Mercado de tablets tem previsões negativas, aponta estudo

Segundo a IDC Brasil, venda de dispositivos no segundo trimestre de 2019 foi 7,6% menor que o mesmo período do ano anterior. Além disso, a previsão é de que essa queda aumente até o final do ano.

Por Tecnologia Pular para comentários
Mercado de tablets tem previsões negativas, aponta estudo

A IDC Brasil, empresa voltada para análise de mercado tecnológico, chegou a conclusão que, no Brasil, o mercado de tablets continua em queda, ao mesmo tempo que o preço dos dispositivos sobe cada vez mais. Como se não bastasse, a empresa ainda prevê uma continuação desses padrões pelos próximos anos.

Segundo o estudo realizado pela IDC, apenas no segundo trimestre de 2019, foram vendidos 705 mil tablets, o que equivale a 7,6% a menos do que no mesmo período de 2018 - porém, 2,8% a mais do que os primeiros três meses deste ano.

A IDC Brazil Tablet Tracker Q2/2019 alega exatamente isso: podem existir momentos de leve subida na venda dos tablets, mas a previsão é de que haja uma retração cada vez maior neste mercado.

Tablets Mercado de tablets sofre queda no segundo trimestre de 2019 - e a expectativa é de que continue assim.

Mas o cenário negativo não significa que empresas tenham desistido da ideia dos tablets."Mesmo com esse movimento alternando em queda, estabilidade e leve reação, e apesar da tendência de queda para os próximos 4 ou 5 anos, as empresas continuam apostando em lançamentos e promovendo melhorias a cada versão nova", diz Wellington La Falce, analista de mercado da IDC Brasil.

Isso explicaria outros dados levantados pela empresa: a do aumento de 9% no preço médio dos dispositivos, que no segundo trimestre de 2018 era R$570 e no mesmo período de 2019 foi de R$620 e a receita de R$438 milhões em 2019, sendo 1% a mais na comparação com o segundo trimestre do ano passado.

Apesar de algumas melhorias nas vendas, a venda dos dispositivos deve sofrer uma queda até o fim de 2019. Apesar de algumas melhorias nas vendas, a venda dos dispositivos deve sofrer uma queda até o fim de 2019.

Mas quem continua consumindo esses tablets? Segundo a IDC, o mercado corporativo. A pesquisa apontou que, dos 705 mil tablets vendidos no segundo trimestre de 2019, 38 mil foram para estes consumidores - o que equivale a 3 mil a mais quando comparado com 2018. A justificativa, segundo La Falce, é de que as empresas estão "comprando tablets para oferecê-lo como serviço junto a outras soluções".

E o que esperar do futuro?

Por fim, a IDC Brasil conclui que haverá uma queda na venda dos tablets até o último semestre deste ano. A expectativa é de que 1,980 milhão de dispositivos sejam vendidos, o que equivale a 128 mil a menos do que o segundo semestre de 2018.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Carregar comentários