Medicamento desenvolvido através de inteligência artificial (IA) entra em fase de testes com humanos

Recentemente a startup Exscientia, em parceria com a empresa farmacêutica Sumitomo Dainippon Pharma, anunciou o início dos testes com humanos de um medicamento desenvolvido através de inteligência artificial (IA).

Por Tecnologia
Fonte: anth
Fonte: anth

Foi anunciado recentemente que a criação de uma molécula medicamentosa, desenvolvida através puramente de inteligência artificial (IA), será utilizada em testes em humanos. O resultado faz parte de uma parceria entre a startup britânica Exscientia, focada em biotecnologia, e a empresa farmacêutica japonesa Sumitomo Dainippon Pharma. A droga foi criada para tratar pessoas que possuem transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e seu composto foi descoberto através de sistemas da Exscientia.

Uma droga demora 4 anos e meio começar os testes em humanos, mas com IA é possível em menos de 12 meses

Normalmente, para chegar ao estágio de testes clínicos em humanos, uma droga demora aproximadamente 4 anos e meio. Entretanto, utilizando ferramentas de IA, é possível, de acordo com a Exscientia, chegar neste nível em apenas 12 meses ou até menos. O medicamento, chamado de DSP-1181, foi desenvolvido através da utilização de algoritmos para filtrar possíveis compostos e compará-los com um enorme banco de dados de parâmetros, que inclui, por exemplo, a genética de um paciente.

Durante uma entrevista feita pela BBC, o professor chefe da Exscientia, Andrew Hopkins, diz:

"É um marco fundamental na descoberta de drogas."

Andrew complementa dizendo:

"Temos visto diagnósticos de pacientes utilizando IA, além de análise de dados e exames de pessoas, mas o que fizemos foi o uso da IA diretamente para a criação de um novo medicamento. São necessárias bilhões de decisões para encontrar as moléculas corretas e é uma decisão enorme projetar um medicamento com precisão. Mas a beleza do algoritmo é que eles são agnósticos, portanto, podem ser aplicados a qualquer doença."

Dr. David Hallett é o diretor de operações e chefe de descoberta de medicamentos através da utilização de inteligencia artificial (IA). Fonte: exscientialtd (Twitter)
Dr. David Hallett é o diretor de operações e chefe de descoberta de medicamentos através da utilização de inteligencia artificial (IA). Fonte: exscientialtd (Twitter)

Exscientia afirma que já está desenvolvendo medicamentos para câncer e doenças cardiovasculares

O medicamento recém desenvolvido entrará para a fase de testes no Japão, e se forem bem aceitos, seguirão para testes ao redor do mundo. A empresa afirma que já está trabalhando em medicamentos para o tratamento de câncer e doenças cardiovasculares. A expectativa é que até o final do ano a companhia já possua outra molécula pronta para testes clínicos.

O executivo-chefe do Instituto de Pesquisa do Câncer, Paul Workman, não participou da pesquisa, mais disse:

"Acho que a IA tem um enorme potencial para aprimorar e acelerar a descoberta de medicamentos. Estou animado para ver o que acredito ser o primeiro exemplo de um novo medicamento que agora está entrando em ensaios clínicos em humanos, criado por cientistas que usam a IA de uma maneira importante para orientar e acelerar as descobertas."

Como será a aceitação de medicamentos criados por maquinas com inteligência artificial?

Com a vinda de medicamentos criados por máquinas com inteligência artificial, iremos enfrentar uma mudança de paradigmas e consequentemente será necessário haver uma mudança de modo de pensar. É provável que durante os testes com o medicamento para tratar o TOC, o DSP-1181, enfrente resistente por parte de alguns pacientes, afinal, é algo muito diferente. De qualquer forma, é justamente para isso e outros aspectos que são feitos experimentos antes de liberar para comercialização.

Fonte: exscientia, Engadget, BBC

Compartilhe com seus amigos: