Cientistas desenvolvem algoritmo capaz de identificar quando uma criança está usando o celular

A novidade da vez chega através de uma parceria entre pesquisadores da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, com os de Zhejiang, na China.

Por | @oficinadanet Tecnologia

Ainda há muitas controvérsias em relação ao tempo em que uma criança possa usar aparelhos eletrônicos. A principal questão está associada ao que realmente as crianças acessam no dispositivo, o que pode ser bastante perigoso caso não exista um permanente controle por parte dos pais ou responsáveis. A boa notícia é que pesquisadores já estão encontrando alternativas para proteger os mais jovens.

A novidade da vez chega através de uma parceria entre pesquisadores da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, com os de Zhejiang, na China, em que rendeu um algoritmo que é capaz de detectar se uma criança está fazendo algo inapropriado no smartphone. Ao detectar, a própria tecnologia impede que a criança continue mexendo em algo que ela “não deveria”.

Cientistas desenvolvem algoritmo capaz de identificar quando uma criança está usando o celular.Cientistas desenvolvem algoritmo capaz de identificar quando uma criança está usando o celular.

Leia também:

Já existem aplicativos que são capazes de monitorar as atividades das crianças, porém, eles precisam de uma ativação do responsável, o problema é que a própria criança pode desativar a função. No que diz respeito ao algoritmo, os aparelhos podem ficar nas mãos das crianças com bastante tranquilidade dos pais.

A ferramenta funciona levando em consideração que crianças e adultos usam o celular de modo diferente. Os pesquisadores dizem que as crianças deslizam o dedo na tela de forma diferente. Outro ponto determinante é a pressão aplicada na tela que se difere entre as faixas etárias.

A conclusão surgiu após um estudo realizado com crianças entre 3 a 11 anos e adultos de 22 a 60 anos que utilizam aparelhos Android.

O algoritmo atingiu uma precisão de 84% com apenas um deslize, e 97% após oito.

SHARE
+ Notícias
Comentários
 
  • ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    As melhores publicações no
    seu e-mail