Entrevista - Elton Minetto

Entrevista essencial para você que está começando na profissão de programador ou deseja iniciar nesse ramo. Confira nosso papo com um dos maiores nomes no Brasil atualmente.

Por | @Evilmaax Programação

Dando continuidade à nossa recente série de entrevistas, hoje vamos falar com Elton Minetto, um programador que há tempos não se restringe a escrever linhas de códigos, explorando diversos outros mercados, como o ensino superior, a empreitada de escrever seus próprios livros e também de empreender, criando sua própria empresa e dar palestras.

Na nossa conversa ele contará como começou nessa vida de programas, onde cometeu algum errinho, as dificuldades da caminhada até aqui, como ele lida com seu tempo apertado e continua sempre se aprimorando, o que o levou a empreender, e, para você que está começando: Quais as qualidades que o mercado mais busca em jovens talentos, além de valiosos conselhos para os principiantes.

Confira tudo isso e muito mais conosco a partir de agora.

Equipe – Olá, Elton. Primeiramente, é um prazer para o Oficina da Net conversar com um cara como você aqui na nossa sessão de entrevistas. Como você se apresentaria para quem ainda não conhece seu trabalho? Seus feitos e do que você tem orgulho em ter participado/feito?

Elton  Fico muito feliz pelo convite. Bom, meu nome é Elton Minetto, sou formado em Ciência da Computação e tenho especialização na mesma área. Trabalho com tecnologia desde os 17 anos, quando entrei na universidade e comecei a trabalhar no laboratório de computação. De lá pra cá fui estagiário de manutenção, programador, analista de sistemas, professor, gerente de projetos e atualmente possuo uma empresa de desenvolvimento e consultoria, a Coderockr. Minha carreira sempre foi muito vinculada ao software livre e tenho muito orgulho de ter ajudado a difundir isso via palestras e blogs, bem como contribuindo com traduções e códigos. Hoje sou Zend Framework Evangelist e já contribui para códigos do framework e também outras coisas que tenho no Github da Coderockr e no meu pessoal.

Equipe – Bem você é desenvolvedor desde 1998, começou quando tinha quantos anos? Já desenvolvia antes de entrar na faculdade? E o que te fez apostar no mercado da informática quando computadores ainda eram artigos de luxo e muito raros de serem encontrados nas casas das pessoas?

Elton - Comecei a brincar com o computador aos 15 anos +-. Como você comentou, os computadores eram artigo de luxo e muito raros, por isso comecei relativamente tarde. Comecei a me interessar fuçando em jogos e tentando alterar coisas neles. A lembrança mais antiga que tenho nesse sentido é de usar o comando debug do DOS e alterar o executável do SimCity para ganhar dinheiro ilimitado. Lembro de ter visto isso em alguma revista e ficado impressionado com as possibilidades, com a magia de alterar códigos e gerar resultados diferentes. Nunca pensei em trabalhar com outra coisa e tudo que eu venho fazendo desde então é uma evolução disso. Mesmo quando estou gerenciando pessoas eu estou pensando em códigos e como melhorar as coisas com eles.

Equipe –  A área de TI está cada vez mais independente do ensino acadêmico formal. Você credita o seu sucesso à universidade ou acha que ele está ligado à sua pró-atividade? Se estivesse começando sua carreira hoje, você ainda toparia cursar uma graduação ou optaria pelo aprendizado livre? E como liga essa tendência a uma de suas atividades hoje, de professor universitário?

Elton – Discordo um pouco disso. Eu acho que cada vez mais precisamos da ciência e teoria por trás dos códigos. Graças ao cloud computing hoje podemos acessar coisas que antes eram caras como diversas máquinas e processadores, memória abundante, dados coletados aos milhões por segundo, usuários acessando sites e sistemas simultaneamente,etc. Hoje conhecer a teoria, como as coisas funcionam e podem ser otimizadas é um grande diferencial. Fazer uma universidade foi uma das melhores decisões que já tomei pois aprendi teorias que uso até hoje. A universidade ajuda a pessoa a ter o "método científico", a saber como quebrar problemas grandes em pedaços menores, a lógica por trás de vários problemas. Claro que tudo isso pode ser aprendido independente de uma educação formal, mas o meio acadêmico é um ótimo lugar para exercitar isso e fazer contatos importantes. Se eu estivesse começando minha carreira hoje com certeza faria um curso de graduação, mas não pararia nisso, continuaria evoluindo por conta própria depois.

Equipe – Aqui no Oficina temos uma área voltada a quem quer aprender programação por conta, com apostilas, vídeo-aulas, etc. Por causa disso recebemos vários questionamentos de jovens que estão iniciando nesse mercado e ainda estão cheios de dúvidas. Se você fosse responder estes questionamentos, o que diria? Incentivaria o estudo formal ou é adepto do ensino por conta via internet, YouTube, Google, etc.

Elton - Uma coisa não exclui a outra :) Eu acho que o estudo formal é importante mas ele é só o começo e deve ser complementado por outros cursos e pesquisas. Na nossa área é perigoso se acomodar por muito tempo, então o estudo é algo que nunca para.

Equipe – Qual a linguagem ou área de atuação que você indicaria, aquela mais promissora para o futuro breve e o que acha vital para um futuro programador? Saber diferentes idiomas, ter uma pós-graduação, ser “fluente” em diversas linguagens, etc.?

Elton – Eu acho que mais importante do que conhecer uma ou mais linguagens é conhecer a teoria por trás delas. Conhecer orientação a objetos, estruturas de arquivos, design patterns, segurança e programação segura, um pouco de sistemas operacionais. Sabendo este tipo de teoria ajuda muito a aprender novas linguagens de programação conforme a necessidade.

Inglês é a linguagem universal da nossa área, então saber ler pelo menos é importante.

Equipe – Uma das maiores dúvidas do pessoal que tá iniciando se refere aos ganhos salariais. Dá para ganhar dinheiro com esse caminho que você escolheu e com a programação de um modo geral? O que é mais rentável para você hoje, sem citar valores, empresa, palestras, livros ou dar aula?

Elton - O que eu vou dizer vai parecer clichê mas é verdade :) Se você faz o que gosta os esforços necessários para ganhar dinheiro vão parecer fáceis. Saindo um pouco do clichê, existe uma procura constante por desenvolvedores e isso faz os salários serem muito bons na maior parte do país. Quanto ao que é mais rentável, acho que consultoria é uma área bem rentável mas depende de um investimento grande pois você precisa ter uma certa experiência e renome para poder cobrar bem. Ainda estou cultivando o meu networking e o meu conhecimento para isso crescer ainda mais.

Entrevista - Elton Minetto

Equipe – Você é autor de vários livros. Acha que esse é um bom mercado para alguém que quer seguir na programação? Como é sua experiência sobre transmitir o que sabe, estaticamente, através das páginas impressas, ainda mais em uma área tão móvel e dinâmica, que se reinventa diariamente como a informática?

Elton – Já tive a experiência de publicar livros impressos, por uma editora, e digitais auto-publicados. A primeira experiência tem mais recompensa pessoal do que financeira. Ver um livro seu impresso e na livraria é muito bom e você recebe um bom reconhecimento mas financeiramente não é tão interessante. A experiência de publicar digitalmente e sem editora dá mais trabalho (você precisa revisar, fazer capa, divulgar, etc) mas a recompensa financeira é maior. De qualquer forma ambas são boas para aumentar o reconhecimento que as pessoas tem de você, ajuda a conseguir melhores clientes, melhores projetos e muitos amigos. Resumindo: vale muito o esforço de qualquer forma.

Equipe – Além de lecionar, dar palestras e escrever livros, você também tem uma empresa de desenvolvimento. Quando foi que você percebeu que seria proveitoso investir em seu próprio negócio? Em nenhum momento sentiu medo de empreender no Brasil, que conhecidamente é um dos países mais difícil para se começar e manter um negócio próprio?

Elton - Medo eu sinto todos os dias :) Mas é um medo que te faz se sentir vivo e continuar na batalha. Realmente não é nada fácil ter uma empresa, e não só pelo "fator Brasil". Claro que os impostos e burocracias atrapalham, mas gerenciar equipes e clientes estão entra as coisas mais difíceis e ao mesmo tempo recompensadoras que já fiz. Eu tenho aprendido muito todos os dias e isso faz todo o esforço valer a pena.

Equipe – Acha o mercado brasileiro aquecido o bastante para manter bons programadores por aqui, ou acredita que o mais indicado para quem está com todo o gás seja uma carreira fora do país?

Elton – Acho que o mercado brasileiro está bem aquecido e temos grandes oportunidades de trabalho aqui. Mas o mercado internacional tem olhado muito bem para os desenvolvedores brasileiros então acho que as duas opções são muito boas atualmente.

Equipe – Por ser um cara que atua em diferentes frentes, imagino que deve ser bem complicado achar tempo para tudo. O que você faz para estar sempre se aperfeiçoando e conseguir se manter atualizado?

Elton - Realmente é complicado. Mas eu tento gerenciar bem o meu tempo para não desperdiçá-lo. Ao invés de ficar perdendo tempo em redes sociais (odeio você Facebook!) eu tento passar meu tempo seguindo desenvolvedores e outras pessoas que admiro no Twitter, lendo blogs e sites especializados. Tento sempre organizar minhas tarefas e e-mails para as coisas não se acumularem. Sou obcecado por esses controles de tempo e tarefas, uso isso o tempo todo para otimizar a forma como consumo meu tempo :)

Equipe – Olhando desde o início de sua carreira, tem algo que o Elton se arrepende hoje? Algo que faria diferente, que acredita que seria mais fácil se tivesse sido feito de alguma outra forma?

Elton – Acho que talvez teria dito mais "Não". Para alguns projetos e para algumas pessoas. Com certeza teria me livrado de algumas ciladas, mas no final das contas essas decisões "erradas" acabaram me ensinando muito sobre a profissão e sobre as pessoas. Então no final das contas valeu o stress.

Equipe – Quais foram as maiores dificuldades que você encontrou no seu caminho, tanto como estudante, empresário, etc.. Alguma vez pensou em desistir?

Elton - Acho que a maior dificuldade que encontrei foi pessoal: a ansiedade de querer fazer tudo ao mesmo tempo, de aprender o máximo de coisas, de assumir muitas responsabilidades. A experiência tem me ajudado a melhorar isso, mas ainda estou longe do ideal. Quanto a desistir, acho que não é uma opção :)

Equipe – Hoje, com toda sua experiência, para fechar essa entrevista, qual o conselho que você pode dar para quem quer seguir nessa vida de códigos e IDE’s?

Elton – Novamente vou no clichê: escolha uma profissão que você goste. Você vai passar muito tempo fazendo isso, aprendendo sobre isso, conversando sobre isso, então se você gostar do que faz tudo se torna mais fácil.

Mire uma carreira e não um emprego ou um salário. As vezes você vai precisar fazer algumas tarefas que não são muito divertidas ou empolgantes, mas elas podem te levar a um passo maior na sua carreira e acabam valendo o esforço. Resultado financeiro e reconhecimento são efeitos colaterais do seu esforço.

 Equipe - Obrigado pela disponibilidade Elton.

Elton - Eu que agradeço o convite.


Gostaram da entrevista? Deixe seu comentário logo abaixo e já aproveite para nos contar qual é a sua sugestão para um entrevistado ou entrevistada. Talvez um analista, um designer, engenheiro se hardware, criador de aplicativos, etc. Contamos com sua participação para trazer uma entrevista melhor do que a outra.

Mais sobre: onentrevista, tecnologia, Carreira
Share Tweet
DESTAQUESRecomendadoMais compartilhados
Comentários