#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Foram mais de 70 perguntas enviadas por e-mail, redes sociais, comentários e sinal de fumaça. Confira nesta publicação, que faz parte da série especial Aniversário do Oficina da Net, quais são as curiosidades dos nossos leitores que participaram da promoção #repórterON

Por | @oficinadanet Tecnologia

Não tem como começar este texto sem antes agradecer a cada um que enviou uma, duas ou seis perguntas. Muitíssimo obrigada pela participação tão efetiva de vocês, nossos leitores! A ideia de torná-los nossos repórteres por um dia teve como intenção saber exatamente quais eram as suas curiosidades sobre tudo o que envolve o universo do Oficina da Net e, claro poder esclarecê-las. Recebemos mais de 70 perguntas feitas por 35 participantes durante as duas semanas que antecederam o ONCast especial de aniversário. Estamos, realmente, muito contentes com essa expressiva participação, mas, principalmente, pelo carinho demonstrado por vocês em suas mensagens! É bom demais saber que vocês nos acompanham e apreciam tanto o nosso trabalho. Para retribuir todo esse carinho sorteamos no dia 06/07/2016 durante o ONCast #32 especial de aniversário entre os 35 #repórteresON dois prêmios muito bacanas. O Rodrigo Custódio, que nos enviou pelo twitter a pergunta "Quando o Oficina da Net começou, quais foram os maiores desafios que vocês tiveram e como venceram eles?", ganhou um Mouse Corsair Katar. Já quem faturou o Headset Corsair Void Wireless foi o Andre Elvas. A pergunta que ele nos mandou por e-mail foi: "Vocês pretendem futuramente expandir o portal para ser lido em outros idiomas? Tipo Inglês e Espanhol para poder divulgar mais o trabalho de vocês mundo afora?". As respostas destas e de todas as perguntas que recebemos estão a seguir. Confira o resultado do trabalho de uma equipe de repórteres/leitores mais do que especiais para o Oficina da Net.

O criador do Oficina da Net, Nicolas Müller

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Manoel Victor Fróes Borges, Maira Saraiva, Dan Freitas: Quem teve a brilhante ideia de criar o Oficina da Net? 

ON - Nicolas Müller: O fundador do Oficina da Net é o Nicolas Müller.

Maira Saraiva, Adriano Souza, Leticia Soares: Por que você criou o Oficina da Net e quais foram as ideias iniciais para a criação do Oficina da Net? Criaram o site como um hobby ou já pensavam profissionalmente? 

ON - Nicolas Müller: A ideia era compartilhar conhecimentos adquiridos com programação. Na época, era díficil encontrar as informações que temos hoje na internet. Então, conforme aprendia algo, tentava passar o conhecimento adiante. Sim, foi um hobby que se profissionalizou.

Manoel Victor Fróes Borges, Thiago Henrique, Adriano Souza, Leticia Soares: Como e quando surgiu a ideia de criar o Oficina da Net?

ON - Nicolas Müller: A ideia surgiu logo após começar a trabalhar profissionalmente com programação. O site era meu laboratório de aprendizagem e dissiminação de informações.

Leticia Soares:  Como decidiram que iriam falar de tecnologia?

ON - Nicolas Müller: Era o assunto que tinha mais afinidade.

Leticia Soares: Acreditavam que iriam ter tantos leitores? 

ON - Nicolas Müller: O público de tecnologia não é tão grande quanto esportes, por exemplo. Mas são assíduos, sempre em busca de novidades o mais breve possível.

Adriano Souza: Qual o objetivo com o Oficina da Net a longo prazo?

ON - Nicolas Müller: Nosso objetivo sempre foi e sempre será trazer notícias e conteúdo didático para resolver problemas de tecnologia e internet. Nossos tutoriais, artigos e dicas são muito buscados na internet, e quase que na sua totalidade resolvem os problemas comuns.

Dan Freitas: Vocês têm a intenção de criar outro projeto desse tipo ou algum totalmente diferente do atual?

ON - Nicolas Müller: No momento não. Estamos "SPOILER" desenvolvendo um fórum para o Oficina da Net. Já era uma solicitação dos usuários há muito tempo.

Cristiano Costa: Qual a proposta do site com relação a sua expansão? Ser um portal geral ou já busca ' dividir ' em sites correlatos?

ON - Nicolas Müller: Tivemos uma ideia de criar o Oficina Games, que não saiu do papel ainda. Ainda acredito que o juntar para somar é melhor do que dividir. A ideia de fazer o site crescer ainda mais me agrada, conteúdos novos em novas editorias podem ser a solução.

Leticia Soares: Os cursos foram criados pela procura ou por uma ideia que deu certo?

ON - Nicolas Müller: Os cursos foram criados para trazer um conteúdo PREMIUM para usuários. Montamos alguns cursos exclusivos do Oficina da Net, como o curso de excel, php, lógica de programação e mais alguns. Este material, as pessoas só encontrarão aqui. O projeto, apesar de estar completo, ainda não deslanchou, estamos em busca de novos tutores para trazer mais conteúdo. A plataforma traz um conceito diferente, onde você paga para ter acesso a todos os cursos. Pode pagar um mês e não usar mais, ou continuar pagando e absorver o máximo de informações que conseguir. Além disto o premium é uma boa biblioteca de conteúdos. Já são mais de 4100 aulas todas em vídeo.

Rodrigo Santinoni, Alexandre Júnior: Quais sãos os planos para os próximos quatro anos?

ON - Nicolas Müller: A ideia, que está por sair agora, é o fórum do Oficina da Net. Um local onde as pessoas poderão interagir, integrado com as postagens do site, de forma fácil e ágil. Além disto, nossa expectativa é abordar novas áreas de conteúdo e de acompanhamentos, como empregos e concursos em TI, por exemplo. São áreas de interesse comum das pessoas, e mais um serviço prestado pelo Oficina da Net.

Junior Reis: Todos nós quando iniciamos um projeto queremos que ele faça sucesso, mas vocês esperavam que esse sucesso chegaria ao patamar que ocupa hoje? Qual foi o momento em que pensaram: estamos no caminho certo?

ON - Nicolas Müller: A perseverança e persistência foram virtudes minhas para acreditar no Oficina da Net. Creio que posso dizer que ele deu certo no terceiro ano de existência, quando começou a ter um número considerável de acessos e passou a caminhar financeiramente sem eu ter que arcar com as despesas.

O site

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Cristiano Costa, Miguel Campos: Como foi escolhido o nome do site? Teve algum requisito para a escolha?

ON: O nome vem das oficinas que tem em eventos. Uma oficina de resolução de problemas de tecnologia/internet. Então o nome, Oficina da Net.

Josias Silvestre: Qual a principal ideologia do Oficina da Net?

ON: Ajudar os leitores a resolver problemas e informar o que acontece no ecossistema de tecnologia.

Thiago Henrique: Quais os principais parceiros do portal Oficina da Net?

ON: Hoje trabalhamos de forma independente. Não contamos com parceiros para o site.

Genildo Neves: Como vocês estão trabalhando no projeto de divulgação do site? Qual é a expectativa a curto, médio e longo prazo para o alcance na divulgação de trabalho e as principais ferramentas para que isso ocorra?

ON: Nossa principal fonte de tráfego é orgânico, provido pelo Google. Tentamos fazer o melhor conteúdo possível, agregando sempre o "a mais". Estamos conseguindo bons resultados. Hoje contamos com a média de 1.7-1.8 milhão de visitas por mês, quanto mais conteúdo publicamos, mais chance de acessos teremos. A forma de expansão agora, é buscar novos assuntos que ainda não abordamos para conquistar território.

Thiago Henrique: Como é composta a estrutura do portal Oficina da Net, no que diz respeito ao espaço físico e a equipamentos?

ON: O Oficina da Net é um projeto da M3Mídia, que loca espaço físico e mão de obra da Desenvolve Web. Estamos sediados em Santa Cruz do Sul/RS. Contamos com uma equipe de redação, uma equipe de programação e uma pessoa no comercial. Quanto a equipamentos, possuímos obviamente computadores para a redação e programação, além do estúdio, onde gravamos videoaulas e fazemos os programas ONCast e ONUpdate. A sede tem pouco mais de 400m², um prédio recém construído pela Desenvolve Web. Para ter uma ideia melhor de como é a estrutura fizemos um tour em vídeo pra você nos conhecer mais de pertinho.

Dan Freitas: Como que é avaliado o gosto do público?

ON: Conseguimos medir atráves de interações nas redes sociais, somado com o número de comentários e visualizações dos conteúdos. Desta forma, acreditamos encontrar o que as pessoas mais buscam ler e se informar.

Jackson Pereira da Silva: Como o Oficina da Net cresceu nesses 11 anos de existência?

ON: A produção diversificada de conteúdo de qualidade e atemporal é o principal responsável pelo crescimento do Oficina da Net.

Rodrigo Custódio, Obede Oliveira: Quando o Oficina da Net começou, quais foram os maiores desafios que vocês tiveram e como venceram eles?

ON: O maior desafio é crescer, e para crescer nós precisamos produzir conteúdo, para produzir conteúdo demandamos de mão de obra, para ter mão de obra é necessário dinheiro e assim por diante. Nós temos superado esse desafio com a produção de conteúdo de qualidade voltado, principalmente, para auxiliar na resolulção dos problemas dos nossos leitores. Essa solução é feita por meio de tutoriais, videoaulas e artigos aprofundados. Conteúdos atemporais que resolvem problemas constantes e que possibilitam o crescimento do site, e, por consequência, a sustentabilidade do mesmo.

Mario Feles: Quantos anos já tem o Oficina da Net?

ON: Onze anos.

Andre Elvas: Vocês pretendem futuramente expandir o portal para ser lido em outros idiomas? Tipo Inglês e Espanhol para poder divulgar mais o trabalho de vocês mundo afora?

ON: Já havia essa ideia, mas nós não avançamos, justamente, pela necessidade de ter um tradutor. No entanto, é possível que, futuramente, os artigos atemporais sejam traduzidos para outros idiomas.

A equipe

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Thiago Henrique, Marivaldo, Nokimori: Quantos e quais são os integrantes da equipe? Qual é a formação de cada um?

ON: A nossa equipe de conteúdo é composta por sete integrantes: Daniel Oliboni (editor formado em Ciência da Computação), Débora Silveira (redatora e estudante de Jornalismo), Grasiel Grasel (editor e estudante de Jornalismo), Márcio Bohrer (editor chefe), Marluci Fontana (editora formada em Jornalismo), Nicolas Muller(diretor executivo e fundador do Oficina da Net) e Rafaela Pozzebon (editora formada em letras). Também contamos com uma equipe de TI com três programadores: Leonardo Moraes (chefe de programação e designer formado em Ciência da Computação), Jeferson Junior (programador e estudante de Ciência da Computação), Rafael Azambuja (programador e estudante de Ciência da Computação).

Marivaldo: Qual localidade de vocês? 

ON: A nossa sede fica em Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul. Estamos distantes, aproximadamente, 150km da capital gaúcha Porto Alegre.

Maira Saraiva: Vocês só trabalham juntos num local físico ou, por ser um espaço totalmente online, costumam trabalhar com os chamados "andarilhos virtuais"?

ON: A maior parte da equipe trabalha junto na sede em Santa Cruz do Sul, mas contamos com dois editores que trabalham em outras cidades no interior do RS e alguns colunistas que nos enviam material de diversas localidades brasileiras.

Adriano Souza: É divertido fazer o que gosta?

ON: Sim. É divertido e prazeroso. Escrevemos e falamos de algo que é sempre atual e que está presente em nossas vidas.

Marivaldo: Vocês trabalham no estilo "Google"?

ON: Olha, não exatamente, mas temos um ambiente bastante agradável por aqui.

Thiago Henrique, Franciel Limour, Dan Freitas: Quais os principais mecanismos utilizados por vocês para identificar os assuntos de interesse de seus leitores e assim produzir as matérias para os mesmos?

ON: O Oficina da Net é um site de tecnologia, então tudo o que for notícia sobre esse assunto é de interesse do nosso leitor. Além disso, nos preocupamos em ter sempre esse conteúdo de forma mais didática, exemplo disso são os tutoriais, para contribuirmos com o aprendizado de quem nos acompanha.

Cristiano Costa: Como buscar o equilibrio entre uma informação básica e completa?

ON: Buscamos sempre passar a informação, seja ela básica ou complexa, de forma completa. Para isso, estudamos, pesquisamos muito, debatemos o assunto e conversamos com fontes.

Cristiano Costa, Leticia Soares: Como se dá a definição e divisão das pautas entre vocês?

ON: Cada editor é responsável por uma determinada área como, por exemplo, tecnologia. No entanto, é nas reuniões de pauta que discutimos o que é prioridade no momento e, por isso, os editores não ficam presos somente ao assunto de sua responsabilidade o que permite circular por todas as editorias.

Dan Freitas: Existem hierarquias no grupo?

ON: Sim, hoje contamos com redator chefe, redatores e colunistas. A hierarquia completa está em: http://www.m3midia.com.br/empresa

Caio Henrique Souza: Alguém aí joga videogame?

ON: Sim, a maioria da equipe curte games. Grasiel Grasel é o nosso editor desse assunto.

Ricardo Albuquerque: Há muitas brigas pelo uso do ar condicionado?

ON: Até que não. hehe

Ricardo Albuquerque: Podem escutar música enquanto trabalham?

ON: Sim, podemos e escutamos!

Ricardo Albuquerque: Precisa abrir chamado para o TI atender os colaboradores?

ON: Não temos essa necessidade já que contamos com uma equipe própria para isso.

Ricardo Albuquerque:  Debora Pricila Silveira, na sua foto (no equipe) você está deitada?

ON - Débora: Sim.

Ricardo Albuquerque:  Marcio Bohrer, já lhe disseram que você se parece com o humorista Lucas Salles (antigo Parafernalha)?

ON - Márcio: Cara, nunca ninguém me achou parecido com o Lucas Salles. Será que somos irmãos? hahaha

Márcio: Quais as principais perguntas recebidas no Oficina da Net?

ON: Duas perguntas são constantes em nossa caixa de entrada e, por mais estranho que pareça, elas não correspondem ao Oficina da Net. São elas: "Por que "tal filme" foi removido do Netflix?" e " Por que não recebi minha fatura da Net?". Vai entender, né?!

Laisse Bonfim: Já houve uma ''paixonite'' entre vocês? 

ON: Não. Por aqui o nosso foco é o trabalho, além do que a maioria já é casada.

Cesar Augusto Nogueira: Vocês gostam da linguagem de programação Java? Gostariam de fazer mais artigos técnicos sobre o assunto?

ON: O Java é uma das TOP em se tratando de linguagem de programação, assim como o PHP. Ainda mais com o Android que utiliza de suas premissas para o desenvolvimento de aplicativos. E claro, sempre que possível disponibilizaremos artigos técnicos sobre este assunto.

Cesar Augusto Nogueira: Vocês estão por dentro das atividades e eventos de TI da cidade de Campinas e região?

ON: Procuramos nos inteirar sobre os eventos mais relevantes que acontecem no Brasil e no mundo para fazermos coberturas, transmissões e produzirmos conteúdos. No entanto, não lembro de termos coberto algum evento específico em Campinas. Aliás, quando tiver algo por aí, pode nos dar um toque!

Filipe Ozório: Quais são os desafios que vocês sofrem no dia a dia procurando por notícias, quais as dificuldades que vocês encontram e como resolvem os problemas?

ON: A dificuldade maior é realmente com tempo, já que, quando estamos procurando mais informações sobre um determinado conteúdo, novas notícias podem surgir. Para encontrar notícias não é muito complicado, já que estamos sempre atentos aos maiores portais de tecnologia, tanto nacionais quanto internacionais. Além disso, as redes sociais costumam fornecer várias informações.

Danilo Machado: Vocês têm outros empregos ou se sustentam apenas com lucros do blog?

ON: Não temos outros empregos.

Junior Reis: Na memória de vocês, qual foi o dia ou momento mais feliz trabalhando no Oficina da Net e por quê?

ON: O retorno do nosso leitor é o que torna os nossos dias mais felizes aqui no Oficina da Net. Então, sempre que recebemos uma crítica, sugestão, opinião ficamos muito satisfeitos porque só assim conseguimos saber se o nosso trabalho está indo ao encontro dos interesses do nosso público.

Junior Reis: Como é manter atualizado um site onde todos os assuntos requerem pesquisa e conhecimento técnico aprofundado, tendo de concorrer com diversos sites que usam de títulos de matéria tendenciosos e chamativos para que as pessoas sintam-se curiosas a clicar?

ON: Gera muita pesquisa para conseguir entregar a informação da forma mais correta possível. Precisamos ter cuidado porque tem muita coisa solta na internet, nem tudo é verdade, então sempre conferimos com as fontes oficiais se o fato é verídico para entregarmos o melhor conteúdo. É isto, tam bém, que difere o Oficina da Net dos sites que colocam títulos tendenciosos e chamativos para chamar cliques. Claro que a gente quer que o leitor acesse o conteúdo, mas nos importamos muito que esse conteúdo seja correto e de fundamento, assim não temos a necessidade de apelar para conseguir mais visualizações.

Nokimori: Todos vocês gostam do que fazem?

ON: No geral a resposta é unânime: SIIIIIIM! Mas, cada editor tem os seus motivos. Confira quais são a seguir:

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Se gosto! ÓBVIO que sim! Trabalhei um tempo em outra area, mas sempre fui inclinado em tecnologia da informação, tanto que a faculdade que fiz é Ciencia da Computação. Onde criei laços de amizade com o Nicolas, Juliano e Leonardo essa proximidade me levou a conhecer os demais colegas mesmo antes de ser funcionario da empresa.Tenho outras funções dentro do "conglomerado", e trabalho na forma de Home Office, mas contribuo com o Oficina; escrevendo, video aulas e os ONCast's compartilhando e adquirindo conhecimento. As vezes brinco que parece o Google, pelo ótimo clima que temos na empresa entre os colegas. Resumindo além de fazer o que gosto a firma é boa", Daniel Oliboni, editor.

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Eu gosto do que faço porque, desde pequena, sempre amei ler e escrever e dizia para todo mundo que meu trabalho dos sonhos seria passar o dia inteiro escrevendo. Claro que não fazemos só isso e existe uma grande responsabilidade em produzir conteúdo que chegará para tantas pessoas. Também há a pressão de ter que escrever e, por causa disto, às vezes o cérebro parece dar uma parada e falta criatividade. Nestes momentos, eu gosto de parar um segundo, respirar, ler algum outro texto e aí sim voltar a escrever. Funciona. A participação nos casts também é muito legal e divertida de fazer, embora exista uma grande responsabilidade e exija certa dedicação e preparação, é muito bom de fazer", Débora SIlveira, editora.

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Sim, gosto muito! Foi a partir do Oficina que tive o primeiro emprego da minha vida, aqui tive a oportunidade de escrever sobre coisas que gosto muito, desde games e filmes como também os reviews de periféricos que estou trabalhando no momento. Outro aspecto que me faz gostar muito do site é terem me escolhido para cuidar da edição de seus vídeos, algo que também adoro", Grasiel Grasel, editor.

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Eu adoro poder produzir conteúdo multimídia para os leitores e telespectadores do oficina da net. Desde as reuniões de pauta, pesquisa e criação dos artigos, reviews, e vídeos em geral (ONCast e ONUpdate), tudo é feito com muito carinho e paixão. Eu, particularmente gosto de levar aos leitores assuntos que eu também gosto de consumir, como por exemplo os tutoriais de Photoshop. Gosto muito de repassar aos nossos leitores o que aprendo", Márcio Bohrer, editor chefe.

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Gosto muito pois faço exatamente o que, durante a minha formação acadêmica, via como uma possibilidade futura para o jornalismo: fazê-lo de forma multimídia. No Oficina da Net consigo desempenhar o meu papel como jornalista multiplataforma (produzindo texto, vídeo e áudio) e buscar, diariamente, a reformulação profissional que o jornalismo online demanda. Além disso tudo, por se tratar de um site de tecnologia, vivo em um processo de aprendizado constante, o que me fascina cada dia mais", Marluci Fontana, editora.

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

 Trabalhar com o que se ama é essencial! Sempre gostei do mundo das palavras, por isso acredito estar no local certo. Acostumada com alunos presenciais, o site me oportunizou a produzir novas formas de conhecimento. Feliz em poder contribuir", Rafaela Pozzebon, editora.

Os programas ONCast e ONUPdate

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Nokimori: Como vocês tiveram a ideia de fazer esses programas e quantas edições fazem por semana?

ON: O Oficina da Net, nestes 11 anos, antes do ONCast, já teve uma sequência de podcasts sobre outros assuntos que não avançaram. Porém a equipe e direção achavam necessário que existisse um podcast e aí sugiu a ideia de fazer um programa, específico, para falar de tecnologia. E, em 11 d agosto de 2015, foi ao ar o primeiro ONCast. O assunto debatido na primeira edição do programa foi sobre o sistema operacional Windows 10. Há pouco tempo, o ONCast foi reformulado, passando a ser um programa semanal transmitido em vídeo, ao vivo, pelo Youtube nas quartas às 14 horas. Mas, pensando no pessoal que já estava acostumado com o formato de áudio e que aproveita para, enquanto ouve o ONCast, fazer as suas atividades rotineiras, mantivemos uma versão do programa em podcast. E de lá para cá já se somam mais de 30 ONCasts. O ONCast tem como apresentador titular o editor chefe do Oficina da Net, Márcio Bohrer e conta com a participação de todos os integrantes da equipe para os debates.

O ONUPdate foi criado no fim de 2015 com o propósito de ser um programa mais descontraído, mas capaz de levar aos nossos leitores tudo o que foi destaque no Oficina da Net naquela semana. Foi então que surgiu o Destaques da Semana em vídeo. Na época, com poucos recursos e equipamentos, tanto o som quanto o vídeo do porgrama não estavam legais. Por isso, o prograa teve um hiato para ser reestruturado tecnicamente e, alguns meses depois, o ON UPDATE ganhou forma, data e horários fixos.  O informativo semanal, que traz os principais conteúdos do site com a opinião dos apresentadores e a interação dos nossos leitores/telespectadores, é transmitido, ao vivo, pelo Facebook, nas sextas às 11 horas e tem como âncora titular o editor chefe do Oficina da Net, Márcio Bohrer. 

Cristiano Costa: O ONCast tem pautas necessariamente próprias ou complementares ao site? 

ON: São pautas próprias que acabam complementando, muitas vezes, o conteúdo do site.

A opinião do Oficina da Net

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Nokimori: Eu não vou fazer mais, mas se eu fizesse mais 20, vocês responderiam todas as minhas perguntas?

ON: Claro, essa era a intenção da promoção #RepórterON.

Franciel Limour: Vocês acham que para um site ter sucesso, ser bem reconhecido e ter um bom status pelo mundo afora é necessária a participação dos leitores do mesmo?

ON: Sim, pois são os leitores a razão da existência de um site. Por isso que, em cada publicação, pedimos para que vocês nos deixem comentários com opinião, crítica e/ou sugestão. E, obviamente, ficamos muito felizes em ter esse retorno que é essencial para que possamos continuar evoluindo e nos aproximando cada vez mais com conteúdos que sejam dos seus interesses.

Lucas Rabaiolli: Como eu posso comprar uma coisa no exterior sem ser taxado pelos correios? Existem truques ou formas para driblar os correios?

ON: A melhor forma de comprar um produto do exterior sem ter de pagar as taxas é você não comprar nada de valor superior a US$ 50 dólares. haha Aqui no site a gente até noticiou que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (RS,SC e PR) estendeu a restrição de encomendas importadas para até 100 dólares. (https://www.oficinadanet.com.br/post/16731-justica-determina-que-encomendas-do-exterior-abaixo-de-us-100-sao-isentas-de-impostos). E aqui você também pode ver algumas dicas de comprar online. (https://www.oficinadanet.com.br/editoria/e-commerce).

Pedro Luís: A T.I. tem um diferencial singular sobre outras profissões: que é a capacidade de apresentar talentos, verdadeiros "cientistas", cuja formação é a da insistência, persistência, uma expressiva massa de autodidatas. Onde a presença é a capacidade não um diploma de graduação. Como a equipe analisa isso?

ON: O principal ponto é que a graduação não acompanha a evolução da TI e nosso ensino é defasado por conta disso. As pessoas que estão na profissão, em sua grande maioria, são autodidatas, pois precisam estar atualizadas com o cenário atual e para tal devem buscar, por conta própria, o conhecimento. Como é uma área muito ampla e sedenta por inovações, a vontade de aprender e a busca do conhecimento valem muito mais do que um diploma.

Marcio: O que acham da tecnologia e informática, atualmente no Brasil, a respeito de desenvolvimento de softwares?

ON: O desenvolvimento de softwares caminha para a “nuvem” e multiplataformas. Sistema atuais devem ser acessados de qualquer lugar e plataformas distintas, exigindo dos desenvolvedores maior atenção na segurança das informações.

Rayssa Cristina Paulino: Atualmente, qual o melhor console? E a Microsoft consegue bater a Sony nesse mercado?

ON: É difícil dizer qual é o melhor, é uma escolha bastante particular. Eu iria de PlayStation 4 por ele estar recebendo mais jogos exclusivos, boa parte dos exclusivos do Xbox One vão chegar ao PC também, então não tem muito motivo pra investir nele, a não ser que você goste mais dos jogos que ele já tem, ergonomia do controle e etc.

Welton Waz: Como é trabalhar com jornalismo, informação e tecnologia no Brasil na era do imediatismo nas redes sociais?

ON: O modo de fazer jornalismo passa por um momento de reinvenção e, o principal motivo desse processo, está na era digital. As plataformas tradicionais (rádio, impresso e TV) continuam sendo importantes só que, agora, elas cativam um espaço no web e, mais especificamente, nas redes sociais. Um bom exemplo disso são as transmissões ao vivo pelo Facebook ou Youtube de programas consolidados em rádio e TV. Para nós, que trabalhamos exclusivamente em um veículo digital, esta reformulação do jornalismo só vem a agregar para a produção de conteúdos aprofundados, multimídia e ainda mais interessantes pois mantemos a essência dos meios tradicionais e a instantaneidade que o online proporciona. Além disso, possibilita uma interação maior com o público que, desocupou o lugar de mero receptor e ocupou um espaço mais ativo, participando, inclusive, dos processos de produção jornalística. 

Série especial: aniversário Oficina da Net

#RepórterON: vocês perguntaram e agora a gente responde

Este artigo faz parte da série especial produzida em comemoração aos 11 anos do Oficina da Net feitos no dia 04/07/2016. Veja aqui o primeiro post da série que conta onze fatos e curiosidades do site. Na segunda publicação da série confira a linha do tempo com os artigos que mais se destacaram no Oficina da Net. Você não pode deixar de assistir ao ONCast #32 que foi ao ar na tarde desta quarta-feira, 06/07/2016, pelo canal Oficina da Net TV, no Youtube.O programa teve a participação do fundador do Oficina da Net, Nicolas Müller, e de toda equipe de editores do site. que responderam as mais diversas perguntas feitas pelos nossos leitores por meio da promoção #RepórterON. E, para encerrar a semana de aniversário com chaves de ouro, teremos um ONUPdate diferente nesta sexta-feira, 08/07/2016, às 11 horas ao vivo pelo Facebook do Oficina da Net. É imperdível! Então não deixa de conferir todo esse conteúdo especial que estamos produzindo com muito carinho para você, querido leitor, que nos acompanha sempre! Você já sabe, mas não custa nada lembrá-lo: a sua opinião é sempre muito importante para nós! Então, comenta e deixa a sua pergunta também que a gente responde com maior prazer.

   

Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo