Oficina da Net Logo

WhatsApp anuncia novo limite de 5 mensagens para reenvio a destinatários

A estratégia vem como uma medida de tentar combater a propagação de fake news pelo aplicativo. A partir de agora, usuários poderão reenviar uma mensagem de uma única vez para apenas cinco pessoas ou então cinco grupos.

Por | @fsbeling Aplicativos Pular para comentários

O aplicativo de mensagens instantâneas, WhatsApp, anunciou nesta segunda-feira (21) que passará a restringir o número de reenvio de mensagens para cinco destinatários. Ou seja, isso significa que usuários poderão reenviar uma mensagem de uma única vez para apenas cinco pessoas ou então cinco grupos.

A estratégia vem como uma medida de tentar combater a propagação de fake news pelo aplicativo. As restrições tiveram início na Índia, isso porque no país houve uma onda de violência que se propagou através do aplicativo, pela grande disseminação de boatos.

Inicialmente, o aplicativo permitia o compartilhamento com até 200 pessoas ou grupos, o que passou a mudar pouco tempo atrás, quando o WhatsApp passou a permitir o reenvio de mensagens para apenas 20 usuários por vez.

Isso ajudará a manter o WhatsApp focado na troca de mensagens privadas entre contatos próximosWhatsApp tem focado na troca de mensagens privadas entre contatos próximos. Leia em destaque: Os 10 melhores jogos para Android sem internet.

Uma porta-voz da companhia em comunicado, disse "A partir de hoje, o WhatsApp vai adotar essa mudança globalmente. Isso ajudará a manter o WhatsApp focado na troca de mensagens privadas entre contatos próximos". 

Entretanto, a companhia também ressaltou que houve uma queda significativa no compartilhamento de mensagens ao redor do mundo após a limitação de compartilhamentos e que ainda precisa avaliar os resultados dessa mudança.

Em 2018, o dono do WhatsApp, no caso, o Facebook, foi acusado de ser um dos principais propagadores de notícias falsas. Em muitos países, a rede social está sendo investigada por permitir que dados de milhões de usuários fossem fornecidos a empresa de pesquisa Cambridge Analytica, a mesma que trabalhou em 2016 para campanha presidencial de Donald Trump.

Além disso, a companhia vem sendo questionada se realmente fez o suficiente para auxiliar no combate a violência em Miamar. Já o serviço Free Basics, na Índia, foi banido por violar a regra de neutralidade de rede, o qual oferece acesso à internet com menor consumo de dados. Com isso, o governo vem exigindo que a companhia tome as medidas necessárias para resolver estas questões o mais rápido possível.

Comentários
Carregar comentários
Siga nossas redes sociais