ACLU pressiona acionistas da Amazon a votar pela proibição do reconhecimento facial

A American Civil Liberties Union (ACLU) está mantendo sua pressão contra a prática da Amazon de vender tecnologia de reconhecimento facial para a aplicação da lei.

Por Tecnologia Pular para comentários
ACLU pressiona acionistas da Amazon a votar pela proibição do reconhecimento facial

Restando apenas um dia para a reunião anual de acionistas da Amazon, 22 de maio, o grupo de direitos civis enviou uma carta pressionando os acionistas da empresa para que votem a favor de duas propostas que poderiam restringir o uso do software Rekognition da Amazon.

"Sem a ação dos acionistas, a Amazon poderá em breve tornar-se mais conhecida por seu papel em facilitar a vigilância generalizada do governo do que por suas operações de varejo", diz a carta.

As propostas pedem que a empresa proíba a venda de Rekognition para a aplicação da lei e que a Amazon estude seu uso pela polícia.

O conselho da Amazon recomenda que os acionistas votem contra ambas as propostas, o que torna improvável a aprovação de qualquer das propostas.

O CEO e fundador Jeff Bezos, membro do conselho, controla cerca de 16% das ações da Amazon e não se espera que ele vote a favor dessas propostas.

A carta, uma das várias ações da ACLU que chama a atenção para a tecnologia de reconhecimento facial, ocorre quando os esforços para conter o uso de reconhecimento facial pela força pública ganham força em todo o país.

Reconhecimento facial em açãoReconhecimento facial em ação

Na semana passada, San Francisco se tornou a primeira cidade a proibir a polícia de usar a tecnologia. Oakland, Califórnia, e Somerville, Massachusetts, estão considerando proibições similares, e a legislatura de Massachusetts está considerando uma moratória estadual.

A Amazon inseriu-se no debate no estado de Washington, onde a legislatura considerou este ano uma moratória do uso da tecnologia de reconhecimento facial pela polícia. A Amazon, junto com a Microsoft, lançou seu apoio a uma medida de privacidade de dados que não proibia a aplicação da lei de usar o reconhecimento facial.

O Senado estadual aprovou o projeto de lei menos restritivo em março, e atualmente está tramitando na Câmara dos Deputados estadual.

A legislatura da Califórnia está considerando a proibição do reconhecimento facial em câmeras policiais . A Assembléia estadual aprovou o projeto no início de maio, e atualmente está sendo considerado pelo Senado estadual. O deputado Phil Ting, um democrata de São Francisco, apresentou o projeto.

No ano passado, Ting trabalhou em legislação para aumentar o uso de câmeras corporais. A ideia era aumentar a responsabilidade da polícia e construir a confiança entre a aplicação da lei e as comunidades que servem. Proibir ferramentas de vigilância nas câmeras do corpo parecia o próximo passo lógico, disse ele à CNET.

"A última coisa que queríamos fazer era desgastar essa confiança instalando software de reconhecimento facial nessas câmeras", disse Ting.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Minha foto