Curiosity detecta emissão de gâs metano em Marte

Quarta-Feira, 17 de dezembro; de acordo com cientistas da missão Marte, da NASA, o robô Curiosity que algum tempo já explora o planeta vermelho, detectou alguns pontos ou picos de emissão de gás metano no referido planeta.

Por Tecnologia Pular para comentários
Curiosity detecta emissão de gâs metano em Marte

Segundo esses cientistas, a descoberta registrada surpreendeu a todos, dando um novo ânimo para continuar as buscas por sinais de vida em Marte. Uma dessas descobertas foi à emissão de gás metano aparentemente exalada na cratera Gale.

Vale ressaltar que a NASA já havia anunciado em 2009 a descoberta deste gás em concentrações que iam de 20 a 35 partes por bilhão; entretanto, em 2012 quando a sonda-robô posou em solo marciano, ela não encontrou nenhum vestígio de gás metano, sendo que agora com essa descoberta há uma explicação plausível pela incoerência desses dados, pois a emissão de gazes vindas das profundezas do planeta é "periódica".

Em nota, o pesquisador da Universidade de Michigan, Sushil Atreya, explica que: "Existem muitas fontes possíveis, sendo elas biológicas e não biológicas, como por exemplo, a interação de água com rochas".

Após oito meses sem detectar absolutamente nenhum pico de gás metano na atmosfera de Marte, a Curiosity com a ajuda do instrumento nela equipado, denominado de "SAM", conseguiu novamente medir essas emissões de gases, chegando a atingir o pico de 5 ppb; após esse registro, a sonda-robô ainda detectou por mais dois meses a emissão deste gás, emissões essas que oscilaram entre 5 ppb até incríveis 9 ppb.

No entanto, a média de oscilação ficou em 7 ppb, quando retornou a valores em torno de 0,7 ppb (partes por bilhão). O gás metano é um composto orgânico, com moléculas orgânicas compostas de carbono, e geralmente por hidrogênio e oxigênio, sendo esse gerado por fenômenos biológicos ligados a vida ou por fenômenos geológicos.

Mesmo tendo encontrado esse gás na atmosfera de Marte, a NASA destaca que as amostras de atmosfera e de pó de rochas apresentadas até agora, não revelam se o planeta vermelho já possuiu algum tipo de ser vivo em algum momento ou se esse material tenha chegado ao planeta através de meteoros, onde a Agência Espacial Norte-Americana diz o seguinte: "Mesmo não sabendo se existe ou existiu algum ser vivo nesse planeta, a descoberta nos jogam luz sobre um planeta Marte moderno quimicamente ativo e em condições favoráveis para a vida no passado".

Esses novos resultados foram publicados na edição de segunda-feira, 15 de dezembro, da revista "Science", sendo eles apresentados na conferência anual do sindicato de geofísicos americanos, em San Francisco, nos Estados Unidos.

Compartilhe com seus amigos:
Comentários:
Carregar comentários