Como está a relação Huawei e EUA, hoje?

Ren Zhengfei, CEO da Huawei, acredita que o sistema legal americano resolverá finalmente às questões relacionadas às proibições impostas à empresa de forma definitiva.

Por Smartphones Pular para comentários

Tem sido um ano turbulento para os negócios entre a Huawei e os EUA. Em uma entrevista recente concedida ao Yahoo Finance, o fundador e CEO da empresa, Ren Zhengfei, explicou os planos da empresa para administrar as imposições do governo dos EUA, bem como sua interpretação das intenções por trás dessas ações.

Ren Zhengfei disse que a Huawei não estava preparada para ser adicionada à lista de empresas sobre embargo comercial. Informações adicionais na época do início do embargo, fizeram a Huawei registrar queda nas vendas de seus smartphones de 40% nas semanas que seguiram o anúncio do embargo, principalmente devido a preocupações com o sistema operacional.

Agora, o CEO disse que a empresa é "totalmente capaz de se desvencilhar da dependência dos EUA por produtos essenciais". 

Ren Zhengfei acredita que o embargo que os EUA tentam impor à empresa nada mais é do que uma tentativa de "conter a tecnologia avançada da Huawei".

Com base nas supostas acusações criminais apresentadas em janeiro, Trump através de seus tweets acusou a Huawei de roubar segredos comerciais e violar as sanções dos EUA ao Irã.

O CEO voltou a afirmar que a empresa não representa uma ameaça à segurança dos EUA. "Nós não temos nenhuma rede nos EUA, nem pretendemos vender nossos produtos 5G de qualquer maneira", disse ele. "Trump não tem nada sobre nós, e ele espera usar a Huawei como moeda de barganha, mas a China parece não comprar"

5G Huawei 5G Huawei

Depois de muito ponderar e ver o que realmente estava perdendo, os EUA notou que ao banir a Huawei, os EUA tinham mais a perder, especialmente em termos de conexões 5G.

"Mesmo que eles tenham supercomputadores e conexões de grande capacidade, os EUA ainda podem ficar para trás porque não têm conexões super rápidas", disse Ren ao Yahoo Finance . "Encerrar as negociações com a Huawei, faria com que os EUA ficassem para trás".

Embora a proibição impeça a Huawei de acessar a tecnologia dos EUA, isso também significa que as empresas americanas podem perder os lucros da empresa chinesa.

Os trabalhos nos EUA também são cortados. Durante a entrevista, Ren confirmou que a empresa demitiu funcionários da subsidiária de pesquisa e desenvolvimento com sede nos EUA que planejava investir US$ 600 milhões em chamadas Futurewei.

Apesar de todos os problemas entre os EUA e sua empresa, Ren disse que ele tem fé no sistema legal americano para resolver os problemas.

A Coffee with RenA Coffee with Ren

Ren tem falado ultimamente sobre o impacto da proibição dos negócios da Huawei, falando recentemente em um evento chamado "A Coffee with Ren". Lá, ele disse que, embora a proibição custasse à empresa US$30 bilhões, sua empresa se recuperaria nos próximos anos, depois de concluir uma "troca de produtos". 

Como o resto desta saga vai se desenrolar não está claro, mas é óbvio que a Huawei não está recuando ou se afastando da briga.

Os EUA tem diminuído os limites impostos à empresa quando o país se aproxima de uma trégua com a China. Independentemente do resultado, esta batalha, pelo menos, destacou a importância da segurança cibernética em geral, bem como a relação instável entre as duas nações superpotências.

G20 2019, início do fim do embargo comercial imposto a HuaweiG20 2019, início do fim do embargo comercial imposto a Huawei

Nesta segunda-feira (22), o Presidente Trump se reuniu com CEOs de tecnologia na para discutir práticas comerciais e também falar sobre a Huawei.

Ao todo, os sete CEOs das indústrias de tecnologia e telecomunicações, Sanjay Mehrotra da Micron, Stephen Milligan da Western Digital, Steven Mollenkopf da Qualcomm , Sundar Pichai da Google , Chuck Robbins da Cisco , Robert Swan da Intel e Hock Tan da Broadcom, solicitaram "decisões de licenciamento oportunas" do Departamento de Comércio em relação à Huawei, e o presidente concordou.

A reunião desta segunda-feira, foi mais um passo dado para o fim das restrições que já haviam sido reduzidas após o G20. 

Vamos aguardar às cenas dos próximos capítulos, afinal de contas, com Trump no poder, às coisas podem mudar da noite para o dia. 

Compartilhe com seus amigos:
Bernardo Silva
Bernardo Silva Louco por tecnologia, amo velocidade e sou apaixonado por comida.
FACEBOOK // INSTAGRAM: @androidplaceblog // TWITTER: @bgssilva
Quer conversar com o(a) Bernardo, comente:
Minha foto