Análise Gabinete Riotoro CR500 | Uma boa opção na faixa dos R$300?

Hoje trazemos o review do CR500, Gabinete que custa R$330 e tem formato Mid-Tower. Vamos descobrir se ele é bom e se vale a pena pagar um pouco mais de R$300, ou se há outras opções mais favoráveis no mercado.

Por Hardware Pular para comentários
Análise Gabinete Riotoro CR500 | Uma boa opção na faixa dos R$300?

A Riotoro já esteve presente no mercado brasileiro antes, e quando esteve aqui, seu foco havia sido em periféricos. Neste ano, a marca retorna ao território brasileiro, mas com maior foco em hardware, e hoje trazemos o review do gabinete da marca, o CR500, que custa R$330 e tem formato Mid-Tower. Vamos então descobrir se ele é bom e se vale a pena pagar um pouco mais de R$300, ou se há outras opções mais favoráveis no mercado.

O gabinete foi mandado pela Riotoro, e é o mesmo que foi utilizado em nosso PC de R$3000, e se caso você ainda está procurando por uma configuração para pegar em promoção na Black Friday, recomendo fortemente ir assistir a esse vídeo.

Mas, vamos então ao review do CR500, iremos falar sobre todos os aspectos, tanto bons quanto ruins, a começar pela construção externa do produto.

Construção Externa

A primeira impressão que temos do gabinete é muito boa, e isso tanto nos visuais quanto na rigidez da estrutura, parte que muitos gabinetes apresentam fraqueza quando totalmente desmontados. Vamos começar de cima pra baixo, falando sobre as portas presentes no topo do gabinete.

Encontramos 2 botões, o Power que tem um círculo vermelho iluminado por LED quando o computador está ligado, e o botão Reset, que não tem iluminação. Também temos 3 portas USB, com 2 sendo 2.0 e a outra 3.0 (Azul). E por último, há um conector para fones de ouvido e para microfones, ambos P2. Também temos uma saída de ar na parte superior traseira, que tem uma grade de metal como filtro de ar, removível por dentro.

Botões e portas USB
Botões e portas USB

Agora ao painel frontal, que tem uma grade de metal que serve como filtro de poeira. Já a estrutura do painel é toda de plástico preto brilhoso - ou Black Piano, como preferir - com o Logotipo da marca iluminado por outro LED vermelho, que deve ser conectado a um conector Molex da fonte para acender.

Logotipo frontal com a grade
Logotipo frontal com a grade

Indo para o lado esquerdo (olhando de frente), temos o vidro temperado lateral, que tem uma pequena linha preta nas extremidades, enquanto que no meio o vidro é transparente, deixando toda a configuração dentro do seu PC visível, seja para o bem ou para o mal. (Cable Management FTW)

Vidro temperado lateral
Vidro temperado lateral

No outro lado temos um painel em lata, na cor preto e com acabamento fosco. Ele é, literalmente, uma chapa metálica que serve somente para deixar o gabinete completamente fechado, e nada mais. Uma pequena falha que notei aqui, foi a falta de uma elevação no centro da tampa, que facilitaria o cable management e ajudaria na hora de fechar o gabinete, que dependendo de qual fonte for usada, pode ser que os cabos atrapalhem, e aí será necessário alguém ajudar para fechar a tampa.

Painel esquerdo não é concave, o que dificulta no cable management
Painel esquerdo não é concave, o que dificulta no cable management

Na traseira temos literalmente nada de interessante, temos uma traseira normal como a de todos os outros gabinetes Mid-Tower. Há 7 slots de expansão para placas PCI, há também 2 aberturas, uma para a fonte, na parte debaixo, e outra para a placa mãe. Também é possível ver que há suporte para fans/radiadores de até 120mm na parte traseira, e a marca inclui 3 juntos ao gabinete.

Parte traseira do gabinete
Parte traseira do gabinete

E por último, embaixo do gabinete encontramos uma pequena surpresinha: 2 filtros de ar magnetizados, ambos servindo para filtrar o ar que a fonte respira. Como falei, eles são magnetizados, então basta puxar para retirar e limpar, sistema que deveria ser implementado em todo e qualquer gabinete.

Filtro de ar duplo na parte inferior
Filtro de ar duplo na parte inferior

Essas são as características externas do CR500, agora vamos para a parte interna dele.

Construção Interna e Montagem

Divisão Principal

A construção interna do gabinete é muito importante, e atenção aos pequenos detalhes faz toda a diferença por aqui.

Iremos então começar por onde colocamos a placa mãe, onde o gabinete tem suporte para Mini-ITX, Micro-ATX e ATX, com os furos já contendo espaçadores para que não aconteçam curtos com a placa mãe, e sim, haviam gabinetes mais antigos que não vinham com espaçadores já instalados.

Parte principal do gabinete
Parte principal do gabinete

Logo ao lado, temos os furos para o organizar os cabos da fonte e passá-los da parte traseira do gabinete para a área principal, mas há um pequeno erro de cálculo aqui por parte da Riotoro, onde a placa mãe fica por cima dos furos com cobertura em borracha, assim inutilizando o uso dessas saídas.

Placa mãe fica posicionada em cima das saídas
Placa mãe fica posicionada em cima das saídas

A placa mãe usada foi uma Micro-ATX, então ela não é a maior das placas disponíveis, e se caso você utilize uma placa mãe ATX alongada, como uma X299 ou X399, é possível que não seja possível utilizar nem as saídas para cabos ao lado das baias de SSD, então recomendo a se manter a, no máximo, formato ATX.

Claro que este erro de design irá retirar alguns pontos na decisão final da nota, mas ele também ganha alguns pontinhos por ter uma dessas passagens de cabo logo abaixo de onde montamos a GPU, e isso é realmente uma mão na roda, principalmente se use uma configuração em SLI/Crossfire.

Saída para cabos de GPU
Saída para cabos de GPU

Falando nisso, o gabinete tem espaço interno para placas de até 40cm de comprimento, então até uma Galax RTX 2080Ti HOF, que é uma das maiores placas de vídeo do mercado, cabe sem problema algum e ainda sobra mais de 5cm de espaço até chegar aos fans frontais, então podem ficar tranquilos.

Comentei também sobre suporte a SSDs/HDs de 2.5" na área principal do gabinete, e ele realmente tem suportes, como se fossem "Displays", que mostram o SSD na parte frontal do gabinete. Há encaixes para duas peças, sendo que ambas ficam montadas na posição vertical, não na horizontal, como vemos em outros gabinetes.

Espaço para SSDs na vertical
Espaço para SSDs na vertical

Como já mencionei antes, temos furação para fans de até 120mm na traseira do gabinete, que recomendo usar como um exaustor. Já na parte superior, mesmo havendo uma pequena saída de ar filtrada, não há encaixes para fans, então só é possível colocar na frente e na traseira. Aliás, na frente é possível pôr até dois fans de 140mm.

Fan traseiro j incluso
Fan traseiro já incluso

Em questão de Water Coolers, também é possível pôr radiadores na parte frontal, porém estes ficam limitados entre 120 e 240mm, sem a possibilidade de 140 ou 280mm, além do radiador traseiro, que também fica em seu máximo de 120mm, mesmo tamanho do fan traseiro.

H espaço para radiador de até 240mm
Há espaço para radiador de até 240mm

Creio que é isso que eu tenho a dizer sobre a parte principal do gabinete, não é o melhor do mundo, mas também deixa a desejar. A sua maior falha, pelo menos até o momento, é a má localização da furação de cabos com cover, que fica literalmente embaixo da placa mãe e as torna inutilizáveis, sendo obrigatório o uso das laterais, o que perde todo o propósito das outras existirem em primeiro lugar.

E essa furação e material há mais é cobrado do cliente, pois temos gabinetes de outras marcas que oferecem as mesmas opções (sem cover de borracha para os cabos), mas que também tem preço reduzido.

Mas, vamos ver como ele se sai na parte de traz, será que é sua redenção?

Divisão Traseira

Começando por suportes a HDs e SSDs, afinal na frente só haviam dois. Na traseira, encontramos mais 2 suportes dedicados a drives de 2.5", que ficam posicionado logo atrás dos encaixes frontais. É possível utilizar todos os 4 populados ao mesmo tempo, você só terá que colocar os frontais primeiro.

Suporte traseiro para SSDs
Suporte traseiro para SSDs

Quando se trata de HDs, temos 2 encaixes de plástico na parte inferior, na posição horizontal, que ficam logo a frente dos cabos da fonte. Ambos os encaixes tem furação para drives de 2.5", então é possível usar até 6 SSDs de 2.5" ou 4 SSDs 2.5" e 2 HDs 3.5", a escolha de distribuição e de quantidade fica por vocês (avá).

Jaula dos HDs, não removível
Jaula dos HDs, não removível

Sobre espaço para fontes, não espere colocar uma muito grande no gabinete, pois não haverá espaços para os cabos da mesma, e infelizmente não é possível remover a gaiola onde os suportes de HDs ficam, fazendo com que o máximo de espaço para uma fonte seja de 23cm, contando com os cabos, então não recomendo nenhuma fonte maior do que 15cm, senão haverá muito pouco espaço para os cabos e pode acabar por danificá-los.

Espaço para fontes
Espaço para fontes é limitado

No mais, temos os cabos de conexão do painel frontal, alguns pontos onde você pode prender e organizar seus cabos - a Riotoro incluiu cintas plásticas para o Cable Management, pontos aqui - e é isso que temos na divisão traseira.

O que deixa a desejar aqui, como já comentei antes, é a falta de espaço para os cabos, e não a falta de lugar onde prendê-los, e isso acontece por causa da chapa lateral esquerda não ser concave, algo que não se faz presente na grande maioria dos gabinetes, e que no final faz com que ou você esmague seus cabos, ou a tampa lateral fique torta para fora, e nenhuma das alternativas é boa.

Performance

O Airflow do gabinete é sem dúvidas um dos seus pontos fortes, temos filtros de ar em quase todas as saídas, e não há partes sólidas bloqueando a entrada de ar pela frente, algo que muitos gabinetes novos tem pecado constantemente, e isso também ajuda a manter as boas temperaturas que vimos em nosso hardware.

Nosso setup acaba por trabalhar em um estilo neutro de airflow, onde basicamente a mesma quantidade de ar que entra é a que sai. Você pode até argumentar: "Mas há dois fans frontais que puxam o ar (intake), enquanto um só que joga pra fora (exhaust).", e você estaria corretíssimo, porém há bastante resistência na parte frontal, com filtro de ar em conjunto com parte da estrutura do gabinete, o que acaba por limitar a quantidade de ar movida pelos dois fans, enquanto que o traseiro quase que não tem restrição.

H bastante restrição nos fans frontais
Há bastante restrição nos fans frontais

Em conjunto com a B360M Aorus Gaming 3, quando as temperaturas estavam baixas o suficiente, os fans desligavam, algo que é realmente muito útil, e a inclusão de 3 fans é uma mão na roda, e um ponto positivo para quem quer uma máquina bem silenciosa e ao mesmo tempo bem eficiente.

Peças j dentro do gabinete
Peças já dentro do gabinete

A marca está realmente de parabéns neste aspecto, pois é um ponto forte do produto e ele recebeu a devida atenção, tanto que a marca comenta bastante sobre o airflow em seu marketing, tanto na caixa quanto em seu site, e eles estão corretíssimos em fazer isso. Vidro temperado é bonito? É, mas não em locais que passagem de ar é necessária.

Conclusão

Agora que já examinamos quase que todos os aspectos do gabinete, vamos ao seu veredito, vale ou não vale a pena comprá-lo? Bom, vamos compará-lo aos seus concorrentes diretos, que são os seguintes: Sharkoon TG5, Redragon Grimlock, Deepcool Matrexx, Deepcool Earlkase, Thermaltake Versa J21 e Cougar Turret.

Visualmente falando, o Earlkase é o que mais me agrada, mas ele tem um grande problema com airflow, que o CR500 não tem, outra coisa que o CR500 não tem é uma fita com controladora RGB, pena ser conector proprietário (fica a dica, Deepcool). O TG5 é um dos queridinhos da galera, e eu entendo o porque, ele tem boa modularidade, boa organização, bastante espaço interno (caixa dos HDs é removível, por exemplo), mas pode não ter espaço o suficiente para os cabos da fonte caso use um HD, assim como o CR500, e tem o mesmo problema que o Earlkase: Airflow.

Já o Grimlock aparenta ter algumas coisas a mais, como portas USB, mais espaço para SSDs frontais, e Fans RGB, mas de resto aparenta ser bem parecido com o CR500. O Matrexx aparenta ser bem interessante, mas ele não tem a divisão interna para a zona frontal e traseira, literalmente questão de gosto e que não deve influenciar em nada, e ele também tem suporte para até dois fans 120mm no topo, só não sei dizer se radiadores caberiam.

O Versa J21 aparenta ser tudo sobre aparência e pouca funcionalidade, com a frente parecendo ser completamente fechada, assim como o Earlkase. Segundo a marca, há suporte para 2 fans de 140mm tanto na frente quanto no topo, e já há um fan 120mm incluso na parte traseira. E por último, o Turret é o que tem maior suporte a radiadores e fans, e o único da lista a suportar um radiador de 360mm, enquanto que os outros se limitam a 240, porém sua respiração também aparenta ser um pouco limitada, mas isso iremos descobrir em nosso review do Cougar Turret RGB, que estamos fazendo e deve ficar pronto nas próximas semanas.

Riotoro CR500
Riotoro CR500

Agora que já fizemos uma comparação com basicamente todos os seus concorrentes diretos, vale ou não vale a pena comprar o CR500? Vale sim, e o que deve definir a sua compra é a aparência. Ele tem bons recursos, bom airflow e construção geral boa, sua real falha fica na placa mãe cobrir os buracos para a passagem de cabos e a falta de uma chapa concave na traseira, para abrigar melhor os cabos.

Mas de resto, o gabinete é muito bom e não temos reclamações, não temos ângulos ruins ou dificuldade em mexer nas peças quando instaladas, o que já é uma boa vitória (Earlkase peca nesse sentido, por exemplo), e os 3 fans inclusos realmente bom.

Então, Indico o Riotoro CR500, ele tem falhas, mas se você pode viver com elas, vai ficar bem satisfeito. Sobre os outros gabinetes, eles tem sim pontos melhores, mas este daqui também, e no final fica a ponto de você decidir o que é mais importante para você na hora de montar o seu PC.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Carregar comentários