Correios encerram e-Sedex; fretes de compras online devem ficar mais altos

O serviço, exclusivo para o comércio eletrônico, oferece preço semelhante às encomendas convencionais, porém, possui os mesmos prazos de entrega do Sedex normal.

Por | @RafaelaPozzebon Internet

Nesta quarta-feira (30), os Correios revelaram que o e-Sedex deverá ser descontinuado. A modalidade de entrega rápida era destinada ao comércio eletrônico, sendo um dos principais produtos da empresa.

Serviço será encerrado em razão da crise.
Serviço será encerrado em razão da crise.

Leia também:

O serviço, exclusivo para o comércio eletrônico, oferece preço semelhante às encomendas convencionais, porém, possui os mesmos prazos de entrega do Sedex normal. O diferencial é que ele é restrito para algumas cidades e o limite de peso dos objetos postados é de até 15 quilos.

De acordo com a Associação Brasileira de Franquias Postais (Abrapost), a modalidade responde por 30% do faturamento das lojas franqueadas.

"O que está deixando a gente assustado é que recebemos centenas de ligações de associados querendo saber o porquê de os Correios terem decidido acabar com o e-Sedex. Não sei responder", disse Chamoun Hanna Joukeh, presidente da Abrapost,. "A gente está muito preocupado com a possibilidade de o cliente ir para a concorrência".


Os Correios confirmaram através de comunicado que o fim do e-Sedex começa a entrar em vigor a partir de 1º de janeiro de 2017.

“Com a evolução do e-commerce brasileiro, todos os serviços de encomendas — PAC, Sedex, Sedex 12, Sedex 10, Sedex Hoje e Logística Reversa — passaram a ser utilizados pelos clientes para a entrega dos produtos adquiridos via web”, diz nota.
De acordo com Guilherme Campos Junior, presidente dos Correios, alegou que a decisão está relacionada com o corte de custos. "O e-Sedex tem preço de PAC e qualidade de Sedex. Isso é ter a liberdade de ser solteiro com o conforto de casado". 

A companhia enfrenta a maior crise financeira da história. No ano passado, os Correios registraram prejuízo de R$ 2,1 bilhões.

Recomendado
Siga nas redes
Últimas publicações
O QUE LER EM SEGUIDA
Assuntos e-commerce, sedex e correios
Siga nas redes
Encontrou algum erro no texto?

Entre em contato com o autor e nos ajude a melhorar a qualidade dos posts cada vez mais!

AVISAR
Comentários
ASSINE NOSSA NEWSLETTER

As melhores publicações no
seu e-mail