Saiba a diferença entre internet ADSL, HFC e GPON (fibra)

No intuito de esclarecer as dúvidas quanto a tecnologia de internet fixa utilizada pelas operadoras de telecomunicações, iremos abordar neste artigo sobre as principais diferenças entre a tecnologia ADSL, HFC e fibra.

Por Internet Pular para comentários
Saiba a diferença entre internet ADSL, HFC e GPON (fibra)

No intuito de esclarecer as dúvidas quanto a tecnologia de internet fixa utilizada pelas operadoras de telecomunicações, iremos abordar neste artigo sobre as principais diferenças entre a tecnologia ADSL, HFC e fibra.

O que é ADSL?

Há várias formas de se acessar a internet e uma das primeiras que surgiram foi a Assymmetric Digital Subscriber Line (ADSL). Este padrão nos dias de hoje ainda é muito popular no Brasil por ser mais barato de se implementar por conta do aproveitamento da linha telefônica já existente para a transmissão de dados da internet. Além disso, o seu cabeamento é mais barato que outras tecnologias como HFC e fibra, que serão explicadas mais à frente.

Existem variações desta tecnologia DLS, são elas: ADSL2, ADSL2+, VDSL, VDSL2 e VDSL2 Phantom

O ADSL surgiu no ano de 1999 e possui uma capacidade de download de até 8Mb/s (megabits por segundo). Seu upload pode atingir uma velocidade de até 1Mb/s, porém posteriormente surgiu uma versão simplificada da tecnologia chamada ADSL Lite que possui uma capacidade de download de até 1,5Mb/s e 512Kb/s de upload.

Modem ADSL

A ligação da internet via ADSL é feita através de um cabo que possui um par de fios metálicos. Esse tipo de conexão acaba limitando a sua capacidade de transmissão por longas distâncias entre o modem do usuário e o DSLAM (Digital Subscriber Line Access Multiplexer). O DSLAM é o "armário" que possui várias portas para distribuir o sinal de internet para as residências ou prédios.  É importante salientar que o DSLAM não irá dividir a velocidade do acesso entre as linhas, ou seja, se o seu vizinho estiver utilizando a velocidade em seu máximo disponível, não irá afetar a qualidade da sua internet.

A distância máxima suportada pela tecnologia é de até 6Km, a depender da qualidade dos equipamentos utilizados nas pontas. Porém, o ideal é que não se ultrapasse 4Km. É por conta disso que em áreas rurais se opta por utilizar internet via rádio.

Quanto maior a velocidade da internet, menor terá que ser a distância entre o modem do usuário e o DSLAM. Por exemplo:

Se utilizarmos a VDSL2 de longo alcance, poderemos ter uma distância entre 1,2Km e 1,5Km para ter acesso a uma velocidade de download de até 30Mb/s. Já se utilizarmos a VDSL2 de curto alcance, será possível atingir uma velocidade de até 100Mb/s, porém a uma distância de 350 metros do DSLAM.

O que é HFC?

A tecnologia Hybrid Fiber Coax (HFC) consiste na utilização de cabos de fibra ótica e cabos coaxiais. Os cabos de fibra ótica saem da central, passam pelos postes até chegar mais próximo das residências e prédios e conectar a um receptor ótico. Em seguida, vão sair do receptor cabos coaxiais que irão distribuir o sinal até as casas, passando por amplificadores troncais, amplificadores de distribuição e por último os TAPs que irão distribuir cabos até as casas ou prédios.

Esquema da internet HFC

Os cabos coaxiais possuem menos interferência que os cabos de par metálico (ADSL) por conta de possuir pares trançados de cobre e uma simetria diferente, fazendo com que o campo eletromagnético fique confinado entre o fio interno e a malha externa. Isso faz com que o cabo coaxial consiga atingir distâncias muito maiores do que os cabos telefônicos e ao mesmo tempo atingir velocidades maiores de transmissão (download e upload).

Entretanto, apesar de possuir um desempenho superior ao cabo de par metálico da internet ADSL, sua geometria ainda possui imperfeições, causando pequenas irradiações de energia por onde o sinal trafega. Isso faz com que seja de certa forma um pouco suscetível a interferências. Essa interferência acaba afetando a capacidade de upload e o ping da internet.

O HFC sofre quedas de desempenho e velocidade por conta da maneira como é utilizado o nó ótico (NODE). Quando a fibra ótica chega até ele para ser convertido o sinal ótico para elétrico e posteriormente chegar ao cliente, há a divisão de cabos coaxiais, que idealmente deveria ser colocado determinado número de portas.

Cabo coaxial

O cuidado com o número de portas disponibilizadas em cada NODE é necessário para que não haja queda na qualidade de distribuição do sinal. Isso é calculado geralmente de acordo com o perfil de consumo dos clientes de determinada região, porém o que ocorre é que na maioria das vezes a empresa de telecomunicações, para economizar e ganhar mais, utiliza um mesmo NODE para uma grande quantidade de clientes. O resultado disso é que nos horários de pico de utilização da internet pelos usuários haverá grande queda na performance e velocidade.

 

O que é fibra?

O cabo de fibra ótica vem para solucionar várias barreiras que as tecnologias citadas anteriormente possuem, como distância para se transmitir velocidade sem perdas, interferência causada por eletromagnetismo e por fim, a alta velocidade.

Contudo, para se conseguir uma alta velocidade, deve-se tomar certos cuidados, pois cabos de fibra ótica são frágeis e não suportam curvas com ângulos muito fechados, que prejudicam a passagem do sinal. Por conta disso, é importante que se tenha uma equipe especializada para realizar a instalação da fibra nas residências e prédios para se entregar um sinal de qualidade, sem atenuações.

Apesar de possuir um custo elevado para implantação, a durabilidade da fibra ótica é consideravelmente maior do que a de cabos de cobre e há pouquíssima perda de sinal por conta de sua imunidade contra interferências eletromagnéticas permitindo que se consiga levar um sinal com intensidade forte de ponta a ponta.

Modem de fibra

A tecnologia mais utilizada para instalação de fibras óticas pelas operadoras é a Gigabit Passive Optical Network (G-PON) que é capaz de transmitir por mais de 60Km o sinal e entregar o sinal de download com 94% de eficiência e upload com 93% de eficiência, ou seja, a perca que se tem de sinal é quase nula. A GPON é capaz de atingir velocidade de até 2,5Gbits para download e 1,2Gbits para upload.

 

O que fazer para extrair o máximo de velocidade da minha internet?

Para garantir uma velocidade igual ou pelo menos próxima a do plano contratada, sem oscilações ou quedas, a primeira regra é não utilizar o modem/roteador oferecido pela sua operadora para transmitir a internet via Wi-fi (por cabo tudo bem). É preciso tomar esta atitude por conta dos equipamentos de má qualidade que eles oferecem e para isso o consumidor tem que arcar com os custos para ter uma internet de qualidade a seu dispor.

A primeira coisa que se deve fazer é possuir disponível uma tomada com aterramento e um DSP (dispositivo de proteção contra surtos) com filtro de linha embutido, como por exemplo os da fabricante Clamper.

Em seguida, deve-se procurar um roteador que tenha portas gigabit e transmissão de sinal dual band (2.4Ghz e 5.0Ghz). É importante que o roteador seja dual band por conta da baixa capacidade de transmissão da banda de 2.4Ghz que limita a transmissão de velocidade geralmente a 100Mb/s para menos, enquanto a banda de 5Ghz é capaz de ultrapassar, por exemplo, a barreira dos 200Mb/s tranquilamente.

Por último, é indicado para quem faz uso de streaming de vídeos e joga online a utilização de cabos de rede do tipo CAT6 para interligar o modem da operadora ao roteador wi-fi ou ao computador.

Observação: Evite repetidores de sinal wi-fi, use somente Acess Point (AP) ou roteadores wi-fi. Isso fará com que o sinal se mantenha forte e com qualidade.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Carregar comentários