Oficina da Net Logo

Após Coreia do Sul proibir entrada de criptomoedas, Bitcoin sofre nova queda

Mesmo que a proibição possa demorar um tempo para acontecer, a notícia acabou desestabilizando a cotação do Bitcoin.

Por | @oficinadanet Internet Pular para comentários

Rumores recentes já indicam que a Coreia do Sul não iria permitir a entrada de criptomoedas no país, o que fez com que a cotação do Bitcoin sofresse uma queda.

Agora, no entanto, o Ministro da Justiça do país declarou que a Coreia do Sul está desenvolvendo um projeto que tem como objetivo proibir todas criptomoedas em seu território. Park Sang-ki declarou em coletiva de imprensa:

“Há grandes preocupações com as moedas virtuais e o ministério da justiça está basicamente preparando um projeto de lei para proibir o comércio de criptografia através de trocas”.

Após Coreia do Sul proibir entrada de criptomoedas, Bitcoin sofre nova queda.Após Coreia do Sul proibir entrada de criptomoedas, Bitcoin sofre nova queda. Leia em destaque: Os 10 maiores canais do YouTube.

Leia também:

Além disso, o ministro disse que a proibição está sendo elaborada em conjunto com o Ministério das Finanças e reguladores financeiros do país. Porém, a aprovação do projeto de lei necessita votação dos 297 membros da Assembleia Nacional.

Mesmo que a proibição possa demorar um tempo para acontecer, a notícia acabou desestabilizando a cotação do Bitcoin, com uma queda de 21%, e passando a valer US$ 12.800.

O analista da NH Investment & Securities comentou que tal manifestação da Coreia do Sul pode afetar ainda mais a cotação do Bitcoin e provocar um "efeito manada":

“O comércio de moedas virtuais vem sendo muito grande na Coreia do Sul. Alguns funcionários estão pedindo regulamentações mais fortes e mais fortes porque eles só veem que os investidores não estão pulando fora”.

O Bithumb, maior operadora de Bitcoin na Coreia do Sul, disse através de um funcionário que os fiscais de impostos estiveram na sede da empresa.

“Os oficiais dos impostos nos pediram que nós entregássemos documentos e outras informações ontem”.

MAIS SOBRE: #bitcoin  #internet  #criptomoeda
Comentários