Após lançar o Redmi Note 9s no Brasil em abril, a Xiaomi resolveu oficializar mais dois modelos da linha: Redmi Note 9 e Note 9 Pro. Ambos se destacam por trazer câmeras traseiras quádruplas e grande bateria, sendo opções interessantes no mercado dos intermediários. Um conta com processador da Mediatek enquanto outro com Snapdragon.

Redmi Note 9

O modelo mais "básico" possui um display IPS LCD de 6,53" com resolução de 2340 x 1080 pixels, aspecto 19,5:9 e vidro com proteção Gorilla Glass 5. Por dentro, temos o processador MediaTek Helio G85 com GPU Mali-G52 MC2, aliado a 3GB ou 4GB de RAM e 64GB ou 128GB de armazenamento interno.

Redmi Note 9
Redmi Note 9

No departamento de câmeras, há quatro sensores na traseira, sendo o principal de 48MP, o secundário grande angular de 8MP, o terciário macro de 2MP e o quaternário de profundidade também de 2MP. O "furo" posicionado no canto superior esquerdo da tela abriga uma câmera de 13MP.

Para manter o Redmi Note 9 ligado, a Xiaomi apostou em uma bateria de 5.020 mAh com carregamento rápido de 18W e reverso de 9W. Em software, a MIUI 11 baseada no Android 10 vem instalada de fábrica. Como recurso de segurança, existe um leitor de digitais na traseira.

  • Processador: MediaTek Helio G85 (12nm)
  • Sistema operacional: Android 10 e MIUI 11
  • Memória RAM: 3 GB e 4 GB
  • Armazenamento Interno: 128 GB e 64 GB
  • Tela - Tipo: IPS
  • Tela - Tamanho: 6.53
  • Tela - Resolução: 2340 x 1080
  • Tela - Densidade: 395 ppi
  • Tela - Proteção: Gorilla Glass 5
  • Tela - Extras: 450 nits
  • Câmera principal: 48 MP, f/1.8, 26mm (wide), 1/2.0, 0.8µm, PDAF
  • 2ª câmera: 8 MP, f/2.2, 118˚ (ultrawide), 1/4.0, 1.12µm
  • 3ª câmera: 2 MP, f/2.4, (macro), AF
  • 4ª câmera: 2 MP, f/2.4, (profundidade)
  • Câmera Frontal: 13 MP, f/2.3
  • Bateria: 5020 mAh
  • Carregador: 18W
  • Xiaomi Redmi Note 9 - Ficha técnica completa

Redmi Note 9 Pro

A versão Pro desembarca no Brasil com display IPS LCD de 6,67" com resolução de 2400 x 1080 pixels, aspecto 20:9 e a mesma proteção Gorilla Glass 5. O processador embarcado é o Snapdragon 720G com GPU Adreno 618. Além disso, há 6GB de RAM e 128GB de armazenamento interno UFS 2.1.

O Redmi Note 9 Pro também entrega câmeras traseiras quádruplas, mas a principal agora soma 64MP, a secundária grande angular 8MP, a terciário macro 5MP e a quaternária de profundidade 2MP. A câmera frontal saiu de 13MP para 16MP.

A Xiaomi manteve a mesma bateria, então ainda temos 5.020 mAh. No entanto, a tecnologia de carregamento rápido saltou para 30W. A interface MIUI 11 baseada no Android 10 também vem instalada de fábrica. O leitor de digitais está posicionado na lateral do aparelho.

  • Processador: Qualcomm Snapdragon 720G
  • Sistema operacional: Android 10 e MIUI 11
  • Memória RAM: 6 GB
  • Armazenamento Interno: 128 GB e 64 GB
  • Tela - Tipo: IPS
  • Tela - Tamanho: 6.67
  • Tela - Resolução: 2400 x 1080
  • Tela - Densidade: 395 ppi
  • Tela - Proteção: Gorilla Glass 5
  • Tela - Extras: 450 nits
  • Câmera principal: 64 MP, f/1.9, 26mm (wide), 1/1.72", 0.8µm, PDAF
  • 2ª câmera: 8 MP, f/2.2, 119˚ (ultrawide), 1/4.0, 1.12µm
  • 3ª câmera: 5 MP, f/2.4, (macro), 1/5.0, 1.12µm, AF
  • 4ª câmera: 2 MP, f/2.4, (profundidade)
  • Câmera Frontal: 16 MP, f/2.5
  • Bateria: 5020 mAh
  • Carregador: 30W
  • Xiaomi Redmi Note 9 Pro - Ficha técnica completa

Preço e disponibilidade

Redmi Note 9, 9 Pro e 9S são os últimos lançamentos no Brasil
Redmi Note 9, 9 Pro e 9S são os últimos lançamentos no Brasil

Os novos intermediários da Xiaomi já estão disponíveis no Extra, Casas Bahia, Ponto Frio e no site oficial da marca. Eles chegam ao Brasil custando:

  • Redmi Note 9: 3GB + 64GB por R$ 2.699 e 4GB + 128GB por R$ 2.999
  • Redmi Note 9 Pro: 6GB + 128GB por R$ 4.199

Aqueles que comprarem ainda hoje (03) receberão um desconto interessante, podendo levar a versão mais básica do Redmi Note 9 para casa por R$ 2.499, enquanto que o modelo mais potente sai por R$ 2.699. Quanto ao Redmi Note 9 Pro, a promoção derruba o preço para R$ 3.699.

Motivo dos preços

Os preços estão elevados, competindo com produtos topo de linha de outras marca, em coletiva de imprensa online, Luciano Barbosa, head de operações da Xiaomi no Brasil, diz que "a cadeira tributária do Brasil impacta em até 49% do valor final do produto".

Perguntei na coletiva: qual a estratégia para competir com o mercado cinza?

Luciano respondeu que as estatégias buscam trazer parcerias com grandes varejistas para ter mais pontos de venda, física e online. Além disso, trazer rapidamente os lançamentos aqui para o Brasil e diversificar a cartela de produtos, ou seja, a ideia é trazer bastante produtos da Xiaomi aqui para o Brasil, homologados e com garantia.