previ que isso aconteceria.

Dito isso, o único navegador que levou o holofote da DWeb foi, sem dúvida, o Beaker Browser, que este ano teve uma reformulação, várias conferências e uma próspera comunidade de criadores, o que é indicativo de um projeto bem-sucedido. O sucesso de Beaker até agora tem sido autoria e publicação de uma experiência de primeira classe na web, não como dados submetidos a um servidor, mas como sites HTML reais criados do zero. É uma carta de amor ao design original da web: "a criação de novos links e novos materiais pelos leitores, [para que] a autoria se torne universal".

No lado social da web, a comunidade da Secure Scuttlebutt (SSB) cresceu para mais de 10mil contas e 100 mil conexões, Manyverse foi lançada como o primeiro aplicativo móvel SSB (por você mesmo), e a comunidade recebeu fundos significativos do Handshake.

Em outros projetos, avanços significativos aconteceram em 2018, como o lançamento da Radicle pela OSCoin e a ascensão do Holochain. Há muitas novidades que cabem neste artigo, mas a conclusão é que os projetos da web descentralizados estão agora além dos experimentos, trabalhando duro para atingir a maturidade e começando a desenvolver aplicativos para o usuário final.

Esses projetos também apareceram no radar das empresas de tecnologia, também literalmente, já que a ThoughtWorks marcou o IPFS como um item de "avaliação" em seu radar tecnológico. 

O IPFS também ganhou destaque quando o Cloudfare decidiu configurar um gateway IPFS, fornecendo um ponto de extremidade acessível pela Web ao conteúdo hospedado em todos os nós do IPFS. Outra empresa ciente da DWeb é a Samsung, que anunciou este ano o Samsung NEXT Stack Zero Grant especificamente para a web descentralizada. 

O DWeb também foi mencionado em escalões mais altos, quando o deputado americano David Cicilline estava questionando o CEO do Google, Sundar Pichai, no Congresso e disse: "Juntamente com 83% dos americanos, eu apóio fortemente uma Internet aberta e descentralizada que seja livre de gatekeepers poderosos.", Ecoando os artigos de Tim-Berners Lee sobre a re-descentralização da web.

Compartilhe com seus amigos:
Priscilla Kinast
Priscilla Kinast Estudante de Ciência e Tecnologia na UFRGS - Universidade Federal do RS, apaixonada por inovações tecnológicas, mistérios da ciência, bem como filmes e séries de ficção científica
FACEBOOK // INSTAGRAM: @priscillakinast // TWITTER: @prkinast
Quer conversar com o(a) Priscilla, comente:
Carregar comentários
Quantos celulares a Motorola tem em linha?
5(14,81%)
10(56,33%)
15(11,73%)
20(9,26%)
26(7,87%)