Oficina da Net Logo

SP irá usar satélite para oferecer internet pública

A intenção é ampliar o uso da internet em diferentes locais da cidade de São Paulo.

Por | @oficinadanet Internet

Conforme divulgamos em uma outra matéria, o programa Internet para Todos já possui ao menos 30% dos municípios brasileiros interessados. Agora, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) divulgou uma parceria com a prefeitura de São Paulo para o uso da capacidade do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC) como parte do programa Internet para Todos. O documento foi assinado pelo ministro Gilberto Kassab e o prefeito João Doria, no dia 26 de fevereiro.

A intenção é aumentar a cobertura da banda larga em todo o município, tanto no que diz respeito ao Wi-Fi gratuito em parques e praças como também em instituições como bibliotecas, centros esportivos, entre outros. A ideia é duplicar os 100 pontos de acesso Wi-Fi da cidade.

SP irá usar satélite para oferecer internet pública.internet pública." src="https://www.oficinadanet.com.br/imagens/post/21978/6ba53c07480d86e6ffe0307ffaa3d5d1_750x469_5a9594443b925.jpg" alt="SP irá usar satélite para oferecer internet pública." />SP irá usar satélite para oferecer internet pública.

Leia também:

“Para cada localidade, imediatamente o governo federal, através da Telebras, levará sua antena, que tem atuação mínima de raio de 2 km. Isso significa que qualquer localidade de São Paulo terá conectividade através de antenas”.

Américo Bernardes, diretor do departamento de inclusão digital da secretaria de Telecomunicações do MCTIC, diz que a Telebras e a Viasat irão “avaliar, botar uma antena, fazer atendimento a essa comunidade, além de realizar venda de serviços”.

“Você pode me perguntar se é mais razoável espichar cabo – pode ser. Não precisa necessariamente fazer via satélite, pode espichar o cabo e colocar Wi-Fi. Tem empresa que considera colocar ponto a ponto de rádio e colocar uma femtocell, uma small cell para distribuir 3G e 4G. Este modelo que estamos levantando é um que o governo federal pode fazer o atendimento, mas não é modelo fechado ou exclusivo”, disse Américo Bernardes.

COMPARTILHE
Comentários