SEO - na prática - Parte 3

Entenda detalhes de SEO - Search Engine Optimization, o processo de otimização dos buscadores da internet.

Por | @oficinadanet Marketing Digital

Nesse artigo, continuaremos a tratar das boas práticas de SEO. Falaremos de como aproveitar o cache do navegador, de serviços de Content Delivery Network, de Sitemaps, de ferramentas de webmasters. Mostraremos cada detalhe de como tirar profeito das ferramentas aqui apresentadas. Mas destaco a importância de se buscar a aplicação de todos os exemplos aqui citados e de seguir tutorias desse conhecimento aqui citado.

Antes de ler este texto, é imprescindível que você leia também as partes 1 e 2. Veja também os artigos SEO - na teoria - Parte 1 e Parte 2.

Aproveitar cache do navegador

Com o uso desse recurso é possível reduzir bastante o tempo de carregamento de páginas, armazenando os arquivos estáticos mais utilizados no navegador dos visitantes. Isso reduz muito o tempo de carregamento de página, principalmente para aqueles visitantes que retornam ao seu site regularmente.

SEO - na prática - Parte 3
Principais Web Browsers.

Atenção especial para o tempo de expiração dos artigos, pois esse tempo determinará quando eles serão automaticamente removidos do navegador dos seus usuários. É recomendado que o tempo seja de, no mínimo, um mês. Avalie corretamente a questão das alterações que você faz no site, pois se por algum motivo alterar os arquivos estáticos do site com frequência, com esse recurso ativado, alguns dos visitantes certamente não irão visualizar as alterações feitas na página visitada.

Todo esse controle será feito com base nos mecanismos que o próprio browser disponibiliza para o desenvolvedor SEO diretamente e para os usuários indiretamente. O cache, por ser o mecanismo padrão de armazenamento temporário do browser, cumpre o papel de avaliador neste cenário em específico. Quando se deseja utilizar do cache do navegador, basta que o seu administrador do servidor que hospeda a aplicação edite o arquivo de extensão “.htaccess”, em servidores Linux, adicionando o código que segue abaixo. Através dessas configurações o servidor terá plenos poderes e autorização para realizar o acesso direto ao cache e prover os mecanismos de salvamento automático dos dados para o SEO.

SEO - na prática - Parte 3
Propriedades a serem alteradas no arquivo .htaccess

Serviços de Content Delivery Network

Essa é com certeza uma das melhores formas de se reduzir muito o tempo de carregamento de páginas. Os serviços de Content Delivery Network, ou rede de distribuição de conteúdo (CDN), é basicamente a distribuição dos arquivos estáticos do seu site em diversos servidores web, disseminados em vários locais pelo planeta, afim de satisfazer de forma mais rápida e eficiente os usuários por toda a internet.

Um usuário que acesse seu site na Índia, terá um servidor selecionado mais próximo dele geograficamente para a entrega do conteúdo, fazendo com que suas páginas carreguem muito mais rápidas. Além do fato da proximidade dos servidores e visitantes acelerar muito mais esse download, os servidores já possuem, em sua maioria, uma estrutura de processamento e memória melhores que os servidores de hospedagem compartilhada, além de também utilizarem recursos como compactação dos arquivos.

Para empresas start-up e sites particulares, o custo de um serviço de CDN pode ser proibitivo no começo, mas com o número de visitas crescendo, o CDN é necessário para atingir os tempos de resposta rápidos, e se o site do seu cliente for planejado para ter acesso global, o uso do CDN será mais necessário ainda.

Leia também:

Sitemaps

Um arquivo Sitemap de XML - Sitemap, trata-se de uma lista das páginas do seu site. Os Sitemaps são criados para informar aos mecanismos de busca, como o Google, sobre a existência e conteúdo de páginas em seu site. O Google permite a criação de Sitemaps com intuito de fornecer metadados dos tipos específicos de conteúdo de um website, incluindo vídeo, imagem, celular e notícias.

Por exemplo, pode ser criado um Sitemap específico para informar metadados de vídeos, como o tempo de execução e categoria. Ou ainda um Sitemap de imagens contidas no website, que fornecerá as informações sobre o assunto, tipo e licença de cada imagem. Para a criação de Sitemaps deve-se usar o protocolo padrão de Sitemaps, pois assim, do mesmo arquivo poderá ser enviado diversos mecanismos de pesquisa, como o Google, Bing e o Yahoo!, que são membros do sitemaps.org. Pode gerar o Sitemap do seu site sem dificuldades com o uso de simples ferramentas, como Google Sitemap Generator ou XML Sitemap Generator.

Ferramentas para Webmasters

Os buscadores Google e Bing oferecem ferramentas online que possuem opções para auxiliar os desenvolvedores Front-end em todos os assuntos abordados. No caso do Google, o nome da ferramenta se chama Webmasters Tools - WMT, uma plataforma com recursos básicos e avançados que devem ser usados por qualquer desenvolvedor que queira que seu site esteja bem posicionado no maior mecanismo de buscas da internet.

Segue algumas das soluções oferecidas pelo WMT.

Receber mensagens: mensagens que são relevantes a seu site, incluindo avisos sobre problemas críticos encontrados pelos robôs do Google em seu website.

Sitelinks: são links exibidos abaixo de alguns resultados de pesquisas feitas no buscador do Google, no WMT você encontra essa opção com links do site.

Segmentação Geográfica: não é de conhecimento de todos que os sites com domínios ".br" já estão associados a região geográfica do Brasil. Mas sites de domínios internacionais ".com" ou ".net" por exemplo, poderão não ser associados ao Brasil, dependendo de outros fatores, mas não vale a pena correr esse risco.

Atualização de novo endereço do site: pois caso tenha mudado para um novo domínio, a ferramenta Alteração de endereço vai informar ao Google sobre o novo URL e atualizar o índice para refletir seu novo URL corretamente, sem que você perca as visitas.

Erros de rastreamento: condição que seu site possa apresentar e assim impossibilitar o acesso do googlebot às páginas do seu website;

URLs bloqueados: permitirá que você certifique-se da existência de conteúdo bloqueado ao googlebot pelo arquivo robots.txt. Também possibilita que você mesmo bloqueie qualquer arquivo ou pasta ao Google ou outros mecanismos de pesquisa.

Status do índice: fornecerá estatísticas sobre a indexação de seus URLs pelo Google. Muita atenção para quedas inesperadas nos números de páginas indexadas, isso pode significar que seu servidor está fora de operação ou sobrecarregado ou que o Google enfrenta problemas para acessar seu conteúdo.

Malware: o WMT avalia se seu website foi infectado por algum vírus.

Consultas de pesquisa: oferece informações sobre as consultas e cliques realizados no mecanismo de pesquisa do Google que retornaram como resultados as páginas do seu website.

Links para seu site: uma lista com os links, descobertos pelo Googlebot, e suas respectivas origens, além das páginas em seu site com mais links.

Links internos: informará o número de links que referenciam as páginas listadas.

Sitemaps: nesta seção você deverá inserir os arquivos de Sitemaps que criou, conforme esclarecimentos no tópico sobre esse recurso.

Melhorias de HTML: O Google informará possibilidades de melhorias, caso você tenha falhado na criação de itens importantes vistos neste artigo, como a criação das tag title e description diferentes para todas as páginas, ou ainda problemas com conteúdo não indexado.

Além de todas essas ferramentas o WMT possui outras funções que poderão ajudar no processo de SEO, mas numa fase muito depois do desenvolvimento.

E assim, encerramos o artigo e o assunto. Ao final dessa terceira e última parte, ressaltamos que nesses três artigos detalhamos várias técnicas e conceitos mas esse assunto é bem prático, por isso, sugiro, novamente, que coloque esse conhecimento em prática e busque mais tutoriais e cursos para praticar.

Como vimos, o desenvolvedor Front-end poderá influenciar de forma muito positiva o processo geral de SEO de um site, pois todos os assuntos vistos são referentes à atividade na qual o Front-end está diretamente associado. Com a participação do desenvolvedor consciente de que, se as boas práticas vistas forem seguidas no processo de desenvolvimento do site, terá um bom posicionado para as pesquisas, cabendo a ele apenas a manutenção de um conteúdo de qualidade.

Espero que tenha gostado. Curta e Compartilhe! Deixe seu comentário. Até o próximo artigo.

Fonte: Fighting Spam – GoogleDEVMEDIA: Bruno Rodrigo Da Silva Souza.

Mais sobre: seo, google, buscador
Share Tweet
DESTAQUESRecomendadoMais compartilhados
Comentários
AINDA NÃO SE INSCREVEU?

Vem ver os vídeos legais que
estamos produzindo no Youtube.