San Francisco vota para proibir uso de tecnologia de reconhecimento facial na cidade

Autoridades de São Francisco votaram nesta terça-feira, com oito votos contra um, foi proibida a compra e uso de tecnologia de reconhecimento facial por funcionários da cidade, em uma medida para regulamentar ferramentas que as empresas locais do Vale do Silício ajudaram a desenvolver.

Por Tecnologia Pular para comentários
San Francisco vota para proibir uso de tecnologia de reconhecimento facial na cidade

O decreto, que também exigiria que os departamentos municipais apresentem políticas sobre a tecnologia de vigilância para verificação pública e, na próxima semana essa questão também será votada e, possivelmente vetada, afinal os mesmos funcionários, do Conselho de Supervisores da cidade, votarão.

A ação coloca São Francisco na vanguarda do crescente descontentamento nos Estados Unidos em relação ao reconhecimento facial, que as agências governamentais têm usado há anos e agora se tornaram mais poderosas com o surgimento das tecnologias de computação em nuvem e inteligência artificial.

"Temos o dever fundamental de proteger o público de possíveis abusos", disse Aaron Peskin, o supervisor da cidade que defendeu a proibição, antes da votação do conselho.

Privacidade antes da Segurança
Privacidade antes da Segurança

Peskin disse que a portaria não é uma política anti-tecnologia. Permite o uso contínuo de ferramentas de vigilância, como câmeras de segurança; o procurador ou o xerife do distrito pode também recorrer ao uso de determinadas tecnologias restritas em circunstâncias excepcionais.

Em vez disso, Peskin disse que o objetivo é proteger "grupos marginalizados" que poderiam ser prejudicados pela tecnologia.

Por exemplo, a Amazon.com vem sendo analisada desde o ano passado por vender um serviço de análise e identificação de imagens para a aplicação da lei. Pesquisadores disseram que este serviço luta para identificar o gênero de pessoas com pele mais escura, provocando temores de detenções injustas. A Amazon defendeu seu trabalho e disse que todos os usuários devem seguir a lei.

Grupos de defesa dos direitos civis e empresas como a Microsoft, que comercializa um serviço de reconhecimento facial, pediram a regulamentação da tecnologia nos últimos meses. Isso deu impulso ao esforço em São Francisco e a uma proibição paralela relatada nas obras de Oakland, nas proximidades.

Enquanto as comunidades no coração da indústria de tecnologia estão se movendo para limitar o reconhecimento facial, a polícia em outros lugares aumentou seu uso, principalmente para identificar possíveis suspeitos em bancos de dados de criminosos conhecidos depois que um crime ocorreu.

Agentes alfandegários dos EUA estão examinando viajantes estrangeiros em aeroportos com reconhecimento facial, e outras agências federais também usam a tecnologia.

Daniel Castro, vice-presidente da Information Technology & Innovation Foundation, disse que as preocupações de que o governo dos EUA usaria identificação facial para vigilância em massa, como a China, foram exageradas. A organização sem fins lucrativos inclui representantes da indústria de tecnologia em seu conselho.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Minha foto