A história do Google

Qual a empresa mais incrível no ramo da tecnologia, hoje? Qual aquela que é considerada a mais inovadora, criativa, melhor local de trabalho, qual o assunto mais bombado aqui no Oficina, etc? Quase certo que você falou Google, certo? Afinal, é a marca mais valiosa do mundo, e não é pra menos.

Por | @Evilmaax Entretenimento

Você consegue imaginar sua vida sem o Google? Usando o Hotmail pra enviar mensagens eletrônicas, Firefox pra navegar, algum serviço desconhecido para ver mapas e rotas, não tendo a facilidade do Google Docs, drive, agenda, Earth, Google Fotos, telefones sem Android, etc? Deus que nos livre.

Mas nem só com coisas boas que podemos citar o nome da marca. Com todo o monopólio que possui no mercado digital, o Google enfrenta várias acusações e sérias críticas em assuntos como direitos autorais, privacidade e censura. Mas como foi que tudo isso começou? É o que vamos começar a descobrir a partir de hoje, nesta nossa nova minissérie sobre a história do Google.

A história do Google
Larry Page e Sergey Brin nos primórdios do Google

Fundado em 4 de setembro de 1998, por Larry Page e Sergey Brin, o Google possui apenas 17 anos; sim, não é nem maior de idade, bem mais nova do que as outras empresas que já exploramos nas nossas histórias – Apple e Microsoft.

Antes de começarmos a destrinchar a história da empresa mais vital à nossa época, vamos conhecer brevemente os fundadores:

Sergey Brin, um russo, de Moscou, que foi para os EUA com apenas 6 anos, teve todo o apoio que precisava dentro de casa para trilhar o futuro que o levaria ao serviço mais famoso da internet: Seu pai era professor de matemática na universidade de Maryland e sua mãe uma cientista da NASA. Instigado desde cedo, não teve dúvidas que deveria cursar Ciência da Computação e matemática na mesma universidade em que seu pai lecionava. Formou-se na instituição com méritos em 1993, e, após formado, não parou de estudar: ele continuaria seus estudos de pós-graduação até chegar à Universidade de Stanford, onde, no curso de doutorado, conheceu o outro personagem dessa história: Larry Page

A história do Google

Larry Page também teve bons exemplos desde cedo. Americano, é filho de um cientista da computação da Universidade de Michigan, mesma instituição onde ele se formou em engenharia da computação, anos depois. Assim como seu companheiro do Google, seguiu os estudos até culminar em uma visita à Universidade de Stanford. Quem seria o encarregado de lhe mostrar o campus? Se você disse Sergey, acertou. O mais inusitado é que segundo relatos, eles discordaram de praticamente tudo neste primeiro encontro.

A história do Google

Após este encontro, com os 2 já cursando doutorado em ciências da computação, em Stanford, começaram a trabalhar junto em pesquisa, resultando em artigos acadêmicos, como este, sobre “A Anatomia da Ferramenta de Busca Hipertextual na Web em Larga Escala”, que é nada mais nada menos do que a ideia original do seu algoritmo de pesquisa. Os estudos em conjunto e apontamentos dos dois resultou em um mecanismo de pesquisa chamado BackRub! – pois checava os backlinks dos sites – que viria a ser o protótipo do que conhecemos hoje como o buscador do Google.

O projeto foi hospedado pela própria universidade de Stanford – excedendo a banda disponível, devido ao sucesso – e até o final de agosto de 1996, o serviço já tinha indexado mais de 75 milhões de páginas. O BackRub funcionou até 1998.

A história do Google

A aposta dos dois, conforme é exposto no artigo acima, era um novo sistema buscador. Enquanto os motores de busca convencionais da época exibiam os resultados classificando-os pela contagem de quantas vezes os termos de busca apareciam na primeira página, os dois criaram um sistema melhor, que analisava as relações entre os sites, mostrando os melhores resultados em um contexto maior. Eles chamaram esta nova tecnologia de PageRank, onde a relevância de um site era determinada pelo número de páginas, bem como pela importância dessas páginas, que ligavam de volta para o site original.

Com a ferramenta certa nas mãos, só faltava lapidar o produto, e para isso, eles decidiram que o serviço devia ter um nome mais amigável. Após algumas sugestões, o nome Google foi escolhido. O nome é uma brincadeira com a palavra “googol”, um termo matemático usado para representar o número 1 seguido de 100 dígitos 0. Com este novo nome eles passavam o tamanho da sua ambição de organizar a quantidade infinita de informações disponíveis na web e também o número de informações que o motor de busca podia processar.

A história do Google
Primeira versão do Google, ainda hospedado no site da Universidade de Stanford

No início o Google também fora hospedado no domínio da universidade, www.google.stanford.edu. Endividados, gastando consideravelmente com a pesquisa, os dois fundadores precisavam de dinheiro para dar seguimento ao serviço, e para isso contaram com um cheque de 100 mil dólares de Andy Bechtolsheim, cofundador da Sun, fabricante de computadores, semicondutores e software. O dito cheque estava endereçado para Google Inc uma empresa que ainda nem existia.

Para receber o montante eles precisaram retirar os servidores do Google dos seus dormitórios na universidade e levar para um “escritório” propriamente dito, criar uma empresa e assim depositar o valor recebido. O local escolhido para a sede foi a garagem de Susan Wojcicki, amiga dos fundadores, localizada no famoso – hoje – endereço 232 da Santa Margarita em Menlo Park. O domínio Google.com foi registrado em 15 de setembro de 1997, sendo lançado quase 1 ano depois em 4 de setembro de 1998. Nesse mesmo ano o Google contrata seu primeiro funcionário: Craig Silverstein, um brilhante aluno de Ciências da Computação de Stanford (ele se tornaria mais tarde diretor de tecnologia da empresa).

A história do Google

A primeira patente com o nome da empresa viria no ano seguinte, em 31 de agosto de 1999, e pode ser traduzido como “Sistema de marcas d'água e metodologia de conteúdo digital multimídia”. A patente fora assinada por outros 6 funcionários do Google, e não pelos 2 criadores. Brin e Page estavam desenvolvendo uma ideia que resultaria em um artigo – nessa época eles ainda estavam no doutorado –, que tratava sobre os malefícios de propagandas pop-ups, como elas eram chatas e atrapalhavam a web. Resumidamente eles começavam a discussão sobre um sistema que os tornaria bilionários em breve, e que até então pouquíssimo explorado na rede, os anúncios online direcionados e discretos, camuflados como um link ou uma pequena oferta.

Neste mesmo ano estreou uma das marcas do Google, os seus famosos Doodles, que são aquelas pequenas homenagens prestadas pela companhia em sua página inicial, alterando a logo para algo relacionado a uma pessoa ou evento. O primeiro doodle foi ao ar no dia 30 de agosto de 1998, homenageando o festival Burning Man, que ocorre durante uma semana inteira na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos. O resultado você confere abaixo, e falando em conferir, clique aqui e veja a seção do Oficina sobre os doodles do Google.

A história do Google

Ainda no final e 1998 o Google já teria um número de mais de 60 milhões de páginas indexadas, tinha mais de 1 TB de dados e recebia a mais de 10 mil buscas por dia. A página, ainda exibindo a versão Beta, começou a chamar a atenção por apresentar resultados mais concisos que seus concorrentes e mais tecnológica e inovadora que os pesados portais de conteúdo, como AOL, Yahoo!, Netscape, MSN, Altavista etc. que naquela época de bolha de internet, eram considerados como o futuro do mercado digital, principalmente pelos acionistas (veja o número 1 da lista à direita).

A história do Google

Crescendo a passos largos a empresa decidiu que a garagem já não era suficiente para abrigar o potencial do negócio e seus 8 funcionários, era hora de se mudar. Por isso, em 1999, o Google fez as malas e estabeleceu-se na Avenida Universitária, número 165 em Palo Alto, perto da universidade de Stanford. O novo endereço é conhecido por ser uma incubadora de start-ups bem sucedidas do Vale do Silício, como a Logitec, PayPal, etc. Este endereço seria a sede do Google até 2003, quando foi inaugurado o Googleplex. Seu algoritmo de busca passaria pela primeira mudança ainda neste ano com a adição de um link para pesquisas limitadas a documentos do governo americano.

Ainda neste ano a empresa mostra seu diferencial e versatilidade em relação às demais marcas do ramo. Foi nesse ano que Yoshka fez seu debut na sede do Google. Trata-se de um cachorro, que se mudou para lá no verão daquele ano. Hoje o quartel-general da empresa é repleto de cães, em sua maioria de pequeno porte, mas o posto de cão do Google será sempre de Yoshka, que tem até escritório e faz postagens na web. Confira!

A história do Google
Yoshka em mais um dia de trabalho no escritório

Nos negócios as coisas iam muito bem, obrigado. Em junho de 1999, em seu primeiro anúncio oficial, o Google torna público um aporte financeiro na ordem de US$ 25 milhões de dólares que estava recebendo da Sequoia Capital e Kleiner Perkins. Ainda neste ano, mesmo com a recusa inicial de Page e Brin, o Google começou a veicular anúncios associados às palavras-chave buscadas. Neste momento, para preservar a velocidade de navegação em uma internet ainda principiante e muito lenta, os anúncios eram somente de textos. Data também deste mecanismo de anúncios o primeiro processo do Google. Ele fora acusado de roubar essa ideia da Overture Services, que seria comprada pelo Yahoo. O caso se resolveria com o Google cedendo uma quantidade generosa de ações para a empresa em troca da licença vitalícia de uso da técnica.

E o ano de 1999 terminaria bem para eles, com a contratação do 41º funcionário, e se você está achando que é um engenheiro, diretor, programador, ou algo do tipo, errou feio. O funcionário de número 49 foi o chef de cozinha Charlie Ayers. A vaga só foi obtida após um concurso que teve como jurados os outros 40 funcionários do Google. Segundo a própria empresa, pesou também o fato de ele ter trabalhado para o Grateful Dead.

Quanta coisa em pouco mais de 1 ano de empresa e mais ou menos 3 anos de amizade dos fundadores, não? Ficamos por aqui com a parte 1.

>>> Leia a parte 2 aqui.

Mais sobre: Google Históriasdigitais maximilianomeyer
Share Tweet
Comentários
Destaquesver tudo