Oito vítimas do golpe do WhatsApp registram queixa em Niterói

Vítimas tentam recuperar contas que foram clonadas por criminosos e são usadas para pedir dinheiro. WhatsApp recomenda a ativação da verificação em duas etapas por segurança.

Por | @andressaisfer Tecnologia Pular para comentários

Recentemente o Oficina da Net publicou uma matéria sobre um golpe no WhatsApp utilizando o código de verificação do usuário. Na última quinta-feira (23), pelo menos oito pessoas registraram boletins de ocorrência em uma delegacia em Niterói alegando serem vítimas de criminosos. 

Elas buscaram a Polícia Civil pedindo ajuda para recuperar suas contas. Segundo o órgão, é difícil rastrear os golpistas uma vez que suas contas bancárias são de outros estados. 

As vítimas normalmente são escolhidas em fóruns de compra e venda na internet – onde expõem seus números de celular. Os criminosos então clonam seu número e enviam mensagens pelo aplicativo se passando pela vítima.

Com o objetivo de impedir esse golpe, o WhatsApp modificou a mensagem que envia aos usuários com o código em questão. Agora ela contém os dizeres “não compartilhe esse código”.

Sobre o golpe

O golpe funciona da seguinte forma: o criminoso envia para a vítima uma mensagem com algum pretexto pedindo o código de verificação de seis dígitos do WhatsApp (aquele que é enviado ao usuário quando ele troca de aparelho, com o intuito de constatar que o novo dispositivo de fato pertence àquele número). 

Criminosos solicitam ao usuário o código enviado por SMS pelo WhatsApp para ativar a conta.Criminosos solicitam ao usuário o código enviado por SMS pelo WhatsApp para ativar a conta.

 Quando alguém cai nesse golpe, a pessoa é desconectada da sessão – uma vez que o aplicativo não permite que dois aparelhos ativem o mesmo número ao mesmo tempo. 

Então o golpista ativa a verificação em duas etapas (o que impede a vítima de recuperar sua conta) e envia mensagens para contatos da pessoa pedindo dinheiro.

Como se proteger

O recomendado pelo próprio aplicativo é ativar a verificação em duas etapas. Ela consiste em criar um PIN de seis dígitos e registrar um e-mail. Caso seja necessário ativar o número de celular em outro aparelho, será solicitado esse PIN criado pelo usuário. Além disso, o aplicativo pede com frequência essa senha, verificando constantemente que tudo está sob controle.