Oficina da Net Logo

Página pessoal de juiz que bloqueou WhatsApp está repleta de recados

Koum, criador do WhatsApp, explica que, em razão da criptografia ponta-a-ponta, a companhia não armazena as conversas, e eles não pretendem alterar a situação.

Por | @oficinadanet Aplicativos Pular para comentários

Na segunda-feira (02), usuários do famoso aplicativo de mensagens instantâneas ficaram estarrecidos com a notícia da suspensão do serviço por 72 horas. O juiz Marcel Montalvão, de Lagarto (SE), foi o responsável pela decisão. Os internautas, insatisfeitos com a medida, foram cobrar a volta do aplicativo diretamente ao juiz em sua página pessoal no Facebook.

Página pessoal de juiz que bloqueou WhatsApp está repleta de recados

Inúmeras mensagens foram enviadas ao juiz desde ontem em sua página na rede social, solicitando a volta do funcionamento do WhatsApp. Recados como “Migo seu loko, devolve o Whats” e “Liga o whatsapp aí rapidão” são encontrados na página. O juiz não respondeu os pedidos. Vale notar que a conta do magistrado é privada, e assim, somente os amigos podem publicar na sua linha do tempo. Leia em destaque: Os 10 melhores jogos para Android sem internet.

 

O que diz o criador do WhatsApp

Jan Koum, criador do WhatsApp.
Jan Koum, criador do WhatsApp.

Jan Koum, criador do WhatsApp, usou a sua conta no Facebook para explicar que a empresa não possui os dados que justiça brasileira deseja. Na ocasião, ele lamentou o fato de os brasileiros terem o serviço bloqueado por uma decisão judicial.

Koum explica que, em razão da criptografia ponta-a-ponta, a companhia não armazena  as conversas, e eles não pretendem alterar a situação.

“Mais uma vez milhões de brasileiros inocentes estão sendo punidos por um tribunal que deseja que o WhatsApp entregue as informações que, repetidamente, afirmamos que não temos. Não só criptografamos as mensagens do WhatsApp para manter as informações seguras, mas nós também não mantemos o seu histórico de chat em nossos servidores. Quando você envia uma mensagem criptografada ponta-a-ponta, mais ninguém pode ler - nem mesmo nós. Enquanto nós estamos trabalhando para o WhatsApp voltar a funcionar o mais rapidamente possível, não temos a intenção de comprometer a segurança de nossos bilhões de usuários em todo o mundo”, disse Jan Koum.

Comentários
Carregar comentários