O que é HDR para TVs?

Depois do 4K, o HDR é a mais nova tecnologia de exibição, que vem para tornar a experiência de assistir vídeos ainda mais interessante.

Por | @oficinadanet Tecnologia

Se você gosta de fotografias certamente já ouviu falar em HDR (High Dynamic Range) ou em português, Aumento do Alcance Dinâmico. E mesmo que não seja um apaixonado pelo universo de captação de imagens, já deve ter visto a função HDR enquanto mexia nas funcionalidades da câmera fotográfica, seja ela compacta, profissional ou do seu smartphone. Mas, você sabia que este recurso já pode ser encontrado em televisores e que ele pode melhorar e muito a forma como assistimos a nossos filmes, séries e demais programas? Depois do 4K (Ultra HD), o próximo estágio na visualização de alta resolução é o HDR.

O que é HDR para TVs?
A imagem mostra a diferença de uma tela HDR e outra sem HDR

Contudo, antes de nos aprofundarmos na funcionalidade voltada aos televisores, vamos compreender melhor o que é HDR.

Quando capturamos uma imagem, seja ela por uma câmera fotográfica, do celular, ou de vídeo, estes equipamentos, devido algumas limitações, não conseguem capturar todas as quantidades de tons e cores que nossos olhos enxergam. O HDR é uma técnica para imagens digitais que tem a função de contornar estas limitações dos equipamentos de captura e de exibição com o objetivo de obter muito mais detalhes da cena desejada.

E como ele faz isso? Simples, a função HDR tenta capturar as máximas e as mínimas condições de luz de uma imagem para se transformar em uma única imagem bastante equilibrada entre as partes mais claras e mais escuras.

Existem diferentes formas de produzir imagens em HDR. Uma delas é através da própria câmera. Neste caso, são feitas várias imagens, umas atrás das outras e, em seguida, elas são combinadas pelo próprio equipamento como uma única fotografia que capta uma vasta gama de tonalidades, desde sombras a realces. Porém também é possível aplicar o efeito HDR em softwares de edição, que pode ser feito de diferentes formas. Confira neste tutorial, o que fazer para conseguir o efeito HDR em suas fotografias. 

O que é HDR para TVs?

Embora o termo HDR seja bastante conhecido no universo fotográfico, este não é o foco deste artigo. Aqui, traremos tudo o que você precisa saber sobre a funcionalidade que chegou como uma das grandes promessas de 2016 para deixar ainda melhor a forma como assistimos TV. Se com o 4K já houve uma revolução na exibição de imagens, que ganharam maior nitidez, brilho  e melhor variação de cores, com o HDR ganhamos ainda mais detalhes na tela. Assim como nas fotografias, o HDR em vídeo permite a exibição de uma gama maior e mais rica de cores, proporcionando brancos muito mais brilhantes e profundos e pretos mais escuros.

Isto dá à imagem da TV um olhar muito mais dinâmico (daí o nome), pois o conteúdo em HDR preserva detalhes nas áreas mais escuras e brilhantes de uma imagem, que são perdidas usando os padrões atuais.  Como resultado, as cores que aparecem na tela ficam mais próximas de como as enxergamos na vida real, aproximando o que aparece no televisor com o que vivenciamos no dia a dia.

Como assistir conteúdo em HDR?

Como já era de se esperar, nem todos os televisores são capazes de reproduzir conteúdo em HDR, mesmo que eles sejam de alta definição. Além disto, não são todos os conteúdos que são compatíveis com o Aumento do Alcance Dinâmico. Para que você possa desfrutar desta tecnologia, tanto a fonte, quanto a TV devem ser conciliáveis com a tecnologia.

Quando falamos em HDR, falamos de contraste e cor. Então, para saber se um aparelho televisor é compatível com a exibição de conteúdo em HDR temos que ter em mente estas duas questões. Os formatos de vídeos populares atuais, incluindo a televisão aberta e discos Blu-ray, são limitados por normas construídas em torno dos limites físicos apresentados por tecnologias antigas. Neste caso, preto é definido apenas por preto e branco é apenas branco. Contudo, com a chegada do LED orgânico (OLED) e sistemas de retro-iluminação LED e painéis de LCD mais resistentes, este intervalo de cor está aumentando. Ainda assim, mesmo que eles consigam atingir mais extremos, os formatos de vídeo ainda não podem tirar proveito delas.

E é aí que o HDR vídeo ganha espaço. Pois ele remove as limitações apresentadas por sinais de vídeo mais antigos e fornece informações sobre o brilho e cor em uma gama muito mais ampla. Isto porque contém mais dados para descrever mais etapas entre os extremos. Em outras palavras, o conteúdo HDR em HDTVs HDR-compatíveis consegue ficar mais brilhante e mais escuro ao mesmo tempo e ainda mostrar mais tons de cinza no meio disto. Da mesma forma eles podem apresentar mais tonalidades entre o verde e o azul, por exemplo, além de deixar estas cores mais profundas e vívidas. Sombras profundas não são simplesmente pretas.

Com o HDR, mais detalhes podem ser vistos na escuridão, enquanto a imagem permanece muito escura. Da mesma forma, as imagens vívidas não ganham tons saturados, detalhes finos em superfícies brilhantes permanecem limpas. A imagem de um sol, por exemplo, terá os raios em tons amarelados e alaranjados e não um borrão branco como nos padrões atuais.

Quando um televisor é compatível com HDR?

Como dito anteriormente, o contraste é um dos fatores essenciais da televisão HDR. Ele refere-se a diferença entre claro e escuro. Quanto maior esta diferença, maior será o seu contraste. Existem dois componentes a serem considerados, um deles é o brilho de pico, que refere-se a quão brilhante uma televisão pode ir, medida em lêndeas. Os televisores devem satisfazer um alvo específico de lêndeas, para serem considerados de HDR.

O outro é o nível de preto. Assim como ocorre com o brilho, o nível de preto refere-se a quão escura uma imagem de TV pode ficar. Ele é medido em nits. A diferença entre o brilho máximo e o nível de preto é conhecido como a relação de contraste. As HDR TVs devem cumprir normas específicas para brilho máximo e nível de preto que ajuda a dar-lhes a aparência mais dinâmica. Enquanto os painéis HDR exigem taxas de brilho que chegam a pelo menos 1.000 nits, televisores convencionais geralmente oferecem algo entre 200 e 400 nits.

A cor é o segundo aspecto mais importante das TVs HDR. Quando se trata dela, uma TV deve ser capaz de processar o que é conhecido como 10-bit ou cor “profunda”. Cores de 10 bits equivalem a um sinal que inclui mais de um bilhão de cores individuais. Diferente do padrão atual de televisores, que é de 8 bits, o que equivale a cerca de 16 milhões de cores diferentes. 

Contudo, para ser considerada HDR compatível, a TV não precisa ser capaz de exibir todas as cores em um sinal de 10 bits. Ela apenas tem de ser capaz de processar o sinal e produzir uma imagem com base nesta informação. Além disto ela deve ter a capacidade de produzir uma certa quantidade do que é conhecido como a cor “P3”.  A denominação refere-se ao intervalo do espectro de cores que está incluso.

Para compreender melhor sobre isto, pensemos em um espectro geral de cores, dentro de um conjunto de espaços definidos. O espaço de cor P3 é maior nas TVs HDR do que o presente nos aparelhos padrões, o que significa que os televisores HDR abrangem mais cores. Como as televisões que usam este tipo de tecnologia podem cobrir um espaço maior dentro do espectro de cores, dentro deste espaço, as várias graduações de tons serão muito mais suaves do que em televisores atuais.

Televisores em HDR ainda são bastante raros e limitados as linhas high-end da maioria das fabricantes. A LG por exemplo, lançou a G6 e a faixa de E6 de TVs OLED, modelos top de linha, certificados como UHD premium, ou seja, classificados como capazes de reproduzir uma imagem em HDR. Outros aparelhos televisores compatíveis com o conteúdo HDR incluem as versões de 2016 do SUHD da Samsung, XBR da Sony, e as linhas de referência da Vizio.

O que é HDR para TVs?
TV LG G6, classificada como capaz de reproduzir conteúdo em HDR

Vale ressaltar que HDR não é 4K. Uma tela de 4K pode apoiar o HDR, mas isto não se aplica a todos os conjuntos. Se a sua TV de ultra definição não suporta HDR ela não vai tirar proveito da informação adicional no sinal e o painel não estará preparado para lidar com estas informações, mesmo que elas tenham sido lidas corretamente.

Na atualidade, discos Blu-ray não podem conter informações HDR. Mas isto tende a mudar ao longo dos próximos anos com o advento do HD Blu-ray Ultra padrão. Este é um tipo de disco capaz de conter mais dados e fabricado para poder reproduzir vídeo 4K e vídeo HDR. Com ele é possível resolver os problemas de distribuição de 4K e HDR sem exigir uma conexão de internet rápida.  Transmissões on-line também podem oferecer 4K e HDR vídeo, mas o Ultra Blu-ray HD proporciona uma forma física e acessível de obtê-la.

Como os leitores Blu-ray existentes no mercado não são capazes de ler estes discos com mais dados (pelo menos por enquanto) é necessário adquirir um Ultra HD Blu-ray. Eles ainda são bastante raros e encontrados por valores salgados, como o Samsung UBD- K8500. Então, se a ideia é fugir de uma mídia física devido ao seu alto preço, o conteúdo HDR já pode ser encontrado em serviços de streaming, como na Netflix (por exemplo, a série original Marco Polo), Amazon, Youtube e Vudu.

Porém, assim como ocorre com conteúdo em 4K, o HDR exige uma conexão de internet rápida e confiável. Se o fluxo não for bom, você não será capaz de ver o seu filme ou programa desejado em HDR, mesmo se ele estiver disponível. Sem esquecer que também é necessário ter uma HDTV HDR-compatível. Estes televisores estão identificados com selo HD Premium ou Dolby Visão, dos quais falaremos a seguir. 

Leia também: Afinal, o que é 4K?

Tipos de HDR

Atualmente o conteúdo HDR é dividido em dois grupos: HDR10 e Dolby Vision. O HDR10 é o padrão incentivado pela Alliance UHD, um consórcio de fabricantes de TV, empresas de tecnologia e estúdios de cinema e TV, cujo objetivo é regular o uso do termo "HDR", proporcionando a segurança de que o aparelho que você for adquirir de fato se encaixa com esta tecnologia. O conteúdo HDR disponível em discos Blu-ray Ultra HD são geralmente HDR10. As televisões que suportam a tecnologia estão autorizadas e devem exibir a espécie de selo HD Premium da Alliance UHD.

Já o Dolby Vision é o formato HDR próprio da Dolby. É necessário que as mídias e telas tenham certificação para que se digam Dolby e compatíveis com o HDR, sendo que o selo Dolby Visão estará na embalagem do televisor. Assim como o HDR10, contém muito mais informações sobre luz e cor para cada pixel. No entanto, as mídias Dolby Visão são programadas para ajustar os perfis de monitores individuais de modo que a reprodução da imagem se dá com base em cada painel ou nas limitações do projetor e alcance.

Conclusão

A adoção a este tipo de tecnologia pode ser lenta ao longo dos próximos anos, devido ao preço mais elevado dos aparelhos e falta de conteúdo disponível neste formato, além da exigência de uma internet super rápida. Ainda assim, muita gente já está apostando no HDR, seja as fabricantes de televisores, produtoras de conteúdo como Estúdios Disney, Fox e Warner, ou serviços de streaming.

No ramo tecnológico tudo acontece de forma muito rápida e o que parecia distante, em um piscar de olhos ganha o mundo, por isso, acertar previsões é difícil. Pode ser que as televisões HDR se popularizem ou é possível que não. Isto não significa que você precisa adquirir uma TV HDR de imediato ou descartar a ideia. O ideal é ficar atento às novidades, para poder aproveitar o melhor que a tecnologia tem a nos oferecer.

Mais sobre: HDR televisão TV
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo