Oficina da Net Logo

O que é o 5G? A nova geração de internet que pretende levar a tecnologia ao seu auge

A quinta geração de conectividade móvel deverá revolucionar a comunicação dos aparelhos. Saiba tudo sobre a nova tecnologia.

Por | @oficinadanet Internet Pular para comentários

Países asiáticos e os Estados Unidos estão sempre na frente quando o assunto é tecnologia e inovação digital. Em especial, a internet nesses países é o ponto de maior destaque em termos de revolução no mundo das comunicações, modo de vida, tecnologias em geral e agora, inclusive, os sistemas de produção. Estamos falando das gerações da internet, 2G, 3G, 4G e o tema em questão: o 5G.

Atualmente, a rede 4G já está presente em vários locais do mundo, mesmo assim, a 3G ainda é dominante. Frente a isso, as empresas já estão trabalhando duro para a implantação da rede 5G. Nos estados Unidos, a rede 6G já vem sendo falada e tratada como um assunto importante. Mas, por enquanto, o foco ainda está na rede 5G que já chegou em alguns locais.

Para chegar até o 5G, as operadoras móveis irão trabalhar na virtualização da rede e em um melhor investimento na 4G.Para chegar até o 5G, as operadoras móveis irão trabalhar na virtualização da rede e em um melhor investimento na 4G.

Para o que a 5G serve?

Cada rede tem um preparo e um projeto diferente, o 2G foi pensado para a digitalização de voz, o 3G para dados de internet móvel e o 4G para aguentar ainda mais o grande fluxo de dados como streaming de música e vídeo, ao passo que o 5G deverá, além de downloads de até 20 Gb/s, ser capaz de atender trilhões de dispositivos conectados, não só pessoas, mas produtos eletrodomésticos, drones e robôs. Tudo será capaz de se comunicar, graças ao 5G.

Para completar, a rede 5G, além de oferecer conexões mais velozes de modo geral, também está direcionada para a internet das coisas. Em um mundo cada vez mais conectado,  a tendência é que cada vez mais aparelhos possam estar conectados e, claro, com valores mais acessíveis.

Os eletrodomésticos e a outros aparelhos comuns, incluindo os que estão ligados à internet, passarão a ser mais eficientes, proporcionando benefícios nas áreas do entretenimento, agricultura, indústria, saúde, energia e realidade virtual.

A rede 5G também irá permitir que mais aparelhos estejam conectados ao mesmo tempo, multiplicando por 100 o número de dispositivos possíveis.

No que diz respeito ao meio ambiente, a expectativa é que haja uma redução de 90% do consumo de energia.

Sobre velocidade do 5G

Em relação à velocidade para o consumidor, pode ser um pouco menos do que a capacidade total que a 5G pode alcançar. Como a rede 4G LTE, que pode atingir uma velocidade de transferência de 1 gigabit por segundo mas o usuário não chega a ter esse acesso. Com a quinta geração funciona da mesma forma, porém, dos 20 Gb/s o consumidor pode conseguir algo acima de 10Gbps, mas ainda não se pode confirmar esse fato.

A velocidade da quinta geração tem uma diferença de até 250 vezes mais rápida do que a quarta, o que significa que vem por aí mudanças consideráveis para o modo de funcionamento das coisas.

Uma das principais melhorias que incorporam a 5G é a redução da latência, ou seja, o tempo de resposta que um celular leva entre receber o sinal e executá-lo. Assim sendo, quanto mais baixa a latência, mais rápido o dispositivo responde quando acionado à distância.

Usando como comparação, o 4G tem um delay de 10 milissegundos, enquanto o 5G é reduzido a 1 milissegundo. Porém, existem obstáculos como paredes, prédios, sinais e ondas que podem reduzir ou afetar a qualidade da velocidade.

Um demonstrativo das velocidades de 5G:

Banda e frequência

Existe um caminho por onde os dados dos smartphones transcorrem para gerar comunicação. Este caminho se chama de banda, e ela é a responsável por gerenciar a transferência de dados. Para que isso aconteça, as informações de voz, vídeo, áudio ou texto são convertidas de um telefone em um sinal elétrico que passa para uma torre de celular, via rádio. Depois disso, passa da torre por uma rede que leva as informações a um servidor ou a outro telefone. Essa transferência de dados promete ter uma banda muito mais larga e de maior frequência no 5G.

Em consequência do aumento da banda, a frequência também expande. Isso eleva o número de dispositivos que ficarão conectados no 5G e nas outras redes móveis.

As faixas de frequência da 4G são de até 20 MHz, e a 5G mesmo não tendo um padrão definido deve ter em torno de 60 GHz. O número é mais alto pelo fato de ser uma geração de rede móvel nova, a qual não é ainda muito utilizada, e justamente por isso, pode receber dados mais livremente. Resumindo, as bandas com frequência mais alta promete mais espaço para transição de dados e assim, fica mais difícil ser afetado por interferência ou obstáculos que alteram a rapidez.

São variadas aplicações que a rede móvel da quinta geração pode trazer, levando maior infraestrutura para realidade virtual, agricultura de alta precisão e até computação em nuvem, por exemplo. Para chegar até o 5G, as operadoras móveis irão trabalhar na virtualização da rede e em um melhor investimento na 4G, pois ela servirá como apoio ao 5G.

Os carros, os eletrodomésticos, aparelhos que podem ser vestíveis como um óculos, todos eles poderão ser conectados à rede 5G e conversarem entre si.

Smartphones compatíveis com a rede 5G

Levando em consideração os avanços da rede 5G, várias empresas já lançaram aparelhos compatíveis com a tecnologia. As primeiras e principais empresas a lançarem aparelhos equipados com a quinta geração de internet são a Huawei, a LG, a Samsung, a Xiaomi e a ZTE.

Confira a lista de aparelhos compatíveis com a rede 5G:

  • Samsung Galaxy S10 5G: O aparelho é uma atualização do S10 padrão, porém, com compatibilidade com a rede 5G.
  • Huawei Mate X: A Huawei apresentou o aparelho durante o MWC deste ano e ele chega com tela de 6,6 polegadas e 11 mm de espessura quando dobrado (o aparelho é dobrável). O processador é Kirin 980, possui ainda 8 GB de RAM, 512 GB de armazenamento e chipset Balong 5000 multi-modo 5G e bateria de 4.500 mAh. Ele será lançado incialmente na Europa.
  • LG V50 ThinQ: O modelo chega com processador Snapdragon 855, display QHD + OLED de 6,4 polegadas. O aparelho foi revelado durante o MWC 2019.
  • Xiaomi Mi Mix 3 5G: O aparelho possui display OLED de 6,39 polegadas, com design de tela infinita. O modelo conta com 6 GB de RAM e até 128 GB de armazenamento.

Aparelhos que devem ser lançados em 2019

  • Huawei P30 Pro ou Mate 30
  • Oneplus 7 ou Oneplus 7T
  • Smartphone 5G da Oppo
  • Smartphone 5G da Honor
  • Sony Xperia 2

Vale mencionar que os smartphones adquiridos antes de 2019 não tenham funcionalidade na nova rede de dados móveis. De qualquer forma, o 4G vai permanecer funcionando, com chances de melhorar a qualidade, com as pessoas migrando para o 5G, tende a diminuir a demanda do 4G.

A internet das coisas

O próximo grande passo do mercado para viabilizar o 5G é oferecer um serviço de “internet das coisas” (IoT é a sigla em inglês). Isso poderá ser possível graças à redução da latência, que aprimora a internet das coisas a um ponto que teremos tudo conectado, além de apenas dispositivos. Os carros, os eletrodomésticos, aparelhos que podem ser vestíveis como um óculos, todos eles poderão ser conectados à rede 5G e conversarem entre si.

Segundo a Huawei, existem atualmente sete bilhões de dispositivos conectados à internet, já a previsão para 2025 com a IoT generalizada é de 100 bilhões de aparelhos conectados. E ponto alto é que esses produtos não precisarão ficar necessariamente ligados pelo wi-fi, pois poderão usar o 5G caso haja queda de conexão.

Os carros autônomos possuem a necessidade fundamental da internet de quinta geração para funcionarem com segurança, pois os veículos vão precisar processar vários terabytes de dados ao dia. Nessa situação, o carro deve ter sensores como câmeras, sistemas e radares para captarem a informação da rua, como placas e pedestres, e assim devem processá-la para reagir em milissegundos. Veja um vídeo da Huawei sobre a nova tecnologia:

Nesse contexto que a baixa latência entra em cena, pois a reação de comandos para carros sem motorista deve ser o mais rápido e correto possível. Além disso, a rede ainda deverá estar cobrindo os recursos de entretenimento dentro do veículo como música via streaming ou notícias.

E ainda possuem muitas coisas que melhorarão sua capacidade, como robôs de telepresença que permitem videoconferência com pessoas de longe, com imagem e conexão estável. Também fazem parte os assistentes pessoais para a casa, que poderão se beneficiar da constante conexão. Armazenamento em nuvem, serviços de streaming de música e vídeo, realidade virtual, tudo pode ser beneficiado com 5G, tornando a experiência muito mais imersiva.

Intel nas Olimpíadas 2018.Intel nas Olimpíadas 2018.

 

Desafios para aplicar 5G

Atualmente, não basta a tecnologia ser construída para funcionar. Existem limitações físicas, principalmente em países continentes como é o caso do Brasil. Para o funcionamento de redes 5G, seria necessário investimentos em infraestrutura da rede, assim como foi a migração de 3G para o 4G.

Além da infraestrutura física, antenas, equipamentos nos pontos de acesso, será necessário discutir sobre o espectro de rede, que é regulamentado por órgãos governamentais. Como as redes 4G já saturaram as frequências que poderiam ser usadas pelo 5G, serão necessárias novas frequências, mais altas. Essas, não abrangem uma região tão grande quanto as menores, para compensar, as operadoras terão que instalar mais bases de transmissão. 

Como está o cenário da rede 5G no mundo

Em vários locais do mundo a rede 5G já está em pleno desenvolvimento, sendo que nos países asiáticos e nos Estados Unidos estão bem mais adiantados nesta corrida tecnológica.

Nos Estados Unidos, por exemplos, operadoras como AT&T e Verizon já iniciaram os testes da rede. Na China, a previsão para o lançamento comercial é para 2020, através da China Unicom e da China Telecom.

O Japão deve lançar o 5G antes dos jogos olímpicos e paraolímpicos de verão, em agosto de 2020.

De acordo com um documento do Observatório Europeu, além dos Estados Unidos, China, Japão e da União Europeia, outros países como a Índia,  Austrália,  Canadá,  África do Sul e os países do Golfo, como os Emirados Árabes Unidos, o Qatar e a Arábia Saudita estão na frente do desenvolvimento da rede 5G.

E no Brasil?

O Brasil anda a passos vagarosos em relação a implantação da rede 5G. De acordo com o presidente da Anatel (Agência Nacional das Telecomunicações), Leonardo Euler, afirmou que um edital para 5G deve ser lançado ainda neste ano e que um leilão irá ocorrer até março de 2020. O processo é fundamental para a instalação da infraestrutura de internet móvel, já que estabelece quem tem direito de explorar o espectro.

Mesmo assim, para o próximo ano ainda não está prevista a chegada da rede 5G ao país. A expectativa é de que os planos comerciais com a rede 5G sejam liberados a partir de 2021.

Assista ao nosso último vídeo: