O cemitério de fracassos do Google

É difícil perder um ente querido, certo? Agora imagine se esse ente amado é um serviço do Google. Ainda pior, certo? Brincadeiras à parte, confira a lista dos serviços do Google que descansam em paz.

Por | @Evilmaax Tecnologia

Sim, você leu certo, estamos falando do cemitério do Google, um espaço virtual para luto criado pelo site Slate.com. Neste solo sagrado da internet estão alguns dos – raros – serviços do Google que por incrível que pareça, não deram certo.

No cemitério virtual é possível ver a sepultura de cada serviço “falecido”, seu ano de nascimento e seu ano de morte; é possível até que você clique na lápide e deposite flores simbólicas e preste suas condolências virtuais. Alguns, como o Google Reader, viveram uma vida próspera, gozando de longos anos de admiração e glória, mas até para eles a “vida” tem um fim =(

Note que tomamos a liberdade de adicionar alguns na lista abaixo, que não estão no site, e, restaram ainda mais de uma dezena de outros serviços menores que não foram incluídos. Bom, independente de terem feito uma revolução em nossas vidas, ou apenas consumido banda de nossa internet e espaço em nosso computador, todos eles têm uma história na era da internet. Vejamos agora, aqueles que já pereceram e hoje não passam de lembranças.

Google Lively – 2008 ~ 2008 (1 ano) – Com apenas 6 meses de uma curta vida, o Lively promovia uma conversa animada em 3D com o uso de avatares. Até 20 pessoas podiam conversar simultaneamente em uma sala com seus personagens, compartilhando vídeos do Youtube e fotos do Picasa nas paredes, como se fossem obras de arte decorando o ambiente.

O cemitério de fracassos do Google

Meebo – 2012 ~ 2013 (2 anos) – Criado em 2005 e adiquirido pelo Google em 2012, o Meebo foi um famoso mensageiro instantâneo do fim da década passada, principalmente para quem queria burlar restrições de acesso da universidade ou do trabalho. Atingiu a marca de 250 milhões de usuários online em 2011. A grande sacada do Meebo Messenger é que ele integrava diversas redes sociais e mensageiros, como Yahoo, MSN, AIM, ICQ, MySpace, Facebook e Google Talk. Caiu em detrimento das redes sociais.

O cemitério de fracassos do Google

Google One Pass – 2011 ~ 2012 (2 anos) – Google One Pass foi uma loja on-line desenvolvida para os editores que procuravam vender assinaturas de seus conteúdos. Semelhante ao Android Market ou Apple Store, nas quais os "apps" são vendidos a utilizadores através de seus dispositivos móveis, o One Pass oferecia a capacidade para que desenvolvedores de qualquer tamanho, desde grandes empresas até criadores independentes, pudessem vender seu conteúdo por meio do serviço do Google. Aqui no Brasil era possível vender assinaturas para outros países, mas no entanto, não podíamos comprar as mesmas.

O cemitério de fracassos do Google

Google Related – 2011 ~ 2012 (2 anos) – A sepultura com o menor número de flores (13.443 no momento do fechamento deste artigo) durou apenas 2 anos. Foi apresentado com o intuito de ser um assistente de navegação experimental lançado para ajudar as pessoas a encontrar informações úteis e interessantes enquanto navegam na web. Mas como o próprio Google informou no anúncio de sua aposentadoria, ele não teve o nível de adoção desejado pelos usuários e por isso foi descontinuado.

O cemitério de fracassos do Google

Google Buzz – 2010 ~ 2011 (2 anos) – Desenvolvido como uma ferramenta de rede social, microblogging e mensagens foi desenvolvido pelo Google para ser integrado ao Gmail e competir com serviços como Facebook e Twitter. Os usuários podiam compartilhar links, fotos, vídeos, mensagens de status e comentários organizados em "conversas "e visível na caixa de entrada do usuário. Permitia a integração com o Picasa, Flickr, Google Latitude, Google Reader, Google Sidewiki, YouTube, Blogger, FriendFeed, identi.ca e Twitter.

O cemitério de fracassos do Google

Google Aardwark – 2010 ~ 2012 (2 anos) – Criado em 2008 e comprado pelo Google 2 anos depois por US$ 50 milhões de dólares, o Aardvark foi um serviço em que usuários se conectavam com seus amigos e amigos de amigos que estavam preparados para responderem suas perguntas. Usuários enviavam perguntas pelo site, e-mail ou algum mensageiro instantâneo e o serviço identificava e conectava um bate-papo, e-mail ou conversa ao vivo com um ou mais especialistas na área que você tinha dúvidas, esses especialistas podiam ser desde um professor universitário de uma área específica ou um festeiro inveterado se a pergunta for sobre qual a melhor balada.

O cemitério de fracassos do Google

Google News Badges – 2011 ~ 2012 (2 anos) – Adicionado como um recurso que poderia incentivar os usuários a ler mais, o Google News Badges permitia que o usuário colecionasse medalhas de acordo com sua atividade. O usuário poderia chegar às medalhas de bronze, prata, ouro, platina e ultimate. O Google criou mais de 500 medalhas que eram distribuídas, se, por exemplo, o usuário lesse de 3 a 4 notícias do Google por dia, ou 10 notícias por dia durante 3 ou 4 dias seguidos, etc.

O cemitério de fracassos do Google

Google Classic Plus – 2010 ~ 2012 (3 anos) – Esse recurso nada mais era do que inserir uma imagem de fundo à página inicial do Google.Hoje em dia está diferente: temas.

O cemitério de fracassos do Google

Google Helpouts – 2013 ~ 2015 (3 anos) – Se você era um nativo de língua inglesa do Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Canadá, Irlanda e Nova Zelândia e tinha conhecimento de algo que poderia ser útil para outra pessoa, podia colocar seu conhecimento online em forma de vídeochamada a quem estivesse disposto a pagar por ele. O pagamento era através do Google Wallet e o Google fazia a conexão entre o profissional e eo aluno porém não deu muito certo, até porque uma outra ferramenta do próprio Google, o YouTube, provavelmente tinha melhores explicações e todas elas gratuitas.

O cemitério de fracassos do Google

Quickoffice – 2012 ~ 2014 (3 anos) – Desenvolvido desde 2002, foi adiquirido pelo Google em 2012 com o plano de ser uma suíte de produtividade gratuita para dispositivos móveis da empresa. O Quickoffice permitia a visualização, criação e edição de documentos, apresentações e planilhas. Consistia em Quickword (um processador de texto), Quicksheet (uma planilha) e QuickPoint (um programa de apresentação). Os programas eram compatíveis com os formatos de arquivo do Microsoft Office, mas não com o formato de arquivo Open Document.

O cemitério de fracassos do Google

 Picnik – 2010 ~ 2012 (3 anos) –  Criado em 2005 e comprado pelo Google em 2010, o Picnik era um serviço de edição de fotos on-line. O serviço permitia aos usuários editar imagens, adicionar estilos e usar ferramentas básicas de edição, como cortar e redimensionar. Os usuários podiam importar fotos nativamente a partir do Facebook, Myspace, Picasa Web Albums, Flickr, buscadores de Imagem, Google+, etc. além de também ter a opção de fazer upload de um computador ou através de um site.

Embora muitas das ferramentas de edição do Picnik fossem gratuitas, havia o Picnik premium. Ao descontinuar o serviço, muitas das opções foram inseridas no Google+

O cemitério de fracassos do Google

Google Fast Flip – 2009 ~ 2011 (3 anos) – Era um agregador de notícias on-line que tentava imitar a experiência de folhear um jornal ou revista. O site apresentava imagens de notícias dos parceiros do Google News, que ao ser clicado levava o usuário para o próprio site do provedor de notícias. O Fast Flip também estava disponível para os dispositivos móveis iPhone e Android.

Segundo o próprio Google: “FastFlip, um experimento no Google Labs, permite navegar rapidamente por notícias recentes, manchetes e tópicos populares como uma revista impressa, enquanto oferece alguns dos benefícios das notícias on-line, como a agregação e a pesquisa em diversas publicações de destaque, a personalização e a capacidade de compartilhar conteúdos com amigos.”

O cemitério de fracassos do Google

Google Powermeter – 2009 ~ 2011 (3 anos) – Google PowerMeter foi um projeto de cunho social do Google.org para ajudar os consumidores a controlarem o seu uso doméstico de eletricidade. O desenvolvimento do software foi parte de um esforço do Google para incentivar o investimento em energia renovável, atualizações das redes de eletricidade e outras medidas que reduziam as emissões de gases de efeito estufa. O software registrava o uso da eletricidade do usuário em tempo quase real. Segundo a empresa, se a metade do consumo de energia das casas americanas fosse cortado em 10%, a energia economizada seria igual á energia média utilizada por oito milhões de carros. O projeto foi abandonado quando diversos estados americanos começaram a implantar contadores de energia inteligentes nas casas, somados à atitude da Casa Branca, que anunciou um programa de modernização das redes e facilitação das estatísticas de consumo.

O cemitério de fracassos do Google

Google Browser Sync – 2006 ~ 2008 (3 anos) – Foi uma extensão do Mozilla Firefox lançada como freeware dentro do Google Labs. Permitia que os usuários sincronizassem suas configurações do navegador em vários computadores através da web. Poderiam ser sincronizados os cookies do usuário, senhas salvas, favoritos, histórico de navegação, abas e janelas abertas. Os dados eram – opcionalmente – criptografados usando um PIN alfanumérico, que teoricamente impedia até mesmo o Google de ler os dados. Posteriormente, o serviço foi descontinuado e estas funcionalidades foram incorporadas ao Google Chrome.

O cemitério de fracassos do Google

Google Currents – 2011 ~ 2013 (3 anos) – Foi um app de revistas integrado com funções sociais. Estava disponível para Android e iOS. Cobria uma variedade de fontes e oferecia uma lista de conteúdos em destaque. O Google chegou a ter mais de 150 parceiros em 37 línguas. Entre as publicações estavam CNET, Forbes, PBS, Huffington Post e fast Company. Permitia aos usuários navegar intuitivamente entre palavras, imagens e vídeos. Também trabalhava offline e oferecia integração com o Google+.

O cemitério de fracassos do Google

Google Script Converter – 2009 ~ 2011 (3 anos) – Serviço de transliteração (conversão de script) online entre Hindi, Romanagari e vários outros scripts. A ferramenta podia fazer a transliteração de texto, bem como páginas da web completas de um script para outro. A conversão era feita em tempo real e a página convertida podia ser vista no navegador imediatamente.

O cemitério de fracassos do Google

Google Squared – 2009 ~ 2011 (3 anos) – Aplicação apresentada no Google Labs que permitia que uma busca no Google apresentasse dados estruturados em linhas e colunas, organizando os resultados da busca por categorias diversas. Um serviço muito interessante, pena que não deu certo.

O cemitério de fracassos do Google

Google Flu Vaccine Finder – 2009 ~ 2012 (4 anos) – Mais um serviço social da empresa. Tinha a intenção de utilizar o Google Maps para identificar locais onde certa vacina estivesse disponível para aplicação. Entre 2010 e 2012 existiu também um “braço” desse projeto, o Flu Shot Finder, criado para a temporada sazonal de gripe e para combater o surto de H1N1, ocorrente na época. Na oportunidade o Google trabalhou com o Departamento de Saúde e Serviços Sociais dos EUA de e da American Lung Association para obter os dados e desenvolver o serviço.

O cemitério de fracassos do Google

GOOG-411 – 2007 ~ 2011 (4 anos) – Serviço de telefone que proporcionava uma pesquisa de estabelecimentos feito através do reconhecimento de voz, e que disponibilizava o número do contato dos resultados para ligar gratuitamente se o usuário estivesse nos Estados Unidos ou no Canadá. Era uma alternativa ao 4-1-1, serviço de informações nos Estados Unidos e que é, geralmente, muito caro.

O cemitério de fracassos do Google

Google Schemer – 2011 ~ 2014 (4 anos) – Foi um serviço criado para compartilhar e descobrir coisas para fazer. Nele os usuários podiam listar as coisas que eles queriam fazer, compartilhar com outras pessoas e marcá-las como concluída, assim que a tarefa fosse executada. Podia ser integrado com o Google+. Tinha como objetivo ajudar a encontrar pessoas com os mesmos interesses, compartilhar suas metas e entrar em contato com eles. O usuário era capaz também de adicionar tags e locais. Nos 4 anos em que existiu, o Google conseguiu uma série de parceiros de peso, como: Food Network, Zagat, Bravo, IGN, Entertainment Weekly, National Geographic Society e Thrillist.

O cemitério de fracassos do Google

Google Listen – 2009 ~ 2012 (4 anos) – Aplicativo para download a partir do Google Labs no qual o usuário podia se inscrever em diversos podcasts e streaming de áudio e Web. Ele rodava também em Android e outros sistemas de dispositivos móveis.

O cemitério de fracassos do Google

Google Wave – 2009 ~ 2012 (4 anos) – Apache Wave é uma estrutura de software em tempo real e edição colaborativa online. Aceitava textos formatados, fotos, vídeos, mapas e muito mais. Mesclava características de meios variados como e-mail, mensagens instantâneas, wikis e redes sociais. O desenvolvimento foi entregue à Apache Software Foundation, que começou a desenvolver um produto chamado Wave in a Box.

O cemitério de fracassos do Google

Google Talk Chatback – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Google Talk Chatback permitia a sites que incorporassem um widget do Google Talk, e dessa forma pudessem interagir diretamente com seus visitantes. A conversa era aberta em uma janela independente, dessa forma o usuário poderia navegar livremente sem perder o contato estabelecido. Foi descontinuado para incentivar os usuários a utilizarem a barra do também finado Meebo.

O cemitério de fracassos do Google

Google Health – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Foi um serviço centralizador de informações pessoais sobre a saúde do usuário. O serviço permitiu que os usuários do Google passassem a oferecer seus registros de saúde - manualmente ou através do login em suas contas dos prestadores terceiros de serviços de saúde - para o sistema Google Health. Os registros podiam incluir informações sobre as condições de saúde, medicamentos, alergias e resultados de laboratório, por exemplo. Segundo a empresa, o serviço foi descontinuado por não atingir o público esperado, sendo utilizado apenas por pessoas inseridas na tecnologia e profissionais fitness e seus entusiastas.

O cemitério de fracassos do Google

Google Answers – 2002 ~ 2006 (5 anos) – Iniciativa oferecida pelo Google na qual o usuário podia fazer uma pergunta pagando entre US$ 2 a US$ 200. Se aquele que fez a pergunta gostasse da resposta, podia enviar gorjetas de até 100 dólares para quem lhe auxiliou. O Google retinha 25% das gorjetas de quem respondeu e uma taxa de 50% de cada questão. A iniciativa não vingou, logicamente, por causa da concorrência “desleal” do Yahoo Respostas, afinal, por que iríamos pagar por uma resposta que pode ser obtido gratuitamente em outra plataforma?

O cemitério de fracassos do Google

Google Apps for Teams – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Serviços como Google Apps Team incluía o Google Sites, Google Docs, Google Calendar, Google Chat, e iGoogle. Com este serviço o usuário poderia usar o Google Apps sem ter o seu domínio hospedado pelo Google. Você se inscrevia com seu e-mail de estudante ou de trabalho e seus amigos faziam o mesmo. Enfim, todos que quisessem colaborar com o projeto deveriam ter um endereço de e-mail do mesmo domínio, e eles deviam ser assinados através do Google Apps Team. Você podia especificar se queria colaborar em um documento ou local específico, ou então abrir o site no ar a qualquer pessoa com o mesmo domínio. Além disso você também podia disponibilizar publicamente documentos ou mantê-los protegidos.

O cemitério de fracassos do Google

Places Directory App – 2009 ~ 2013 (5 anos) – Disponível para Android, o serviço utilizava o GPS integrado com o Google Maps para oferecer informações sobre locais de interesse para o usuário em uma cidade desconhecida, por exemplo. O app oferecia 12 categorias: Atrações, bancos, bares, café, postos de gasolina, hotéis, médicos, Cinemas, estacionamentos, restaurantes, lojas e táxis.

O cemitério de fracassos do Google

Google Video for Business – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Motor de busca de vídeos do Google que antigamente era um site de compartilhamento livre de vídeos e permitia que vídeos selecionados fossem incorporados remotamente em outros sites e fornecesse o código HTML. Isto permitia aos sites hospedar vários vídeos remotamente sem se preocupar com questões de largura de banda ou capacidade de armazenamento. Com a expansão do YouTube, o conteúdo do Google Vídeo foi movido automaticamente para o novo sistema.

O cemitério de fracassos do Google

Google Friend Connect – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Foi um serviço similar ao Facebook que permitia aos seus usuários que compartilhassem informações através de imagens, vídeos e mensagens via sites de terceiros. Também tinha como recurso permitir que os usuários donos de sites e blogs pudessem adicionar recursos sociais para seus sites. Com a evolução dos serviços do Google, o serviço foi descontinuado para ser integrado ao Google+.

O cemitério de fracassos do Google

Knol – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Serviço que permitia a especialistas no assunto e outros usuários que escrevessem artigos de qualidade relacionados a diversos temas. Trabalhando no início principalmente com artigos no campo da saúde e da medicina, expandiu-se posteriormente a artigos  how-to ou aqueles que explicam o uso de um produto. Outras pessoas podiam postar comentários abaixo um artigo, tais como para refutar opiniões ou rejeitar opiniões sobre produtos. Segundo alguns, este foi a resposta do Google à fama do Wikipedia.

O cemitério de fracassos do Google

Google Adsense for feeds – 2008 ~ 2012 (5 anos) – Serviço que permitia aos donos de blogs e websites ganhar alguns centavos ao vincular anúncios em seus feeds. Segundo o Google, no serviço a “segmentação de anúncios era otimizada para feeds, o que garantia anúncios relevantes e amigáveis.” Bom, por algum motivo o serviço foi cancelado, azar dos blogueiros que perderam uma fonte de receita.

O cemitério de fracassos do Google

Google Gears – 2007 ~ 2011 (5 anos) – Foi um software oferecido que permitia que fossem adicionadas novas aplicações web, através de funcionalidades no navegador (era suportado pelo Chrome, Firefox, Internet Explorer e Safari).

O cemitério de fracassos do Google

Dodgeball – 2005 ~ 2009 (5 anos) – Foi um software disponibilizava informações para redes sociais baseadas na localização para celulares. Usuários enviavam sua localização para o serviço, que, em seguida, notificava os amigos, amigos de amigos e locais interessantes nas proximidades. Dodgeball foi fundado em 2000, comprado em 2005 pelo Google e interrompido em 2009, por causa do Google Latitude.

O cemitério de fracassos do Google

Google Latitude – 2009 ~ 2013 (5 anos) – Serviço de localização do Google Maps, desenvolvido pelo Google como um sucessor para o seu serviço baseado em SMS, Dodgeball (leia acima). O Latitude dava a opção de que o usuário de celular permitisse a certas pessoas ver a sua localização atual. O usuário podia controlar a exatidão e os detalhes do que cada um dos seus contatos poderiam ver, como um local exato ou então, apenas a cidade. O cemitério de fracassos do Google

Google click-to-call – 2002 ~ 2007 (6 anos) – Serviço que permitia ao usuário ligar para anunciantes diretamente das páginas de resultados de pesquisa do Google. No click to call os usuários informavam seu número de telefone ao Google, ele ligava e fazia a conexão com o anunciante. Os custos das ligações eram pagos pela própria gigante americana.

O cemitério de fracassos do Google

Google Image Labeler – 2005 ~ 2011 (6 anos) – Recurso divertido em forma de jogo que tinha o objetivo de ajudar a catalogar as imagens do Google Images.

O cemitério de fracassos do Google

Google Notebook – 2006 ~ 2011 (6 anos) – Permitia aos utilizadores guardar e organizar blocos de informação durante a realização de pesquisas on-line. A ferramenta enraizada no navegador permitia ao usuário escrever notas, textos, salvar imagens e salvar links de páginas durante uma sessão do browser. A informação era salva em um "notebook" on-line com recursos de compartilhamento e colaboração. O serviço poderia ser público, ou visível apenas para alguns.

O cemitério de fracassos do Google

Jaiku – 2007 ~ 2012 (6 anos) – Lançado em 2006 e comprado em 2007, era uma rede social de micropostagens semelhante ao Twitter. Note que o serviço foi implementado até 2012, quando do auge do Twitter. Tomando uma surra da concorrência, o Jaiku foi encerrado.

O cemitério de fracassos do Google

Google Pack – 2006 ~ 2011 (6 anos) – Coleção de aplicativos – quase todos criados pelo Google. Incluía o Google Earth, Google Desktop, Picasa, Google Talk e Google Chrome. Suportava Windows XP, Vista e Windows 7. Com o passar do tempo os programas tornaram-se independentes entre si e o Google Pack perdeu o sentido.

O cemitério de fracassos do Google

Google Bookmarks Lists – 2005 ~ 2011 (7 anos) – Permitia a você criar listas de favoritos e compartilhá-las com outras pessoas. Segundo o Google "listas tornam mais fácil de organizar e compartilhar as coisas que você encontra na web." Foi descontinuado em benefício do Google Notebook (confira mais acima).

O cemitério de fracassos do Google

Google Postini Services – 2007 ~ 2013 (7 anos) – Serviço de e-mail, segurança na Web e arquivamento. Prestava serviços de computação em nuvem para a filtragem do e-mail em busca de spams e malwares antes de ser entregue ao destinatário.

O cemitério de fracassos do Google

Picasa Web Albums – 2006 ~ 2012 (7 anos) – Permitia aos usuários armazenar e compartilhar fotos com uma oferta inicial de 15gb de armazenamento gratuito, compartilhado com o Gmail e o Google Drive. O armazenamento é ilimitado para fotos de resolução até 2048x2048 pixels para usuários do Google+, ou até 800x800 para os demais. Vídeos curtos de 15 minutos também não contavam para o limite. Quando seu limite era atingido, as fotos eram automaticamente redimensionadas.

O cemitério de fracassos do Google

Google Code Search – 2006 ~ 2012 (7 anos) – Produto free do Google que estreou no Google Labs permitindo que os usuários pudessem procurar qualquer código-fonte aberto na Internet. Incluía a capacidade de pesquisar usando operadores lang :, pacote :, licença: e arquivo :. Os códigos pesquisados estavam disponíveis em vários formatos, incluindo tar.gz, .tar.bz2, .tar e .zip, CVS, Subversion, Git e Mercurial.

O cemitério de fracassos do Google

Google Mini – 2005 ~ 2012 (8 anos) – Parte entendermos o Google Mini, precisamos conhecer o Google Search Appliance, que é um dispositivo que fornece a funcionalidade de indexação e que pode ser integrado em uma intranet, sistema de gerenciamento de documento ou site, usando uma interface de busca como o Google para obter os resultados. O dispositivo era capaz de indexar até 30 milhões de documentos. O Google Mini surgiu como uma solução menor e de baixo custo para pequenas e médias empresas que lhes permitia indexar e pesquisar até 300.000 documentos.

O cemitério de fracassos do Google

Google Desktop – 2004 ~ 2011 (8 anos) – Software com recursos de pesquisa para a área de trabalho, criado pelo Google para Linux, Mac OS X e sistemas Windows. Permitia pesquisas de texto em e-mails, arquivos do computador, música, fotos, chats e páginas visitadas. Possuía a habilidade de exibir os Gadgets do Google no desktop do usuário em uma barra lateral. O motivo do Google para interromper o serviço foi que "nos últimos anos, tem havido uma enorme mudança do local de armazenamento baseado em nuvem e computação, bem como a integração da funcionalidade de pesquisa para a maioria dos sistemas operacionais modernos. As pessoas agora têm acesso instantâneo aos seus dados, seja online ou offline. Como este era o objetivo do Google Desktop, o produto será descontinuado ".

O cemitério de fracassos do Google

Urchin – 2005 ~ 2012 (8 anos) – Foi um programa de análise de estatísticas de web comprado pelo Google em 2005. Era usado para analisar o conteúdo do arquivo de log do servidor e exibir as informações de tráfego do site com base nos dados de registro. Rapidamente tornou-se uma das soluções mais populares para análise de tráfego do site, em particular com os ISPs e provedores de hospedagem e integração com o AdWords. Com a evolução dos produtos, veio a tornar-se a principal base para o bem sucedido Google Analytics.

O cemitério de fracassos do Google

Google Talk – 2005 ~ 2013 (9 anos) – Serviço de mensagens instantâneas que fornecia comunicação de texto e de voz, e-mail, bem como compartilhamento de arquivos. Tentava concorrer com o MSN da Microsoft, no entanto nunca se equiparou, algo semelhante ao Google+ e o Facebook hoje em dia.

O cemitério de fracassos do Google

iGoogle – 2005 ~ 2013 (9 anos) – Era uma página inicial personalizada baseada em Ajax ou web portal pessoal. Disponível em 42 idiomas, alcançou a marca de 7,1 milhões de usuários em fevereiro de 2007. Em abril de 2008, 20% de todas as visitas da página inicial do Google usavam o iGoogle.

O cemitério de fracassos do Google

Google Reader – 2004 ~ 2013 (10 anos) – Google Reader foi uma das ferramentas mais bem sucedidas que o Google já aposentou. Sua função era ser um agregador de feeds RSS/Atom operado pelo Google. Um dos seus motivos de popularidade era que o Reader apoiva uma série de aplicativos que o usavam como uma plataforma de notícias e informações para seus usuários. Mesmo com tamanha popularidade, o Google Reader foi colocado de lado, citando o declínio de usuários ativos como motivo.

O cemitério de fracassos do Google

Google Labs – 2002 ~ 2011 (10 anos) – Página criada pelo Google para demonstrar e testar novos projetos. Descrito pela empresa como “um playground onde os nossos usuários mais aventureiros podem brincar com os protótipos de alguns das nossas selvagens e malucas ideias e oferecer feedback diretamente para engenheiros que os desenvolveram." Produtos como Gmail, Google Calendar e Google Wave, por serem projetos mais representativos, eram testados por usuários “confiáveis” escolhidos via convite.

O cemitério de fracassos do Google

Google Sidewiki – 2001 ~ 2011 (11 anos) – Ferramenta para anotações na web do Google, era uma extensão do navegador que permitia a qualquer um conectado a uma Conta do Google fazer e ler comentários sobre um determinado site em uma barra lateral. Apesar do nome, a ferramenta não era um wiki colaborativa, embora os comentários fossem editáveis pelo autor.

O cemitério de fracassos do Google

 Orkut – 2004 ~ 2014 (11 anos) – Sem dúvidas, a maior das perdas (e a última), contava com exatas 234.404 flores digitais no cemitério do Google. Primeira rede social a ficar famosa e a maior delas na era pré-Facebook. O serviço foi projetado para ajudar os usuários a encontrar novos e velhos amigos e manter relacionamentos existentes. O país que mais contabilizava usuários era o Brasil e bem atrás, Índia, por este motivo, o Google anunciou, em 2008, que o serviço seria totalmente gerenciado e operado no Brasil, pelo Google Brasil, na cidade de Belo Horizonte. Outro fator que levou a esta transferência de sede foi o crescimento de processos legal envolvendo a rede social no nosso país.

E qual era a melhor parte do Orkut? Logicamente que você respondeu: "As comunidades", certo? Calma, mesmo que o serviço tenha sido descontinuado, o Google teve o trabalho de organizar todas as comunidades em uma enorme base de dados, confira e relembre as melhores clicando no link ao lado.

O cemitério de fracassos do Google

Google Code – 2005 ~ 2016 (12 anos até agora) – A ferramenta mais duradoura a ser aposentada pelo Google é o Google Developers, anteriormente chamado de Google Code. Trata-se de uma base de dados que agrupa API's, ferramentas, aplicações e tudo mais que os programadores criarem e desejarem compartilhar atrás de ajuda, opiniões, ideias ou simplesmente repassar conhecimento. O domínio também contava com ferramentas específicas para criação e integração aps aplicativos da marca, como o Maps, Earth, YouTube, etc. A base de dados do Google Code ainda ficará no ar até o fim de 2016 para que os usuários possam pegar tudo que desejem antes da data final, porém, sem a possibilidade de novos uploads no momento. O fim do Code deu-se provavelmente pelo crescimento de serviços similares como Stack Overflow e GitHub.

O cemitério de fracassos do Google

Panoramio – 2005 ~ 2016 (12 anos) – Serviço de hospedagem de fotos que tinha como principal recurso a indexação da imagem ao local onde foi tirada de acordo com a geolocalização. As imagens eram colocadas como uma camada de recurso no Google Earth e no Google Maps. No seu fechamento mais de 4 milhões de usuários haviam enviado mais de 120 milhões de imagens para o sistema. Somados os views das imagens foram mais de 75 bilhões. 

O cemitério de fracassos do Google

Google Glass – 2013 ~ ? (2 anos até agora) – Bom, esse ainda não “morreu”, mas o site já reservou uma cova para o óculos cibernético do Google. E você, acha que ele vai ter curta duração?

Faltou algum serviço? Lembrou de algo? Comente abaixo, aqui nos nossos comentários.

Mais sobre: Google orkut
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Destaquesver tudo
  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    As melhores publicações no
    seu e-mail

  • Preencha para confirmar