Filho de Pablo Escobar diz que o pai era mais cruel do que em Narcos

Sebastián Marroquín vive em Buenos Aires e revela personalidade ainda mais dura do maior narcotraficante da história.

Por | @oficinadanet Entretenimento

A série Narcos, produzida e exibida pela Netflix, está em sua segunda temporada. Milhares de pessoas ao redor do mundo acompanham, por meio do seriado, a trajetória do maior narcotraficante da história, Pablo Escobar. Violência, traições, brutalidade, drogas, dinheiro. A Colômbia viveu anos de guerra graças a Escobar, que não hesitava nem um pouco quando entendia que precisava tirar a vida de uma ou centenas de pessoas.

Com uma brilhante atuação do brasileiro Wagner Moura (muito elogiado pela crítica), Escobar é representado na série como um homem que veio de baixo e fez grande fortuna ao ingressar no ramo do tráfico de drogas. Inclusive, ele foi o mentor do Cartel de Medellín, um dos maiores carteis de drogas já existentes. Muito inteligente e articuloso, Escobar era também violento e não sentia remorso quando o assunto era mandar colocar bombas pelas ruas da cidade. Por outro lado, a série também mostra um pai amoroso, dedicado e um marido atencioso.

Filho de Pablo Escobar diz que o pai era mais cruel do que em Narcos
O brasileiro Wagner Moura vive Pablo Escobar na série Narcos. (Imagem: Reprodução Internet)

Mas, um telespectador em especial, não está satisfeito com o Pablo Escobar apresentado no seriado. Juan Pablo Escobar, que agora se autodenomina Sebastián Marroquín, filho mais velho do narcotraficante, diz que a série está repleta de erros. Para começar, diz que não era criança na época apresentada no seriado. Quando Pablo morreu, Marroquín já tinha 16 anos, enquanto em Narcos ele parece ter 8 anos. “Na série pareço Benjamin Button, cada vez sou mais novo”, disse em entrevista ao El País.

Veja também:

Vale ressaltar que a série, embora baseada em fatos reais, avisa no início de cada episódio que algumas cenas, lugares e pessoas podem ter sido alterados na história pela dramaticidade. Marroquín conta que sabia de tudo o que o pai fazia. “Ele sempre me contou que era um bandido, um traficante. Assistíamos televisão e sua voz não se alterava ao me dizer: eu coloquei essa bomba. E discutíamos”, explica. Desde a morte de Pablo, Marroquín, a irmã e a mãe, viúva de Pablo, mudaram-se para a Argentina, após fazer um acordo com o Cartel de Cali, onde precisaram entregar todos os seus bens, em troca de suas vidas.

Ao contrário do que se possa imaginar, Marroquín não está incomodado com a imagem dura do pai, passada pelo seriado. Diferente disto, ele acredita que está idealizada. “Meu pai era muito mais cruel do que parece na série. Submeteu um país ao terror. É preciso tratar essa história com responsabilidade. Há milhares de vítimas e um país por trás que merecem respeito. Estão inculcando uma cultura na qual parece que ser narcotraficante é cool. Estou recebendo mensagens de jovens de todo o mundo que me dizem que querem ser traficantes e me pedem ajuda. Me escrevem como se eu vendesse ingressos para entrar nesse mundo”, reclama.

Leia mais: 28 erros de Narcos listadas pelo filho de Pablo Escobar

Marroquín, inclusive, escreveu um livro sobre o pai, onde narra a brutalidade de seus assassinatos e a forma desapiedada de ser. Agora se prepara para escrever outro, onde pretende contar os últimos meses de vida do traficante, os únicos em que estava separado da família.  Conforme o filho de Escobar, o que mais o incomoda é o fato do seriado passar uma imagem realista de algo que para ele não é. “Não aparecem os momentos de solidão, medo, queda, terror. A violência era muito mais atroz do que a que a série mostra. Não tenho nenhum orgulho disso, mas precisamos ser sérios. Eu me ofereci para colaborar com a Netflix e recusaram”, diz.

Como exemplo, ele cita: “Na fuga, não vivíamos no luxo. Quem dera o final tivesse sido nessas mansões com piscina que aparecem na série. Também não estávamos rodeados de bandidos. Estávamos muito sozinhos, todos o traíram, se entregaram e foram mortos. Às vezes comprava uma casa e na mesma noite tínhamos de abandoná-la e o dinheiro se perdia. Sempre nos transportava de olhos vendados. Dizia que, assim, se fôssemos capturados e torturados, não poderíamos entregá-lo. Não usava telefone. Meu pai dizia que era a morte, que ele sempre conseguia localizar pelo telefone as pessoas que queria matar. Minha avó também não era essa mulher terna que aparece lá. Ainda bem. Ela o traiu com o cartel de Cali. Teve de escolher entre sua vida e a de seu filho e escolheu salvar-se”, conta Marroquín, com impressionante naturalidade.

Filho de Pablo Escobar diz que o pai era mais cruel do que em Narcos
Pablo Escobar foi o maior narcotraficante da história (Imagem: Reprodução Internet)

Recentemente, ele fez uma lista com 28 erros do seriado da Netflix. Entre eles está o time de Pablo Escobar. O traficante de Narcos era torcedor do Nacional, mas na vida real ele torcia mesmo era para o Independente de Medellín. Marroquín desmente ainda um momento chave da série. “Meu pai nunca queimou dinheiro para nos aquecer. Em algum momento do documentário que fiz contei que passamos fome enquanto estávamos rodeados de milhões de dólares. E é verdade. Uma vez estávamos cercados pela polícia e ficamos sem alimentos durante uma semana. Aí disse que a única coisa para que servia o dinheiro era para jogar na lareira. Mas nunca chegamos a fazer isso”, revela.

Conforme Marroquín, como tiveram que entregar todos os bens ao Cartel de Cali após a morte do pai para sobreviver, a família teve que começar do zero, o que para ele, foi positivo. “Isso me fez um homem livre, se não teria enlouquecido com o dinheiro”, afirma.

Mas os pesquisadores não acreditaram nesta história e a viúva de Escobar, Maria Vitória, passou dois anos em uma prisão argentina, por suposta lavagem de dinheiro. Marroquín ficou 45 dias, contudo, ambos foram absolvidos e agora vivem tranquilos em Buenos Aires. Ele diz que não faz nenhuma questão de salvar a imagem do pai, mas de se ater ao que ele viu e viveu para tirar lições mais contundentes. “É impossível zelar pela imagem de meu pai. Eu sou o mais duro com ele. Mas não vamos mentir. Meu pai matou cerca de 3.000 pessoas. Na história real o que não falta é violência, explosões, terror. Não é necessário que roteiristas criativos se ponham a enfeitá-la com mentiras”, finaliza.

Fonte: El País

Mais sobre: Netflix2016 séries Narcos
Share Tweet
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo