A FedEx se recusou a entregar um telefone Huawei nos EUA

Na semana passada a PC Magazine enviou um smartphone Huawei P30 do Reino Unido para os EUA e se surpreenderam com o resultado. Quando estava para finalizar o envio no seu destino, a empresa FedEx resolveu barrar e enviou o pacote ao país de origem.

Por | @Vitor_Valeri Smartphones Pular para comentários

Na semana passada ocorreu algo inusitado, os redatores do site PC Magazine enviaram um smartphone Huawei P30 de seu escritório no Reino Unido para outro escritório localizado nos EUA e se surpreenderam com o que aconteceu. Quem enviou o telefone identificou o aparelho no pacote com o número IMEI, ficando fácil de identificar que o que havia dentro era um celular da Huawei. Quando estava para finalizar o envio no seu destino, a empresa FedEx resolveu barrar o envio e retornou o pacote para o país de origem.

De acordo com o anexo que veio junto com o pacote quando retornou para o endereço do remetente, houve um problema caracterizado como "questão do governo dos EUA com a Huawei e o governo da China". Porém, o problema é que não existe uma lei que impeça o envio de uma mercadoria da fabricante chinesa para os EUA. A FedEx simplesmente decidiu que não aceitaria o pacote.

Sempre detalhistas, a equipe do PC Magazine entrou em contato com a UPS que respondeu dizendo que poderia mandar o smartphone sem nenhum problema. Além disso, foi checado também com a própria Huawei se haveria algo que realmente barrasse por algum motivo e segundo a empresa o que houve foi uma completa má interpretação por parte da FedEx.

Imagem ilustrativaImagem ilustrativa

No último sábado, a FedEx emitiu um comunicado reconhecendo o erro falando que pode:

"aceitar e transportar todos os produtos da Huawei, exceto quaisquer remessas para as entidades listadas da Huawei na lista de Entidades dos EUA.” Mas a empresa também culpou outras pessoas, dizendo que “o retorno ao rótulo do remetente não foi gerado pela FedEx."

Observa-se que a mensagem escrita pela empresa de transporte privado ficou confusa (orgulho talvez?). Ao que parece, a empresa utilizou de sua política para manter-se, a todo custo, longe do problema de conflito entre os EUA, a China e a Huawei. Porém, isso não tira o fato de que é muito frustrante uma empresa de transportes tomar tal atitude sem nenhum motivo claro para isso (baseado em leis).

Assista ao nosso último vídeo:
Inscreva-se no canal