Snapchat é usado para comércio de armas contrabandeadas

Em 2018 pelo menos três pessoas foram presas por vender ilegalmente armas usando o Snapchat, conforme detalhado em um relatório do The Guardian.

Por Tecnologia Pular para comentários
Snapchat é usado para comércio de armas contrabandeadas

Em dois dos três casos, os homens supostamente compraram armas em um estado com leis de armas leves, os trouxeram para um estado com leis restritivas, e usaram o Snapchat para anunciar sua disponibilidade publicando fotos e vídeos das armas.

Essas pessoas foram rastreadas por agentes do Departamento de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos. Um deles assinou um acordo de confissão.

O Snapchat proíbe anúncios que promovam "armas de fogo, armas, munições ou acessórios relacionados", e diz que o aplicativo não deve ser usado para "atividades ilegais", incluindo compra e venda de armas ilegais. Um porta-voz da Snap disse que a empresa não permite que conteúdo ilegal seja promovido ou distribuído.

Mas essas regras são um desafio a ser aplicado: os usuários podem postar o que quiserem em suas contas, e cabe aos membros da comunidade ou às ferramentas automatizadas sinalizar o problema.

usuários postam armas de fogo, sem se importar com as políticas de uso do Snapchat que por sua vez, demonstra falhar ao moderar tais publicações. Tudo corrobora para facilitar o ato ilícito.

Como vender uma arma pode ser feito legalmente, pode ser ainda mais difícil identificar os usuários que agem de forma ilícita. Nesses casos, dizem que os vendedores postaram repetidamente várias armas, atraindo a atenção de agentes federais.

Outras redes sociais enfrentaram problemas semelhantes com a venda ilegal de armas. No início desta semana, o The Wall Street Journal escreveu sobre como os vendedores de armas continuam a contornar as restrições do Facebook três anos depois de implementar uma proibição em resposta às vendas ilegais que estão sendo negociadas na plataforma.

O Instagram também enfrentou problemas com vendedores contornando sua proibição de publicidade. As vendas feitas nesses aplicativos costumam ser legais quando são feitas por vendedores particulares.

Uma proibição generalizada, acabaria por prejudicar a comercialização legal. Então definitivamente não será uma tarefa fácil determinar o que é legal e ilegal com base nas regras atuais.

Talvez com normas adicionais de segurança e verificação de idoneidade resolveria o problema, mas para isso seria necessário o envio de documentos probatórios e legítimos para comprovar a legalidade de empresas, porém, isso já não se aplicaria aos vendedores particulares.

Compartilhe com seus amigos:
Bernardo Silva
Bernardo Silva Louco por tecnologia, amo velocidade e sou apaixonado por comida.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @androidplaceblog // TWITTER: @bgssilva
Quer conversar com o(a) Bernardo, comente:
Carregar comentários
Últimas notícias de Tecnologia