Após polêmica, Netflix se posiciona em relação ao compartilhamento de senhas

Empresa afirmou em nota ao site Business Insider que os usuários são livres para dividir a palavra-chave com quem quiserem

Por Entretenimento Pular para comentários
Após polêmica, Netflix se posiciona em relação ao compartilhamento de senhas

Uma resolução do Tribunal de Apelações do Nono Circuito dos EUA que define como ilegal o ato de compartilhar senhas, causou alvoroço na última semana e levantou uma discussão sobre a prática de dividir senhas para se ter acesso a serviços, como a Netflix. Conforme a resolução, a atividade pode ser considerada um tipo específico de hacking.

Após polêmica, a Netflix se posicionou e, em nota ao site Business Insider, informou que os seus usuários são livres para fazer o que quiserem com suas senhas na plataforma, inclusive compartilhá-las com outras pessoas.

Após polêmica, Netflix se posiciona em relação ao compartilhamento de senhas

Dividir a senha do serviço de streaming é algo comum, não apenas no Brasil, mas em vários outros países em que a companhia atua, pois, o seu sistema permite a execução do serviço em mais de um dispositivo simultaneamente. Com isto, muita gente aproveita para compartilhar seu login e até mesmo o valor da assinatura. Isto não ocorre apenas com a Netflix, mas também em outros serviços do gênero.

Mesmo que a resolução dos juízes seja pautada pelas leis estadunidenses, ou seja, a prática de compartilhar senhas é considerada crime federal apenas nos países americanos, não afetando o Brasil, a decisão preocupou usuários de todo o mundo, pois há a possibilidade das empresas que permitem o compartilhamento de senhas mudarem seus termos e condições de uso com base nesta lei, afetando a todos os usuários.

Veja também:

Diante da preocupação e polêmica a Netflix tranquilizou seus assinantes, confirmando que não irá agir contra os usuários que optarem por compartilhar suas palavras-chave. "Desde que não vendam suas senhas, os membros estão livres para fazer o que eles quiserem com elas", afirmou a empresa em comunicado.

Entenda o caso

A polêmica sobre o compartilhamento de senhas é resultado de uma resolução da Suprema Corte dos Estados Unidos, que teve como base o caso de David Nosal. Ele foi acusado em 2008 de atuar como hacker pela lei de Abuso e Fraude de Computadores, por uso indevido de sistema de computador, mas o caso ainda continua em tramitação.

Na época, Nosal utilizou a senha de um amigo para invadir o banco de dados de sua ex-empresa e retirar dados sigilosos de lá. A discussão que se instaurou diante de tal atitude é: quem dá a autorização? No caso de Nosal ele não estava autorizado pela companhia a acessar o sistema, mas foi autorizado pelo amigo, que lhe cedeu a senha.

Diante disto, entendeu-se que serviços como a Netflix permitem que o assinante acesse suas funcionalidades através de seus dados fornecidos, mas isto não permite que ele passe esta autorização adiante, possibilitando o acesso de uma terceira pessoa aos serviços da empresa.

Contudo, após o posicionamento da empresa, os usuários podem respirar aliviados e continuar compartilhando suas senhas, isto mesmo nos países em que o ato é considerado como ilegal, já que a empresa garantiu que não irá agir contra estas pessoas, dando-as a liberdade de usufruir do serviço e da palavra-chave, como bem entenderem.

Leia também: Qual o melhor navegador para assistir Netflix?

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Carregar comentários