Facebook cria novas regras para campanhas publicitárias políticas na plataforma

O objetivo das novas regras é estabelecer diretrizes que pautem de forma mais justa as campanhas políticas dentro da plataforma.

Por Tecnologia Pular para comentários
Facebook cria novas regras para campanhas publicitárias políticas na plataforma

As novas regras chegam em um esforço para reprimir a interferência eleitoral dentro da plataforma.

O Facebook está acrescentando novas exigências para a veiculação de anúncios eleitorais, como parte de seus esforços para tornar a plataforma mais segura no período que antecede o período eleitoral.

Antes de comprar um anúncio político, os anunciantes precisarão fornecer mais informações sobre sua organização, incluindo números de identificação emitidos pelo governo.

As novas regras entram em vigor já no meio de setembro e vem em resposta a alguns anunciantes que usaram nomes e declarações de isenção enganosas para disfarçar suas identidades.

"Em 2018, percebemos que nosso processo de isenção de responsabilidade era algo que poderia ser mal utilizado", disse Sarah Schiff, gerente de produto do Facebook, ao site The Verge . "Este é um esforço para fortalecer esse processo."

As mudanças marcam uma evolução nos requisitos de divulgação de anúncios políticos que o Facebook introduziu no ano passado. Antes era exigido a verificação de identidade e localização. Agora, além disso, terão que oferecer provas de que fazem parte da organização que eles dizem representar.

Mudança de regras para anúncios ligados a política chegam a tempo de minimizar problemas com fake news e outras artimanhas eleitorais nas redes sociais

Para empresas comerciais, organizações sem fins lucrativos e organizações não-governamentais, isso significará fornecer um número de identificação da organização registrada.

Os anunciantes governamentais e militares terão que fornecer um domínio da Web e endereço de e-mail que termine em .gov ou .mil. Os comitês de ação política e as partes precisarão fornecer seus números de identificação da Comissão Eleitoral Federal.

Em troca de fornecer essas informações, as organizações podem usar seu nome em avisos de isenção de responsabilidade. Um ícone "i" no canto superior direito do anúncio mostrará que é uma "organização confirmada". Ao clicar nesse ícone, você verá informações adicionais sobre o anunciante, incluindo o número de identificação do governo.

"Embora o processo de autorização não seja perfeito, ele nos ajudará a confirmar a legitimidade de uma organização e fornecerá às pessoas mais detalhes sobre quem está por trás dos anúncios", disse a empresa em um post no blog.

O Facebook também está possibilitando que organizações menores e políticos locais comprem anúncios. Eles são convidados a enviar um nome, endereço, site, e-mail e número de telefone para a organização, que o Facebook irá verificar.

Eles também podem optar por não enviar informações para sua organização, mas, nesse caso, não poderão usar o nome das organizações em um aviso de isenção de responsabilidade.

Além dos novos requisitos de anúncios, o Facebook também está atualizando as categorias de publicidade que considera políticas.

Antes haviam 20 áreas temáticas dentro do segmento, agora temos apenas 10 categorias, que o Facebook afirma serem mais inclusivas. Ao mesmo tempo, o Facebook diz que está trabalhando para ser menos restritivo - os anúncios que promovem a reciclagem não exigirão mais que os anunciantes verifiquem seu endereço de correspondência, por exemplo.

A decisão surgiu depois que alguns anunciantes reclamaram que o sistema estava impedindo que eles comprassem anúncios sem passar pelo processo de registro mais oneroso, mesmo quando o anúncio não tinha uma vertente política.

Se os anunciantes não tiverem enviado as informações necessárias até meados de outubro, sua capacidade de comprar anúncios será "pausada" pelo Facebook.

As novas regras também se aplicam a publicidade dentro do Instagram.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Carregar comentários