Como funciona o IllumiRoom: o Kinect do futuro

Saiba como o complemento para Xbox One vai mudar o conceito de tecnologia em games de muitas pessoas.

Por | @oficinadanet Games

Com os lançamentos recentes de tecnologia, tanto em consoles como em games que serão comercializados neste mercado, o mundo dos videogames voltou a aparecer como uma ferramenta de entretenimento (para alguns nunca deixou de ser). Playstation 4 e Xbox One chegam ao consumidor ainda este ano, são marcos no desenvolvimento da indústria que contabiliza milhões de dólares investidos e, ainda mais dinheiro em lucro. Só para se ter uma noção, o game GTA V foi considerado o jogo mais caro da hisória dos games com mais de US$ 266 milhões investidos.

Pois é, este universo está cada vez mais potente e apresenta frequentemente alguma inovação. Quem ganha com isto? Nós, os consumidores. Pensando nisto, a Microsoft planejou e por muito pouco não lançou juntamente com o Xbox One um novo equipamento que promete alçar o mundo dos games a um patamar ainda mais elevado. Eu diria que este produto ultrapassa os limites da sua televisão. Mas afinal...

O que é IllumiRoom?

Consiste em um protótipo de tecnologia para a próxima geração do Xbox, uma novidade apresentada na feira de companhias CES deste ano, em Las Vegas, e que está sendo desenvolvida pela Microsoft Research em parceria com a Samsung. Sabe-se, hoje, que existem ainda algumas incógnitas, mistérios em relação ao seu funcionamento e sua comercialização.

O IllumiRoom é uma combinação do Kinect com um projetor, enquanto o Kinect faz uma análise do espaço, o projetor gera as imagens capturadas pela câmera do Xbox, produzindo uma espécie de expansão da tela do jogo na parede e dando maior campo de visão ao jogador. Processo este, realizado totalmente em tempo real e sem gráficos pré-processados.

Como funciona o IllumiRoom: o Kinect do futuro

Como irá funcionar?

Segundo informações, o IllumiRoom irá comunicar-se com o Xbox através de uma rede sem fio. O mesmo deve ser colocado em uma mesa, ou suspenso, juntamente com o Kinect, para que possam fazer uma leitura do ambiente possibilitando a reprodução dos hologramas.

Com o sensor de movimentos, o aparelho escaneia a área de jogo e projeta gráficos de cores e luzes, objetivando uma ampliação do campo de visão do usuário. Estes efeitos luminosos farão com que os mesmos se sintam dentro do jogo, interagindo mais com ele. Sabe-se, porém, que este somente projeta imagens adicionais dos games, para torná-los mais reais, mantendo o quadro principal do jogo a cargo da televisão.

Para utilizar o IllumiRoom, não é necessário, por incrível que pareça, a retirada de nenhum móvel da sala, a projeção não será afetada caso tenha um quadro na parede, por exemplo, pois o aparelho tem a capacidade de distinguir as superfícies de sua casa. Assim, automaticamente, ele decidirá onde projetar as imagens a fim de se obter uma realidade mais aproximada. Aconselha-se, inclusive, que coloque o aparelho para funcionar numa divisão escura e com alguns espaços livres.

Como funciona o IllumiRoom: o Kinect do futuro

Este vídeo, o mais recente liberado pela Microsoft, possui uma demonstração mais detalhada, com cerca de 5 minutos, sobre as utilidades e funções do IllumiRoom.

Impasses quanto à comercialização

Até mesmo antes de sua apresentação na feira CES, ou seja, quando o IllumiRoom ainda era somente um mero projeto, especulavam-se muito em relação a sua produção, comercialização e abrangência de mercado.

Muito já se foi dito sobre seu lançamento, desde a data marcada até o descarte total de ser lançado. Porém, pouco se sabe, convictamente, da realidade da situação. Em entrevista ao AusGamers, o chefe de planejamento de produto do Xbox One, Albert Penello, fala sobre a hipótese do produto nem ser lançado, devido ao seu alto custo de produção, chegando a um preço muito alto ao consumidor final.

É uma tecnologia muito, muito legal, mas, para um consumidor, exige projetores e outras coisas. É muito bacana se você está em um laboratório e tem o dinheiro da Microsoft e pode montar um laboratório fantástico, mas… nós pensamos nele, mas para um consumidor médio deve custar, provavelmente, milhares de dólares [para ser montado]“

Penello cita também, em sua entrevista, que acredita que a Microsoft não seguirá fazendo suas pesquisas com o IllumiRoom para destiná-lo ao consumidor final. Ele acha que este protótipo nunca deixará de ser um conceito, fantástico por sinal.

Outro impasse pungente a ser levado em consideração, é o fato de não haver, ainda, uma biblioteca de jogos disponíveis para esta versão do console, o que poderá causar um certo desprezo e desinteresse por parte do público comprador.

Opinião

Acreditamos que, como disse o chefe de planejamento da Microsoft, o produto seria inviável para médios compradores, ou seja, aqueles que não dispõem de um valor relativamente alto de capital para empregar neste mercado. Pois, de acordo com o que percebemos no decorrer do artigo, o IllumiRoom necessita de uma mesa/plataforma, ou até mesmo uma base de suspensão fixa no teto, ocupando muito espaço na sala de estar, inviabilizando, muitas vezes, o uso do produto no local. O uso deste seria de maior viabilidade em feiras de tecnologia, por exemplo, onde se dispõe de um local mais espaçoso.

Enfim, resta-nos aguardar para vermos se o produto será realmente comercializado no mercado, ou se até mesmo, estará disponível no mercado brasileiro.

Mais sobre: oquee comofunciona illumiroom
Share Tweet
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo

Siga nossas contas no Twitter