O Xzone GTM é um teclado que briga no segmento mais disputado do mercado do país: os baratinhos. Ele fica na faixa de R$ 300 e encontra forte competição da Pichau e da Motospeed, com a segunda já sendo bem estabelecida na área dos teclados mecânicos.

Vamos então analisar o GTM-01 por dentro, por fora, ver as suas qualidades, os seus problemas e no final ajudar você a decidir se deve ou não comprar este produto, vamos ao Review.

Melhores teclados Gamers até R$ 500

Review teclado mecânico Xzone GTM-01

Construção Externa e Design

Começando então pela parte superior do teclado, aqui encontramos uma placa de metal que tem um acabamento com ótima sensação ao toque, lembrando um pouco o material utilizado no HyperX Origins.

Acabamento superior me agradou bastante
Acabamento superior me agradou bastante

Suas laterais não tem nenhum detalhe a não ser a pequena curvatura que a placa metálica superior apresenta. Aqui você vê que o acabamento da mesma nas laterais não é dos melhores, mas felizmente não há pontas cortantes.

Não há detalhes adicionais na lateral
Não há detalhes adicionais na lateral

Em sua parte inferior encontramos os 4 pés de borracha presentes para manter o teclado no lugar, os dois pés de elevação - que não tem a ponta emborrachada e também um keycap puller com espaço dedicado em sua parte inferior que é de plástico, detalhe que achei interessante.

Pés de borracha junto ao elevador da traseira e o encaixe do Keycap Puller
Pés de borracha junto ao elevador da traseira e o encaixe do Keycap Puller

Em sua estrutura externa não tenho muito a reclamar, ele é simples mas conta com acabamento bom - melhor que vários teclados desta faixa de preço - e além disso também é um tanto quanto rígido. Minha atenção vai a falta de borracha nos pés de elevação e também pelo cabo não ser removível.

Cabo infelizmente não é removível
Cabo infelizmente não é removível

Keycaps

Temos mais um exemplo de um teclado que conta com um layout ABNT2 sem cortes de gastos, temos não só o Enter grande como o numpad também específico ao Brasil. Tirar as keycaps também é fácil, já que o keycap puller vem junto ao teclado em sua parte inferior.

Keycap é em ABS Doubleshot
Keycap é em ABS Doubleshot

Temos aqui o tipo mais comum de keycaps doubleshot em plástico ABS, elas não tem o reforço estrutural que modelos de alto nível tem, mas para o seu propósito elas servem muito bem. Como mencionei antes, elas são feitas utilizando plástico ABS, o que quer dizer que as mesmas sofrerão desgaste do acabamento exterior e assim criar aquele aspecto oleoso nas teclas, mas a grafia em sí não some.

Funções secundárias são pintadas no topo das keycaps
Funções secundárias são pintadas no topo das keycaps

Funções secundárias das teclas foram marcadas nas keycaps utilizando tinta branca, eu já comentei em outros reviews que não sou fan disso já que estas pinturas irão sumir com o tempo, mas também sei que é um método de salvar custos de produção do teclado.

Sua estrutura é mediana, mas não ruim
Sua estrutura é mediana, mas não ruim

A fonte tem alguns aspectos mais gamers com cortes aleatórios em caracteres como o número 4 e na letra D, mas tirando isso não vejo problemas nem de leitura e nem visuais - claro que aqui opinião importa. Mas, por R$ 300, acredito que sejam keycaps adequadas ao teclado e ao seu preço.

Switches

Assim como é dito na caixa e no material de marketing da Xzone, os switches do teclado são dos modelos Outemu Blue, e aparentam ser das revisões mais novas pois as keycaps não ficam tortas sem você encostar no teclado, como comentei em outros reviews de teclados que utilizavam as primeiras revisões.

Switches Outemu Blue
Switches Outemu Blue

Como é comum de ver, os switches de escolha para combinação com o GTM-01 foram os modelos Outemu Blue, o que significa que eles exigem cerca de 50 gramas de força para ativar, eles tem um bump tátil no meio do travel do switch e também são clicky, ou seja, barulhentos, e no caso dos Outemu, muito barulhentos, a ponto de você poder escutar a mola atuando após cada pressionamento.

Sua tatilidade é mais acentuada que os modelos Brown, além do click audível
Sua tatilidade é mais acentuada que os modelos Brown, além do click audível

Claro que além disso ainda temos os mesmos problemas de sempre: steams que são muito frouxas e acabam por fazerem com que as keycaps fiquem tortas dependendo de onde você toca, a tolerância também é tão alta que é extremamente fácil que sujeira entre nos switches, assim ocasionando vários problemas, como por exemplo double-click.

Mais uma vez as keycaps ficam fácilmente desalinhadas
Mais uma vez as keycaps ficam fácilmente desalinhadas

Repito mais uma vez: ou as empresas devem começar a cobrar uma boa qualidade de construção vinda da Outemu ou simplesmente devem parar de utilizar switches da marca, utilizem modelos da Kailh ou da Gateron que além de terem boa qualidade - muito mais que switches da Outemu - , também são muito mais baratos que modelos da Cherry.

Iluminação

O teclado Não conta com iluminação RGB se você está se perguntando, ele conta com uma cor por linha de tecla, com a seguinte sequência de cima para baixo: branco, vermelho, amarelo, verde, azul e roxo/rosa. Com esses 7 cores a empresa embutiu 20 diferentes modos de iluminação.

Iluminação é forte e tem boa consistência em basicamente todas as teclas
Iluminação é forte e tem boa consistência em basicamente todas as teclas

Temos a utilização de LEDs do tipo SMD, que proporcionam bom brilho e consistência, o que acaba por atrapalhar um pouco são os recortes dos caracteres das keycaps que acabam bloqueando parte da luz que vem do LED, como por exemplo na tecla CapsLock, mas isso já é ser chato com os detalhes.

Infelizmente o teclado não é RGB, há uma cor em cada linha de teclas
Infelizmente o teclado não é RGB, há uma cor de LED em cada linha de teclas

São vários efeitos disponíveis, alguns já são imbutidos diretamente no teclado enquanto que há outros a mais no software.

Construção Interna

Como de costume, vamos abrir o teclado e ver como são os seus componentes internos. Felizmente os switches já sabemos quais que foram utilizados antes mesmo de tirar o teclado da caixa já que a marca coloca em seu marketing qual o switch utilizado. Para abrir o GTM-01 não é necessário remover todas as keycaps, a grande maioria dos parafusos ficam expostos, com somente mais 3 embaixo de keycaps (e é possível vê-los com facilidade).

Ao abrir o teclado vemos que o cabo usa um conectar para o link com a PCB, o que já é um bom sinal e facilita muito a troca do mesmo caso algum problema com o cabo ocorra.

Sua construção geral é bem simples, a PCB não tem nenhum detalhe exepcional e segue os padrões que já estamos acostumados a ver em outros teclados de baixo custo aqui do país.

Também é possível ver que as soldas tem uma grande falta de capricho, até no aterramento do teclado há um grande relaxamento que vocês podem ver na galeria de fotos abaixo.

O controle de qualidade da Xzone precisa melhorar quando se trata de seus teclados, ou pelo menos é o caso de nossa unidade do GTM-01. Não sei quanto tempo irá durar, mas o aterramento acredito que deve se desfazer após alguns meses de uso, principalmente se for em áreas mais quentes e úmidas.

Conector USB não é soldado na PCB
Soldas precisam de uma atenção maior pela fabricante (melhorar o controle de qualidade).

Conclusão

Como já comentei antes, qualquer teclado que utilize switches de baixa qualidade, mesmo que sejam excelentes em todos os outros aspectos, não irão durar muito tempo e isso já foi comprovado inúmeras vezes por outros usuários e também por nós, reviewers. E assim acabo por Não Indicar o Xzone GTM-01.

Xzone GTM-01 tem vários acertos, mas falha no mais importante
Xzone GTM-01 tem vários acertos, mas falha no mais importante

Os switches Outemu podem sim ter um baixo custo e trazer teclados mecânicos mais baratos ao mercado, mas o complicado é quando temos modelos mecânicos que usam switches de boa qualidade (como Kailh e Gateron) na mesma faixa de preço, e é isso que gostaria que todas as marcas fizessem.

De indicações nesta faixa de preço ficam o Pichau P631K RGB e o Motospeed CK107 K96, ambos com switches de boa qualidade e que devem durar muito mais tempo que os modelos Outemu utilizados no GTM-01 da Xzone, e sim, switches são o motivo pelo qual não indicamos ele.

Prós
  • - Garantia de 3 anos
  • - Keycaps Double-shot
  • - Acabamento superior
Contras
  • - Switches Outemu
Xzone GTM-01
6.5