Chamadas de spam cresceram 300% em 2018 no mundo

Os Estados Unidos caíram do segundo país com mais spam para o oitavo em um ano, de acordo com a Truecaller. Diferentemente do Brasil que está em primeiro lugar da lista.

Por Brasil Pular para comentários

De acordo com um relatório da Truecaller, um serviço de identificação, as chamadas de spam cresceram 300% em todo o mundo neste ano. O fato ocorre em grande parte dos países, mesmo assim, em alguns deles houve um declínio, como é o caso dos Estados Unidos.

Os Estados Unidos caíram do segundo país com mais spam para o oitavo em um ano, de acordo com a Truecaller. Os usuários do serviço de identificação de chamadas receberam cerca de 17 ligações por mês, menos que as 21 em 2017. Grande parte das ligações são referentes a seguro ou cobrança de dívida, aponta o relatório.

Chamadas de spam cresceram 300% em 2018 no mundo.Chamadas de spam cresceram 300% em 2018 no mundo.

Nenhuma razão aponta a queda, mas as autoridades têm tentado cada vez mais reprimir os usuários ilegais.

Porém, o problema continua aumentando em outros lugares. O Brasil foi considerado o país com mais spam em 2018, com o usuário recebendo em média 37 chamadas de spam por mês. O fato ocorre em razão das incansáveis chamadas de operadoras de telecomunicações e chamadas relacionadas a eleições, enfatizou a empresa. A Índia ocupava a primeira posição em 2017, e caiu para o segundo lugar neste ano.

De acordo com a Truecaller, no total, os seus usuários receberam 17,7 bilhões de chamadas de spam entre janeiro e outubro. Vale mencionar que a Truecaller não usa dados de fora de sua base de clientes, sendo assim, a situação pode ser outra, de modo geral. Mesmo assim, é um grande indicativo da quantidade de spam recebido durante o ano.                                                                                                                                    

Fonte: The Verge 

Mais sobre: Brasil, chamdas, spam
Compartilhe com seus amigos:
Rafaela Pozzebom
Rafaela Pozzebom Graduada em Letras pela UFSM e especialista em Tecnologias da Informação e da Comunicação aplicadas à educação
FACEBOOK //
Quer conversar com o(a) Rafaela, comente:
Carregar comentários