Intel e Qualcomm se unem ao Google para cortar negócios com a Huawei

Logo em seguida ao anúncio do Google, segundo o site Bloomberg, as empresas Intel, Qualcomm, Broadcom e Xilinx comunicarão aos funcionários que não será mais fornecido peças à Huawei.

Por | @Vitor_Valeri Smartphones Pular para comentários

Logo após a declaração de emergência nacional feita pelo presidente dos EUA Donald Trump, o Departamento de Comércio dos EUA adicionou a chinesa Huawei à lista de empresas estrangeiras de telecomunicações consideradas um risco à segurança nacional. Isso significa que as empresas dos EUA precisaram a partir desse momento obter uma autorização do governo previamente para negociar com o fabricante que estiver nessa lista.

Após esse ocorrido, a primeira empresa a informar o rompimento de negócios com a Huawei foi o Google. Isso quer dizer que a fabricante chinesa de smartphones perderá o acesso às atualizações do Android, além dos serviços relacionados ao Google. Porém, a empresa comunicou por meio do Twitter que os celulares atuais da Huawei ainda terão acesso ao Google Play e o Google Play Protect.

Logo em seguida ao anúncio do Google, segundo o site Bloomberg, as empresas Intel, Qualcomm, Broadcom e Xilinx comunicarão aos funcionários que não será mais fornecido peças à Huawei. 

O que será dos smartphones Huawei?O que será dos smartphones Huawei?

É muito triste assistir a uma situação como essa, pois a ação de um presidente pode acabar “matando” a segunda maior fabricante de smartphones do mundo, pois seus principais fornecedores de hardware e software estão agora negando ajuda. O que será agora da chinesa Huawei? Diga o que acha nos comentários abaixo e fiquem ligados para mais novidades!

Comentários
Minha foto
  • Minha foto
    Narciso Lucas Manjate    •    1 mês

    Eu acho que, sem querer, o Donald Trump está a impulsionar a gigante chinesa a criar o seu próprio SO e daí em diante já ninguém mais os pegará.

siga Oficina da Net no Instagram