O que fazer com os smartphones, após trocá-los por modelos mais recentes?

O mercado pede constante renovação no que diz respeito a aparelhos eletrônicos, entre eles os smartphones que somam uma legião de fãs. Diante de tantas novidades, fica difícil resistir e não comprar um aparelho de modelo mais recente, mas, o quê fazer com o anterior, ou anteriores?

Por | @oficinadanet Smartphones

Todos os anos o mercado de smartphones recebe novos integrantes para a família de gadgets. São inúmeros produtos lançados que vêm com funcionalidades melhoradas, designers mais modernos, diferentes aplicativos e câmeras que cada vez chegam mais perto das profissionais. Diante de tantas novidades, fica difícil aos apreciadores de celulares resistir. O resultado é que constantemente aparelhos são trocados por modelos mais recentes, mesmo que os anteriores não apresentem problemas.

Leia tambémPor que as fabricantes lançam um novo top line todo ano? Papo com a LG e a Samsung.

Mas, problema mesmo é o que está constante troca de celulares pode causar ao meio ambiente caso os smartphones sejam descartados de maneira incorreta. E quais alternativas os usuários têm então? Deixar os telefones empoeirados nas gavetas, colocar no lixo, vender para um amigo, dar de presente para a mãe? Afinal, o que acontece com os smartphones que foram trocados por modelos mais recentes?

O que fazer com os smartphones, após trocá-los por modelos mais recentes?

Se você faz parte do time que não sabe ao certo o que fazer com o seu smartphone antigo, saiba que as próprias fabricantes de celulares e tablets e até mesmo as operadoras de telefonia móvel possuem programas que incentivam a troca de aparelhos, recebendo os modelos antigos e com isso oferecendo descontos nos novos produtos. Ou ainda, disponibilizando recipientes para coleta de materiais eletrônicos para posteriormente levá-los para a reciclagem. Confira as alternativas e esqueça a ideia de descartar o aparelho antigo no lixo comum, ou deixá-lo jogado em qualquer lugar.

Trocafone

A Trocafone é uma startup baseada na cultura do recomércio. A empresa compra e vende celulares e tablets usados, com a garantia de que os produtos seminovos funcionarão como novos. Conforme o CEO da empresa, Guille Freire, qualquer pessoa de qualquer canto do Brasil pode adquirir ou vender um smartphone ou tablet no serviço, que está disponível em diferentes plataformas: website e pontos de coleta. No site, o vendedor faz um cadastro prévio, indica o estado do aparelho e o envia gratuitamente de qualquer lugar do Brasil para a Trocafone, com o serviço dos Correios (a empresa cobre o frete). O aparelho será avaliado e, se tudo estiver dentro dos padrões, ele recebe o valor na conta bancária cadastrada em até 48 horas. Tablets e celulares têm até 40% de desconto no site, frete gratuito para todo Brasil, garantia e a possibilidade de parcelar em até 12 vezes.

Já nos pontos de coleta, o cliente pode trocar seu celular por descontos em um aparelho. Hoje, a Trocafone possui mais de 500 pontos de coleta que comercializam aparelhos da Samsung, LG, Sony e Motorola, além de celulares das operadoras Tim, Oi e Nextel. "E a cada dia estamos fechando mais parcerias", afirma Freire. Mais informações no site: https://www.trocafone.com/.

Todos os produtos que chegam a Trocafone passam pela revisão de técnicos. "Primeiro, analisamos o celular junto aos dados informados pelo cliente no momento da compra e verificamos se as características são as mesmas descritas no cadastro do produto. Nessa etapa são avaliados: marca, modelo, capacidade, cor e condição do aparelho, além da análise das funções do celular de acordo com cada condição", destaca Freire.

"Após essa primeira análise, realizamos um teste mais específico para garantir ainda mais a qualidade. Analisamos conectividade (Wi-Fi, Bluetooth e rede), som (alto-falantes e microfone), câmera e vídeo, botões (Inclusive os de tela), embalagem (sem quebras, rachaduras ou outros danos), conectores (fone de ouvido, carregador, entre outros) e bloqueios (apenas aparelhos desbloqueados passam pelo processo)", acrescenta. "Após todo o processo de qualidade, os produtos são disponibilizados para venda em nosso site", conclui. 

Caso o telefone seja reprovado em alguma destas etapas, as peças que estiverem funcionando serão aproveitadas em outros aparelhos. O lixo eletrônico é enviado para reciclagem seguindo os padrões da Lei Federal 12305/2010.

O CEO ressalta que a Trocafone surgiu de uma necessidade real das pessoas terem a oportunidade de comprar ou vender seus aparelhos antigos, com garantia de qualidade e segurança. Além disso beneficia há todas as pessoas, de diferentes classes sociais. "Aqueles que mudam de smartphone a cada 12 meses podem vender seu celular para pessoas que não teriam a possibilidade de adquirir determinada marca de telefone. O Brasil ainda é um país com muita desigualdade social e o poder de compra da maior parte da população, infelizmente, é bem distinto do poder que uma parcela muito pequena possui. Com isso, surge aí um mercado muito fértil, muito grande, o maior da América Latina", enfatiza.

Para Freire, a Trocafone oferece benefícios econômicos à sociedade, além de contribuir para com a redução do lixo eletrônico, dando novo uso para itens que seriam descartados. Desta forma, propagam uma maneira de viver mais consciente. No entanto, as pessoas ainda sentem um pouco de medo de adquirir um produto seminovo, principalmente por questões de segurança. "Para mudar este cenário de dúvidas, seguimos um processo de inspeção muito cuidadoso quando recebemos um smartphone ou tablet em nossa empresa.  A verificação do IMEI do aparelho é feita assim que recebemos o aparelho. Caso conste qualquer ilegalidade no modelo, a Trocafone devolve para o proprietário que o havia enviado e não comercializa esse aparelho", garante. 

Porém, mesmo o receio da população não impediu que a startup atingisse um grande crescimento já no seu primeiro ano de atuação. De acordo com Freire, vivemos um momento onde as pessoas têm refletido mais sobre a reutilização de objetos, sobre seus próprios gastos e de como podem viver confortavelmente dentro de uma cultura mais sustentável. "A forma de se comunicar tem tomado cada vez mais o espaço virtual e o nosso produto é cada vez mais consumido (estatísticas mostram todos os dias como o uso da internet tem crescido exponencialmente em smartphones). Tenho certeza de que vamos crescer muito", vislumbra o CEO.

LG

Conforme a assessoria de imprensa da empresa, para minimizar os impactos ambientais causados pela eliminação inadequada de lixo eletrônico, a LG oferece aos clientes o Programa Coleta Inteligente, que já recolheu aproximadamente 7,5 toneladas que incluem pilhas, baterias, celulares entre outros resíduos de equipamentos eletroeletrônicos. Em conformidade com a resolução 401/2008 do CONAMA, a marca disponibiliza pontos de coleta e urnas para o descarte e armazenamento de pilhas, baterias e celulares da própria marca e de outros fabricantes em todos os Estados do Brasil. A lista de pontos de coleta pode ser encontrada pelo SAC LG Electronics 4004-5400 (Capitais e Regiões Metropolitanas) 0800-707-5454 (Demais Localidades).

O lixo eletrônico recolhido é encaminhado para empresas especializadas que se responsabilizam pela reciclagem, compostagem, recuperação e aproveitamento energético do material, evitando danos ou riscos à saúde pública e a segurança e minimizando impactos ambientais diversos. E não são apenas produtos da marca LG que a empresa recolhe. A LG Electronics vem realizando um trabalho junto às associações de classe e ao Grupo Técnico Temático, em Brasília, para implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Os consumidores que tiverem interesse em descartar produtos LG de forma correta podem consultar no site http://www.lg.com/br/suporte/coleta-seletiva os locais de descarte. Há pontos em todas as regiões do País.

Samsung

A Samsung também está engajada a não deixar que os celulares antigos sejam descartados de qualquer forma, prejudicando o meio ambiente. A marca tem uma parceria com a Trocafone. Juntas, as empresas atuam para dar um novo destino a aparelhos usados, implementando um modelo pioneiro no mercado brasileiro. Os consumidores que desejam trocar smartphones e tablets antigos por modelos mais modernos, podem vender os aparelhos antigos – de qualquer marca, para a Trocafone, que oferece um bônus na troca por novos aparelhos Samsung. Isso pode ser feito em uma das todas as Samsung Stores ou quiosques da marca no país. De acordo com o Diretor da Divisão de Samsung Stores, Acessórios e e-commerce da Samsung Brasil, Demetrius Oliveira, esta é a oportunidade do consumidor fazer a troca do aparelho atual por um modelo mais moderno. Além disso, esta proposta também vem de encontro ao reuso dos aparelhos antigos, dando a eles uma função útil e evitando que celulares / tablets antigos fiquem esquecidos em alguma gaveta ou sejam descartados de maneira incorreta.

Huawei

A Huawei possui um Programa de Reciclagem Ecológica com objetivo de atender os clientes no processo de descarte e, assim, contribuir para a melhoria do meio ambiente. Por meio deste programa, é solicitado ao consumidor que ele entre em contato com a equipe de atendimento da marca pelos telefones 4003-0828 (capitais e grandes cidades) e 0800-883080 (demais regiões). A equipe fornecerá um número de postagem gratuito para que o consumidor envie o produto por uma agência dos Correios. Todas as informações referentes ao processo de descarte estão disponíveis na página da Huawei da internet em português pelo endereço http://consumer.huawei.com/br/support/index.htm . Além disso, a marca tem orientado seus consumidores por meio das redes sociais.

Para maximizar o uso de recursos, a Huawei processa efetivamente telefones celulares reciclados em uma maneira ecologicamente correta usando os seguintes métodos:

1. Processamento de resíduos eletrônicos através de recicladores profissionais.

2. Reduz a taxa de aterro de resíduos eletrônicos ao mínimo durante a reciclagem.

3. Cumpre com as leis ambientais e regulamentação locais para processar alguns resíduos eletrônicos que não podem ser reciclados.

4. Elimina dados privados em seus dispositivos de forma profissional para proteger sua privacidade.

5. Nunca emprega trabalho infantil ou de prisioneiros para processar resíduos eletrônicos.

Para mais informações, consulte http://consumer.huawei.com/br/support/recycling/index.htm .

Devido às suas iniciativas de reciclagem, a marca teve sua atuação reconhecida pelo Instituto Ambiental Biosfera, durante a cerimônia Brasil Verde 2015.

Positivo

Conforme a assessoria de imprensa da marca, a Positivo tem acompanhado a questão da destinação de eletrônicos no país. Diante disto, perceberam que é um hábito do consumidor entregar seus aparelhos celulares antigos e inutilizados às operadoras, que os encaminham para empresas que realizam o processo de logística reversa e reciclagem. Ainda assim, a empresa diz estar preparada para fazer o recolhimento de equipamentos da marca com o auxílio de sua rede de assistências técnicas em todo o Brasil. A desmontagem e a destinação são centralizadas nas plantas de Curitiba (PR) e Manaus (AM), na Central de Sustentabilidade. As etapas para devolver os equipamentos da Positivo são:

a) Entrar em contato com a Positivo pelo e-mail recicle@positivo.com.br ou pelos telefones 4002-6440 (Curitiba, Belo Horizonte, São Paulo e Brasília) e 0800 644 7500 (demais cidades). Por meio da Central de Relacionamento Positivo, o cliente será orientado a levar o equipamento à assistência técnica credenciada mais próxima;

b) A assistência técnica recebe e envia o equipamento à Central de Sustentabilidade;

c) Após o recebimento do aparelho, é feita a desagregação por tipo de material, que é encaminhado, em seguida, para os recicladores/fornecedores para destinação final.

Além das fabricantes de aparelhos eletrônicos, as operadoras de telefonia também possuem programas que incentivam a reciclagem de aparelhos antigos, oferecendo opções para quem quer se desfazer dos modelos antigos, sem causar nenhum dano ao meio ambiente. 

Oi

A Oi diz ter consciência que algumas baterias, usadas nos telefones celulares, contém metais pesados que, se depositados em locais inadequados como lixões e aterros, podem causar danos ao meio ambiente e à saúde da população, pois liberam resíduos tóxicos. Por isso, a empresa tem 744 pontos de coleta de aparelhos móveis, baterias de telefones celulares e fixos sem fio e acessórios em suas lojas em todo o Brasil, onde a população pode descartar o material especificado e contribuir com a preservação ambiental. A empresa conta com postos de recolhimento em 40 prédios administrativos. Somente em 2014, foram recolhidos 1.524 itens.

A empresa, através de seu website: (www.oi.com.br/coletadebaterias), orienta sobre a importância do descarte de maneira adequada e comunica seus procedimentos com os equipamentos coletados. A coleta é feita em parceria com empresa de logística reversa especializada que, após o recolhimento, realiza o desmonte dos aparelhos e destina as baterias às recicladoras credenciadas por órgãos ambientais.

A operadora também realiza a reciclagem de outros materiais. Dentre eles destacam-se o papel usado nas embalagens e atividades administrativas, e os cabos e fios metálicos e de fibra nas operações de campo. A companhia adota envelopes reutilizáveis, com espaço para diversos remetentes, o que permite seu uso por 12 vezes antes do descarte.

Em 2014, foram geradas 985 toneladas de resíduos, designados às empresas certificadas capacitadas para a destinação ambientalmente adequada desses resíduos. Foram destinadas à reciclagem 2,7 mil toneladas de sucata, entre materiais de cobre, alumínio e ferro, baterias, cabos telefônicos, sucatas de informática e partes de peças de telefones públicos, entre outros.

 Com o propósito de reduzir os impactos ambientais decorrentes da sua operação, a companhia realiza o gerenciamento do material descartado (sucata) com seus prestadores de serviços e efetua a venda a empresas de reciclagem homologadas pelos órgãos ambientais.

De acordo com um novo relatório da GSMA e do Instituto para Estudos Avançados de Sustentabilidade da Universidade das Nações Unidas (UNU-IAS), chamado "E-waste na América Latina: Análise Estatística e Recomendações de Políticas Públicas", o lixo eletrônico gerado a partir de telefones celulares representa menos de 0,5 % do peso total do lixo eletrônico do mundo, que é a mesma proporção da América Latina.

Leia também: Existe diferenças entre Cartões SD para smartphones?

Claro

A Claro possui duas vertentes para a questão dos smartphones. A primeira é o programa de troca de aparelhos, o Claro up, e a segunda é o programa de conscientização e destinação correta para os celulares, baterias recarregáveis, chips e acessórios fora de uso, o Claro Recicla.

O Claro up foi lançado em 2014 e consiste na oportunidade dos clientes adquirirem aparelhos com condições facilitadas de pagamento, além de outros benefícios, com a possibilidade de trocar de telefone a cada 12 meses. Devolvendo o smartphone atual em boas condições, a Claro quita as parcelas restantes, sendo que o consumidor poderá adquirir um novo aparelho, parcelando em 24 vezes iguais.

Atualmente, os aparelhos que são comercializados por meio do Claro up são: iPhone 6s e 6s Plus; iPhone 6 e 6 Plus; Samsung Galaxy S5, S6 e S6 Edge. Outras informações sobre o programa estão disponíveis no site: www.claro.com.br/claroup.

Já o Claro Recicla foi lançado em 2008, com o objetivo de contribuir para a conscientização da população sobre a importância de dar uma destinação correta para os celulares, baterias recarregáveis, chips e acessórios fora de uso e minimizar o impacto do lixo eletrônico no meio ambiente.

A operadora se antecipou à Política Nacional de Resíduos Sólidos, criando o Claro Recicla dois anos antes da sua oficialização, em 2010. Além disso, a empresa trabalha constantemente em parcerias para promover estas ações, como a iniciativa recente envolvendo o programa de fidelidade da operadora, o Claro clube, destinado a clientes pós-pagos e controle. A Claro, por meio de sua assessoria de impresa, diz ter uma forte preocupação com o destino final de aparelhos eletrônicos descartados e, por isso, trabalha em ações que incentivam a reciclagem destes objetos e que reforcem a consciência ambiental da população. Faz parte do compromisso da empresa fomentar a logística reversa e contribuir com a sustentabilidade do setor.

As urnas coletoras estão disponíveis para qualquer pessoa e recebe celulares, baterias, pilhas e acessórios de todos os fabricantes e operadoras. Além disso, por meio do Instituto Embratel Claro, são realizadas ações de incentivo ao descarte consciente do celular e a produção de materiais educativos, como a Cartilha do Lixo Eletrônico, disponível no site www.institutoclaro.org.br. Os equipamentos depositados nas urnas são recolhidos regularmente pela empresa GRI (Gerenciamento de Resíduos Industriais - www.solvi.com/gri) e encaminhados para o armazém da companhia na cidade de São Paulo, onde todos os materiais passam por uma triagem. Os diferentes tipos de peças como baterias, celulares e carregadores são contados e pesados. Por fim, são encaminhados para diversas indústrias recicladoras.

"A iniciativa contribui para a preservação ambiental e incentiva a atitude consciente dos consumidores. O descarte correto do lixo eletrônico ajuda a combater a contaminação da água e do solo, trata de forma adequada os materiais tóxicos, reduz a quantidade de lixo e diminui a extração de metais pesados", ressalta a empresa.

Vivo

Segundo o gerente de Sustentabilidade da Vivo, João Zeni, a operadora possui 3,4 mil pontos de coleta instalados em lojas Vivo de todas as regiões do país para a captação de aparelhos celulares, baterias e carregadores. Conforme a empresa, ela foi a primeira operadora a implantar um programa consistente de reciclagem de celulares, o Reciclar Pega Bem. Para eles a iniciativa demonstra o compromisso com a destinação responsável e sustentável dos resíduos e reforça o seu compromisso de tornar a Vivo a telco digital mais responsável do Brasil. "Desde que o programa foi lançado, até 2015, atingimos 1 milhão de aparelhos em um total de 3,5 milhões de itens coletados e reciclados", afirma Zeni..

Os aparelhos coletados são destinados à empresas parceiras especializadas na segmentação e reciclagem dos materiais.  Mais de 90% do produto pode ser reciclado. Após a triagem, feita por uma empresa parceira em São José dos Campos, os componentes são destinados para empresas especializadas no Brasil e na Bélgica. De modo geral, o metal nobre volta para a cadeia para a fabricação de outros equipamentos e o plástico é aproveitado para a produção de diferentes itens.

Ainda conforme o gerente, a Vivo também foi a primeira operadora a oferecer um serviço de troca do aparelho usado do cliente por desconto na compra de um novo. Por meio do programa Vivo Renova, os clientes têm a oportunidade de trocar o aparelho usado por um smartphone novo pagando uma diferença. Além da economia para o consumidor, a medida contribui para a conservação do meio ambiente. Por meio de uma parceria com uma empresa norte-americana que utiliza o modelo de negócio “buyback” em mais de 20 países, tais como Estados Unidos, Reino Unido, Japão, México, Colômbia e Austrália, os produtos entregues são recondicionados e inseridos novamente no mercado, evitando que novos recursos sejam extraídos da natureza para a fabricação de outros aparelhos. O programa aceita modelos usados de 134 smartphones e 83 tablets. A Vivo não vende celulares e tablets usados. 

Sabemos então que existem várias formas de descarte de aparelhos antigos no mercado. O importante mesmo é não deixar o material solto na natureza, visto que atitudes como esta podem prejudicar o meio ambiente, trazendo danos inclusive à saúde das pessoas. Agora queremos saber de você, como descarta o smartphone que foi trocado por um modelo mais recente? Participe da nossa enquete!

Mais sobre: smartphones, lixo, descarte
Share Tweet
DESTAQUESRecomendadoMais compartilhados
Comentários
  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    As melhores publicações no
    seu e-mail

  • Preencha para confirmar