O Google revelou seu modelo de inteligência artificial chamado Gemini em 6 de dezembro. Esse modelo foi desenvolvido para competir com os modelos da OpenAI, como o ChatGPT. O lançamento surpreendeu pois havia rumores de que a liberação tinha sido adiada devido a problemas com suporte multilíngue. No entanto, apenas o modelo intermediário do Gemini foi lançado imediatamente.

O que você precisa saber

  • Google lançou seu novo modelo de inteligência artificial chamado Gemini
  • Gemini é uma concorrente direta dos modelos da OpenAI

O que é o Google Gemini

Os modelos de linguagem são os mais populares atualmente em meio a Inteligência Artificial. Eles são capazes de gerar uma variedade de conteúdos e lidar com interações em linguagem natural, alimentando ferramentas como o Microsoft Copilot, ChatGPT e Bard.

Gemini é o primeiro produto lançado pela fusão de todas as equipes de IA do Google, incluindo o laboratório britânico de IA, DeepMind. Ele foi treinado para ser multimodal desde o início, ou seja, seu conjunto de dados de treinamento inclui imagens, vídeos, áudio, código e texto.

Outros modelos são treinados em tipos diferentes de dados separadamente e depois são combinados.

As versões do Google Gemini

A funcionalidade completa só está disponível no Gemini Ultra, o modelo que requer os chips mais avançados e um centro de dados para operar. Esse modelo é capaz de ver o mundo como os humanos por meio de vídeo, áudio, texto e imagens.

Para lidar com isso, o Google também lançou o Pro e o Nano, duas versões menores da IA que podem ser executadas em chips mais baratos, serem mais rápidas e até mesmo executadas em dispositivos locais.

O anúncio mais surpreendente foi o Gemini Nano do Google, uma versão reduzida do modelo de IA que pode gerar texto, ser usado para conversas e analisar ou resumir texto existente, tudo isso rodando completamente em um telefone Android.

Como usar o Google Gemini

No momento, a única versão do Google Gemini amplamente disponível é o modelo Pro, que está integrado na última versão do Google Bard.

O Google afirma que o modelo Pro está no mesmo nível do GPT-3.5, a geração anterior do modelo de IA da OpenAI que alimenta a versão gratuita do ChatGPT. Você pode compará-los em um confronto no Toms Guide.

O modelo Ultra só será lançado no próximo ano, pois o Google deseja realizar testes de segurança mais avançados e garantir que esteja alinhado com os valores humanos.

O futuro do Gemini?

O Gemini Ultra receberá toda a atenção no próximo ano, incluindo seu uso em uma nova versão do chatbot do Google chamado Bard Advanced, seu uso na busca para melhorar os resultados de uma consulta e no Duo, as ferramentas que alimentam a IA generativa no Workspace.

No entanto, ainda mais pessoas podem utilizar a versão Nano. Ela alimentará a geração de texto, análise de conteúdo, resumos e muito mais em milhares de aplicativos na Play Store. Isso melhorará os resultados de busca no Android e aumentará as capacidades de tradução e transcrição.

O Google foi criticado pela forma como promoveu o Gemini, mostrando um vídeo que fazia parecer que a versão Ultra do modelo poderia analisar imagens em tempo real. Isso acabou sendo uma recriação de imagens estáticas para fins de marketing.