Co-fundador do WhatsApp recomenda excluir o Facebook

"Nós damos a eles o poder. Essa é a parte ruim. Nós compramos seus produtos. Nós nos inscrevemos nesses sites. Excluir o Facebook, certo?". Mais uma vez Acton faz apelo para que usuários excluam o Facebook.

Por Aplicativos Pular para comentários

Brian Acton, o co-fundador do WhatsApp, defendeu sua decisão de vender sua empresa para o Facebook por US$ 19 bilhões e encorajou os estudantes a deletarem suas contas da rede social em uma rara aparição pública na Universidade de Stanford na última quarta-feira (13).

Como um dos oradores convidados da Computer Science 181, uma turma de graduação focada no impacto social e em responsabilidades éticas das empresas de tecnologia, Acton, um estudante de Stanford de 47 anos, explicou os princípios por trás da fundação do WhatsApp e sua fatídica decisão de vendê-lo ao Facebook em 2014. Ao fazer isso, ele também criticou os modelos de lucro que impulsionam os gigantes de hoje, incluindo Facebook e Google, bem como o ecossistema do Vale do Silício no qual os empresários são pressionados a buscar capital de risco e grandes saídas para satisfazer funcionários e acionistas.

"Você volta a essa cultura do Vale do Silício e as pessoas dizem: Bem, você não poderia ter vendido? Eu tinha 50 funcionários e tinha que pensar neles e no dinheiro que eles fariam com essa venda. Eu tinha que pensar em nossos investidores e tinha que pensar na minha participação minoritária. Eu não tinha a influência total para dizer não, se eu quisesse".

Apesar de vender o WhatsApp em um acordo que o tornou bilionário, os sentimentos negativos de Acton sobre o Facebook não são nenhum segredo. Ele partiu em novembro de 2017, depois de mais de três anos na empresa, seguindo as tensões em torno da introdução de anúncios na plataforma de mensagens, algo que ele e o co-fundador Jan Koum se opuseram veementemente. Koum anunciou que deixaria o Facebook em abril passado, em meio a relatos de que discordava dos planos da empresa de monetizar o WhatsApp e sua abordagem aos dados e privacidade dos usuários.

Em março de 2018, após as falhas de privacidade dos dados do Facebook, envolvendo a empresa de consultoria política Cambridge Analytica, o Twitter de Acton twittou uma ligação para "#deletefacebook". A aparição de quarta-feira, em que dividiu o palco com Ellora Israni, ex-engenheira de software do Facebook e co-fundadora da diversidade feminina na iniciativa tecnológica She ++, foi apenas a segunda vez em que Acton falou publicamente sobre a deterioração de seu relacionamento com a rede social e seu CEO, Mark Zuckerberg.

"Eu vendi a privacidade dos meus usuários para um benefício maior", disse Acton à Forbes em setembro, detalhando os conflitos que levaram à sua saída. Na obra, Acton descreveu como o Facebook definiu metas para o WhatsApp atingir uma taxa de receita de US$ 10 bilhões em cinco anos de geração de receita com anúncios e oferecendo às empresas formas de comunicação direta com os usuários.

Embora Acton não tenha discutido os detalhes por trás do esforço de Zuckerberg para gerar receita com o WhatsApp durante sua palestra em Stanford, ele falou criticamente sobre modelos de negócios que incentivam as empresas a priorizar os lucros em detrimento da privacidade das pessoas. "O motivo de lucro capitalista, ou responder a Wall Street, é o que está impulsionando a expansão da invasão de privacidade de dados e impulsionando a expansão de muitos resultados negativos com os quais não estamos satisfeitos", disse ele. "Eu gostaria que houvesse guardas de segurança lá. Eu gostaria que houvesse maneiras de controlá-lo. Ainda estou para ver isso, e isso me assusta".

Ao vender para o Facebook, Acton disse que ele tinha certa ingenuidade na época, idealisticamente pensando que ele e Koum poderiam continuar fazendo as coisas do jeito deles, introduzindo uma maneira de diversificar a receita. Ele disse que pressionou por um modelo de serviço, possivelmente cobrando dos usuários do WhatsApp uma pequena taxa para usar o aplicativo, como fez a empresa em seus primeiros dias, para combater o tradicional driver de receita do Facebook: os anúncios. Em vez de sugar os dados do usuário para ajudar os anunciantes a segmentar anúncios, Acton e Koum esperavam que um modelo de serviço pudesse alinhar seus interesses com a necessidade de privacidade e segurança dos usuários. "O modelo de negócios do WhatsApp era: daremos a você um serviço por um ano por um dólar", disse ele. "Não foi extraordinariamente lucrativo, e se você tem um bilhão de usuários ... você terá US$ 1 bilhão em receita por ano. Não é isso que o Google e o Facebook querem. Eles querem multibillions de dólares. "

Um porta-voz do WhatsApp teria se recusado a comentar as declarações de Acton. Ao explicar a tomada de decisões antecipada do WhatsApp, Acton disse que a empresa criou os recursos que as pessoas queriam, incluindo criptografia de ponta a ponta, que vários usuários solicitaram antes que a empresa a instituísse pela plataforma. Ele também lembrou que seu modelo inicial para o WhatsApp era a Craigslist, uma empresa com um pequeno número de funcionários que prestava serviços públicos e construía um negócio de sucesso sem levantar capital de risco. Por fim, o WhatsApp divergiu desse ideal e levantou US$ 60 milhões de Capital antes de vender para o Facebook. Essa mudança na propriedade tirou o poder de decisão de Acton e Koum, com Koum se juntando à diretoria do Facebook. Isso deixou o WhatsApp em dívida com os acionistas e Zuckerberg, que ainda mantém o controle de voto sobre o gigante da tecnologia.

Brian Acton - Co-fundador WhatsAppBrian Acton - Co-fundador WhatsApp

"Responsabilidade para com os acionistas absolutamente impulsiona a tomada de decisão e a distorce", disse ele. "No Facebook, eles gastaram uma quantidade excessiva de tempo tentando descobrir como entrar na China".

Na semana passada, o BuzzFeed News informou que o Facebook não iria mais buscar um plano para impulsionar sua rede social na China, após a publicação de uma longa nota de Zuckerberg em que enfatizou uma visão de privacidade para os vários aplicativos de mensagens da empresa. Acton aplaudiu a decisão do Facebook de não colocar servidores na China e referenciou como outras empresas fazem negócios faustianos para operar no país. A Apple, por exemplo, uma empresa que ele considera ter um histórico forte de privacidade do usuário, tem servidores na China para vender seus aparelhos a cerca de 1,4 bilhão de pessoas no país.

"Eu acho que muitas dessas decisões corporativas são feitas de forma arbitrária e caprichosa", disse Acton.

Ele decidiu deixar o Facebook por causa das decisões arbitrárias de Zuckerberg e da diretora de operações da empresa, Sheryl Sandberg. Enquanto Acton notou que o Facebook deixou o WhatsApp sozinho nos seus primeiros três anos, seus últimos meses na empresa foram marcados pelo esforço de mais influência. O co-fundador do WhatsApp chamou o Facebook de "um pouco de monocultura", onde ele era o mais atípico. "Eu seria o único cara na sala e perguntaria: 'Por que queremos fazer isso?', E eu seria olhado como se eu fosse louco."

Ainda assim, ele não inveja Zuckerberg, chamando a posição do CEO do Facebook em policiar o comportamento das pessoas na rede social como uma batalha perdida. O WhatsApp, com sua criptografia de ponta a ponta, tornou impossível para qualquer um monitorar o que seus usuários estavam dizendo, liberando Acton e Koum da responsabilidade pelo que acontece na plataforma. "Há mais valor para proteger os inocentes do mundo do que os criminosos", explicou Acton, referindo-se aos usuários em países opressivos que dependem da criptografia para segurança.

Enquanto esse cálculo utilitarista minimiza as conseqüências negativas de uma plataforma não moderada, incluindo a facilitação da disseminação da desinformação e a incitação à violência, Acton manteve-se firme na idéia de não interferir. "Acho impossível", disse ele quando questionado sobre a moderação de conteúdo. "Para ser brutalmente honesto, as redes selecionadas - as redes abertas - lutam para decidir o que é discurso de ódio e o que não é discurso de ódio. ... A Apple se esforça para decidir o que é um bom aplicativo e o que é um aplicativo ruim. O Google luta com o que é um bom site e o que é um site ruim. Essas empresas não estão preparadas para tomar essas decisões ".

Novamente, Acton faz apelo para excluir o Facebook, quando completou dizendo "E nós damos a eles o poder. Essa é a parte ruim. Nós compramos seus produtos. Nós nos inscrevemos nesses sites. Excluir o Facebook, certo?". 

Fonte: BuzzFeedNews

Compartilhe com seus amigos:
Fernanda Beling
Fernanda Beling Administradora, apaixonada por tecnologia. Amante de livros, séries e filmes.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @fsbeling // TWITTER: @fsbeling
Quer conversar com o(a) Fernanda, comente:
Carregar comentários
Você conhece já o nosso especial com novidades da Netflix, certo? Iria gostar de ver um vídeo semanal em nosso canal trazendo novidades e dicas?
UAU, pq ainda não fizeram?(57,02%)
hmm, não sei(15,79%)
Não, gosto de ler esse(10,53%)
Não, deixe o canal só com tech(16,67%)