Facebook é processado por contribuir com terroristas

A ação menciona a lei de 1992 contra o Terrorismo, que proíbe qualquer empresa e corporação norte-americana a fornecer qualquer tipo de ajuda a grupos terroristas e seus líderes.

Facebook é processado por contribuir com terroristas

O Facebook está sendo processado por ter cooperado com ataques terroristas. A ação está sendo movida por cinco famílias, que alegam que a rede social proporcionou apoio ao grupo Hamas em ataques que acabaram vitimando várias pessoas em Israel entre os meses de junho de 2014 e março de 2016. A ação foi encaminhada oficialmente na segunda-feira (11).

A ação menciona a lei de 1992 contra o Terrorismo, que proíbe qualquer empresa e corporação norte-americana a fornecer qualquer tipo de ajuda a grupos terroristas e seus líderes.

Assim, as famílias que tiveram familiares mortos em ataques realizados no período estão solicitando ao menos US$ 1 bilhão em danos. A ação está centrada no Tribunal Federal de Nova York e é representada pela Shurat Hadin-Istael Law Center.

De acordo com a advogada Nitsana Darshan-Leitner, que está liderando a ação, o processo "não deve surpreender o Facebook, que tem provido com conhecimento sua plataforma social e serviços ao Hamas, a seus líderes e afiliados durante anos, apesar das repetidas queixas e advertências de que não deveria fazê-lo".

A rede social, de acordo ainda com a advogada, "deve ser responsabilizada por seu papel em facilitar a atividade terrorista do Hamas, incluindo os atos de terrorismo que resultaram em feridos e vítimas fatais nesta ação".

O Hamas reconheceu "a tremenda utilidade e valor do Facebook como uma ferramenta para facilitar a habilidade desse grupo terrorista de se comunicar, recrutar membros, planejar e conduzir ataques e impor medo a seus inimigos", disse a advogada no processo. Durante anos, o Hamas "manteve abertamente e usou contas oficiais do Facebook com pouca ou nenhuma interferência", acrescentou.

No processo, é citado que o Hamas, que é considerado um grupo terrorista de Israel, possui "contas ativas no Facebook e utilizar o site como uma plataforma para difundir sua propaganda e sua incitação à violência" 

As redes sociais, no entanto, utilizam a seção 230 da Electronic Frontier Foundation, que apoia os direitos dos usuários na web.

O melhor celular intermediário para importar?

Conteúdo relacionado

MOTO G50 5G REVIEW: Vale a pena comprar celular 5G com ótima bateria?
Celulares

MOTO G50 5G REVIEW: Vale a pena comprar celular 5G com ótima bateria?

Testamos o Moto G50 5G por alguns dias e aqui você confere os pontos positivos e negativos deste intermediário de entrada com preço bem interessante, desempenho aceitável e bateria sensacional.

Agência que recrutava influenciadores digitais brasileiros para elogiar políticos é descoberta no Twitter
Internet

Agência que recrutava influenciadores digitais brasileiros para elogiar políticos é descoberta no Twitter

PT é acusado por propagandas irregulares pela internet. Partido teria contratado influenciadores digitais para elogiar candidatos.

Facebook bane mais de 400 aplicativos pelo uso ilegal de dados
Segurança digital

Facebook bane mais de 400 aplicativos pelo uso ilegal de dados

Teste de personalidade myPersonality é banido do Facebook.