Graças a Sennheiser Brasil, pude testar e avaliar o headphone Sennheiser HD560S, um fone de ouvido over-ear que está sendo muito comentado nas redes sociais devido ao seu custo-benefício. Antes de iniciar o review do HD560S, quero deixar claro que a Sennheiser Brasil fez um contrato comigo, onde me foi concedido o direito de "avaliar como bem entender e achar conveniente, seguindo exclusivamente o meu critério, de acordo com a minha própria opinião, sem nenhuma interferência da empresa". Dito isto, vamos a análise do fone de ouvido circunaral abaixo.

Estrutura física

Headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri
Headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri

O mais novo headphone com fio da Sennheiser possui não só um excelente desempenho em termos sonoros, como você verá mais adiante, mas um conforto excepcional, ultrapassando o seu irmão mais velho inclusive, o HD600. O Sennheiser HD560S é um fone de ouvido do tipo circunaural/over-ear (que cobre a orelha, ficando em volta dela) aberto (open-back), leve (240g), com ear pads/pads (almofadas) muito macias e sem ponto de pressão algum que possa vir a incomodar.

O primeiro ponto que traz o grande conforto que este fone tem é sua headband, onde em seu centro há um alargamento da espessura para distribuir melhor o peso na cabeça. Uma jogada inteligente, pois no centro da cabeça é onde a pressão dos arcos dos fones começam a incomodar após algumas horas de uso. Além disso, há também uma espuma dividida em formato de "V", dividida em 2 grandes gomos, na parte inferior para aumentar ainda mais o conforto.

Headband (arco) do Sennheiser HD600 (esquerda) e do Sennheiser HD560S (direita). Fonte: Vitor Valeri
Headband (arco) do Sennheiser HD600 (esquerda) e do Sennheiser HD560S (direita). Fonte: Vitor Valeri

O segundo fator que colabora para o HD560S não incomodar, mesmo após horas utilizando o fone, é a região onde o ouvido se encaixa nas pads do fone. A Sennheiser teve o cuidado de deixar a parte onde geralmente há uma espuma reta para cobrir o driver ("alto-falante") com um formato angulado. O motivo desta angulação é para acompanhar a curva da orelha, onde em sua parte traseira há uma maior profundidade (a curva da orelha vai para as laterais) e na região frontal se tem uma profundidade menor (a orelha já terminou de fazer a curvatura para fora e fica rente ao rosto).

Parte interna das pads do headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri
Parte interna das pads do headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri
Parte interna das pads do headphone Sennheiser HD600. Fonte: Vitor Valeri
Parte interna das pads do headphone Sennheiser HD600. Fonte: Vitor Valeri

Por último, ainda sobre o house (corpo) do fone, temos o desenho em "S" que a headband faz, melhorando o contorno que o arco faz ao redor da cabeça. Provavelmente, este aspecto faz com que a pressão lateral diminua consideravelmente.

Curva em S na headband (arco) do headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri
Curva em "S" na headband (arco) do headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri

Com relação ao cabo e pads, felizmente o HD560S possui a possibilidade de removê-los, dando uma vida longa para o headphone. Suas earpads são de veludo e possuem uma excelente maciez e toque. Entretanto, quando analisamos o cabo, vemos um "efeito memória" muito grande, fazendo com que ele enrole em si mesmo com muita facilidade, além de um comprimento exagerado (3m). Pessoalmente, eu preferiria um cabo que fosse mais curto (algo em torno de 2 metro) e que possuísse um revestimento de tecido para um toque mais macio, uma microfonia menor (sim, o cabo stock faz muito barulho ao bater em objetos) e embolar com menos facilidade.

Veja abaixo o vídeo de unboxing do Sennheiser HD560S:

Sennheiser HD560S vs Sennheiser HD600 (estrutura física)

Enquanto no Sennheiser HD600 temos uma headband reta, com mesma espessura do início ao fim, no HD560S temos o alargamento no centro da estrutura, proporcionando uma pressão mais bem distribuída na cabeça. Ainda no arco, temos a ausência da curva em "S" que há no HD560S, resultando em uma pressão lateral maior.

Tanto no HD560S quanto no HD600, o tamanho e espessura das pads é idêntico e o que varia é a profundidade no encaixe da orelha devido a angulação que há no HD560S. No HD600, não existe nenhuma variação de profundidade, tendo somente a presença de uma espuma macia e reta para cobrir o driver. Já no HD560S, há uma angulação para que a parte traseira da orelha não pegue na espuma, onde no caso deste fone, é rígida, podendo dar uma sensação térmica mais agradável.

Abaixo, fiz um vídeo onde mostro, em detalhes, como é o aspecto físico do Sennheiser HD560S comparado aos fones Audeze LCD-1 (review aqui) e Sennheiser HD600:

O som

O Sennheiser HD560S certamente pode ter desempenhos consideravelmente distintos dependendo do amplificador que se utiliza. Entretanto, não encare isso como um demérito, pois ele consegue sim ter uma boa apresentação com sistemas com diferentes capacidades de amplificação. Porém, há características que é possível perceber em ambos os casos, tanto com um amplificador mais "forte" quanto com um mais "fraco", como seus médios mais recuados, onde suas vozes ficam mais distantes, e sua maior atividade nos médios agudos (faixa de frequência responsável por dar mais ou menos brilho ao som, podendo incomodar ou não dependendo da música).

Com um amplificador mais fraco como, por exemplo, o FiiO K5, os graves do HD560S não têm muita presença, sendo comedidos na maior parte das vezes, os médios não variam tanto (continuam recuados independente da amplificação utilizada), e os agudos possuem um grande destaque durante a maioria das apresentações musicais. Isso ocorre devido à falta de potência para dar a força necessária para que os graves ganhem mais corpo e punch. O resultado disso, é um som mais frio, mais analítico, mais brilhante, pois os graves já não têm presença o suficiente, os médios são levemente recuados e os médio agudos são mais proeminentes.

Headphone Sennheiser HD560S e amplificador Woo Audio WA3. Fonte: Vitor Valeri
Headphone Sennheiser HD560S e amplificador Woo Audio WA3. Fonte: Vitor Valeri

Ao utilizar amplificadores mais potentes como o "Drop + THX AAA 789" (Solid State classe A) e o Woo Audio WA3 (valvulado OTL), o HD560S tem um ganho de presença nos subgraves e um punch mais evidente, dando mais preenchimento na música. Consequentemente, o som que era frio e analítico, ganha um equilíbrio tonal melhor (distribuição de atividade nos graves, médios e agudos) e obtém um som mais gostoso na grande maioria dos estilos musicais. Os médios agudos, neste caso, acabam perdendo os "holofotes" na música, deixando a reprodução dos sons mais coesa. Entretanto, isto não quer dizer que o detalhamento, a claridade nos agudos perca desempenho, essa característica ainda persiste e da o brilho necessário para certas músicas que o HD600, por exemplo, não consegue dar.

Sennheiser HD560S vs Sennheiser HD600 (o som)

Headphones Sennheiser HD600 (esquerda) e Sennheiser HD560S (direita). Fonte: Vitor Valeri
Headphones Sennheiser HD600 (esquerda) e Sennheiser HD560S (direita). Fonte: Vitor Valeri

A diferença de equilíbrio tonal no HD600 claramente é menor comparado ao HD560S quando se compara ambos em diferentes níveis de amplificadores (um menos potente e um mais). No caso do HD600, quando utilizado em um amplificador mais forte, há um pequeno ganho nos subgraves, porém com um punch mais fraco que no HD560S. Ao mesmo tempo, o HD600 ainda consegue ter um som mais cheio nos graves comparado ao HD560S, que acredito ser devido ao tamanho das grades nas cups dos headphones.

Devido aos médios agudos e agudos serem menos presentes no HD600 comparado ao HD560S, há um equilíbrio tonal melhor no HD600 mesmo quando se escuta em um amplificador mais fraco como o FiiO K5. No HD600, eu não sinto tanto a falta dos graves, e seu brilho nos médio agudos e agudos não é irritante em determinadas músicas como no HD560S.

Com relação aos médios do HD600 comparado ao HD560S, há uma proximidade maior dos vocais e instrumentos de corda no HD600, enquanto no HD560S se tem um distanciamento maior, dando uma sensação de mais espacialidade e ganhando um melhor posicionamento das fontes de som nesta faixa de frequência. Daí o motivo de muitos elogiarem o palco do HD560S nas apresentações musicais, entregando um bom desempenho em músicas instrumentais, eruditas ou que tem grande presença de vários instrumentos de corda.

Há momentos em que prefiro o brilho nos agudos do HD560S por achar a atividade nessa faixa de frequência mais apagada no HD600. Um exemplo disso são gêneros musicais como, por exemplo, o rock, onde quer se ouvir com mais agressividade as guitarras.

Qual é o DAC/amp ou amplificador ideal para o Sennheier HD560S

O HD560S não é um fone que necessariamente precisa de uma amplificação muito forte para tocar minimamente bem. Porém, como você percebeu acima, este é um headphone que se beneficia muito de um amplificador ou DAC/amp melhor. Há várias opções para conseguir "levar" de maneira satisfatória o HD560S como, por exemplo, o iBasso DC03, o FiiO BTR5, o Qudelix 5k, o E1DA PowerDAC v2, o FiiO K5 Pro, o iFi Hip-dac, o iFi Zen DAC, entre outros.

É interessante notar que se o DAC/amp ou amplificador possuir uma saída balanceada, é recomendado que você a utilize, pois ela irá entregar uma potência maior. Entretanto, lembre-se que para fazer isto, será necessário comprar um cabo balanceado a parte.

Em quais tipos de música o Sennheiser HD560S se dá melhor

Recomendo o Sennheiser HD560S para aqueles que tem preferência para gêneros musicais como Jazz, Blues, música erudita (e clássica), onde não há muita atividade nos subgraves. Digo isso porque, por mais que se tenha um bom equilíbrio tonal no HD560S, ele é como o HD600, há um roll-off nos subgraves e consequentemente a pessoa poderá sentir uma falta de textura, extensão e impacto nessa faixa de frequência. Se você gosta muito de trilhas sonoras, músicas instrumentais, onde a maioria atividade dos sons dos instrumentos e vozes estão nos médios, médios agudos e agudos, sem dúvidas este fone é para você.

Embora o HD560S toque bem nos gêneros citados acima, não quer dizer que não haja uma boa qualidade na reprodução de outros estilos musicais. Porém, tenha em mente que gêneros que possuem muita atividade nos subgraves como, por exemplo, música eletrônica, Hip Hop, Trap, provavelmente não irá empolgar você ao ouvir com este headphone.

Caso você não tenha achado aqui o que procurava, recomendo procurar por fones com drivers planar magnéticos como, por exemplo, os da Hifiman. Há também headphones dinâmicos que tem mais presença nos graves como é o caso do Philips Fidelio X2HR. Ambas as indicações dadas estão abaixo dos US$200 cobrados pelo HD560S (EUA).

Conclusão

Headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri
Headphone Sennheiser HD560S. Fonte: Vitor Valeri

O Sennheiser HD560S é um headphone com excelente custo-benefício em sua faixa de preço (R$1599 no Brasil e US$199,95 nos EUA), oferecendo uma qualidade de som absurda e um conforto fantástico, sendo o fone de ouvido over-ear mais agradável que já pude ouvir para utilizar por horas seguidas sem dor alguma. Para quem quiser ir mais além em sua amplificação, é possível até comprar a parte um cabo balanceado (2,5mm, 4,4mm ou XLR) para extrair a potência máxima do amplificador (caso ele tenha uma saída balanceada).

É possível comprar o Sennheiser HD560S na loja oficial da empresa no Brasil por R$1599 à vista ou em 12x de R$159,62 no cartão de crédito.

Esse review é feito em parceria com o Grupo Fones de Ouvido High-End: