Twitter entra na luta contra o Coronavírus combatendo a desinformação

À medida que as teorias da conspiração sobre o coronavírus se espalham na internet, o Twitter está tomando novas medidas para combater a desinformação sobre o vírus.

Por Redes sociais
A doença respiratória causada pelo coronavírus já atinge 13 países em 4 continentes
A doença respiratória causada pelo coronavírus já atinge 13 países em 4 continentes

O Twitter anunciou que evitará resultados de pesquisa automatizados que "provavelmente direcionarão indivíduos para conteúdo sem credibilidade" e, em vez disso, usará a pesquisa para direcionar usuários a informações autorizadas de organizações como os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

A abordagem é muito semelhante ao trabalho que o Twitter fez para combater a desinformação relacionada às vacinas em sua plataforma.

Esse esforço, que também incentiva os usuários a "conhecer os fatos", direciona as pesquisas relacionadas à vacina para o site vaccines.gov, um departamento do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), em um esforço para desencorajar teorias da conspiração e outras informações incorretas.

"... Lançamos um novo prompt de pesquisa dedicado para garantir que, quando você for ao serviço para obter informações sobre o #coronavírus, primeiro receba informações confiáveis ​​e autorizadas", escreveu o Twitter em comunicado . A empresa formou parcerias com organizações em 14 países, incluindo EUA, Austrália e Japão, e afirma que se expandirá para mais locais "conforme a necessidade".

Embora o Twitter diga que ainda não viu "tentativas coordenadas significativas de espalhar desinformação" relacionadas ao coronavírus, houve mais de 15 milhões de tweets relacionados ao problema apenas nas últimas quatro semanas.

Segundo a empresa, as teorias de conspiração viral e a desinformação sobre o coronavírus já estão se espalhando no Facebook, Instagram, TikTok e Telegram.

Portanto, embora seja improvável que o Twitter acabe com a desinformação do coronavírus, a empresa diz que espera contribuir com os esforços "para conter a ameaça".

Recomendação do editor:

Compartilhe com seus amigos: