Samsung Galaxy J7 Pro

Review Galaxy J7 Pro: Um smartphone Samsung de R$ 1000 para olhar de perto

Testamos o Galaxy J7 Pro, depois de um ano do lançamento, custando por volta de 1000 reais, é um telefone que você deveria ver de perto.

Por | @nmuller99 Reviews de smartphones Nota: 7.9/10

Um telefone lançado em junho de 2017, com nenhuma tendência de 2018, custando atualmente na faixa de 1000 reais, nós testamos um smartphone da linha que mais vende no Brasil, e não é para menos que a linha J tenha diversas variantes de aparelhos. Segundo a Samsung, a variedade é para atender todos os públicos.

O J7 Pro, é um telefone com 3GB de memória RAM, 64 GB de armazenamento interno, carregando duas câmeras de 13MP, com 3600 mAh de bateria, pode o J7 Pro ser a sua escolha se está em busca de um telefone por 1000 reais? Veremos agora.

 

Design

Como já dito, por ser um smartphone de 2017 não trouxe algumas características que se tornaram tendência em 2018, como tela fullvision, revestimento do corpo em vidro, mas por outro lado eu prefiro a traseira em metal dele, me transparece mais segurança ao usar ele diariamente.

Galaxy J7 ProGalaxy J7 Pro

É um smartphone padrão da Samsung, com botão físico e ao mesmo tempo sensor de impressões digitais posicionado na parte de baixo da face frontal. Esse botão serve como sensor e botão home. Na parte da frente ainda podemos encontrar a câmera frontal, sensor de proximidade e flash frontal.

Galaxy J7 Pro - frenteGalaxy J7 Pro - frente

Na lateral esquerda, temos os botões de volume, e dois slots de cartões SIM. Um menor onde fica o slot principal do chip, e outro com dois espaços, para alocar mais um cartão SIM e um cartão de memória MICRO SD, simultâneamente. 

Botões do Galaxy J7 ProBotões do Galaxy J7 Pro

Já na lateral direita temos localizado o alto falante de mídia, um local bem adequado caso você costuma consumir conteúdo em vídeo ou jogar. Abaixo do falante o botão de volume.

Galaxy J7 Pro - posição do botão de desligar e alto falante de mídiaGalaxy J7 Pro - posição do botão de desligar e alto falante de mídia

Na parte de baixo do telefone o microfone de chamada, a entrada micro USB e a entrada para fone de ouvido, P3. Já na parte de trás um destaque para a câmera, única, com flash.

Parte de trás do Galaxy J7 ProParte de trás do Galaxy J7 Pro

Ele é um telefone pesado, por conta de sua bateria de 3600 mAh. O tamanho do telefone é “normal”, digamos assim. Por não ter uma tela fullvision, espichada, ele é mais achatado do Galaxy S9 ou mesmo o Galaxy A8.

 

HARDWARE

O hardware do J7 Pro seria hoje, a base que considero para comprar. Com 3GB de memória RAM, 64GB de armazenamento interno, é espaço e memória suficiente para durar pelo menos 2 anos tranquilamente. Se a Samsung não atualizar o sistema para as versões novas do Android, ele pode durar mais.

O processador é próprio da Samsung, Exynos 7, 7870, lançado em fevereiro de 2016. Ele conta com 8 núcleos de 1.6GHz, utiliza litografia de 14 nanômetros, não é a menor atualmente, mas ainda muito utilizada. Esse processador é 25% mais lento que o famoso Snapdragon 625. Mas isso reflete em alguma coisa? No uso cotidiano de redes sociais, internet, pode fazer diferença se você manter muitos apps abertos ao mesmo tempo. Quando há consumo excessivo de memória, pode acontecer alguns engasgos, caso contrário, essa diferença será apenas perceptível em games de alto desempenho.

Nos testes de benchmark que fizemos ele se saiu assim:

Um fato que notei foi mesmo em condições extremas, nos testes de estresse, ele não superaqueceu. Chegou a 58ºC, condição que diminuía a frequência dos núcleos do processador para resfriar o aparelho.

Tela do J7 Pro

A Samsung brinca com as telas. Não interessa o telefone, eles vão lá e colocam uma Super AMOLED. Com 5,5 polegadas, resolução FULLHD, proporção 16:9 e taxa de 401 pixels por polegada, o J7 Pro tem tela melhor que muito flagship por aí. As cores são vivas e nítidas. Certamente você não terá do que reclamar dessa tela. O brilho é suficiente para ver as informações em dias ensolarados, e quase demasiado, mesmo configurando em baixo brilho para locais muito escuros.

Nas configurações, podemos ajustar para filtrar a luz azul durante a noite. Também para manter a tela desligada enquanto o smartphone estiver em um local escuro, como no bolso, evitando toques acidentais.

Existem 4 modos de cores nas configurações da tela.

  • Exibição adaptável: que controla automaticamente as cores e balanço de branco;
  • Cinema AMOLED: Deixa o tom mais quente e as cores mais vibrantes;
  • Foto AMOLED: Tom mais quente e cores não tão vibrantes quanto a Cinema;
  • Básico: Cores mais quentes e vibração quase nula.

Para testar deixei no modo automático (adaptável), onde o sistema controla a gama, saturação e nitidez do visor.

SOM

A saída de som está posicionada na lateral direita do smartphone, local bem escolhido para consumir vídeos na orientação horizontal do aparelho. Não tenho muito o que reclamar do som dele. Não é alto a ponto de se destacar, nem baixo a ponto de criticar. Verdade que poderia distinguir melhor os graves, mas está de bom tamanho.

Câmeras

O conjunto de câmeras do J7 Pro é uma frontal e outra traseira. Ambas de 13MP, com flash. A começar pela traseira, com abertura f/1.7, conta com HDR e faz vídeos FULLHD a 30 FPS. Essa câmera até que se saiu bem em fotos com baixa condição de luz. Pixelizou pouco em relação a concorrentes de mesmo preço, como aparelhos da Motorola e LG. Fotos em locais bem iluminados mostrou as cores sem vibrar demais, tornando-as mais reais.

É verdade que fotos com cores vibrantes nos encantam mais, mas aproximação da realidade é bom, pois no final de tudo você vai mesmo pegar a foto e aplicar um filtro no Instagram, aí valeu de nada ter cores mais ou menos vibrantes, não é mesmo?

Já a câmera frontal pecou bastante em fotos noturnas. Por não contar com HDR, na frontal, as fotos queimaram bastante pixels e mesmo sem HDR, tremeram por diversas vezes. Você verá na galeria de fotos abaixo, todo material que produzimos. Em dias ensolarados ela fez boas selfies, mas o modo retrato deixou também a desejar. Os recortes não ficaram precisos e seria melhor não utilizar esse modo em locais onde existem muitas texturas no segundo plano.

Samsung Galaxy J7 Pro

Ah, mas eu não quero uma câmera excelente, essa tá de bom tamanho? Sim. Pelo preço atual do telefone, ela está melhor do que deveria.

Bateria

A bateria é um ponto que preciso enaltecer. Com 3600 mAh, usando de forma intensa, consegui chegar a mais de 9 horas de tela. Certamente você vai conseguir ao final do dia ter pelo menos uns 15 a 20% de carga. Carregando todos os dias, vai ser díficil drenar ela por completo em uso “normal”. Usando exclusivamente para games, ela baixou 5% em pouco mais de 25 minutos de Asphalt 8.

  • Em vídeo
    17:42h
  • Capacidade
    3600 mAh
  • Em carga
    02:29h
  • Tempo de tela
    09:00h

Ele levou tempo para carregar, foram quase 2 horas e meia para completar a carga. O carregador que acompanha o kit é de apenas 7,7W, são 5V a 1,55A, achei estranho não ser um carregador turbo, enfim, com este carregador vai levar tempo para completar a carga.

Especificações completas do Galaxy J7 Pro: 

Marca Motorola Samsung
Processador Qualcomm Snapdragon 630 Exynos 7870
GPU Adreno 508 Mali-T830
Memória RAM 3 GB 3 GB
Armazenamento Interno 32 GB 64 GB
Armazenamento Extra 2 TB 256 GB
Câmera Frontal 16 MP 13 MP
Câmera Traseira 12MP e 8 MP 13 MP
Vídeo 4K - 30 fps Full HD - 30 fps
Display - Tamanho 5,2" 5,5"
Display - Tecnologia IPS Super AMOLED
Display - Proteção Corning Gorilla Glass 3
Display - Resolução 1920 x 1080 1920 x 1080
Sistema operacional Android 8.0 Oreo Android 7.0
Bateria 3000 mAh 3600 mAh
AnTuTu 70380 62742
Peso 163 g 181g
Câmera Frontal - Abertura F/1.9
Câmera Traseira - Abertura F/1.7
Proteção IP68 Não tem
3G
4G
Bluetooth
GPS
NFC
Wi-Fi
DLNA
Rádio FM
TV Digital
Acelerômetro
Bússola
Flash
Giroscópio
Sensor de proximidade
Vibração
Viva Voz
Sensor de impressão digital
Câmera - HDR
Câmera - estabilização ótica
Detecção facial
Barômetro

 

Software e interface do usuário

Rodando Android 7.0 modificado pela Samsung Experience 8.1. O J7 Pro traz a mesma experiência de uso do S8 quando lançado. A interface atual da Samsung foi simplificada em relação a TouchWiz, as telas ficaram mais limpas, os ícones foram remodelados, novas funcionalidades como o display Always On, que apresenta notificações e informações na tela.

Telas da Samsung Experience rodando no Galaxy J7 ProTelas da Samsung Experience rodando no Galaxy J7 Pro

Essa tecnologia Always On só é possível em telas OLED, onde cada pixel é auto iluminado, assim onde não há informações o pixel fica desligado, não consumindo energia. Há opções de personalização do relógio e informações que aparecem no Always On.

A Samsung traz alguns apps embarcados, como Samsung Health, Internet um browser próprio da fabricante, a galeria de apps da Samsung, o Samsung Pay entre outros utilitários. Ainda há uma parceria com a Microsoft, os apps Word, Excel, Power Point estão instalados e sincronizam com sua conta Microsoft.

No geral, as telas são muito simples, fáceis de usar e não vão causar estranhamento ao migrar para o aparelho.

 

Veredicto

Analisando o cenário atual da Samsung, podemos perceber a quantidade de aparelhos com especificações similares, cada um ocupando seu espaço e assim comercializando o maior número possível de smartphones no Brasil, essa é a visão que tenho da marca que mais vende aqui em nosso país. O J7 Pro é mais um dessa lista. Ele não se destaca em relação aos próprios smartphones da Samsung.

Ele é um telefone na minha concepção com design ideal para o dia a dia, exceto pela tela um pouco saltada. O metal vai protegê-lo de tombos. As câmeras deixaram um pouco a desejar em ambientes escuros, mas em locais externos ela se sai bem.

O carregador lento foi um problema que encontrei também. Na necessidade de agilidade para dar um gás na carga, vai ser necessário ter paciência.

Concorrentes?

Com as características dele é válido comprar o J7 Pro custando entre R$ 1000 ~ 1200? Tirando os telefones importados, ainda assim temos alguns bons concorrente. Por se tratar de um telefone de 2017, o Moto X4, Moto G5s Plus e Zenfone 4 Selfie Pro, são smartphones com especificações e preços parecidos. Vai muito do gosto pessoal de cada pessoa pela marca.

Sem pensar em concorrentes, o custo benefício dele é válido? Chegou em outubro de 2017 no Brasil custando 1699, esse preço era demasiado pelo conjunto, agora pagar 1000 reais por 3GB de memória RAM, 64GB de armazenamento interno, processamento mediano, onde a expectativa de vida útil do telefone deva durar em torno de 2 a 3 anos, creio sim que possa ser um bom investimento.

NOTA OFICINA DA NET

7.9

Samsung Galaxy J7 Pro

Prós
  • Tela
  • Design metálico
  • Slot de cartões separados
  • Bateria
  • Integração Samsung Pay (NFC)
Contras
  • Câmeras poderiam ser melhores
  • Carregador lento

Relacionado
Comentários
Carregar comentários